resumo direito civil primeiro bimestre contratos
5 pág.

resumo direito civil primeiro bimestre contratos


DisciplinaDireito Civil I76.546 materiais935.874 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Contratos
Conceito clássico: negócio jurídico bilateral ou plurilateral que visa a constituição, modificação ou extinção de direitos de caráter patrimonial. Sinalagmático: reciprocidade de direitos e obrigações.
Conceito constitucional: negócio jurídico subjetivo (porque envolve vontade) nucleado na solidariedade constitucional destinada a produção de efeitos jurídicos não somente entre as partes, mas perante terceiros. Ex: contrato de adesão	
Parte ativa: proponente, ofertante, policitante	
Parte passiva: aceitante, oblato	
Princípios contratuais:	
Princípio da autonomia privada:	
Poder que os particulares tem de regular, pelo exercício de sua própria vontade, as relações que participam, estabelecendo-lhe o conteúdo e a respectiva disciplina jurídica. Atualmente sofre limitação pelo dirigismo contratual.
Dirigismo contratual: fenômeno pelo qual o Estado intervém nas relações privadas através do seu poder de legislar para evitar ou prevenir lesão contratual	
ex: art 425 e 426 CC
Princípio da função social do contrato: ( art 421, cláusula geral maior pois deriva do art. 170, III, CF)	
Segundo Caio Mário, serve para limitar a autonomia da vontade quando tal autonomia esteja em confronto com o interesse social e este deva prevalecer, ainda que essa limitação possa atingir a própria liberdade de não contratar.	
Princípio da boa-fé objetiva: 
é preciso ater-se mais à intenção do que ao sentido literal da linguagem
dever de respeito, informar a outra parte sobre o conteúdo do negócio, de agir conforme a confiança depositada, lealdade e probidade, agir com honestidade, razoabilidade, equidade, boa razão...
art. 422 (função de integração)
art. 113 (função de interpretação)
art. 187 (função de controle)
Princípio da relatividade dos efeitos do contrato:
O contrato vincula apenas as partes contratantes, só as partes ficam obrigadas a cumprir o objeto do contrato.
Exceções: 
estipulação em favor de terceiro (arts. 436 a 438, CC): a convenção beneficia quem não participa da avença, comuns nos seguros de vida
promessa de fato de terceiro (obrigações personalíssimas, como prometer levar um cantor de renome a uma determinada casa de espetáculos sem a devida concordância, respondendo por perdas e danos por não ocorrer a prometida apresentação)
consumidor bystander: são aqueles que até um certo momento eram apenas espectadores e passaram à condição de consumidores equiparados quando vítimas de um acidente de consumo
Princípio da obrigatoriedade	
Tem por fundamentos a necessidade de segurança nos negócios (que deixaria de existir se os contratantes pudessem não cumprir a palavra empenhada) e a intangibilidade do contrato (decorrente da convicção de que o acordo de vontades faz lei entre as partes, não podendo ser alterado nem pelo juiz)	
O novo código civil mitigou o pacta sunt servanda (os pactos devem ser cumpridos) trazendo dentro de si a cláusula rebus sic stantibus (presente a situação imprevista, o contrato deve ser ajustado à nova realidade) \u2013 art. 478.
Formas de extinção contratual:	
distrato/resilição bilateral: bilateral, amigável, mediante acordo	
resilição unilateral: por motivo anterior à formação do contrato	
resolução: motivos posteriores à formação do contrato (ex: inadimplemento, onerosidade excessiva)	
Elementos constitutivos dos contratos	
Escada ponteana	
1º plano da existência: partes, objeto, vontade, forma	
2º plano da validade: capacidade, objeto lícito, forma prescrita	
3º plano da eficácia: condição, termo, registro...	
Classificação dos contratos	
Unilaterais: criam obrigações unicamente para uma das partes. Ex: doação pura
Bilaterais: geram obrigações para ambos os contratantes. Ex: compra e venda, contrato de transporte, etc. São recíprocas, também chamadas de sinalagmáticas.	
Plurilaterais: contratos de consórcio, por exemplo.	
Onerosos: ambos os contraentes obtêm proveito, ao qual, porém, corresponde um sacrifício, diminuição patrimonial.	
Gratuitos:
Comutativos: de prestações certas e determinadas. 	
Aleatórios: é o contrato bilateral e oneroso em que pelo menos um dos contraentes não pode antever a vantagem que receberá, em troca da prestação fornecida. Ex: contratos de jogo.	
Consensuais: aqueles que se formam unicamente pelo acordo de vontades, independentemente da entrega da coisa e da observância de determinada forma. 
Reais: os que exigem, para se aperfeiçoar, além do consentimento, a entrega da coisa que lhe serve de objeto. Ex: depósito, comodato. Antes da entrega da coisa só existe a promessa de contratar.	
Típicos: regulados pela lei.	
Atípicos: resultam de um acordo de vontades, não tendo, porém, as duas características e requisitos definidos e regulados na lei.	
Paritários: são aqueles do tipo tradicional, em que as partes discutem livremente as condições, porque se encontram em situação de igualdade. 	
Adesão: não permitem essa liberdade, devido à preponderância da vontade de um dos contratantes, que elabora todas as cláusulas. A manifestação da vontade se resume na aceitação. Ex: contratos de seguro, de transporte.	
Execução imediata: o cumprimento da obrigação é concomitante a celebração do contrato.
Execução deferida: o cumprimento se dá em um único momento, mas se prolata no tempo. Ex: entregar o imóvel daqui 30 dias	
Execução continuada: o cumprimento da obrigação também se prolata no tempo, mas se faz de forma fracionada. Ex: locação, doação por subvenções periódicas.	
Definitivo: naquele instrumento contratual se esgotam as fases do cumprimento. Ex: locação
Preliminar: possui existência e validade, mas para gerar eficácia é necessário outro (definitivo). A eficácia só se da com a tradição. Ex: contrato de gaveta	
Solenes ou formais: são os contratos que devem obedecer à forma prescrita em lei para se aperfeiçoar, não bastando a vontade das partes.	
Não solenes ou não formais: são os de forma livre. Basta o consentimento para a sua formação. 
Da formação dos contrato	
Proposta \u2260 oferta	
Proposta: é feita entre particulares. É a manifestação da vontade de contratar, por uma das partes, que solicita a concordância da outra. É uma declaração unilateral recepticia que só produz efeitos ao ser recebida pela outra parte.	
Oferta: vai ser sempre aberta ao público, sendo privada ou para consumo.
Puntuação \u2260 proposta	
Puntuação são as negociações preliminares. Via de regra não geram o dever de indenizar. Nesta fase as partes ainda não manifestaram a sua vontade, não possuindo nenhum vínculo com o negócio. Assim, qualquer delas pode afastar-se, simplesmente alegando desinteresse.	
São partes da proposta, de um lado, o policitante, proponente ou solicitando, que é aquele que formula a proposta; e do outro o policitado, oblato ou solicitado, que é aquele que recebe a proposta.
Requisitos da proposta
vontade dirigida de forma inequívoca (animus)
requisitos essenciais do negócio proposto. Ex: 482 (compra e venda)
Quando deixa de ser obrigatória a proposta?
Contrato entre presentes (art. 428, I): deixa de ser obrigatório se imediato e sem prazo \u2013 meios de comunicação simultânea (e-mail não se enquadra)
Contrato entre ausentes:	
* sem prazo ( art. 428, II): \u201cse, feita sem prazo a pessoa ausente, tiver decorrido tempo suficiente para chegar a resposta ao conhecimento do proponente.\u201d
\u201cPrazo moral\u201d	
*com prazo: \u201cse, feita a pessoa ausente, não tiver sido expedida a resposta dentro do prazo dado.\u201d	
Art. 423 e 424	
A interpretação é sempre feita privilegiando o aderente. Isso não fere o princípio da isonomia, pois a verdadeira igualdade não é a formal, e sim a material (equidade); trata-se os iguais de forma igual e os desiguais de forma desigual na proporção de suas desigualdades, assim privilegia-se a parte mais fraca, no caso o aderente, para manter uma igualdade aristotélica ou material.
Art. 430. Caso fortuito no envio da aceitação	
Se a aceitação, por circunstância imprevista, chegar tarde ao conhecimento do proponente, este comunicá-lo-á