Perguntas Frequentes FAP 2017 vigencia 2018
9 pág.

Perguntas Frequentes FAP 2017 vigencia 2018

Disciplina:<strong>administrativoii</strong>20 materiais1 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Perguntas Frequentes – FAP 2017 – Vigência 2018

1. Qual a principal mudança do FAP 2017, vigência 2018, em relação ao
FAP 2016, vigência 2017?

Destaca-se que para a vigência 2018 ocorreram importantes

mudanças no método de cálculo, conforme Resolução aprovada pelo

Conselho Nacional de Previdência - CNP nº 1.329, de 2017.

Serão considerados no cálculo do FAP os benefícios acidentários

(B91, B92, B93 e B94) e os óbitos, sendo estes assim registrados por meio

das Comunicações de Acidente de Trabalho - CATs.

Não serão mais contabilizados os acidentes que gerem incapacidade

inferior a 16 dias; assim como qualquer acidente decorrente de trajeto,

assim identificado por meio de CAT.

Ressalta-se que o desconto para as empresas que possuem FAP maior

que 1,0000, e que não apresentaram casos de morte ou invalidez

permanente no primeiro ano do período-base (Redução do malus), será de

15% sobre o que exceder a 1,0000 e não mais de 25%, como nas vigências

anteriores. A partir do cálculo 2018, vigência 2019, esta redução será

excluída.

Para fins de bloqueios de bonificação e redução do malus, somente

serão considerados os eventos morte, pensão por morte e invalidez no

primeiro ano do período-base, sendo que para a morte a referência é a Data

de Cadastramento da CAT, e para a pensão por morte e invalidez a

referência é a Data de Despacho do Benefício

Não haverá mais desbloqueio de bonificação pelo sindicato, inclusive

quando decorrente da Taxa Média de Rotatividade superior a 75%. Para o

cálculo dessa taxa, serão consideradas apenas as rescisões sem justa causa,

por iniciativa do empregador, inclusive rescisão antecipada do contrato a

termo; e as rescisões por término do contrato a termo.

 Em relação à classificação dos estabelecimentos (o Nordem) dentro

da atividade econômica, houve alteração para a seguinte situação: quando

ocorrer o fato dos estabelecimentos ocuparem posições idênticas, ao

serem ordenados para formação dos róis (de frequência, gravidade ou

custo) e cálculo dos percentis de ordem, o Nordem de cada

estabelecimento neste empate será calculado como a posição inicial de

empate dentro deste grupo, e não mais a posição média, como acontecia

nas vigências anteriores.

.

2. Onde se encontra a descrição do método de cálculo do FAP 2017,
vigência 2018?

O método de cálculo do FAP está descrito na Resolução n° 1.329, de
25 de abril de 2017, do Conselho Nacional de Previdência - CNP.

3. Quais fontes de dados foram utilizadas no cálculo do FAP 2017,
vigência 2018?

A depender do insumo necessários ao cálculo, o FAP utiliza distintas
fontes de dados, abaixo descritas.

 Benefícios Acidentários: Sistema Único de Benefícios – SUB.

 Comunicação de Acidente de Trabalho – CAT: Sistema
CATWeb.

 Cadastro dos Estabelecimentos: Cadastro Nacional de
Informações Sociais Pessoa Jurídica – CNIS-PJ.

 Vínculos e Remunerações: Sistema GFIPWeb.

4. Qual a data de publicação do Fator Acidentário de Prevenção – FAP
2017, vigência 2018?

30 de setembro de 2017, conforme estabelecido na Portaria
Ministerial / MF nº 420, de 27 de setembro de 2017.

5. Como o estabelecimento terá conhecimento do FAP a ele atribuído?

O estabelecimento terá conhecimento do FAP por meio de senha
específica para cada empresa, cadastrada e utilizada na Receita Federal do
Brasil para outros serviços relativos a contribuições previdenciárias.

De posse da senha, o estabelecimento fará a consulta ao FAP no sítio
da Previdência ou no sítio da Secretaria da Receita Federal - RFB.

Não haverá a necessidade de uma senha para cada estabelecimento.
A senha a ser utilizada é a mesma senha que já vinha sendo utilizada

para a consulta do FAP por empresa.

6. Caso o estabelecimento tenha perdido ou não tenha a senha
necessária para consulta ao FAP poderá resgatá-la ou cadastrá-la na

Secretaria de Previdência - SPREV ou no Instituto Nacional do Seguro Social
- INSS?

A SPREV ou INSS não possuem qualquer ingerência sobre a senha de
consulta ao FAP.

Caso o estabelecimento tenha perdido ou não tenha a senha
necessária para consulta ao FAP, deverá recuperá-la ou cadastrá-la na
Secretaria da Receita Federal, através de seu representante legal.

Ressalta-se que o representante legal da empresa não fará à RFB uma
solicitação de senha específica para consulta ao FAP, mas sim fará uma
solicitação de senha serviços relativos a contribuições previdenciárias.

7. Quais são os possíveis resultados de cálculo do FAP?

Na tela de consulta, o resultado do cálculo o FAP é representado pelo
Índice Composto (IC), cujas possíveis possibilidades de apresentação são:

 IC > 1,0000 - FAP na faixa malus, com ou sem redução de
15% (essa redução incide apenas sobre a parcela do IC que
exceder a 1,0000);

 IC = 1,0000 – FAP neutro;

 0,5000 ≥ IC < 1,0000 – FAP na faixa bônus;

 IC = 0,5000 FAP na faixa bônus;

 0,0000 > IC < 0,5000 FAP na faixa bônus;

 IC não calculado, FAP 1,0000 por definição.

8. O IC é o FAP a ser informado no SEFIP?
 Vide orientação da IN 971 e Ato Declaratório Executivo SRFB.

9. Em qual documento o estabelecimento informa o FAP a ele
atribuído?

No campo “FAP” da Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à
Previdência Social – GFIP.

Na GFIP há três campos relativos à informação do Seguro Contra
Acidentes do Trabalho.

 Campo RAT: Informar a alíquota (0,01, 0,02 ou 0,03) para
o cálculo da contribuição destinada ao financiamento dos
benefícios concedidos em razão do grau de incidência de
incapacidade laborativa decorrente dos riscos ambientais do
trabalho – RAT (GIILRAT).

 Campo FAP: Informar o multiplicador FAP – Fator
Acidentário de Prevenção.

 Campo RAT Ajustado: O SEFIP multiplicará o FAP pela
alíquota RAT, para encontrar o “RAT ajustado”, que será
utilizado para o cálculo das contribuições devidas.

Para preenchimentos, vide Ato Declaratório nº 3 da RFB, de 18 de

janeiro de 2010.

10. Como o estabelecimento poderá solicitar o desbloqueio de
bonificação do FAP?

Conforme Resolução n° 1.329, de 25 de abril de 2017, do Conselho
Nacional de Previdência, não mais existe a possiblidade de desbloqueio da
bonificação.

11. Como o estabelecimento poderá contestar em 1ª instância o FAP a
ele atribuído?

A contestação do FAP 2017, Vigência 2018, em 1ª Instância, será
realizada pelo estabelecimento, no período de 01 de novembro de 2017 a
30 de novembro de 2017, exclusivamente em meio eletrônico por meio de
formulário disponibilizado no sítio da Previdência e da Receita Federal do
Brasil – RFB. (Ver PASSO A PASSO PARA ENCAMINHAMENTO DE
CONTESTAÇÃO).

12. Quais são os elementos de contestação do FAP?

Os elementos previdenciários que compõem o cálculo do FAP
contestados deverão ser devidamente identificados, conforme incisos
abaixo, sob pena de não conhecimento:

I – Comunicação de Acidentes do Trabalho– CAT com
Óbito; seleção das CATs relacionadas para contestação.

II – Benefícios - seleção dos Benefícios da espécie acidentária
(B91, B92, B93 e B94) relacionados para contestação.

III - Massa Salarial – seleção da(s) competências(s) do
período-base, inclusive a 13º salário, informando o valor de massa
salarial (campo “REMUNERAÇÃO” - GFIP) que o estabelecimento
(CNPJ completo) considera correto ter informado para cada
competência selecionada.

IV – Número Médio de Vínculos - seleção da(s)
competências(s) do período-base, informando a quantidade de
vínculos (campo “EMPREGADOS E TRABALHADORES AVULSOS” -

GFIP) que o estabelecimento (CNPJ completo) considera correta
ter informado para cada competência selecionada.

V – Taxa Média de Rotatividade – seleção do(s) ano(s) do
período-base, informando