processo de enfermagem
69 pág.

processo de enfermagem


DisciplinaProcesso de Cuidar III16 materiais115 seguidores
Pré-visualização3 páginas
PROCESSO 
DE 
ENFERMAGEM 
Profª Dra. Helane Rocha 
A u l a c e d i d a p r o f a . L í v i a C i n t r a 
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO DO CEARÁ 
GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 
DISCIPLINA: SISTEMATIZAÇÃO DO CUIDAR III 
1 
Objetivos 
2 
\uf0a2 Caracterizar as seguintes etapas do 
processo de Enfermagem: investigação, 
diagnóstico, planejamento, implementação e 
avaliação. 
\uf0d8Metodologia científica que o 
profissional enfermeiro dispõe 
para aplicar seus conhecimentos 
técnico-científicos e humanos na 
assistência aos pacientes; 
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE 
ENFERMAGEM 
3 
A implementação da SAE 
melhora a qualidade da 
assistência de 
enfermagem, pois tem 
implicações positivas 
para o paciente e a 
equipe de enfermagem; 
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE 
ENFERMAGEM 
4 
O Conselho Federal de Enfermagem (COFEN), 
por meio de Resolução 358/2009, tem 
preconizado que a assistência de Enfermagem 
deve ser sistematizada implantando-se o 
Processo de Enfermagem (PE) (COFEN, 2009); 
5 
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE 
ENFERMAGEM 
PROCESSO DE ENFERMAGEM 
\uf0d8O Processo de Enfermagem - método sistemático e 
dinâmico de prestação de cuidados humanizados e 
orientado para a manutenção dos melhores resultados 
(ALFARO-LEFREVE, 2005); 
 
\uf0d8Horta (1979) definiu o Processo de Enfermagem como a 
\u201cdinâmica das ações sistematizadas e inter-relacionadas, 
visando à assistência ao ser humano\u201d; 
PROCESSO DE ENFERMAGEM 
\uf0d8Abordagem de tomada de decisão clínica; 
\uf0d8Flexível para uso em todos os ambientes clínicos; 
\uf0d8Fundamental para prestar cuidados oportunos e apropriados 
a cada paciente; 
\uf0d8Objetiva diagnosticar e tratar as respostas humanas com 
relação à problemas de saúde reais ou potenciais. 
ETAPAS DO PROCESSO DE 
ENFERMAGEM 
8 
Investigação 
(Histórico) 
 
Diagnóstico 
Planejamento 
Implementação 
 
Avaliação 
São inter-relacionadas; 
Ocorrem ao mesmo tempo; 
HISTÓRICO DE ENFERMAGEM 
contínua, planejada e sistemática \uf0d8 Coleta de dados 
utilizando roteiro; 
\uf0d8Levantamento de dados - indivíduo, família ou comunidade 
\u2013 para monitorar evidências de problemas de saúde e 
fatores de risco que possam contribuir para os 
problemas de saúde (CARPENITO-MOYETM, 2007; 
ALFARO-LEFREVE,2005; CARRARO, 2001); 
\u201cO objetivo do histórico é estabelecer um banco de dados 
as necessidades percebidas do paciente, problemas de saúde 
e respostas a esses problemas\u201d. 
O que preciso investigar? 
10 
\uf0d8Percepção do paciente de um problema de saúde; 
\uf0d8Percepções e observações da família, enfermeiro, 
relato de outros membros da equipe de saúde; 
\uf0d8Registros de prontuários dos pacientes, como 
resultados de exames laboratoriais e imagem; 
\uf0d8Terapêutica proposta (POTTER; PERRY, 2005); 
11 
As informações obtidas devem ser 
sustentadas por dados constatados e não por 
inferências, interpretações ou suposições 
(POTTER; PERRY, 2005). 
\uf0d8 Dados objetivos e subjetivos; 
- Entrevista, exame físico e dados 
resultantes do prontuário do paciente como 
os resultados da investigação diagnóstica; 
13 
HISTÓRICO DE ENFERMAGEM 
QUAIS DADOS COLETAR? 
Comportamentos não-verbais adequados também 
vão favorecer a entrevista e exame físico. 
14 
DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM 
\uf0d8 Segunda etapa do processo de Enfermagem; 
\uf0d8 Precisão e relevância do plano assistencial que 
será adotado; 
\uf0d8 Para determinar um diagnóstico, o enfermeiro 
necessita de: 
Conhecimentos técnico-científicos 
Julgamento clínico 
15 
\uf0d8Descrevem o conjunto de sinais e 
sintomas que indicam o problema de 
saúde real ou potencial, que pode ser 
identificado e solucionado pelo 
enfermeiro (RALPH; TAYLOR, 2007); 
DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM 
16 
\uf071Para Paul e Reever (2000), DE são 
provenientes dos julgamentos clínicos dos 
enfermeiros com base nos dados coletados e 
validados em conjunto com conceitos e 
teorias científicas e humanísticas de 
enfermagem; 
DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM 
17 
Carpenito-Moyet (2009), o DE é 
que cobre um tipo específico de 
\uf0d8Segundo 
afirmativa 
problema ou de resposta apresentado pelos 
indivíduos e identificado pelo enfermeiro; 
DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM 
18 
DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM 
\uf0fc Para a NANDA Internacional (2015), \u201cos DE são 
julgamentos clínicos sobre uma resposta a condições de 
saúde/processos de vida, ou uma vulnerabilidade a tal 
resposta, de um indivíduo, uma família, um grupo ou uma 
da comunidade. 
 
\uf0fc DE constituem a base para seleção de intervenções 
de enfermagem para alcançar resultados pelos quais o 
enfermeiro é responsável\u201d; 
19 
\uf0fcDE são usados para determinar o plano de cuidados 
apropriado para o paciente, orientando os resultados e 
as intervenções 
20 
DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM 
No Brasil, a expressão diagnóstico de enfermagem 
foi apresentada por Wanda Aguiar Horta nos anos 
1960 (HORTA, 1979); 
Os diagnósticos proporcionam linguagem comum e 
21 
auxiliam na escolha das prescrições de 
na avaliação de tais enfermagem, bem como 
prescrições; 
 A taxonomia NANDA Internacional (2015) é 
atualmente, o sistema de classificação mais usado 
no mundo; 
DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM 
\uf0d8 Título 
\uf0d8 Definição 
\uf0d8 Indicadores Diagnósticos 
\uf0d8 Características Definidoras 
\uf0d8 Fatores relacionados 
\uf0d8 Fatores de risco 
Componentes estruturais de um diagnóstico 
de Enfermagem 
22 
\uf0d8 Título: 
\uf0d8 É um termo ou uma expressão concisa que 
representa um padrão de pistas relacionadas, ou 
seja, diz o que é. 
 
\uf0d8 Estabelece um nome ao diagnóstico e incluiu o 
23 
descritor/modificador e o 
diagnóstico/conceito-chave do 
foco 
diagnóstico 
(NANDA Internacional, 2015); 
Componentes estruturais de um diagnóstico 
de Enfermagem 
\uf0d8 Definição \u2013 Oferece uma descrição 
24 
precisa; delineia seu significado e 
clara e 
ajuda a 
diferenciá-lo de diagnósticos similares; 
\uf0d8 Indicadores diagnóstico: São dados usados para 
diagnosticar e distinguir um diagnóstico do outro. 
Esses indicadores incluem características 
definidoras, fatores relacionados e fatores de 
risco. 
Componentes estruturais de um diagnóstico 
de Enfermagem 
\uf0d8 Características definidoras \u2013 Pistas ou 
inferências observáveis que se agrupam como 
manifestações de um DE com foco no problema, 
promoção da saúde ou síndrome; 
\uf0d8 São os sinais e sintomas (indicador objetivo e 
subjetivo), manifestações clínicas, evidências 
que levaram o profissional a concluir que o 
problema existe. 
\uf0d8 Podem ser descritas como evidenciadas por ou 
caracterizadas por; 
25 
Componentes estruturais de um diagnóstico 
de Enfermagem 
Componentes estruturais de um diagnóstico de 
Enfermagem 
 
\uf0d8Fatores relacionados \u2013 Mostram algum tipo de 
relação padronizada com o DE. 
\uf0d8Constituem a etiologia do problema; circunstâncias, 
fatos ou influências (causa, fator contribuinte); 
Podem ser de natureza fisiológica, psicológica, 
sociocultural, ambiental e espiritual. 
\uf0d8As intervenções de enfermagem devem ser voltadas 
para esses fatores etiológicos, para a remoção da 
causa subjacente do DE. 
\uf0d8Podem ser descritos como relacionados a ou 
associados a; 
26 
Título do DE 
Fatores relacionados (causa; \u201crelacionado a\u201d) 
Características definidoras (sinais/sintomas; 
\u201cevidenciado por\u201d, \u201ccaracterizado por\u201d) 
Integridade da pele prejudicada relacionada a 
imobilização física e circulação prejudicada, 
evidenciada por rompimento da superfície da pele e 
destruição das camadas da pele (ferida com área de 
erosão na região trocantérica direita); 
27 
Componentes estruturais de um