Buscar

Diferença entre Empresa e Empresário no Novo Código Civil

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

Universidade Estácio de Sá
Disciplina: Direito Empresarial I
Professora: Cláudia Rodrigues dos Santos (Matsuda)
Aluna: Sonia Cristina Silva de Mello – Mat.: 20130705459-5
Aula 1.
Caso Concreto: O novo código civil trouxe várias inovações no que diz respeito ao Direito Empresarial e seus princípios. Uma das principais alterações se refere à substituição de conceitos adotados anteriormente pela teoria dos atos de comércio que passam a ser regulados agora pela teoria da empresa instituída na Itália. Nesse sentido, com fulcro no novo Código Civil, defina e diferencie empresa de empresário, trazendo as características de cada um.
[...] empresa é uma atividade econômica organizada 
com a finalidade de fazer circular ou produzir bens ou 
serviços. Empresa é, portanto, atividade, algo abstrato. 
Empresário, por sua vez, é quem exerce empresa. Assim, 
a empresa não é sujeito de direito. Quem é sujeito de 
direito é o titular da empresa. Melhor dizendo, sujeito de 
direito é quem exerce empresa, ou seja, o empresário, que 
pode ser pessoa física (empresário individual) ou pessoa 
jurídica (sociedade empresarial). (RAMOS, 2008, p. 62).
O artigo 966 do Novo Código Civil traz a definição de quem é considerado empresário assim definido:
“Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou circulação de bens ou serviços”.
Cumpre destacar que o Novo Código Civil também estabelece uma restrição de quem não poderá ser empresário. No parágrafo único do artigo 966 do Código Civil traz esta restrição: 
“Não será considerado empresário aquele que exercer profissão intelectual de natureza científica, literária ou artística, mesmo se contar com o auxílio de colaboradores.
Entretanto, o profissional que organizar a sua atividade de maneira empresarial, independente da natureza da profissão, será considerado empresário.
Por mais abrangente que seja a Teoria da Empresa, por força de lei – parágrafo único do artigo 966, artigos 971, 982 e 984, todos do Código Civil, algumas atividades econômicas não foram acolhidas em seu âmbito de tutela, in casu: 
1. Prestação de serviço de forma direita e profissionais intelectuais (advogados, médicos, professores e outros profissionais liberais), enquanto o exercício da profissão não constituir elemento de empresa;
2. Exercentes da atividade rural, quando não registrados na Junta Comercial, por desenvolverem uma atividade de natureza familiar; e
3. Cooperativas, ainda que exerçam uma atividade empresarial de forma organizada e com o intuito de lucro, o legislador, por opção política, regulamentou que a cooperativa é sempre uma sociedade simples.
Conforme o artigo 1.142 do Código Civil: a empresa é uma atividade econômica organizada; o empresário é a pessoa física que exerce tal atividade, é o sujeito/agente de direitos e obrigações; a sociedade empresarial é a pessoa jurídica que exerce tal atividade, é o sujeito/agente de direitos e obrigações; e o estabelecimento empresarial/comercial é o local onde se exerce tal atividade, e mais, o complexo de bens corpóreos e incorpóreos, reunidos pelo empresário para o desenvolvimento de sua atividade empresarial.

Outros materiais