Análise do Mercado de Mandioca
15 pág.

Análise do Mercado de Mandioca


DisciplinaMicroeconomia I6.856 materiais202.533 seguidores
Pré-visualização3 páginas
FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDA DE SÃO PAULO
ANNE CATHERINE OLIVEIRA ALMEIDA - 8682552
DAYSE NAOMI KOMESU - 9322990
FELIPE EWERTON DE OLIVEIRA RODRIGUES - 8966090
MANDIOCA, A COMMODITIES
MAIS POPULAR DO NORDESTE
Artigo escrito para a matéria Economia da Empresas I, serão abordados estudos microeconômicos sobre a mandioca, uma das commodities essenciais para a agricultura de subsistência da região Nordeste.
SÃO PAULO
2015
Análise do Mercado de Mandioca
Resumo 
O Objetivo deste artigo é analisar os aspectos microeconômicos, tais como oferta, demanda, preço, classificação de bens e comportamentos do consumidor, referentes a mandioca, umas das commodities essenciais para a subsistência de muitas famílias. 
Busca-se entender como essas variáveis afetam esse bem e através desses estudos, identificar os principais problemas que possam afetar essa commoditie tornando possível propor soluções ou recomendações.
O objetivo nesse artigo é realizar uma pesquisa exploratória, buscando constatar algo na commoditie, ou um determinado fenômeno de maneira a nos familiarizar com o objetivo investigado para que possamos orientar pesquisar futuras a serem feitas com maior precisão. 
Palavras chaves 
Mandioca, commoditie, nordeste, alimento.
Market Analysis of XXXXX 
Abstract (Entrega final) 
Key Words (Entrega final) 
Introdução 
A mandioca, Manihot esculenta, também chamada de aipim e macaxeira, é planta originária da América do Sul, com mais de 1.200 espécies. O grupo optou por esse produto, pelo fato de ser grande fonte de carboidrato com custos baixos de produção, tem significativa importância social em países tropicais de baixa renda (O\u2019HAIR, 1998), resultando em estimativas que dão conta de que o número de pessoas que obtêm suas reservas de carboidratos por meio da mandioca está entre 600 e 700 milhões ao redor do mundo (FOLEGATTI; MATSUURA, s.d.).
A escolha pelo cultivo da mandioca se dá em função de algumas características, como a alta produtividade em relação a outros alimentos (GAMEIRO, s.d.), a adequação do produto às condições naturais (climáticas e de solo) de quase todo o país e a flexibilidade da época de colheita \u2013 é possível atrasar a colheita sem prejuízo de qualidade, à espera de preços mais adequados de mercado. 
No Brasil, a mandioca é um importante alimento, pois sua compra e de seus derivados pelas famílias com renda inferior a um salário mínimo é de 10% da despesa anual com alimentação, colocando-a em segundo lugar nos gastos alimentares dessa população, atrás apenas do feijão, que representa 13% (CARDOSO, 2003).
1. A abordagem da microeconomia: conceitos básicos
1.1 Conceito de oferta e demanda.
A curva da oferta informa a quantidade de mercadoria que os produtores estão dispostos a vender a um determinado preço, mantendo constante quaisquer outros fatores que possam afetar a quantidade ofertada. (Ceteris paribus) (PINDYCK, 2007).
As principais características e determinantes da oferta são custos de produção (salários, taxa de juros e custo das matérias primas) e preço, quanto maiores os custos de produção, menor é a oferta (PINDYCK, 2007). Por outro lado, quanto maior o preço de mercado, maior é a oferta.
A curva da demanda informa a quantidade que os consumidores desejam comprar à medida que o preço unitário varia, mantendo tudo o mais constante.
Com relação a demanda, seus principais determinantes são os bens substitutos e complementares, quanto maior o preço do bem substituto, maior é a demanda, enquanto que quanto maior o preço do bem complementar, menor é a demanda. Outro fator é a renda, quando maior a renda, maior é a demanda (considerando bens normais). Por fim, as preferências do consumidor também influenciam a demanda de forma diretamente proporcional. (PINDYCK, 2007).
Ambas as curvas são função do preço: O=f(p) D = f(p)
 
 Oferta Demanda
1.2 Como os preços são formados:
A curva oferta e da demanda se desloca para a direita ou para a esquerda de acordo com a mudança nas variáveis determinantes descritas anteriormente. No ponto em que as duas curvas se cruzam, dizemos que foi atingindo a quantidade e o preço de equilíbrio ou de balanceamento do mercado. (PINDYCK, 2007).
É chamado de mecanismo de mercado, a tendência, em mercados livres, de que o preço se modifique até que o mercado alcance o equilíbrio, ou seja, até a quantidade ofertada seja igual à quantidade demandada. Portanto, os preços são formados de acordo com o mercado visando alcançar o equilíbrio, em mercados com livre concorrência. 
1.3 Diferença de preço nominal e real:
A inflação influencia os preços, é considerado preço real, o preço nominal descontado o efeito da inflação. 
1.4 Elasticidade preço e renda. 
Elasticidade é a variação percentual de uma variável provocada pelo aumento de 1% em outra variável. Entre os tipos de elasticidades temos: elasticidade preço da demanda, que consiste na variação percentual da quantidade demandada de um bem provocada pelo aumento de 1% em seu preço; a elasticidade renda da demanda, correspondente a variação percentual da quantidade demandada provocada pelo aumento de 1% na renda; elasticidade (preço) cruzada da demanda variação percentual da quantidade demandada de um bem provocada pelo aumento de1% no preço de outro bem; Elasticidade preço da oferta variação percentual da quantidade ofertada de um bem provocada pelo aumento de 1% no preço desse bem. Elasticidade da demanda no ponto; Elasticidade preço da demanda relacionada a um ponto específico da curva de demanda; elasticidade da demanda no arco; elasticidade preço da demanda calculada sobre uma faixa de preços. (PINDYCK, 2007).
1.5 Características do bem (normal, superior, inferior) 
Um bem é considerado um bem normal, quando sua demanda aumenta com o aumento da renda do consumidor e vice-versa. Enquanto que, no bem superior, a demanda é altamente elástica a renda (Elasticidade > +1). Aumentos de renda do consumidor geram aumentos mais que proporcionais na demanda. E por fim, no caso do bem inferior, o aumento da renda do consumidor gera redução na quantidade demandada. 
1.6 Bens complementares e substitutos 
Os bens são considerados complementares, quando um aumento no preço de um deles leva a um decréscimo na quantidade demandada do outro. Enquanto que, os bens são considerados substitutos, quando um aumento no preço de um deles produz um aumento na quantidade demandada do outro.
2. Panorama do mercado de Mandioca : 1995-2013
 	2.1 Descrição e evolução da oferta do produto 
	A mandioca é um produto que pode ser cultivado em muitos lugares do mundo, porém por fazer parte da alimentação básica, em muitos países a maior parte é consumida pela população restando uma pequena parte para a exportação, por isso esse produto é considerado uma "mercadoria não transacionável\u201d (como o arroz). Os seus maiores produtores estão na África, onde a produção vem crescendo continuamente, seguida pela Ásia e depois a América, continente, no qual o Brasil é o principal produtor.
	Durante o período analisado pode-se perceber que a quantidade de mandioca produzida no Brasil diminui, o que se deve a fatores como \u201ca substituição de mandioca pelas rações balanceadas na suinocultura, os hábitos alimentares com preferência aos produtos do trigo, a competição de culturas mais rentáveis ou de menor ciclo e a crescente falta de mão de obra no campo\u201d.
O cultivo de mandioca está presente em todo o Brasil. É uma cultura de fácil adaptação, porém a mandioca produz melhor em regiões mais quentes, o que explica o fato de que a maior produção se concentra na região Nordeste do país, onde se encontra 3 dos 5 principais produtores. O produto é consumido quase exclusivamente na própria região. Além disso, a agricultura familiar é responsável por 83% da produção nacional de mandioca (MDA) e isso fica