A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
QUestoes fundamentais da sociologia

Pré-visualização | Página 1 de 1

Resenha: "Questões Fundamentais da Sociologia",
 Georg Simmel.
Georg Simmel foi um dos responsáveis pela consolidação da sociologia na
Alemanha, e por criara o que se chamaria de micro-sociologia. Para Simmel, o objeto da
"ciência da sociedade" não era a vida dos indivíduos, mas sim a realidade formada a
partir delas. Com destaque no livro Questões fundamentais da Sociologia, de 1917, uma
espécie de resumo de suas principais ideias, Simmel apresenta sua concepção da
sociologia.
O eixo central do livro se dá a partir da discução entre a relação individuo x
sociedade. Simmel aponta zonas de atrito, disjunções, diferenças de níveis entre a esfera
do indivíduo: a subjetividade, o eu, a personalidade, suas motivações, impulsos, vida
pessoal, representações individuais e fatos psicológicos; e sociedade: determinações
exteriores, relação com a disparidade, com os imperativos sociais, nível da estrutura, do
sistema, da impessoalidade. A então "ciência da sociedade" teria como tarefa estudar
determinadas dimensões ou aspectos dos fenomenos que seriam encontrados nos
diferentes contextos humanos a partir do processo de abstração, eliminando as existencias
individuais que estão imersos na complexa realidade social tornando então possível
compara-los.
Caracterizando a reflexão sociológica, traz três ideias fundamentais: a de
distância (em que os objetos de analise podem ser vistos por diferentes angulos), a de
sociação (formas ou modos pelos quais os atores sociais se relacionam.) e a dos
principais problemas da sociologia. Este último, referindo-se ao método sociológico, é
dividido em Sociologia Geral (refere-se à noção de que a realidade não pode ser
apreendida em sua imediaticidade), Sociologia Formal, ou pura ("conteídos objetivos"
que ainda não são sociais para si mesmos, de tipo sensorial, espiritual, técnico ou
psicológico.) e Sociologia Filosófica (leva em consideração a sociedade como um fato, é
o estudo dos seus aspectos epistemológicos e metafísicos).
Simmel sustenta diversos dualismos, não somente entre individuo x sociedade.
Partindo do momento em que a Sociologia começa a estudar sobre o processo de
socialização e a vida em grupo, surge o questionamento sobre a vida individual x vida
social, suas diferenças e semelhanças. Simmel ressalta que apesar da sociedade ser
iminente ao individuo, o mesmo não se resume a ser integrante do grupo social. Cada
individualidade ao se contrapor a individualidade do outro acabaria por resultar em
caracteristicas unicas. Na contramão disso, há a ideia de semelhança onde aparece o
conceito de "massa", esta considerada inferior onde, apesar de sua capacidade de
produzir manifestações nobres, se formularia a partir do "todo", abrindo mão da
particularidade do individual e sendo guiada pelo impulso ao invés de pela reflexão.
Entretanto, ambas são principios essenciais do desenvolvimento externo e interno do ser
humano.
Outro embate citado por Simmel é a de busca, tanto por parte da sociedade quanto
do individuo, por autonomia e liberdade. Tendo como cenário inicial o século XVIII,
desenvolve a ideia de que os individuos deviam se livrar das amarras sociais. Em seguida,
Simmel apresenta a concepção de individualidade do século XIX, onde passa a abordar o
conceito de individualidade inspirado na tradição teórica do Socialismo, mostrando não
somente que aquela ideia do século anterior de conjunção entre igualdade e liberdade não
só era irrealizavel, como entraria em outro ponto de discução: a contradição entre elas. A
igualdade pressupõe uma socialização de todos os meios de produção, enquanto esbarra
na livre concorrencia, na liberdade de todos competirem contra todos.
O pensamento ético de Simmel é conduzido a partir dessa divisão entre o social e
o humano configurando, por conseguinte, em uma "análise do individuo". Porém essa
busca do individuo por se livrar das amarras sociais não querendo mais ser visto como
posse da sociedade , não deve ser vista como uma força anti-social, pois só a partir dela
seria possivel buscar nas formas sociais modos de extinguir "sua força e excelencia", e o
"trabalho sobre si mesmo".