A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
60 pág.
Tarsonemidae.pdf

Pré-visualização | Página 1 de 2

TAXONOMIA DE 
TARSONEMIDAE
Manoel Guedes C. Gondim Jr.
Universidade Federal Rural de Pernambuco
Ordens de Ácaros
 Prostimata
 Base do Gnatossoma
 Mesostigmata
 Entre o 2º - 4º pares de pernas
 Metastigmata
 Após o 4º par de pernas
 Criptostigmata
 Base das pernas
 Astigmata
 Não apresentam
Ordem Prostigmata
Figura 1. Base do Gnatossoma de Tetranychidae com Peritrema
Diversidade de Tarsonemidae
(529 espécies em 40 gêneros)
Tarsonemus 267
Steneotarsonemus 74
Iponemus 30
Daidalotarsonemus 24
Dendropus 23
Coreitarsonemus 20
Xenotarsonemus 14
Fungitarsonemus 9
Pseudotarsonemoides 9
31 Gêneros com 6 ou menos espécies.
Características da Família 
Tarsonemidae
 Gnatossoma em forma de capsula
 Perna IV da fêmea com 3 segmentos, com 
femur e genu fundidos e sem garras no 
empódio 
 Machos com 4 segmentos na perna IV, 
com apenas uma garra
 Alimentam-se de plantas, fungos e 
associados à insetos
 Diversidade de ± 530 espécies
 Gnatossoma em forma de capsula
Gnatossoma
 Perna IV da fêmea com 3 segmentos, com 
femur e genu fundidos e sem garras no 
empódio.
 Machos com 4 segmentos na perna IV, com 
apenas uma garra.
Morfologia de Tarsonemidae
Atrio
Estigma
Apódema 1
A. Proesternal
Apódema 2
A. Sejugal
Apódema 3
A. posesternal
Apódema 4
Tégula
Seta Botridial
CICLO DE VIDA
LARVA
PUPAADULTO
OVO
REPRODUÇÃO
SEXUADA
TARSONEMIDAE NO BRASIL E 
SUA IMPORTÂNCIA ECONÔMICA
 Polyphagotarsonemus latus
 Steneotarsonemus furcatus
 Steneotarsonemus concavuscutum
 Steneotarsonemus ananas
DANOS DE 
TARSONEMIDAE
P. latus em Hortaliças
Pragas Quarentenárias 
para o Brasil
 Steneotarsonemus spinki
DANOS DE Steneotarsonemus spinki
Principais Subfamílias, 
Tribos e Gêneros de 
Tarsonemidae
Tarsonemidae
Pseudotarsonemoidinae Acarapinae Tarsoneminae
• Ventre do Metapodossoma
com 3 ou 4 pares de setas.
•Perna I sem pulvilo.
• Ventre do Metapodossoma
com 2 pares de setas.
• Perna I com pulvilo.
• Dorso do propodossoma sem 
seta botridial.
• Macho com dois pares de 
setas no dorso do 
propodossoma.
• Ventre do Metapodossoma 
com 2 pares de setas.
• Perna I com pulvilo.
• Dorso do propodossoma 
com seta botridial.
• Macho com 4 - 3 pares de 
setas no dorso do 
propodossoma
Pseudotarsonemoidinae
 Ventre do 
Metapodossoma com 
3 ou 4 pares de 
setas.
 Perna I sem pulvilo.
Acarapinae
 Ventre do 
Metapodossoma com 2 
pares de setas.
 Perna I com pulvilo.
 Dorso do 
propodossoma sem 
seta botridial.
 Macho com dois pares 
de setas no dorso do 
propodossoma.
Tarsoneminae
 Ventre do 
Metapodossoma com 2 
pares de setas.
 Perna I com pulvilo.
 Dorso do 
propodossoma com 
seta botridial.
 Macho com 3 - 4 pares 
de setas no dorso do 
propodossoma.
Pseudotarsonemoidinae
Tarsonemellini Pseudotarsonemoidini
• Estiletes quelicerais longos, 
maiores que o comprimento do 
gnatosoma.
• Ventre do metapodossoma com 
3 pares de setas.
• Estiletes quelicerais curtos, 
menores que o comprimento do 
gnatosoma.
• Ventre do metapodossoma com 4 
pares de setas.
Tarsonemellini
 Estiletes quelicerais 
longos, maiores que 
o comprimento do 
gnatosoma.
 Ventre do 
metapodossoma 
com 3 pares de 
setas.
Tarsonemella
 Seta botridial 
ausente
 Seta 3C da 
coxa ausente
 Femur II com 
2 setas
Pseudotarsonemoidini
 Estiletes quelicerais 
curtos, menores 
que o comprimento 
do gnatosoma.
 Ventre do 
metapodossoma 
com 4 pares de 
setas.
Tarsanonychus
 Perna I sem 
garra
Pseudotarsonemoides
 Perna I com 
garra
 Garra fortemente 
curvada
 Margem posterior 
dos tergitos C, D, 
EF concavos
 Femur I com 3 
setas
 Femur II com 2 
setas
Ununguitarsonemus
 Perna I com garra
 Garra fortemente 
curvada
 Margem posterior 
dos tergitos C, D, EF 
retos
 Femur I com 4 setas
 Femur II com 3 
setas
Nasutitarsonemus
 Perna I com garra
 Garra não 
fortemente 
curvada
 Palpo prolongado
 Tibiotarso IV com 
3 setas
Polyphagotarsonemus
 Perna I com 
garra
 Garra não 
fortemente 
curvada
 Palpo não 
prolongado
 Tibiotarso IV 
com 2 setas
Acarapinae
Acarapini Coreitarsonemini
• Apresenta um solenídio 
no tarso I em forma de 
bastão
• Tarso I sem a seta pl”
• Não apresenta no tarso I 
um solenídio em forma de 
bastão
• Tarso I com a seta pl”
Acarapini
 Apresenta 
um solenídio 
no tarso I em 
forma de 
bastão
 Tarso I sem a 
seta pl”
Acarapis
 Apresenta um 
solenídio no 
tarso I em 
forma de 
bastão
 Tarso I sem a 
seta pl”
Coreitarsonemini
 Não apresenta 
no tarso I um 
solenídio em 
forma de bastão
 Tarso I com a 
seta pl”
Asiotarsonemus
 Seta e e f
longitudinalmente 
alongada
Amcortarsonemus
 Seta e e f não 
alinhada 
longitudinalmente
 Estensões 
dorsolaterais das 
placas coxisternais III 
e IV fortemente 
enlarguecidas
Coreitarsonemus
 Seta e e f não 
alinhada 
longitudinalmente
 Estensões 
dorsolaterais das 
placas coxisternais 
III e IV não 
enlarguecidas
Tarsoneminae
Hemitarsonemini Tarsoneminae Steneotarsonemini Pseudacarapini
Perna I da ♀ com
crescent-shaped
processo
Perna I da ♀ sem
crescent-shaped
processo
Apódema 4 da ♀ não
se extendendo além
do alvéolo da seta
3b
Perna I da ♀ sem
crescent-shaped
processo
Apódema 4 da ♀
extendendo-se além do
alvéolo da seta 3b
Seta escapular sc2 mais
longa que a distância
entre a seta sc2 e a seta
botridial sc1
Perna I da ♀ sem 
crescent-shaped 
processo
Apódema 4 da ♀
extendendo-se além do 
alvéolo da seta 3b
Seta escapular sc2 mais 
curta que a distância 
entre a seta sc2 e a seta 
botridial sc1
Hemitarsonemini
 Perna I da ♀
com crescent-
shaped 
processo
Hemitarsonemini
Eotarsonemus Hemitarsonemus Heterotarsonemus
• Femur I da ♀ com 1 
seta
• Seta dorsal do 
gnatossoma larga
• Femur I da ♀ com 3 
setas
• Seta dorsal do 
gnatossoma delgada
• Garra da perna II e 
III normal
• Femur I da ♀ com 3 
setas
• Seta dorsal do 
gnatossoma delgada
• Garra da perna II e III 
reduzida
Eotarsonemus
 Femur I da ♀ com 
1 seta
 Seta dorsal do 
gnatossoma larga
Hemitarsonemus
 Femur I da ♀ com 
3 setas
 Seta dorsal do 
gnatossoma 
delgada
 Estigma 
enlarguecido
 Garra da perna II 
e III normal
Heterotarsonemus
 Femur I da ♀ com 3 
setas
 Seta dorsal do 
gnatossoma 
delgada
 Estigma normal
 Garra da perna II e 
III reduzida
Tarsonemini
 Perna I da ♀ sem 
crescent-shaped 
processo
 Apódema 4 da ♀
não se extendendo 
além do alvéolo da 
seta 3b
Tarsonemini
Flechtmannus Iponemus
Ototarsonemus Pseudotarsonemus
Excelsotarsonemus Suctarsonemus
Ceratotarsonemus Fungitarsonemus
Daidalotarsonemus Delonia
Rhynchotarsonemus Floridotarsonemus
Xenotarsonemus Tarsonemus
Neotarsonemus
Daidalotarsonemus
 v1 e sc2 lisa ou 
finamente 
barbeada
 Prodorso e tergitos 
C, D e EF 
reticulados
Rhynchotarsonemus
 Palpo do 
gnatossoma 
marcadamente 
alongado
 Tégula 
moderadamente 
larga e 
arredondada
Xenotarsonemus
 Seta botridial sc1
presente
 Seta dorsal do 
idiossoma delgada
 Palpo do 
gnatossoma não 
alongado
 Tégula alongada
Fungitarsonemus
 Perna I-III com 
tarso 
relativamente 
longo
 Seta sc2 
inserido na 
metade anterior 
do escudo 
prodorsal
Tarsonemus
 Fêmea com seta 
botridial sc1 presente
 Seta do dorso

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.