UFMT AULA 7   RELAÇÃO ESTRUTURA ATIVIDADE
47 pág.

UFMT AULA 7 RELAÇÃO ESTRUTURA ATIVIDADE


DisciplinaQuímica Farmacêutica e Medicinal78 materiais1.061 seguidores
Pré-visualização2 páginas
RELAÇÃO 
ESTRUTURA ATIVIDADE
(SAR)
PROTÓTIPO
\u2022 Primeiro tipo ou exemplar original, modelo.
\u2022 Diz-se do composto originalmente
identificado que apresenta atividade
farmacológica in vivo.
ANÁLOGO
\u2022 Em química, análogos são compostos nos
quais um ou mais átomos individuais tenham
sido substituídos, com um átomo diferente,
ou com um grupo funcional diferente.
\u2022 Composto cuja estrutura química é
relacionada a um outro, podendo manifestar
respostas farmacológicas distintas
GRUPO FARMACOFÓRICO
\u2022 \u201c conjunto de características eletrônicas e
estéricas que caracterizam um ou mais
grupos funcionais ou subunidades
estruturais, necessários ao melhor
reconhecimento molecular pelo receptor e,
portanto, para o efeito farmacológico
desejado\u201d
\u2022 OU SEJA parte molecular do fármaco
essencial à atividade desejada
RELAÇÃO ESTRUTURA-ATIVIDADE 
(REA / SAR) 
\u2022 Compostos com estruturas semelhantes tendem a
possuir a mesma atividade farmacológica.
Geralmente, exibem diferenças de potência e de
efeitos indesejáveis e, em alguns casos, de
atividades diferentes.
\u2022 O que é relação estrutura atividade?
R: Diferenças na atividade que estão relacionadas à
estrutura da molécula do fármaco
RELAÇÃO ESTRUTURA-ATIVIDADE 
(REA / SAR) 
\u2022 Estuda as alterações estruturais moleculares que
podem ser realizadas para ampliar a utilidade dos
fármacos.
\u2022 Estudos realizados por pequenas alterações na
estrutura de um protótipo, seguidos de testes em que
se observa os efeitos biológicos de tais modificações
químicas
RELAÇÃO ESTRUTURA-ATIVIDADE 
(REA / SAR) 
\u2022 Estudo das relações estrutura-atividade de um
protótipo e de seus análogos pode ser usado para
determinar as partes da estrutura do protótipo que
são responsáveis por sua atividade biológica.
RELAÇÃO ESTRUTURA-ATIVIDADE 
(REA / SAR) 
As relações estrutura-atividade são
determinadas fazendo-se pequenas alterações
na estrutura do protótipo
+
Avaliação do efeito que isto teve sobre a
atividade biológica.
SAR
\uf071Alteração do tamanho e conformação
1. Alteração do número de grupamentos
metilênicos
2. Alteração do grau de insaturação
3. Introdução ou remoção de anéis
Alteração do tamanho e conformação
1. Alteração do número de grupamentos metilênicos.
\uf071 Aumento tamanho e natureza lipídica
\uf0a7 atividade
\uf0a7 lipolicidade \u2013 melhor absorção
\uf071 atividade
\uf0a7 Solubilidade em água \u2013 distribuição prejudicada
\uf0a7 Retenção membranas plasmáticas
\uf0a7 Formação de micelas
Alteração do tamanho e conformação
1. Alteração do número de grupamentos metilênicos.
\uf071 ramificações na cadeia, anéis de tamanhos
diferentes e substituição de cadeias por anéis ( ou
vice versa) leva a alteração de potência e
atividade.
Alteração do tamanho e conformação
2. Alteração do grau de insaturação (lig. duplas, triplas)
\uf0a7 Remoção de duplas ligações
- Grau de flexibilidade \u2013 pode tornar mais fácil o encaixe nos
sítios ativos \u2013 conformação mais adequada
- flexibilidade \u2013 poderia resultar em mudança ou perda da
atividade
\uf0a7 Introdução de duplas ligações
- Rigidez \u2013 seletividade
- Possibilidade de isômeros ( cis/trans)
- Graus diferentes de potências ou tipos diferentes de atividade
- sensibilidade à oxidação metabólica - toxicidade
Alteração do tamanho e conformação
2. Alteração do grau de insaturação.
Cortisol (protótipo): hormônio corticosteróide produzido pelas supra-renais
Prednisona (análogo): fármaco corticóide sintético
Prednisona é 30 vezes mais potente que o cortisol.
Alteração do tamanho e conformação
3. Introdução ou remoção de anéis
\uf0a7 Mudança o tamanho do análogo e conformação
\uf0a7 Alteração não prevísiveis sobre a potência e
atividade
\uf0a7 Preenchimento de fenda hidrofóbica do sítio ativo-
fortalecimento da ligação alvo
Rolipram \u2013 antidepressivo 10x mais ativo \u2013maior preenchimento 
da fenda hidrofóbica ( anel ciclopentil)
Alteração do tamanho e conformação
3. Introdução ou remoção de anéis
\uf0a7 Sistemas aromáticos heterocíclicos
- Alteração potência e atividade
Substituição de N-dimetil por N metilpiperazina \u2013 análogo com 
potência antiémetica aumentada e atividade neuroléptica reduzida
Alteração do tamanho e conformação
3. Introdução ou remoção de anéis
\uf0a7 Incorporação de anéis
- Análogos resistentes ao ataque enzimática \u2013
impedimento estérico
Alteração do tamanho e conformação
3. Introdução ou remoção de anéis
\uf0a7 Incorporação de anéis
- Incorporação de sistemas alicíclico menores no lugar de
sistemas maiores
- Tamanho x encaixe sítio ativo
- possibilidade da existência de confórmeros
Confórmeros são estereoisómeros que se
caracterizam por poder interconverter-se
(modificar sua orientação espacial,
convertendo-se em outro isômero da
mesma molécula)
Anel ciclopropano-geralmente mais estável 
que grupamento etilênico C=C
SAR
\u2022 Grupamentos metila
\u2022 Grupamento halogênios
\u2022 Grupamentos Hidroxi
\u2022 Grupamentos ácidos carboxilicos
\u2022 Grupamentos tíois, sulfetos e outros contendo 
enxofres
Introdução de novos substituintes
\u2022 Grupamentos metila
- hidrofobicidade
Introdução de novos substituintes
\u2022 Grupamentos metila
- Restrições conformacionais
- Análogo o-metil \u2013 não apresenta atividade anti-histamínica \u2013 CH3- impede 
conformação adequada
- Análogo p-metil -3,7 vezes mais ativo
Introdução de novos substituintes
\u2022 Grupamentos metila
\uf071 Efeitos sobre o metabolismo:
- Metabolismo por oxidação
- Metabolismo por desmetilação
- Redução da taxa de metabolismo- mascaramento do grupamento
metabolicamente ativo
Introdução de novos substituintes
\u2022 Grupamentos halogênios
\uf071 Hidrofóbicos
\uf071 Aril halogênios \u2013 influenciam na ligação com receptor
\uf071 Introdução dos halôgenios \u2013 Alteração na potência
Introdução de novos substituintes
\u2022 Grupamentos hidroxi
- Aumenta hidrofobicidade
- Formação de pontes de hidrogênio
- Análogo hidroxilado \u2013 ligação mais efetiva aos receptores muscarínicos do que os não 
hidroxilados
Introdução de novos substituintes
\u2022 Grupamentos ácidos carboxílicos
- Maior Solubilidade em água
- Ligação de hidrogênio
- Ligação iônica \u2013 íon carboxilato
Introdução de novos substituintes
\u2022 Grupamentos tíois, sulfetos e outros contendo
enxofres
- Fortalece interaçao com o Zn- Inibidores enzimáticos
Relações Quantitativas entre Estruturas e Atividades
Relações Quantitativas entre Estruturas e Atividades
Relações Quantitativas entre Estruturas e Atividades
Relações Quantitativas entre Estruturas e Atividades
Relações Quantitativas entre Estruturas e Atividades
Relações Quantitativas entre Estruturas e Atividades
Relações Quantitativas entre Estruturas e Atividades
Relações Quantitativas entre Estruturas e Atividades
POTÊNCIA: refere-se à quantidade de fármaco
(geralmente expressa em miligramas) de que se
necessita para produzir um efeito.
AFINIDADE: é a atração mútua ou força de ligação entre um
fármaco e o seu receptor, ou seja, um receptor ou um enzima.
Relações Quantitativas entre Estruturas e Atividades
Relações Quantitativas entre Estruturas e Atividades
Relações Quantitativas entre Estruturas e Atividades
Relações Quantitativas entre Estruturas e Atividades
SELETIVIDADE: propriedade que o fármaco tem de produzir o menor 
número de efeitos possíveis. Os fármacos seletivos agem em um único 
local
ESPECIFICIDADE: capacidade que o fármaco tem de se ligar ao menor 
número de sítios específicos. Quanto maior a especificidade, maior o 
número de pontos de união no sítio receptivo. Se ligar no menor número 
de receptores, menor especificidade.
QUAL A DIFERENÇA ENTRE SELETIVIDADE 
E ESPECIFICIDADE??