A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
37 pág.
casos concretos corrigidos

Pré-visualização | Página 5 de 9

Reformada a sentença anterior, para julgar procedentes os pedidos produzidos na peça vestibular, na hipótese de a causa encontrar-se madura para o
julgamento, segundo o Art. 515, § 3º, do CPC,
2 - Incluso o nome do comerciante no polo passivo, após o reconhecimento de sua legitimidade passiva;
3 - Afastado o acolhimento de decadência, por se tratar de responsabilidade pelo fato do produto;
4 - Intimados os apelados para apresentar contrarrazões;
5 - Determinado o retorno dos autos ao juízo de primeira instância, para prosseguimento do feito.
Termos em que,
Pede Deferimento.
Local, data e ano.
Advogado.
OAB/ UF nº XXXXXX
AULA 12
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUÍZ DE DIREITO DA 40ª VARA CÍVEL DA COMARCA CURITIBA-PR
Processo nº XXX.XXX.XXX.XXX-X
Apelante: Leonardo
Apelado: Gustavo
Apelante
Nome Leonardo Estado Civil xxx, Nacionalidade xxx, CPF Xxx, Profissão Xxx, Endereço xxx, CEP Xxx, Filiação xxx,
Apelado
Nome Gustavo, Estado Civil xxx, Nacionalidade xxx, CPF Xxx, Profissão Xxx, Endereço xxx, CEP Xxx, Filiação xxx
O apelante acima qualificado, por seu procurador signatário, interpor o presente recurso de APELAÇÃO, no prazo legal (arts. 508 e 513/CPC), eis que data venia não concorda com os temos da R. Decisão de fls.
Requer seu envio para a egrégia instância superior, para o que, solicita que Vossa Excelência o receba e determine o seu processamento, tudo segundo a exposição e as razões que adiante seguem, para apreciação devida.
Diante das disposições do Art. 520 CPC requer seja recebida no seu efeito devolutivo e suspensivo.
Para tanto, faz juntar o comprovante de efetivação do preparo. (Art. 511 CPC)
Requer a intimação do Apelado – acima qualificado – com a finalidade que de, querendo, responda ao presente recurso.
Termos em que,
pede deferimento.
Curitiba-PR, 27 de janeiro de 2009.
Advogado
OAB/MG xxx.xxx
Agora a peça que chamamos de “razões do recurso”
 
EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ
RECURSO DE APELAÇÃO
Apelante: Leonardo
Apelado: Gustavo
RAZÕES DO APELANTE: Leonardo
Egrégio Tribunal,
Eminentes Julgadores,
 Preclaro Relator
a R.Sentença recorrida deve ser ANULADA eis que extra petita.
Entendendo diversamente seja a mesma reformada no sentido explicitado nos “pedidos”.
 
BREVE HISTÓRICO
Mínimo do relatório ofertado no caso em estudo.
Fatos
1- Nulidade da sentença
Extra petita
danos morais não pleiteados
Aqui pode ocorrer o caso onde ocorre o “princípio da causa madura” ou seja aquela que o art. 515 § 3º CPC anuncia! Nesta teoria o tribunal ao cassar a decisão, estando o processo devidamente instruído, prolataria uma nova decisão.
Contudo muitos advogados e doutrinadores entendem que o processo deverá voltar a primeira instância para julgamento eis que uma “sentença” na segunda instância seria “supressão do princípio do duplo grau de jurisdição”.
2- reforma
nexo de causalidade - culpa da vítima
ausência de gasto com remédios
DOS PEDIDOS:
Diante do acima exposto, requer:
Nulidade extra petita– devolver para mm juiz proferir outra
notem que os pedidos aqui são alternativos.
Reforma para nexo de causalidade e não condenar o apelante
reforma para – se nexo de causalidade – não reconhecer os R$ 2.000,00 de remédio
Curitiba 27 de janeiro de 2009.
Advogado
OAB/MG xxx.xxx
AULA 13
EXCELENTISSIMO SENHOR DOUTOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MINAS GERAIS
Processo: Número do processo
Agravante: João Sobrenome.
Agravado: Pedro Sobrenome.
João Sobrenome, brasileiro, solteiro, professor, portador do CPF: número do CPF, residente e domiciliado na Rua, número, apartamento, bairro, Juiz de Fora-MG, CEP, vem, respeitosamente perante Vossa Excelência, neste ato representado por seu Advogado, devidamente constituído através de mandato, em anexo, Dr. Nome Sobrenome, OAB/Estado, com endereço profissional para todos os fins na Rua, número, sala, bairro, Cidade, Estado, CEP, com fundamento no artigo 522 do CPC, interpor o presente
AGRAVO DE INSTRUMENTO COM PEDIDO DE ANTECIPAÇÃO DA TUTELA RECURSAL
em desfavor de Pedro Sobrenome, brasileiro, solteiro, jogador de futebol, portador do CPF, número do CPF, residente e domiciliado na Rua, número, apartamento, bairro, Rio de Janeiro-RJ, CEP, patrocinado, em 1ª instância pelo Advogado Dr. Nome Sobrenome, OAB/Estado, conforme mandato acostado em Fls.
Com fundamento nas razões anexas, contra decisão proferida liminarmente e inaudita altera parte pelo Exmo. Juiz da 2ª Vara Cível da Comarca de Juiz de Fora-MG, requerendo, desde-já seja o presente Recurso recebido e processado, e os seus pedidos providos.
Informa, o agravante, que os documentos que acompanham a presente foram autenticados na forma do artigo 525 do CPC, sendo que a ausência do preparo se justifica pelo requerimento anexo de concessão de justiça gratuita.
NESTES TERMOS, PEDE DEFERIMENTO
LOCAL, DATA
ADVOGADO, OAB/SECCIONAL
(PRÓXIMA PÁGINA)
MINUTA DE AGRAVO - COLENDA CÂMARA, NOBRES DESEMBARGADORES
PROCESSO DE ORIGEM: Número do processo de origem.
AGRAVANTE: João Sobrenome
AGRAVADO: Pedro Sobrenome
1. Dos Fatos e da decisão agravada.
Cuida, em primeira instância, o Processo número, de Ação de Despejo cumulada com cobrança de aluguéis em virtude da inadimplência do Agravante, de quatro meses de aluguéis, conforme contrato de locação celebrado em 1º de Outubro de 2012 entre o agravante e o agravado.
Na inicial foi pedido e em decisão liminar foi deferido o despejo liminar do Agravante, sendo concedido o prazo de 72 horas para tanto, sob pena de multa diária de Dois Mil Reais, em virtude do inadimplemento acima, nos termos da decisão anexada ao instrumento e atacada por este Recurso. Sendo estes os fatos que ensejam o presente Recurso, passa-se às Razões que o sustentam.
2. Das Razões do Recurso de Agravo.
O presente agravo, interposto na sua modalidade excepcional, “por instrumento”, tem cabimento, nos termos do Art. 522, caput, do CPC, em virtude da suscetibilidade de “causar à parte lesão grave ou de difícil reparação”, não só com o despejo em 72 horas, mas, também, com a penalidade em forma de astreintes estipulada em 1ª instância, esta urgência é a razão pela qual, não se utiliza, por ser inútil no momento, o agravo genérico, em sua modalidade “retido”, mas sim o presente, por instrumento.
Determina o Art. 62 da Lei 8.245/1991, em seus incisos I e II, que o locatário e o seu fiador, que foi devidamente ofertado, devem ser citados, sendo-lhes facultado, no prazo de 15 dias, o pagamento do débito atualizado, purgando a mora, o que foi desrespeitado pela decisão recorrida e enseja, por sua vez, a reforma da decisão, vez que ilegal.
Embora o Artigo 461, §4º e 5º, do CPC, autorize, expressamente, independente de pedido do autor, a imposição de multa diária, como forma de efetivar a tutela concedida, esta se torna abusiva no presente caso, vez que há, nos próprios artigos e parágrafos já mencionados, a possibilidade de o Juiz determinar a remoção de pessoas e/ou coisas, garantindo-se, assim, a efetividade da tutela jurisdicional pretendida, através de uma medida menos lesiva aos interesses do Agravante.
3. Da Antecipação da Tutela Recursal
Estando devidamente demonstrada a urgência que justifica a interposição do presente agravo via instrumento e da ilegalidade da sentença recorrida, vez que contrária à lei específica (Lei. 8.245/1991) e claramente desproporcional, torna-se cabível, nos termos do Art. 527, III e 558 do CPC, com o fito de que a decisão recorrida tenha a sua eficácia suspensa até o julgamento final do recurso, a antecipação da tutela recursal, vez que legalmente prevista e absolutamente necessária ao presente caso.
4. Dos pedidos.
a) Intimação do agravado na pessoa do seu advogado acima qualificado, para, querendo, responder o Recurso.
b) Concessão da tutela antecipada para suspensão da sentença recorrida até findo o julgamento recursal.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.