A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
ISOLAMENTO ABSOLUTO EM ENDODONTIA

Pré-visualização | Página 1 de 1

Daniel Silva, docente do curso de Odontologia da Fainor
ISOLAMENTO ABSOLUTO EM ENDODONTIA
Conceito: O isolamento absoluto é um meio intrabucal empregado para isolar um ou mais dentes do contato com a saliva e fluidos orais durante tratamentos clínicos restauradores e endodônticos, sendo também utilizado em algumas modalidades de cirurgia perirradicular. O isolamento é fundamental na endodontia por impedir que durante o tratamento haja contato do campo operatório e dos instrumentos de trabalho com a saliva, sangue, fluidos tissulares e demais estruturas da cavidade oral. A não utilização do isolamento absoluto pode ocasionar a contaminação da câmara pulpar e do canal radicular e até acidentes de maior complexidade.
Vantagens:
Diminui o cansaço e melhora o desempenho profissional;
Ajuda a manter o campo de trabalho asséptico;
Auxilia no controle de infecção;
Protege o paciente contra possível ingestão e aspiração de pequenos instrumentos;
Afasta a língua e bochecha, melhorando a visibilidade da área
Material e Instrumental
Lençol de Borracha (Em caso de alergia ao látex, utilizar lençol antialérgico à base de silicone ou lençol de borracha sintética);
Arco ou portal lençol (Na endodontia é indicado o arco de plástico, que não necessita ser removido durante as tomadas radiográficas por ser radiolúcido);
Pinça perfuradora (Na endodontia, isola-se somente o dente que será tratado. Depois que o lençol estiver preso no arco, o local de perfuração é realizado no centro para dentes posteriores e 1cm acima ou abaixo do ponto central para dentes anteriores superiores e anteriores inferiores, respectivamente. Não é necessário utilizar marcação com canetas);
Pinça Porta-Grampo
Grampos (Relembrando... 200 a 205 para grupo de molares; 206 a 208 para pré-molares; 210 a 212 para caninos e incisivos. Os dentes parcialmente erupcionados, com coroa cônicas, destruídas ou mal posicionadas precisam de grampos especiais. Nesses casos, utilizaremos grampos 14, 14A e W8A ou 8A para molares. Para os pré-molares e incisivos utilizaremos 00, 1, 1A e 2. O grampo 211 é considerado universal.
Dispositivos auxiliares
Fio dental;
Tira de lixa;
Sugador de saliva;
Tesoura pequena;
Cureta de dentina ou similar;
Tubo de cianoacrilato (O bom e velho superbond)
Momento do isolamento
Profilaxia do dente para remoção do biofilme;
Passa o fio dental nas interproximais para verifificar contatos nessas áreas. Se for necessário, utilizar tiras de lixa para regularizar arestas cortantes;
Anestesia e inicia o processo de isolamento do dente que será tratado;
OBS.: Não é errado realizar isolamento somente após cair na câmara pulpar na primeira sessão de atendimento, pois, ainda que ocorra a contaminação da mesma, ela será fugaz e transitória, sendo rapidamente eliminada após irrigação com hipoclorito de sódio a 2,5%.
Técnicas de aplicação
Após o preparo inicial do dente, é feita a escolha do grampo de acordo com o dente e sua condição clínica. Durante a prova do grampo é fundamental amarrá-lo corretamente com fio dental para prevenir sua ingestão ou aspiração em caso de fratura ou deslocamento do dente. Em seguida, aplica-se o isolamento com uma das seguintes opções técnicas.
1ª - Coloca-se o conjunto, grampo, lençol de borracha e arco de uma só vez: Essa técnica é indicada para grampos com asa, que permitem sua adaptação no orifício do lençol já distendido e preso no arco.
2ª – Coloca-se primeiro o grampo no dente, seguido de lençol preso no arco: Indicado para grampos sem asa.
3ª – Coloca-se o lençol/arco envolvendo o colo do dente, seguido do grampo: Essa opção é indicada para grampos com ou sem asa, sendo geralmente realizada a quatro mãos, ou seja, enquanto o operador ou auxiliar posiciona e mantem o orifício do lençol, já preso no arco, adaptado ao colo do dente, o outro leva o grampo em posição com o auxilio da pinça porta grampo. Verifica-se a qualidade do vedamento e realiza a desinfecção do grampo com hipoclorito de sódio a 2,5%.
Situações atípicas no isolamento absoluto
Isolamento em fenda ou em bloco
O isolamento será feito por meio de uma fenda realizada no lençol de borracha, através da união de dois ou mais orifícios. Será englobado o dente que será submetido ao tratamento endodôntico e um ou mais dentes para distal e mesial. O grampo deve estar posicionado nas extremidades da fenda para manter o lençol em posição. Nos espaços onde o vedamento estiver comprometido, emprega-se cionoacrilato ou Top Dam para impedir a infiltração de saliva e ingestão de substâncias químicas utilizadas no procedimento. Indicado para isolar dentes que sofreram traumatismos dentários, dentes apinhados ou mnal posicionados, dentes sem coroa, elementos dentários de ponte fixa, entre outras situações onde o isolamento unitário não pode ser executado.
Isolamento de dentes com aparelho ortodôntico
Nessas situações, o isolamento é individual e o grampo normalmente é posicionado sob o braquete, na cervical do dente. Os espaços existentes são vedados com Top Dam.
Isolamento de dentes que necessitam de reconstrução coronária provisória
Com o advento das resinas compostas fotopolimerizáveis e sistemas adesivos, a reconstrução provisória da coroa de dentes parcialmente destruída, cria condições para realizar uma boa adaptação e estabilização cervical do grampo, fornecendo um reservatório intracoronário para a solução irrigadora, prevenindo que ela seja ingerida pelo paciente e impedindo a infiltração de saliva e sangue na cavidade pulpar durante o tratamento.
Isolamento de dentes que necessitam de cirurgia periodontal
Essa técnica é indicada em casos de dentes que sofreram invaginação gengival no espaço coronário destruído, dentes com fratura corono-radicular, dentes com remanescentes coronário subgengival. Todos esses casos necessitam de cirurgia periodontal e esse tipo de cirurgia será realizada com isolamento absoluto.
Isolamento em pacientes claustrofóbicos
Nesses caos, o profissional pode fazer uso do arco dobrável, ou então, cortar o lençol em sentido vertical, deixando o lado bucal oposto parcialmente descoberto pelo lençol, proporcionando alivio ao paciente.