Disciplina Criança, família e escola
2 pág.

Disciplina Criança, família e escola


DisciplinaA Criança, A Família e A Escola1 materiais19 seguidores
Pré-visualização1 página
Disciplina: A Criança, A família e a Instituição de Educação Infantil. 
Discutindo sobre a educação, a escola e a família.
Com base na leitura propostas, responda as questões a seguir: 
- Por que as relações estabelecidas entre escola e família necessitam de reflexão e aprofundamento histórico?
De acordo com o Fascículo II de XAVIER FILHA, 2007 ( p.15), As relações entre as escola e a família nem sempre são amistosas, as vezes se dão em clima de conflito e até mesmo de competitividade. Muitas dificuldades no processo de socialização e de aprendizagem das crianças acontecem por ainda persistir a ideia de representações de famílias que predominam as práticas docentes. Muitas dessas representações acontecem sobre um único modelo de família e tudo fora desse modelo é considerado inadequado. 
Portanto as relações estabelecidas entre escola e família necessitam de reflexão e aprofundamento histórico, porque é neste que se pode observar como estas relações foram construídas. Além de nos questionarmos acerca das representações de um único modelo de família, como vimos tratando, temos de analisar como se produziu a relação escola/família.
- Segundo Szymanski (1997) a maneira de a família se organizar, por si só, não é responsável pelo comportamento acadêmico de suas crianças. Por que a autora diz isso?
Segundo Szymanski (1997), existem outros aspectos responsáveis pelo comportamento acadêmicos de suas crianças. De acordo com o Fascículo II de XAVIER FILHA, 2007 (p.16-17), primeiramente que nem todas as famílias são violentas e que não é verdade que todas as famílias de baixa renda sejam as mais violentas. Porém, em muitos casos, essas famílias são vítimas da violência pelas próprias condições de sobrevivência. Outro aspecto é a condição das famílias trabalhadoras que dificulta um acompanhamento mais próximo do trabalho acadêmico das crianças e também a baixa escolaridade que dificulta a realização ou acompanhamento das tarefas escolares. Outro aspecto é o ponto de vista das famílias sobre a escola. As famílias expõem suas dificuldades em conseguir vagas nas escolas e não compreendem os processos para realizar a matricula. Não se preocupam ir às reuniões pedagógicas porque estas se dão no seu período de trabalho, mas questionam as faltas das professoras. Não gostam de ouvir os problemas que seus filhos estão causando. Outro aspecto é que encaram a falta de sucesso de seus filhos à sua falta de vontade de estudar ou a algum problema de saúde. 
- Parece haver consenso, nos dias atuais, sobre a participação da família na instituição educativa. No entanto, pergunta-se, qual é a participação que se espera?
De acordo com o Fascículo II de XAVIER FILHA, 2007 ( p.19-21),cobra-se uma participação efetiva da família no contexto escolar. Nas instituições de ensino, as professoras e os professores desejam a participação da família no acompanhamento do desenvolvimento escolar das crianças e uma frequência em reuniões pedagógicas solicitadas pela escola. Entretanto muitas formas de participação da família na escola acontecem de formas desiguais, uma vez que famílias de baixa renda são chamadas para prestar algum serviço na instituição, como pintura no edifício e servir merenda das crianças. Enquanto famílias de classe média são chamadas para participarem de decisões importantes a serem tomadas na instituição. Entretanto precisa ocorrem um diálogo aberto, a compreensão e aceitação de criticas entre a escola e as famílias. 
REFERÊNCIAS
XAVIER FILHA, Constantina. \u201cA Criança, a Família e a Instituição de Educação Infantil. Cuiabá: EdUFMT, 2007, p. 11-25.