A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
A VIDA POLITICA

Pré-visualização | Página 3 de 21

c’m
n
m
\’in’ic-m
iticãc)
sigilosa.
-
A
pesar
cIo
pies
iiiio
pessoal do
im
peradom
’,
o
golpe
itão
su
scitou
re
ações
iniediatas
de
tflaior
v
ult
o.
N
o
C
am
po
cio
Sant
amia,
o
niinist
m’o
da
M
arinha,
barao
de
laclário,
m e
n
to
u
se
opor
ao
s
n
’v
olt
o
so
s
m
a
s
levou
dois
tiros.
i’aoi
bem
não
produziu
ntanifc’si
ações
festivas
d’tilim
siasm
aclis.
C
oo
ti
role
bc’ni
a
s
sinalo
1
1
a
hist
o
riadom
’a
M
aria
T
ereza
C
haves
cio
M
(‘11(1,
liiiia
m
o
n
a
rcpm
ia
JC
Sem
51t5tC
lii
leão
Política
e
a
e
xpectativa
reform
ista
da
opim
uão
c
a
rioca
deram
00
d’se
m
u
o
u
m
quê
cIo
m
udança
in
e
vit
uível.
A
A
D
H
T
IN
A
PA
R
A
O
M
U
N
D
O
-
_
_
1
A
V
ID
A
I’I)LÍTIC
A
A
A
H
L
X
rIIR
P
A
R
A
O
M
E
N
O
R
A
V
IV
A
P
O
LÍTIC
A
COIIREIO
DO
POVO
_
_
_
VIVA
O
EXERCITO-VIVA
A
ARMADA!
V
IV
A
O
PO
V
O
B
R
A
Z
IL
E
IR
O
!
PROCLAMACÃO
Corrc’ io
cio
Povo,
‘(i0
co
m
ci
fo
i
cio
clii1a’odc1m
6
do
Reptí bluo
16
de
iicivc’jnbi’ci ifi’
1889
D
O
C
U
M
IN
i
II
I,R
IG
IN
R
L
A
C
E
R
V
O
I’IIN
IIAÇAO
R
IB
IlO
iJIl
N
A
C
IO
N
A
L
,
lIV
,S
It
C
onsum
ado
o
golpe
de
Est
a
clo,
i n
st
abu—
se
u
m
governo
provisório.
liderado
por
1 )eocbom
n
o
qual
m
i litarc’
de
c
a
rreira
o
fli’
prO
l
1 )eodoro,
p
re
sid
e
n
te
,
e
o
n
u
n
ist
lo
da
\1,ii’i irlia.
E
duardo
\V
andenkolk
1
e
m
ilir
a
re
s
de
fo
rn
iacão
L
en
h
i1
ica
IB
eiriam
ini
C
o
n
staiit.
m
in
istro
(la
G
u
erra).
i’ip
iih
lic’an
o
s
h
isto
ric
o
s
( Q
uini ino
B
ocaiúva.
m
inistro
das
R
elacõ
es
E
x
te
rio
re
s.
A
rist ides
Lobo,
m
iii
istro
cio
In
te
rio
r)
e
m
te
le
c
t
riais
r
e
fo
rm
ista
s
(Rui
B
arbosa,
in
in
is
tro
da
Fazenda),
m
uitos
cicies
posit i»isi
as
(l)enic)t
rio
R
ibeiro,
11111jst
ro
da
A
gricultura)
aléni
de
m
e
m
bros
do
Partido
R
epubitcaiio
P
a
u
lista
(Cam
pos
Saies,
m
inistro
da
Justiça),
e
stiveram
representados, dando
c
o
n
ta
das
fbrças
que
at
u
ai’iJlii
n
a
In
siii
u
cionalizaçao
do
n
o
v
o
regim
e.
O
prim
eiro
decreto
do
n
o
v
o
gor’ei’tio
declarou
“proclam
ada
proviso
rianiente
e
decretada
c
o
rn
o
lorm
a
de
governo
da
N
ação
B
rasileira
-
—
A
R
epública
Federativa
(art.
10),
até
o
pronunciam
ento
definitivo
da
N
ação,
iivrem
ente
e
xpressado
pelo
sufrágio
popular”
(art.
70),
ejá
n
o
se
u
lreãm
bulo
m
udava
o
n
o
m
e
do
pais
para
listados
U
nidos
do
B
rasil
e
tran
sform
ava
e
m
e
stados
as
a
ntigas
provincias. Sinalizava
a
ssim
para
a
opção
federalista
c
o
m
o
a
prim
eira
das
reform
as
a
se
re
m
im
plem
entadas,
c
o
n
tem
plando
d
e
m
a
nda
do
Partido
R
epublicano
Paulista,
principal
força
civil
o
rganizada
n
o
n
o
v
o
regim
e.
A
c
o
n
stituinte
eleita
e
que
se
re
u
niu
u
m
a
n
o
depois
barrou
a
possibilidade
de
c
a
ndidatos
m
o
n
a
rquistas.
A
tensão
inicial
e
n
tre
a
ten
tação
de
u
m
a
ditadura
m
ilitar
positivista
e
u
nia
república
c
o
n
stitucional
foi
v
e
n
cida
pelos
c
o
n
stitucionalistas.
Em
19
de
n
o
v
e
m
bro
de
1889,
o
decreto
de
qualificacão
de
eleirom
’es
c
o
n
c
e
deu
o
titulo
de
eleitor
a
“todos
o
s
cidadãos
brasileiros
n
o
gozo
de
se
u
s
direitos
civis
e
politicos,
que
so
uberem
ler
e
e
sc
re
v
e
r”
.
N
o
n’tês
seguinte.
m
a
rc
a
ra
m
-se
as
eleições
para
o
dia
15
de
s
etem
bro
de
iSgo. O
M
inistério
do
Interior
rapidam
ente
n
o
m
e
o
u
u
m
a
c
o
m
issão
pm
ra
redigir
o
a
n
teprojeto
da
C
onstituição,
ainda
que
m
uit
,is
das
reform
as
e
m
pruutrt
n
o
final
do
Im
pério
cO
o
tenham
ir
e
sperado
por
ela,
N
ão
se
m
poléirriois,
C
am
pos
Soles,
n
o
M
inistério
da
11151 iça.
im
plenienioci
a
separação
da
Igreja
e
cio
listado
a
ntes
m
e
sm
o
tia
C
onstituinte,
c
o
m
base
e
m
projeto
cio
liberal
Rui
B
arbosa
e
do
Positivista
I)em
et
rio
R
ibeiro.
aprovando
c)
c
a
sa
m
e
n
to
civil
obrigatório,
a
Secularil,ação
dos
cem
itcii’ios
e
a
i’egtilarizacãii do
registro
civil.Em
grande
parte,
aproveitaram
-se
o
s
0111 igos
sim
bolos
m
o
nirqtticos,
c
o
m
o
o
dc’senho
e
as(‘Ores
da
bandeira
im
perial.
a
c
re
scida
do
lem
a
positivista
—
‘
‘o
rdem
e
progresso»
—
‘
e
a
m
úsica
do
hino
n
a
cional
c
o
m
n
o
v
a
letra.
A
C
onstituição
srtncionadct
O
iii
1891
d’onsagrava
o
prc’sidlenc’ialism
o, (‘0111
m
a
ndato
de
quatro
a
n
o
s,
e
o
federalism
o,
c
o
m
gi-ande
auilt
o
m
iom
ia
prura
o
s
estadlcis
(1110
teriam
c
o
n
stituição
própria,
forças
puiblinis
a
rm
adas,
c
apacidade
91)
91
—
1
92
de
c
o
n
trair
e
m
préstim
os
internacionais
ejtistiças
e
staduais
e
specíficas
ainda
q
u
e
s
u
b
o
rd
in
ad
as
a
u
rn
a
legislacão
u
n
ificada
e
à justica
téder,il. N
a
prática,
e
ssa
a
u
to
n
o
m
ia
ficava
relativam
ente
lim
itada
pela
dist
ribsiicão
d
a
principais
lin
steS
de
re
ndas
públicas.
A
os
c’st idoS
rabia
o
im
posto
de
c
’xpoiliviO
.
de
turm
a
que
apenas
o
s
e
stados
e
xpoi’tcdores
gozariam
i e
alm
ente
de
a
utonom
ia
financeira. O
governO
federal
c
o
n
c
e
ntraV
a
as
re
ndas
do
im
posto
de
im
p
o
ia
cão. A
pesar
do
princípio
da
independêilciil
dos
poderes
a
c
o
n
stiflhiÇao
c
o
n
feria
atribuicões
dilatadas
ao
i.egíslativo. que
api’OS’aVa
o
o
rçam
ento
federal
e
tinha
o
poder
de
c
riar bancos
de
e
m
issão
e
e
m
pregos
públicos
federais, de
decidir
sobre
a
o
rganiZ
acão
das
Forças
A
rm
adiiS.
além
do
direito
e
x
clusivo
de
v
e
rificar
e
re
c
o
nhecer
o
s
poderes
de
se
u
s
m
e
m
bros.
As
Forças
A
rm
adas
e
ra
m
declaradas
obedientes
a
o
governo
eleito,
‘dentro
dos
lim
ites
da
lei’,
o
que
de
c
e
rta
form
a
re
c
o
nhecia
ao
s
m
ilitares
a
possibilidade
de
interpretara
lei para
legitim
ar possíveis jntei’enÇÕCS,
n
o
e
spírito
do
pi’incipio
do
s
o
ld
ad
cidadão,
defendido
por
B
en
a
m
in
C
onstant
e
a
m
o
cidade
m
ilitar.
A
n