SOCIEDADE EM NOME COLETIVO
8 pág.

SOCIEDADE EM NOME COLETIVO


DisciplinaDireito Empresarial I22.914 materiais94.326 seguidores
Pré-visualização2 páginas
SOCIEDADE EM NOME COLETIVO 
1. HISTÓRICO 
Originou-se na Idade Média, na Itália, e teve seu surgimento no fato de que 
os irmãos que recebiam, por herança, os negócios de seu ancestral os 
mantinham em nome coletivo. Era uma sociedade composto essencialmente 
por familiares. 
Dessas sociedades familiares é que surgiram as sociedades em nome 
coletivo, que passaram a ser formadas não exclusivamente por membros de 
uma mesma família, mas por pessoas cuja vínculo se estabelece pelo contrato 
social. 
Este tipo societário está disciplinado nos artigos 1.039 a 1.0444 CC. 
2. CARACTERÍSICAS 
A) Responsabilidade dos sócios 
A característica essencial da sociedade em nome coletivo é a 
responsabilidade ilimitada e solidária dos seus sócios. Assim, cada sócio 
responderá isoladamente e ilimitadamente por qualquer obrigação social, 
mesmo que superior ao valor do capital social. No entanto, a responsabilidade 
subsidiária não é descartada. \u2013 art 1.039 CC. 
Os sócios da sociedade em nome coletivo podem limiar entre si a 
responsabilidade de cada um - parágrafo único 1.039 CC. 
Por exemplo: pode-se conferir a um dos sócios, através de contrato, 
responsabilidade limitada ao capital integralizado e ao outro sócio, 
responsabilidade ilimitada. 
Mas esse pacto só tem validade entre os sócios, não sendo oponível a 
terceiros. 
 
b) Perfil dos sócios 
Neste tipo de sociedade todos os sócios devem ser pessoas físicas e apenas 
pode ser administrada pelos sócios. A administração compete exclusivamente 
aos sócios, sendo vedada a nomeação de terceiros para a administração. \u2013 art. 
1042 CC. 
c) Do nome empresarial 
O nome da sociedade em nome coletivo pode ser constituído pelo nome de 
um dos sócios ou algum deles, acompanhado da expressão \u201ce companhia\u201d, por 
extenso ou abreviadamente (\u201ce Cia ou \u201c& Cia\u201d), ou ainda pode ser constituída 
pelo nome de todos os sócios. 
Exemplo: 
- Silva, Campos & Companhia. 
- Pedro, Paulo, Patrícia & Companhia. 
A firma social assinada por qualquer dos sócios administradores, que no 
contrato for autorizada a fazer uso dela, obriga todos os sócios solidariamente 
para com terceiros, e a estes para com a sociedade. 
O uso da firma é privativo dos que tenham os necessários poderes, nos limite 
do contrato. 
 
d) Do contrato 
O contrato, além das indicações obrigatórias constantes o artigo 997, deve 
trazer a firma social. \u2013 art 1.041 CC. 
e) Dos credores 
O credor particular do sócio não poderá liquidar as quotas inerentes ao seu 
devedor (no caso é o sócio), antes de dissolvida a sociedade. 
Exceções que permitem o credor particular do sócio liquidar as quotas 
inerentes ao mesmo, sem dissolver-se a sociedade: 
a) Prorrogação tácita da sociedade em nome coletivo: essa 
prorrogação é informal, pois não ocorre a alteração contratual 
necessária; 
b) Prorrogação formal: formalizada via de termo aditivo, averbado junto 
ao Contrato Social e neste caso, o credor deverá ingressar com pedido 
judicial dentro de 90 dias contados da publicação da averbação. 
Credores: o art. 1.043 e seu parágrafo único. 
f) Dissolução 
Finalmente, temos que a Sociedade em Nome Coletivo dissolver-se-á na 
verificação de uma das hipóteses do art. 1.033 do CC. 
O legislador cuidou de prever que a dissolução de tal sociedade também se 
dará por meio de declaração da falência; hipótese que cuidou de salientar que 
somente poderá ocorrer em se tratando de Sociedade Empresária. 
Desta forma, na situação em concreto em que a Sociedade em Nome Coletivo 
desempenhar objeto mercantil relacionado com a produção ou circulação de 
bens ou serviços, ela também poderá ser dissolvida através da declaração da 
falência. 
 
EXEMPLO REAL DO TIPO DE EMPRESA: 
Sócios: 
- João Maria: 50% 
- José Paulo: 30% 
- Maria de Jesus: 10% 
- Joaquina da Silva: 10% 
 
Nome: João Maria E Cia 
Objeto: prestação de serviço musical. 
Conclusão 
A sociedade em nome coletivo é um tipo de sociedade que se originou em 
tempos antigos, nas comunidades familiares da antiga Itália na idade média, 
onde famílias locais tinham negócios entre si. 
 
Este tipo de sociedade é formada por sócios que, obrigatoriamente, terão 
de ser pessoas físicas ou naturais e tem a presença do affectis societatis, que 
se trata da livre e espontânea vontade dos sócios constituírem a empresa. 
 
O nome da empresa é em firma social e tem, por regra, de ser formado pelo 
nome de todos os sócios ou então pelo nome de um sócio e o termo \u2018\u2019& Cia\u2019\u2019 
por extenso ou abreviado, indicando a existência de outro(s) sócio(s). 
 
A principal característica deste tipo de empresa é a responsabilidade 
solidária e ilimitada dos sócios na sociedade perante terceiros. Isso significa 
que, uma vez que a sociedade esteja em débito e seu patrimônio não o 
suporte, cabe aos sócios o dever de executar a dívida utilizando seus 
patrimônios pessoais, salvo os bens de família e os bens sem valor elevado. 
Neste tipo de sociedade também os sócios podem limitar, entre si, as suas 
responsabilidades, seja no ato constitutivo ou por convenção entre eles. Esta 
limitação de responsabilidade é feita através da realização da divisão de cotas, 
que deverá constar no contrato social. A administração deste tipo de sociedade 
cabe exclusivamente aos sócios e não é permitida a intervenção de um não 
sócio na mesma. A dissolução é regida pelo contrato social, e para os casos 
omissos, a lei. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
SOCIEDADE EM COMANDITA SIMPLES 
 
1. HISTÓRICO 
A sociedade em comandita simples começou a ser utilizada nas expedições 
marítimas do século XIV. Nestas sociedades havia duas classes de sócios: 
aqueles que emprestavam todo o capital para a viagem, sem dela participar, 
e outro sócio que normalmente era o capitão do navio que se encarregava 
da viagem e corria os riscos do empreendimento em nome próprio e em 
proveito da sociedade. 
A sociedade em comandita simples que foi acolhida pelo Código Comercial 
brasileiro de 1850 e assim, o termo "comanditar", diz respeito a relação 
de confiança. 
 
2. CONCEITO 
Pode ser considerada a sociedade comercial mais antiga, como se observa 
no estudo da formação histórica da sociedade romana. 
 
Comandita simples é o tipo societário, em que duas ou mais pessoas se 
associam, para fins comerciais, obrigando-se uns como solidários, 
ilimitadamente responsáveis, e outros simples prestadores de capitais, com 
a responsabilidade limitada às suas contribuições de capital. 
 
3. NATUREZA JURÍDICA 
Tem natureza contratual ou de pessoas, diante dessas condições o reflexo 
da responsabilidade assumida pelos sócios, a sociedade em comandita 
simples apresenta natureza mista, eis que nela coexistem sócios de 
responsabilidade limitada, aqueles que respondem conforme o capital e 
outros de característica limitada. 
 
4. CARACTERÍSTICAS 
A sociedade em comandita simples possui duas categorias de sócios: 
a) Os sócios comanditados: os quais serão sempre pessoas físicas, que 
respondem ilimitadamente pelas dívidas da sociedade. São os sócios 
que contribuem com capital e serviço, além de administrar a sociedade e 
é o nome dele que irá compor o nome da sociedade, seguida da 
expressão \u201ce companhia\u201d; 
 
b) Os sócios comanditários: podem ser pessoa física ou jurídica. A 
responsabilidade é limitada ao capital investido na sociedade. Estes 
sócios são os chamados prestadores do capital e fazem com a condição 
de não serem obrigados além dos fundos que forem declarados no 
contrato. 
 
Eles podem participar das deliberações da sociedade e fiscalizar as 
operações. No entanto, não pode praticar qualquer ato de gestão e nem 
ter o nome da firma social, sob pena de ficar sujeito às 
responsabilidades de sócio comanditado.
Tayna
Tayna fez um comentário
o q é limiar ?????
0 aprovações
Fernando
Fernando fez um comentário
Útil
0 aprovações
alicii
alicii fez um comentário
Olá! Existe uma quantidade de capital a ser declarado?
1 aprovações
Carregar mais