A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
TCC CONCLUIDO

Pré-visualização | Página 2 de 4

nosso País mais rico culturalmente. 
 A maneira lúdica dos índios tinha como objetivo também ensinar seus filhos a caçar, pescar, brincar, dançar, tendo como aprendizado diferente, assim seus filhos conseguiam construir seus próprios brinquedos com materiais extraídos da natureza. 
	Os negros também trouxeram costumes muito semelhantes ao dos índios, desenvolvida de forma criativa e lúdica, e ao mesmo tempo é uma forma de aprendizagem. Os filhos dos portugueses quando vieram para o Brasil não tinham contato com a ludicidade como ato de educar e sim simplesmente como lazer. 
	Seus costumes trazidos pelos negros, em suas bagagens, nos navios negreiros da áfrica até aqui levando em consideração que uma parte do seu dia a crianças esta na escola, para que esse seu direito seja garantido a escola é um dos ambientes a brincadeira também deve acontecer. 
 O Referencial Curricular Nacional para Educação infantil em seu texto diverso fatores que devem ser contemplados por uma escola de educação infantil e brincar esta entre eles assim: considerando-se as especificidades afetivas, emocionais, sociais e cognitivas das crianças de zero a seis anos, a qualidade das experiências oferecidas que podem contribuir para o exercício da cidadania devem estar embasadas nos seguintes princípios: o respeito à dignidade e aos direitos das crianças consideradas nas suas diferencias individuais, sociais, econômicas, culturais, étnicas, religiosas, o direito das crianças a brincar como forma particular de expressão, pensamento, interação e comunicação infantil.
	Nesse momento, a criança cria uma nova situação no qual se possa encaixar o novo estímulo, e associa ao processo de assimilação. A acomodação não é determinada pelo objeto e sim pela ação da criança, sobre a situação em tentar assimilar.
	A acomodação é o processo pelo qual a criança, quando se depara com o problema e não consegue resolver com as estruturas existentes, modifica-as.
	Este conceito Piaget (1976) se evidencia na atividade lúdica infantil à medida que as crianças, ao jogarem assimilam novas informações e acomodam- nas ás suas estruturas mentais, o jogo como uma atividade de desenvolve o intelecto da criança(p.139), no decorrer dos seus estudos, que através dos jogos a criança muda seu comportamento, e exercita a sua autonomia, pois aprendem a julgar, a argumentar, a pensar e desenvolver o raciocino.
	Piaget (1978) identifica três grandes tipos de estruturas mentais que surgem sucessivamente na evolução do brincar infantil: o exercício, o símbolo e a regra.
 Para Piaget, a principal característica do jogo de exercício é a repetição de movimentos, a criança conquista a percepção dos movimentos como andar, correr, saltar. 
	O jogo simbólico é a habilidade de estabelecer a diferença entre alguma coisa usada como símbolo e o que ela representa seu significado e percebido a partir do segundo ano de vida da criança.
	O jogo de regras aparece aos quatros anos de idade e é levado para vida toda, é quando são transmitidas as regras dos jogos intelectuais ou sensoriais- motora, onde cada indivíduo tem o seu tempo de entendimento e de desenvolvimento, o prazer é alcançado nos resultados obtidos e no cumprimento das regras.
	Piaget (1982) mostra a importância da brincadeira para o desenvolvimento infantil e aquisição de conhecimentos. A maneira lúdica de se trabalhar varia de pessoa para pessoa, de tradição para tradição, porem sempre com um objetivo: brincando e aprendendo. Vejamos o que Vigostky (1984), afirma quanto a importância do brinquedo. Com o brinquedo a criança constrói suas relações com o objeto, relações de posses, de utilização, de abandono, de perda de desestruturação que constituem na mesma proporção, os esquemas que ela produzira com outros na sua vida futura.
 Com isso a cada dia pode se desenvolver varias maneiras de se trabalhar o lúdico, tanto com materiais pedagógicos, músicas e arte em geral, fazendo com que a criança tenha experiências e possa se destacar de uma forma alegre e ao mesmo tempo educativa. Resgatando assim a liberdade, a autonomia e estimulando também a criatividade das crianças.
 As crianças possuem uma natureza singular, que as caracteriza como seres que sentem e pensam o mundo de um jeito muito próprio. Nas interações que estabelecem desde cedo com as pessoas que lhes são próximas e com o meio que as circundam, as crianças revelam seu esforço para compreender o mundo em que vivem as relações contraditórias que presenciam e, por meio das brincadeiras, explicitam as condições de vida a que estão submetidas e seus anseios e seus desejos.
 No processo de construção do conhecimento, as crianças se utilizam das mais diferentes linguagens e exercem a capacidade que possuem de terem idéias e hipóteses originais sobre aquilo que buscam descobrir. Com isso as crianças constroem o conhecimento a partir das interações que estabelecem com as outras pessoas e com o meio que vivem. O grande desafio da educação infantil é compreender, conhecer e reconhecer o jeito particular das crianças.
 “... A atividade lúdica pode ser, portanto, um eficiente recurso aliado do educador, interessado no desenvolvimento da inteligência de seus alunos, quando mobiliza sua ação intelectual...”
 O lúdico na visão de Piaget e Vygotsky são jogos simbólicos e a representação corporal do imaginário, e apesar de nele predominar a fantasia, a atividade psicomotora exercida por prender a criança á realidade. Na sua imaginação ela pode modificar sua vontade, “usando o faz de conta”, mas quando expressa corporalmente as atividades, ela precisa respeitar a realidade concreta e as relações do mundo real. 
 Na pré escola, o raciocínio lógico ainda não é suficiente para que ela dê explicações coerentes a respeito de certas coisas. O poder de fantasiar ainda prepondera sobre o poder de explicar. Então, pelo jogo simbólico, a criança exercita não só sua capacidade de pensar, ou seja, representar simbolicamente suas ações, mas também, suas habilidades motoras, já que salta, corre, gira, transporta, rola, empurra, etc.
 Assim é que se transforma em pai e mãe para seus bonecos ou diz que uma cadeira é um trem. Dedicadamente devemos explorar com muita ênfase as imitações sem modelo, as dramatizações, os desenhos e pinturas, o faz de conta, a linguagem, e muito mais, permitir que realizem os jogos simbólicos, sozinhas com outras crianças, tão importantes para seu desenvolvimento cognitivo e para o equilíbrio emocional. Piaget – (1978).
 Descreve-se quatro estruturas básicas de jogos infantis, que vão se sucedendo e se sobrepondo nesta ordem: jogo de exercício, jogo simbólico – dramático, jogo de construção, jogo de regras: A importância do jogo de regras, é que quando a criança aprende a lidar com a delimitação, no espaço, no tempo, no tipo de atividade valida, o que pode fazer, garante-se certa regularidade que organiza a ação tornando-a orgânica. Vygotsky – (1994)
 Para que entendamos entre infância, brincadeiras é necessário resgatar o ato de brincar enquanto experiência lúdica. Como instrumento que pode ser utilizado no processo formativo de estudo, o lúdico busca papel do brincar o acesso á cultura, a incorporação dos é valores e apropriação de novos conhecimentos. No entanto compreendemos que a inserção de atividades lúdicas no desenvolvimento da criança é importante para que ela possa alcanças seus objetivos no contexto da educação infantil.
 A escola e o educador juntos a fim de direcionar as atividades com a intenção de desmontar a brincadeira de uma idéia livre e focar em um aspecto pedagógico, de mofo que incentivem interação social entre os educando e se desenvolva habilidades de aspecto intelectual que respaldem o seu percurso escolar. PIAGET(1962 e 1976) diz que a “atividade lúdica e o berço obrigatório das atividades intelectuais da criança, sendo, por isso indispensável á pratica educativa”.