A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
A VIDA POLITICA

Pré-visualização | Página 19 de 21

r
e
n
ú
ji
A
c
rise
m
ilitar
c
o
m
eçara
ainda
cm
1921,
e
m
plena
c
a
m
panha
eleito
c
o
m
o
episc5clio
das
c
a
rtas
-
-
falsas
—
atribuidas
a
A
rthur
B
ernardes
que’
atingiriam
a
honra
cio
m
a
re
chal
1-Ternios
da
lo
n
seci.
D
epois
da
eleitoral
da
R
eação
R
epublicana.
1 lernies
da
Foiiseca.
presidente
do
C
1
u
M
ilitar,
inStou
se
u
s
(‘om
panheiros
de
a
rm
a
s
a
não
reprim
irem
as
rebeliões
populares
que
o
c
o
rriam
n
o
R
ecift
c
o
ntra
o
s
re
sultados
das
u
rn
a
s
.
Foipreso
e
o
C
lube
M
ilitar
fechado
por
u
m
flhinist
ro
da
G
uerra
Civil.Pandií
C
alóger
O
levante
m
ilitar
de
1922
n
o
Forte
de
C
opacabana
deu
início
a
o
cham
ado
m
o
vim
ento
teneniista.
ciue
atu
alizaria
a
a
n
tiga
clont
rina
do
soldlaclo—
cidao
‘
M
ais
u
rn
a
v
e
z
.
o
levante
dosjovens
m
ilitares,
m
a
n
tendo
o
m
odelo
da
pro
clam
ação
da
R
epública
e
m
1889,
Precisou
atrair
u
m
m
ilitar
de
alta
patente
(no
c
a
so
,
1 lernies
da
Fonsecaj
e
c
olocar-se
form
alinente
ao
lado
da
lei.
As
ten
sões
m
ilitares
obrigariam
B
ernardes
a
governar
P
raticam
ente
todo
o
se
u
m
a
ndato
e
m
e
stado
cio
sítio.
U
m
n
o
v
o
levante
ten
en
tista
em
São
P
aulo,
e
m
1
9
2
4
,
c
o
ntra
o
presidente
cio
e
stado,
C
arlos
de
C
am
pos,
tam
bém
a
ssu
m
iria
c
o
m
o
su
as
a
s
bandeiras
de
reform
as
que
m
obilizavam
as
c
a
m
adas
m
édias
u
rbanas.O
levante
de
1924,
c
o
m
desdobram
entos
e
n
te
a
oficialidade
cio
E
xércitc)
n
o
R
io
G
rande
cio
Sul,
daria
o
rigem
à
C
oluna
M
iguel
C
osta-l.uiz
C
arlos
P
restes,
que
p
c
o
rre
u
por
três
a
n
o
s
o
interior
do
país,
c
o
m
batida
pelo
E
xército
e
por
tropas
c
o
ro
n
elistas.
B
ernarcies
não
reprim
iu
apenas
a
s
tropas
ten
en
tístas
e
o
m
o
vim
ento
operário.
Interveio
e
m
todos
o
s
e
stados
dissidentes.
N
o
R
io
de
Jam
eiro
de
N
ilo
Peçanha.
diante
de
n
o
v
a
dualidade
de
a
s
s
e
m
bleias,
n
o
m
e
o
u
u
m
in
te
rv
e
n
to
r,
v
e
n
c
e
u
a
s
eleicõc’s
e
incorporou
o
e
stado
ao
jogo
político
em
c
o
ndições
de
s
ubalternidade.
Sua
ação
n
o
Rio
G
rande
dc)
Sul,
apoiando
a
c
a
ndidatura
oposicionista
de
\ssis
B
rasil
c
o
n
tra
B
orges
cio
M
edeiros,
re
s
ul
tou
e
m
n
o
v
a
guerra
civil
que
só
foi
c
o
n
cluícla
(‘um
a
n
egociação
e
ntre
as
partes
e
m
luta,
inediada
pelo
m
inistro
da
G
uerra.
B
urgos
cio
M
edeiros
foi
c
o
n
siderado
iflilS
tiiiia
v
e
z
re
eleito,
m
as
a
C
onstit
cnçào
cio
estaclc)
foi
revista
e
x
tinguindo
o
princípio
da
re
eleicão
e
definindo
u
m
a
c
o
ta
cio
representaçãO
para
a
m
inoria.
O
s
rebeldes
foram
a
nistiados.
C
om
as
oligarquias
dissidentes
subm
etidas,
o
n
o
m
e
do
paulista
W
ashington
Luís
foi
cliscutido
apenils
e
n
tre
M
inas
G
erais
e
São
Paulo. 1 1h12
V
ez
n
o
governo,
e
n
tretan
to
,
a
política
de
W
ashington
Luís
tendeu
a
graclati—
V
arnente
se
afastarde
M
inas
G
erais. Por
o
ut
i’o
lado.
a
política
cio
su
stefltaÇaO
cio
pm
c
ço
cio
ifc
iii
int
m
cl
1
ck
sch,
o
govo
(nO
1P
ido
1k
5501
iti
ii
Ii
1(11
V
eZ
c
a
s
n
as
discussões
parlam
entares
elas
deixaraflm
de
se
r
filosóficas
e
a
r
a
m
U
fli
tom
de
indignação
n
a
década
de
192o.A
cluestão
operária
_
illb
c
re
s
cia
e
m
im
portância
política.
Em
1927,
O
B
loco
O
perário
c
o
o
iu
eleger
Ufl’I
deputado
m
a
s,
e
m
s
eguida.
a
A
ssem
bleia
L
egislativa
u
m
a
alteração
n
o
C
ódigo
Penal
que
c
olocou
todas
a
s
o
rganizações
o
rá
ri
n
a
ilegalidade
gerando
inúm
eros
protestos.
•N
a
su
c
e
ssão
de
W
ashington
l.um
s,
m
ais
u
m
a
v
e
z
OS
grandes
e
stados
não
chegariam
a
u
m
flO
fl’
de
c
o
n
se
n
so
. C
ontra
a
c
a
ndidatura
oficial
do
paulista
Júlio
P
restes,
foi
lançada
a
c
a
ndidatura
cio
gaúcho
G
etúlio
V
argas.
V
argas
havia
s
u
c
edido
B
orges
de
M
edeiros
mia
u
’e
sidência
dc)
R
io
G
rande
dc)
Sul
e
u
nificara
se
u
e
stado
atraindo
o
apoio
dos
liberais.
C
ortejado
a
indicar
o
vice
n
a
chapa
paulista,
a
c
abou
c
a
ndidato
a
presidente
por
iniciativi
de
M
inas
G
erais.
C
ontava
ainda
c
o
m
o
a
p
o
io
da
Paraíba,
que
indicou
d)
c
a
ndidato
a
vice-presidente, João
Pessoa,
e
ainda
c
o
m
várias
dissidências
e
staduais,
-
inclusive
e
m
São
Paulo,
sob
o
rótulo
de
Partidos
D
em
ocratas.
V
argas
fazia
parte
de
u
rn
a
n
o
v
a
geração
de
políticos
n
o
Rio
G
rande
do
Sul,
c
o
nhecida
c
o
m
o
geração
de
1
9
0
7
,
que
trouxe
à
c
e
n
a
pública
n
o
m
e
s
L
co
m
o
Lindolfo
C
ollor
e
O
sw
aldo
A
ranha,
tam
bém
cham
ados
de
ten
en
tes
‘
‘
civis. A
c
rítica
às
práticas
oligárdluicas,dentro
dos
m
a
rc
o
s
de
re
n
o
v
ação
das
elites
políticas
n
o
s
e
stados,
iria
incorporar,
e
m
alguns
c
a
so
s,
u
m
ideário
a
ndliberal,dando
o
rigem
à
influente
v
e
rtente
do
pensam
ento
so
cial
c
o
n
s
e
r
v
ador
n
o
B
rasil, inspirado
e
m
a
utores
c
o
m
o
A
lberto
Toi’res
e
O
liveira
V
iana,
que
c
o
n
struiria
a
fam
osa
dicotom
ia
e
ntre
o
B
rasil legal
e
o
l3rasil
re
al
e
que
tom
ava
a
perspectiva
de
ro
m
pim
ento
c
o
n
stitucional
m
e
n
o
s
im
provável.
Osdiscursos
de
G
etúlio
Vam’gas, durante
a
c
a
m
panha
da
A
liança
Liberal.
v
e
ra
rn
Corno
eixo
c
e
ntral
a
c
rítica
ad)
c
o
ntrole
cio
E
stado
pelos
fazenclei
ro
s
do
café
e
a
abertura
cio
m
e
sm
o
p
i’’l
o
utros
interesses
agrícolas,
m
a
s
a
c
e
n
a
v
a
m
tam
bém
para
setores
e
c
o
nóm
icos
em
em
’gentes,
a
n
u
n
ciando
teses
industrialistas
“
não
a
rtificiais’,
v
oto
se
c
reto,
e
xpansão
cii
alfiibetizaçào
e
Políticas
so
ciais
para
o
s
trabalhadores.
A
m
ruuom
•ia
do
e
m
presariacio
indus
trial,
e
ntretajito,
c
e
rro
u
fileiras
(‘0111
O
c
a
ndidato
oficial
Júho
Prestes
e
c
:
:
Partido
R
epublicano
lauhsti,
que,
c
o
m
o
e
ra
de
hábito,
v
e