A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
AULA 04 O Perfil dos Educadores que trabalham na Creche

Pré-visualização | Página 1 de 1

Cont. Met. e Prát. de Ens. de Creches e Educ. Infantil
Aula 04: O Perfil dos Educadores que trabalham na Creche
Ao discutirmos o perfil desejável dos educadores que trabalham em creches é necessário ressaltar dois aspectos fundamentais que servirão como base para a discussão que será proposta nessa aula.
O primeiro aspecto é quanto ao perfil, pois, considerando que as pessoas possuem características individuais que refletem sua cultura, sua história de vida e as relações afetivas que tiveram ao longo da vida, não devemos pensar em um controle rígido que incentive um padrão, pois cada um terá uma forma diferente de desenvolver o trabalho com crianças a partir de suas características individuais. É preciso esclarecer que a intenção é traçar critérios que valorizem o papel desse profissional, baseando-se nas Diretrizes Nacionais da Educação Infantil. O primeiro aspecto é quanto ao perfil, pois, considerando que as pessoas possuem características individuais que refletem sua cultura, sua história de vida e as relações afetivas que tiveram ao longo da vida, não devemos pensar em um controle rígido que incentive um padrão, pois cada um terá uma forma diferente de desenvolver o trabalho com crianças a partir de suas características individuais. É preciso esclarecer que a intenção é traçar critérios que valorizem o papel desse profissional, baseando-se nas Diretrizes Nacionais da Educação Infantil. 
O segundo aspecto é quanto a questão de gênero, pois tradicionalmente a profissão de professor de educação infantil tem sido ocupada exclusivamente pelo universo feminino, refletindo uma concepção de trabalho doméstico e maternagem. Cabe aqui fazer uma pergunta: é possível a inserção de educadores (gênero masculino) no desenvolvimento de trabalhos pedagógicos que envolvam o cuidar e o educar para crianças na faixa etária de 0 a 5 anos?
Com relação a esse aspecto CERISARA (2002, p.30) ressalta:
“Insistir sobre o caráter social das relações de gênero significa considerar que, além de uma categoria biológica, o gênero também é uma categoria histórica. Ou seja, o fazer-se homem ou mulher não é um dado resolvido no nascimento, pelas características biológicas de cada um, mas construído por meio de práticas sociais masculinizantes ou feminilizantes, de acordo com as diferentes concepções presentes em cada sociedade.”
Perfil dos profissionais de educação infantil.
Contexto sociocultural - Ao traçar o perfil profissional  de professores de Educação Infantil devemos considerá-los em seu contexto sociocultural; o que significa incluir além das questões de gênero, questões de raça, idade e classe social. É importante considerar que este assunto é bastante complexo e existem poucos parâmetros para defini-lo de forma absoluta.
Humor e disposição - Para esse profissional que estamos delineando a partir das considerações das diretrizes postuladas pelo governo e considerando as diferenças dos aspectos socioculturais, alguns pontos são importantes.  Entre eles o fato de procurar estar com bom humor e bem disposto, pois as crianças são ativas e rápidas, por isso necessitam de educadores com essas características.
Emoções infantis - Outro ponto importante é procurar atuar como mediador entre a criança, as suas emoções e o seu ambiente, isso significa ser capaz de interpretar e compreender o que uma criança está sentindo, por isso envolve o conhecimento de muitas emoções.
Compreender as próprias emoções é essencial para saber lidar com os sentimentos das crianças. Em primeiro lugar, é necessário que os adultos compreendam e aceitem suas próprias emoções, principalmente, quando essas não são consideradas socialmente positivas, como: raiva, inveja, ciúme entre outras. Geralmente, ao ouvir “Não”, as crianças manifestam irritabilidades ou choros, por isso, saber lidar bem com essas situações é muito importante. Facilita bastante o fato de um adulto saber lidar de forma equilibrada com seus próprios sentimentos. Ter equilíbrio emocional facilitará o oferecimento de uma sólida base de afeto – sorrir e falar carinhosamente com as crianças é importante para que elas não se sintam ameaçadas ou pressionadas a fazer coisas que impeçam seu desenvolvimento.
Veja outros pontos muito importantes no trabalho com a Educação Infantil!
É importante saber organizar o espaço e o tempo de modo a favorecer a aprendizagem e o desenvolvimento das crianças. Com relação a esse aspecto é essencial organizar detalhes do ambiente, procurando criar uma atmosfera de segurança, como exemplo: sala bem ventilada, limpa, bonita, com objetos, imagens e cores que estimulem a imaginação. Importante também é distribuir o tempo de modo adequado entre as diferentes atividades do dia, para não cansar as crianças e nem deixá-las sem atividades. Desde pequenas as crianças já demonstram uma grande capacidade de ajuda mútua. É importante que o professor possa organizar possibilidades em que as crianças ajam umas com as outras, de maneira que vivam a multiplicidade de experiências e superem desafios.
É importante levar as crianças a participarem do processo de tomada de decisão, ou seja, levá-las a fazer uso frequente da palavra e articular ideias de maneira lógica e clara. Isso irá ajudá-las a descentrar e coordenar diferentes pontos de vista, permitindo que possam ser mais autônomas.
Atualmente, pesquisas demonstram que é fundamental possibilitar às crianças o direito de escolher e de argumentar no sentido de negociar e renegociar as normas, avaliando se são justas e, caso não sejam, que possam rediscuti-las de forma continuada e contando com a participação ativa de todos, adultos  e crianças.
Tradicionalmente, as regras eram oferecidas para a criança de forma autoritária, em uma relação em que só o adulto poderia afirmar impositivamente como as coisas seriam organizadas, e muitas vezes nem mesmo procurando ser justo com  a criança. Um aspecto facilitador é o fato de poder dialogar com a família procurando saber o que acontece em casa, fazendo relações com o que acontece nos espaços educativos.
Processo de tomada de decisão
MELLO (2009, p. 05) enfatiza que:
“Como no mundo tudo é regulado por regras, é preciso ter clareza sobre quais são os limites para que a criança possa experimentar essas regras, às vezes com a tutela, outras vezes com a supervisão dos adultos, e outras tantas sozinha, buscando construir com autonomia sua identidade, suas possibilidades de interação com o meio em que está inserida.”
Reconhecer as especificidades de cada contexto educacional é ponto chave, pois as condições de trabalho desse profissional não podem ser analisadas separadamente de seu perfil. O lugar disponível para a realização do trabalho pedagógico deverá ser o grande aliado desse profissional. Para favorecer a realização de um trabalho de qualidade é necessário pensar na quantidade de crianças para cada educador. Recomenda-se que quanto menor a faixa etária, menos deverá ser a quantidade de criança por adulto. Outros aspectos também importantes estão relacionados à distribuição do tempo e do espaço. É necessário garantir que as crianças possam escolher o que e com quem devem trabalhar, podendo expressar seus reais talentos e interesses.
Podemos resumir que entre algumas características fundamentais para os educadores de crianças estão:
respeitar e fortalecer a identidade das crianças e suas famílias;
educar e cuidar da criança, como ser total, completo e indivisível;
articular e integrar conhecimentos, de forma prazerosa;
avaliar a evolução das crianças e registrar seus progressos.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.