RELATÓRIO APS 1
24 pág.

RELATÓRIO APS 1

Disciplina:Psicologia Experimental e Comportamental30 materiais259 seguidores
Pré-visualização4 páginas
RACHEL DE OLIVEIRA ROSA SILVA

RELATÓRIO DE EXPERIMENTOS DE COMPORTAMENTO RESPONDENTE

UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ
POUSO ALEGRE – MG
2018
RESUMO
O enorme campo da ciência sempre influenciou o crescimento da Psicologia, na qual, tem por foco o comportamento humano e seus referentes processos mentais. Além disso, estuda também os comportamentos dos animais, de forma a fazer comparações para melhor compreensão. Contudo, o relatório tem como discussão os experimentos realizados no laboratório computacional para aplicar a teoria na prática, sendo objeto de estudo o rato virtual Sniffy pro 2.0. A ação do experimento amplia as perspectivas da psicologia, admitindo cada vez mais o proveito pela área do comportamento. O objetivo geral dos exercícios foi feito para aquisição geral do conhecimento relacionado à teoria da análise experimental do comportamento. No mais, pata ter uma noção maior do funcionamento comportamental com bases nas teorias e aplicações no rato Sniffy. Já os objetivos específicos, foi aplicar a teoria abordada agrupando a prática realizada em laboratório. Com observação nos diversos comportamentos do rato virtual, manifestados nos estímulo comandado pelo meio externo e, enfocar cada situação em que se passa Sniffy, destacando a influencia da teoria vista, treinando o comportamento para modelar mais adiante.
 Palavras-chave: Experimentos; Comportamento; Respondente.

SUMÁRIO
Introdução....................................................................................................... 4
Método............................................................................................................10
 3. Resultados e Discussões...................................................................................13
 3.1 Exercício 1: Aquisição básica de uma resposta condicionada e discussões...13
 3.2 Exercício 2: Extinção......................................................................................14
 3.3 Exercício 3: Recuperação espontânea.............................................................16
 3.4 Exercício 4: Variando as forças do CS...........................................................16
 3.5 Exercício 5: Variando as forças do US...........................................................18
 3.6 Exercício 19: ..................................................................................................20
 4. Conclusão..........................................................................................................23
 Referências Bibliográficas...................................................................................24

 INTRODUÇÃO

O Behaviorismo é um termo genérico para agrupar diversas e contraditórias correntes de pensamento na Psicologia que tem como unidade conceitual o comportamento, mesmo que com diferentes concepções sobre o que seja o comportamento. Os mais conhecidos do meio acadêmico são os representados por Watson, o Clássico, e por Skinner, o Radical. Contudo, existe, ainda, o Behaviorismo Mediacional, representado principalmente por Tolman e Hull.
A análise do comportamento, que não se limita à análise experimental do mesmo, origina-se de uma posição behaviorista assumida por Skinner por motivos mais históricos que puramente lógicos. Skinner é radical por negar a existência de fenômenos cuja natureza não seja física. Por negar a existência de tais fenômenos, a visão de homem é monista.
No Behaviorismo Radical, o comportamento é definido como a relação entre o organismo e o ambiente, assim sendo, busca identificar o contexto em que cada resposta foi estabelecida e se mantém dessa forma como sua função no ambiente. Para o teórico, grande parte do repertório comportamental humano é operante.
O estudo científico do comportamento aperfeiçoa e completa essa experiência comum, quando demonstra mais e mais relações entre circunstâncias e comportamentos, e quando demonstra as relações de forma mais precisa. Quando Skinner explicitou um programa de trabalho para o desenvolvimento de uma ciência do comportamento, previu uma análise experimental do comportamento como um dos aspectos de um empreendimento maior.
Comportamento respondente é todo aquele comportamento que é involuntário, que acontece mediante as contingências. Dá-se através de uma mudança ambiental, ou seja, uma mudança ambiental que leva a um comportamento específico. É involuntário e pode ser inato - para eventos filogeneticamente relevantes, como a comida, situação ameaçadora, sexo - ou pode ser aprendido quando um estímulo "neutro" é apresentado em comunhão com um estímulo específico e suficientemente aliciador de comportamento.
Pavlov descobriu que a presença de alimento na boca de um cachorro faminto eliciava salivação. Observou que o animal também salivava antes de o alimento chegar a sua boca: a visão e o cheiro da comida eliciavam a mesma resposta. Além disso, a mera visão da pessoa que habitualmente alimentava o animal era suficiente para produzir salivação. De algum modo, eventos ambientais anteriores à estimulação alimentar adquiriram função eliciadora para a resposta de salivar, fenômeno que só poderia ser entendido em termos da experiência individual daquele animal.
O programa Sniffy Pro 2.0 permite que você prepare e execute uma grande variedade de experimentos de condicionamentos clássicos e operantes, e lhe permite colher e dispor dados de uma maneira que simule o modo como os psicólogos trabalham em seus laboratórios. Além disso, em razão de o programa simular e mostrar simultaneamente alguns dos processos psicológicos que os psicólogos acreditam ser empregado pelos animais (e pelas pessoas), o Sniffy Pro 2.0 apresenta alguns aspectos da aprendizagem que você não poderia observar caso estivesse trabalhando com um animal vivo. Os princípios de aprendizagem que o Sniffy Pro 2.0 exemplifica possuem muitas aplicações no mundo real, e em áreas tão diversas como a alteração terapêutica do comportamento humano e o treinamento de animais para fins utilitários.
Dentre os experimentos e exercícios executados de condicionamento respondente apresenta-se a Aquisição que é eventualmente levada por emparelhamentos repetidos do estímulo condicionado (CS) com o estímulo incondicionado (US). Durante a aquisição, o estímulo condicionado e estímulo incondicionado são repetidamente emparelhados para criar uma associação; A Extinção que é a técnica de dessensibilizar para se chegar ao processo de extinção do comportamento adquirido através do experimento de aquisição. Tal técnica de dessensibilizar diz respeito de se apresentar repetida vezes o estímulo condicionado (tom e luz) sem a presença do estímulo incondicionado (choque). Já a Recuperação Espontânea se refere ao reaparecimento da resposta condicionada depois de um período de repouso ou de menos respostas. Se o estímulo condicionado e estímulo incondicionado não estão associados, a extinção irá ocorrer muito rapidamente após uma recuperação espontânea.
A Variação CS é um estímulo previamente neutro que, após tornar-se associado com o estímulo incondicionado, eventualmente, desencadeia uma resposta condicionada. Em que procura analisar a lei da intensidade-magnitude, no qual, estabelece que a intensidade do estímulo é uma medida diretamente proporcional à magnitude da resposta, ou seja, quanto mais forte o estímulo, mais forte a resposta, mostrando que a velocidade do condicionamento possui relação com a intensidade dos estímulos. E a Variação de US afeta a velocidade de aquisição e o nível de condicionamento clássico que pode ser obtido no final. Quanto mais intenso o US, mais rapidamente ocorre o condicionamento e maior o nível de condicionamento que pode ser obtido no final. Além disso, a UR de Sniffy pode manter-se e se alteram em função das apresentações repetidas para configurações de baixa intensidade e de alta intensidade do US.
Com os choques de baixa intensidade ocorre a habituação