A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
RESENHA FILME COBAIAS

Pré-visualização | Página 1 de 1

COBAIAS (miss Evers’ boys). Direção: Joseph Sargent. Produção:   Derek Kavanagh; Kern Konwiser; Kip Konwiser; Peter Stelzer; Robert Benedetti. EUA, HBO NYC Productions, 1997.
Credenciais do autor
Joseph Sargent foi um diretor de cinema norte-americano nascido no ano de 1925 no Estado de Nova Jersey. Considerado um diretor prolífico, pela quantidade de filmes que fazia em apenas 1 ano, chegava a fazer de 3 a 4 filmes anualmente. Segundo o presidente da DGA (Directors Guild of America) Joseph tinha um lendário domínio artesanal na direção de filmes para a televisão, não tendo medo de correr os riscos propiciados pela exigência da audiência. O próprio diretor norte-americano considerava que seus projetos possuíam uma borda,material do qual se pode retirar contribuições para a condição do homem , e é esta borda o seu duradouro legado como diretor. Diretor de várias obras como Quase Deuses e Colossus, Joseph tem em sua obra Miss Evers’ Boys (Cobaias), uma história baseada em fatos reais que se insere nos seus filmes que narram acontecimentos históricos desconfortáveis.
Resumo
O filme faz uma retrospectiva em que uma enfermeira conta sua versão do Estudo Tuskegee, desenvolvido durante décadas nos Estados Unidos para investigar a evolução natural da sífilis em negros. De início o programa se voltava a tratar os indivíduos que contraiam Sífilis em uma cidade constituída basicamente por negros. Todavia, devido problemas políticos e econômicos o financiamento para o programa cessa. Em seguida o governo propõe que o programa de tratamento se transforme em um estudo da evolução de sífilis não tratada em indivíduos negros. Tal estudo seria comparado ao estudo realizado sobre a evolução da sífilis não tratada em brancos, e assim analisar se há ou não diferenças funcionais entre negros e brancos.
Induzidos pela proposta de que após o estudo os participantes deste teriam prioridade no tratamento passando-se um período de 6 meses á 1 ano. Apesar de já serem conhecidos os efeitos terapêuticos da penicilina, e ter comprovado que tal medicamento era eficaz no tratamento da sífilis o estudo continua a fim de atingir seu objetivo inicial de confrontar os dados obtidos com os resultados de uma pesquisa realizada com brancos, quando ainda não havia tratamento para a doença. Dos 412 indivíduos portadores da sífilis que participaram do estudo, pouco mais de 100 sobreviveram. O estudo foi suspenso na década de 1970 ao se tornar público pela mídia. O caso é baseado em fatos reais epossibilita abordar questões éticas da pesquisa com seres humanos e a desigualdade racial como fator de vulnerabilidade dos sujeitos de pesquisa.
Crítica
O filme Cobaias, produzido há mais de duas décadas, tem uma importância fundamental atualmente ao retratar uma realidade de certa forma ainda persistente, tanto no tocante ao preconceito racial como no que se refere às condutas éticas que envolvem pesquisas no meio científico. A obra em questão traz uma reflexão plausível de se avaliar ao promover implicitamente indagações que questionam até onde o resultado final de uma pesquisa se sobrepõe aos direitos individuais e ao respeito com a pessoa humana. Dessa forma um momento conturbado da história é contextualizado com um viés romântico o que torna a narrativa interessante, ao mesmo tempo em que informa e provoca reflexões a respeito do que se chamou Caso Tuskegee, estudo de sífilis não tratada em homens negros.
A história narrada se inicia por volta da década de 30 e expressa muito bem a segregação racial ainda vivenciada naquela época principalmente na América do Norte, o que contribui fundamentalmente para a compreensão de todo o debate que permeia o estudo Tuskegee. Nesse sentido o filme revela a faceta mais cruel que envolve esse estudo, ao retratar o racismo e a indiferença com a população negra, uma vez que tal estudo se revela cruel impedindo os indivíduos membros do estudo de terem tratamento adequado já que no desenvolver da pesquisa surgiram formas eficazes de tratamento contra Sífilis. A partir disso, o filme se mantém fiel aos acontecimentos ao evidenciar a inutilidade da permanência do estudo, visto que já se conhecia os efeitos da Sífilis no corpo humano e já dispunha de um tratamento eficiente. Assim o viés racista da época é novamente posto em cena no momento em que a atrocidade de não fornecer tratamento aos membros da pesquisa se deve a uma tentativa de comprovar que não há diferença no funcionamento do corpo entre indivíduos negros e brancos. 
Outro ponto bem retratado no filme é a manipulação do governo frente ás atrocidades do estudo sobre a resposta do corpo de um indivíduo negro á Sífilis. Tentando amenizar a aparente crueldade do estudo e até mesmo na tentativa de parecê-lo digno, o governo norte-americano distribui quantias em dinheiro e oferece um certificado de agradecimento aos participantes do estudo, tal atitude camufla a falta de ética e faz parecer que os indivíduos receberam as informações necessárias e que se submeteram ao estudo de forma voluntária cientes do seu real objetivo.
No que se refere á estruturação do filme percebe-se uma grande coerência na ordem cronológica do filme, além disso os personagens assim como o cenário da época são apresentadas de forma fidedigna, pois são retratados perfis típicos da cidade em questão no período referenciado: Indivíduos negros, sem um bom grau de escolaridade, condições de vida bem simples e limitada. Ademais a narrativa a torna-se interessante ao ser revertida por um viés de romantismo e comoção. Tal característica se revela principalmente na relação da enfermeira Eunice Evers com um dos indivíduos que participara do programa, sendo traçado uma relação amorosa entre ambos, e até mesmo a relação da enfermeira com os demais indivíduos, mantendo a todo momento o cuidado em forma de afeto e consolo para estes, apesar de tê-los omitido informações sobre o real propósito do estudo.
Em síntese, a narrativa dirigida por Joseph Sargent direciona os profissionais e estudantes do âmbito de saúde e pesquisa a fazerem inúmeras reflexões a respeito da bioética. Para que se estabelecessem códigos de ética voltados ao respeito com o indivíduo que participam de pesquisas muitos outros indivíduos foram submetidos á atrocidades como essa evidenciada no Caso Tuskegee através do filme. Felizmente, hoje muito se evoluiu em questões de ética e questões referentes ao tratamento igual entre negros e brancos, embora ainda aconteça casos que negligenciam e burlam tal evolução no código de ética.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.