A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
19 pág.
cidadania_m05_unisuam A2

Pré-visualização | Página 7 de 7

– Coleção Explorando 
o Ensino – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2010
OLIVEIRA, Roberto Cardoso, Identidade Étnica, A Sociologia do Brasil Indígena 2ª 
ed – Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1978
______________________________, Identifi cação e Manipulação In: Identidade, Etnia e 
Estrutura Social. São Paulo: Livraria Pioneira, 1976
Desafi os Globais Cidadania
19
PERRONE-MOISÉS, Beatriz, Índios Livres e Índios Escravos – Os princípios da legislação 
indigenista do período colonial, in CUNHA, Manuela Carneiro da (Org.), História dos 
Índios no Brasil – São Paulo: Companhia de Letras: Secretaria Municipal de Cultura: 
FAPESP, 1992
RAMALHO, Sergio, População indígena cresce 205% desde 1991, etnias chegam a 2005 
– Rio de Janeiro: O GLOBO, 11/08/2012
SANTOS, Sílvio Coelho dos, O direitos dos indígenas no Brasil, in SILVA, Aracy Lopes da; 
BENZI, Luís Donizete (Org.) – A temática indígena na escola: novos subsídios para professores 
de 1° e 2° graus – 2ª ed. – São Paulo: Global, Brasília: MEC: MARI: UNESCO, 1998
SOLIS, Ruth Shady. Caral, a Cultura mais antiga das Américas. História Viva, São Paulo, 
Edição Especial Temática, N. 10, 2005.
STAVENHAGEN, Rodolfo. Los Derechos Indígenas. In: ZAMBRANO, Carlos Vladimir (Ed.). 
Etnopolíticas y Racismo: Confl ictividad y Desafi os Interculturales en América Latina. 2ª 
ed. Bogotá: Universidad nacional de Colômbia, 2003.
TASSINARI, Antonella Maria Imperatriz – Sociedades indígenas: introdução ao tema da 
diversidade cultural, in SILVA, Aracy Lopes da; BENZI, Luís Donizete (Org.) – A temática 
indígena na escola: novos subsídios para professores de 1° e 2° graus – 2ª ed. – São 
Paulo: Global, Brasília: MEC: MARI: UNESCO, 1998
SITES:
- http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/notícias/noticia_visuallizaaphp?id-noticia
Acesso em agosto de 2012
- http://www.ibge.gov.br/indigenas/grafi co.html 
Acesso em agosto de 2012
- http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/16001.htm
1 - Para melhor conhecer essas generalizações e como elas podem e devem ser desconstruídas, ver, por exemplo, OLIVEIRA 
(2010), onde estas são exemplifi cadas de forma didática e questionadas.
2 - Cabe observar que, nos censos de 1991 e 2000, a categoria cor ou raça aparecia apenas na Amostra; por conseguinte, 
o contingente indígena da população brasileira só passou a ser investigado no quesito cor ou raça do questionário básico 
no último censo.
3 - No Período Colonial, o termo negro tinha, pelo senso comum da época, um signifi cado aproximado a escravo.
4 - Diferentemente da tutela comum: “No regime de tutela especial estabelecido para os índios há intervenção judicial, 
pois apropria lei já indicou o tutor, que é um órgão vinculado ao Poder Executivo Federal e cuja responsabilidade também 
escapa ao controle judicial (...) Desse modo, o exercício da tutela fi ca, inevitavelmente, condicionado à política indigenista 
do Poder Federal”. (DALLARI, apud SANTOS, 1998, p.98)
5 - “São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, e os direitos originários 
sobre as terras que tradicionalmente ocupam, cabendo à União demarcá-los, proteger e fazer respeitar todos os seus 
bens,” (Constituição da República Federativa do Brasil)
6 - No trabalho citado, Gohn faz uma interessante síntese do processo de mobilização e organização das populações 
indígenas no Brasil contemporâneo, relacionando esse processo à legislação indigenista.