RELATÓRIO FINAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO BÁSICO II
13 pág.

RELATÓRIO FINAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO BÁSICO II


DisciplinaPsicologia e Aprendizagem28 materiais105 seguidores
Pré-visualização2 páginas
UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA
CURSO DE PSICOLOGIA
(Nome dx alunx)
(Nome dx alunx)
RELATÓRIO SOBRE A CAIXA DE SKINNER
Rio de Janeiro
mês de ano
(NOME/MATRÍCULA)
(NOME/MATRÍCULA)
RELATÓRIO SOBRE A CAIXA DE SKINNER
Relatório Final do Estágio Básico Supervisionado II apresentado ao curso de Psicologia, da Universidade Veiga de Almeida, entregue à professora (NOME DX PROFESSORX), da disciplina Psicologia e Aprendizagem.
Rio de Janeiro
(MÊS) de (ANO)
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO.....................................................................................................04
DESENVOLVIMENTO.........................................................................................05
 2.1 Registro do Nível Operante..............................................................................05
 2.2 Treino ao bebedouro........................................................................................06
 Modelagem.......................................................................................................06
 2.4 Reforço contínuo da resposta de pressão à barra (CRF).................................08
 2.5 Processo de Extinção.......................................................................................10
CONCLUSÃO......................................................................................................12
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...................................................................13
INTRODUÇÃO
A aprendizagem está ligada a experiências vividas, incluindo uma variedade de processos de aprendizagem, como objetos; materiais observados, memorizados, resolver e questionar problemas. O que pode ser aprendido, também pode ser modificado e ensinado. Trata-se de uma experiência que um organismo vive, um comportamento adicionado, sendo este aprendido (DAVIDOFF, 2001).
Em 1913, o psicólogo John Watson, publicou um artigo que ficou conhecido como Manifesto Behaviorista, tornando assim o Behaviorismo como uma teoria da Psicologia. O comportamento observável seria o objeto de estudo a partir do método experimental, no qual pode se manipular características do ambiente e observar o efeito de tais manipulações sobre o comportamento dos indivíduos (MOREIRA; HUBNER, 2012).
Skinner sucede a Watson e fica conhecido pelo Behaviorismo Radical, termo que ele utiliza para defender o Behaviorismo por meio da análise experimental do comportamento. A corrente de Skinner está na formulação do comportamento operante, abrangendo um amplo entendimento de todas as atividades humanas, desde o comportamento do bebê até o adulto (BOCK; FURTADO; TEIXEIRA, 2008).
"Inclui todos os movimentos de um organismo dos quais se pode dizer que, em algum momento, têm um efeito sobre ou fazem algo ao mundo em redor. O comportamento operante opera sobre o mundo, por assim dizer, que direta, quer indiretamente." (KELLER,1973, pg. 9).
Comportamento operante é conhecido como aquele que opera, que produz consequências - modificações no ambiente e é afetado por elas. Sendo fundamental o estudo para compreender como aprende-se habilidades, conhecimentos. Este comportamento trabalha com a ideia de uma resposta que é emitida pelo organismo e produz uma alteração no ambiente (MOREIRA; MEDEIROS, 2007).
O objetivo da atividade é obter registros com base no comportamento do sujeito experimental. Tais registros devem ser feitos antes de reforços realizados, para depois compará-los com os reforços dados, com a finalidade de pressionar a barra. Então, geram-se resultados de acordo com as práticas: registro do nível operante, treino ao bebedouro, modelagem, reforço contínuo da resposta de pressão à barra e o processo de extinção.
DESENVOLVIMENTO
No experimento, o rato albino fica numa caixa chamada Caixa de Skinner, com o propósito do estudo do comportamento operante, onde Skinner teorizou sobre a maioria das interações do ser humano com o ambiente. 
Os experimentos foram realizados no laboratório de informática, duas vezes até o momento, através do programa de computador chamado CyberRat. Neste programa, os alunos conseguem realizar experimentos, modelar, reforçar, tendo todas as informações armazenadas mesmo após o desligamento. Sendo possível também gerar gráficos resultando as experiências. Cada dupla anota um nome para o rato, utiliza-se o programa Excel e folhas para anotar dados.
Cinco experimentos ocorreram, foram eles, Registro do Nível Operante, Treino ao bebedouro, Modelagem, Reforço contínuo da resposta de pressão à barra (CRF) e Processo de Extinção.
2.1 Registro do Nível Operante
 No dia 19 de fevereiro, foi realizada a primeira experiência no laboratório de informática com o propósito de registrar as atividades feitas pelo rato, cujo nome é Rataria. Este registro tem como objetivo de obter uma análise do comportamento do sujeito experimental, ou seja, obter dados sobre como ele se comporta antes da intervenção; reforço, que será realizado para comparar esses dados com os que serão coletados após a intervenção. Espera-se que a frequência dos comportamentos de tocar a barra e de pressioná-la, seja baixa em relação aos demais comportamentos observados e que fazem parte do repertório do sujeito.
Ao criar o Registro do Nível Operante, iniciou-se uma observação de 20 minutos para ver como o rato interage com o ambiente em que ele se encontra. Foi contado e anotado quantas vezes ele farejou, levantou-se, limpou-se, tocou a barra e a pressionou. Após o tempo total, um gráfico foi gerado no programa Excel, com a quantidade de movimentos que o animal realizou. Ele não pressionou a barra, no entanto, tocou nela uma vez. Farejou com bastante frequência, totalizando 164 vezes. Levantou-se 74 vezes e limpou-se 4 (Gráfico 1).
Fonte: Excel.
Gráfico 1: Resultado da avaliação inicial do animal em análise experimental.
2.2 Treino ao bebedouro 
A água então foi retirada por 48 horas e iniciou-se o treino ao bebedouro, onde toda vez que o rato se aproximava ou se afastava do bebedouro, era liberado um pouco de água. Esta, ao ser liberada, fazia um barulho e então, depois de todos os reforços feitos liberando água, ele passou a associar o barulho com a água, portanto, toda vez que escutava o barulho, ele ia para o bebedouro.
O objetivo desta atividade é de fazer com que o animal se aproxime do bebedouro quando ouvir o seu ruído. Este ruído produzido pode causar no animal comportamentos indesejáveis, como afastar-se da barra, pois um som alto pode assustá-lo. Portanto, fato de o animal encontrar uma gota de água cada vez que o bebedouro foi acionado, assim que ele se aproximou da barra, reduzirá a frequência e a magnitude das respostas e então ele começará a aproximar-se do bebedouro quando ouvir o ruído produzido pelo seu acionamento. Tal prática é fundamental para o condicionamento da resposta de pressão a barra, pois a consequência imediata às respostas, o animal aprenderá a pressionar a barra para produzir ruído, uma vez que este indica a disponibilidade da água no bebedouro.
2.3 Modelagem 
Modelagem é um procedimento de reforçamento diferencial de aproximações sucessivas de um comportamento, o resultado é um novo comportamento. Isto é, reforçar algumas respostas e extinguir outras, exigir comportamentos mais próximos do objetivo, uma técnica para ensinar um novo comportamento (MOREIRA; MEDEIROS, 2007).
O segundo dia da aula experimental foi em 12 de março, começando o processo de modelagem da resposta de pressão à barra. Para isto, foi necessário realizar estratégias, definir passos da modelagem a serem reforçados positivamente e fazer com que o animal chegue ao objetivo final, que é pressionar a barra com as duas patas dianteiras 10 (dez) vezes consecutivas. 
Nesta prática, o rato estará privado de água durante 48h. Ela tem como objetivo ensinar ao rato um novo comportamento: