A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
curso dosagem aula 4 fabio ulbra

Pré-visualização | Página 1 de 2

15/10/2010
1
CEULP/ULBRACEULP/ULBRA
CURSO DE ENGENHARIA CIVILCURSO DE ENGENHARIA CIVIL
CURSO DE DOSAGEM 
DE CONCRETOS
Prof. Fábio Ribeiro, MSc.
Eng. Civil & Eng. Seg. Trab.
DOSAGEM DE CONCRETOS
� Conceito
� Conjunto de procedimentos adotados 
para a determinação da composição do
concreto (traço), expressa pelas 
proporções relativas (massa ou 
volume) dos materiais constituintes.
15/10/2010
2
DOSAGEM DE CONCRETOS
DOSAGEM DE CONCRETOS
� QUALQUER DOIDO PENSA 
QUE SABE FAZER CONCRETO...
� O PIOR É QUE ELE FAZ!!!
Adam Neville (1986) 
15/10/2010
3
DOSAGEM DE CONCRETOS
DOSAGEM DE CONCRETOS
15/10/2010
4
DOSAGEM DE CONCRETOS
� Objetivos
� Encontrar a mistura mais econômica 
para a obtenção de um concreto com 
características adequadas às condições 
de serviço, empregando os materiais 
disponíveis.
DOSAGEM DE CONCRETOS
� Requisitos
� Trabalhabilidade
� Resistência
� Permeabilidade
� Exposição Ambiental
� Custo
15/10/2010
5
DOSAGEM DE CONCRETOS
� Fundamentos
� Traço:
� massa - 1 : a : b : a/c
� volume - 1 : a : b
� Mudança de traço:
� massa/volume ou volume/massa - massa
unitária
DOSAGEM DE CONCRETOS
� Fundamentos
� fck = resistências característica
� fc28 = fck + 1,65 Sn
15/10/2010
6
DOSAGEM DE CONCRETOS
� Agregados miúdos:
�granulometria / módulo de finura
�massa específica e unitária
DOSAGEM DE CONCRETOS
� Agregados graúdos:
�granulometria / Dmáx
�massa específica e unitária
15/10/2010
7
DOSAGEM DE CONCRETOS
� Dosagem não experimental:
� traço é fixado em bases arbitrárias, 
definidas pela experiência ou tradição.
� obras de pequeno porte.
� Dosagem experimental:
� traço é fixado através de um estudo 
teórico-prático, para obtenção da mistura 
mais econômica a ser feita com os 
materiais disponíveis e que forneça um 
concreto com características adequadas às 
condições de serviço.
Seven steps method
(Método do ACI)
� 1o Passo - escolha do abatimento
� No momento da dosagem, o abatimento 
deve ter sido determinado pelas exigências 
da construção. Deve-se observar que o 
abatimento deve ser especificado não por 
um valor mínimo, mas também ser fixado 
um limite máximo.
� Isso é necessário para evitar segregação 
quando uma mistura sem um valor máximo 
especificado de abatimento se apresenta 
com excesso de água.
15/10/2010
8
� 1o Passo - escolha do abatimento
� Fatores condicionantes da trabalhabilidade:
� Equipamentos e procedimentos de 
concretagem
– Mistura
– Transporte
– Lançamento
– Adensamento
� Tempo de uso do concreto
� Condições ambientes
Seven steps method
(Método do ACI)
� 1o Passo - escolha do abatimento
� Tipos de trabalhabilidade:
Seven steps method
(Método do ACI)
15/10/2010
9
Seven steps method
(Método do ACI)
Seven steps method
(Método do ACI)
� 2o Passo - escolha do φmáximo 
do agregado graúdo
� Deve ser decidido pelo projetista 
estrutural, considerando as 
características geométricas das partes 
da estrutura e o espaçamento da 
armadura, ou alternativamente, por 
razões de disponibilidade.
15/10/2010
10
Seven steps method
(Método do ACI)
� Aspectos gerais:
� φmáximo deve ser o maior possível -
diminui a quantidade de pasta necessária 
por unidade de volume de concreto;
� φmáximo - menor dimensão entre as faces 
das fôrmas;
� φmáximo - espessura das lajes;
� φmáximo = ¾ menor espaço livre entre 
armaduras.
Seven steps method
(Método do ACI)
� 3o Passo - estimativa dos teores de 
água e ar incorporado
� O teor de água necessário para se obter 
um determinado abatimento depende de 
diversos fatores:
� do tamanho máximo, da forma, da textura 
e da granulometria dos agregados;
� do uso de aditivos com propriedades 
plastificantes ou de redução de água;
� da temperatura do concreto.
15/10/2010
11
Seven steps method
(Método do ACI)
Seven steps method
(Método do ACI)
� A Tabela 2 apresenta os valores recomendados 
pelo ACI 211.1-91.
� Estes valores são para agregados angulosos bem 
conformados. 
� Com agregado graúdo arredondado (seixo), pode-
se esperar uma redução do teor de água em cerca 
de 18kg/m3, no caso de concreto sem ar 
incorporado, e de 15kg/m3 em concretos com ar 
incorporado. 
� Os aditivos redutores de água e os 
superplastificantes reduzem significativamente os 
teores de água recomendados. 
15/10/2010
12
Seven steps method
(Método do ACI)
� 4o Passo - estimativa da relação água/cimento 
� Há dois critérios para a fixação da relação 
água/cimento: resistência e durabilidade. 
� Quanto à resistência, deve haver uma diferença 
apropriada entre o valor médio pretendido e o 
valor “mínimo” especificado (depende do tipo de 
cimento). Quanto à durabilidade, a relação a/c 
pode ser estabelecida pelo projetista estrutural ou 
por uma norma de projeto. É fundamental que a 
relação água/cimento escolhida seja a menor dos 
dois valores obtidos a partir de considerações de 
resistência e de durabilidade.
Seven steps method
(Método do ACI)
� 4o Passo - estimativa da relação 
água/cimento 
� A Tabela 3 apresenta uma estimativa da 
relação a/c, em função da resistência de
� dosagem do concreto. 
� A partir do fck (resistência definida em 
projeto), calcula-se o fcj (resistência de 
dosagem) pela expressão:
� fcj = fck + 1,65*sd
15/10/2010
13
Seven steps method
(Método do ACI)
� 4o Passo - estimativa da relação 
água/cimento 
� Onde sd = desvio padrão, determinado 
experimentalmente ou adotado segundo a 
norma brasileira, que pode ser:
� a) Controle rigoroso - sd = 4MPa
� engenheiro residente na obra;
� materiais medidos em massa;
� determinar umidade dos agregados 
periodicamente.
Seven steps method
(Método do ACI)
� 4o Passo - estimativa da relação 
água/cimento 
� b) Controle razoável - sd = 5,5MPa
� não se obriga engenheiro residente;
� o cimento é medido em massa;
� os agregados medidos em volume;
� umidade determinada periodicamente.
� c) Controle regular - sd = 7MPa
� não se obriga engenheiro residente;
� o cimento é medido em massa;
� os agregados medidos em volume;
� umidade estimada
15/10/2010
14
Seven steps method
(Método do ACI)
Seven steps method
(Método do ACI)
� 5o Passo - cálculo do teor de cimento
� Estimativa realizada a partir do consumo de água 
(passo 3) e da relação água/cimento (passo 4). No 
entanto se, devido à questão da durabilidade, 
houver um requisito de um valor limite de relação 
a/c, deve ser considerado o maior dos dois teores 
de cimento obtidos.
� Exemplo:
� A = 205 kg/m3
� fck = 19MPa
� sd = 5,5MPa
� fcj28 = 28MPa
� a/c = 0,57
� C = 359,6 kg/m3
15/10/2010
15
Seven steps method
(Método do ACI)
� 6o Passo - cálculo do teor de agregado 
graúdo
� Neste ponto se admite que o valor ótimo da 
relação entre o volume solto do agregado graúdo e 
o volume total do concreto depende somente do 
tamanho máximo e da granulometria do agregado. 
� A forma das partículas do agregado graúdo não 
entra diretamente nessa relação porque, por 
exemplo, um agregado graúdo britado tem um 
volume solto maior para uma mesma massa 
quando comparado com um agregado graúdo 
arredondado (seixo). 
Seven steps method
(Método do ACI)
� 6o Passo - cálculo do teor de agregado 
graúdo
� O volume de agregado graúdo é 
automaticamente transformado em massa 
de agregado por metro cúbico de concreto 
multiplicando-se o valor da Tabela 4 pela 
massa unitária de agregado seco 
compactado, em kg/m3.
15/10/2010
16
Seven steps method
(Método do ACI)
Seven steps method
(Método do ACI)
� 6o Passo - cálculo do teor de agregado 
graúdo
� Exemplo:
� Módulo de finura da areia = 2,60 (ensaio de 
granulometria