A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Lesoes nao Cariosas

Pré-visualização | Página 1 de 2

LESOES NAO CARIOSAS
Adequacao cavitaria- CIV
Nas lesoes nao cariosas (abrasao, erosao e abfracao) utiliza- se uma ponta esférica diamantada em baixa velocidade e com refrigeração para criação de ua falsa smear layer
Como essas cavidade esta oco um aspecto vitrificado, elas perdem a características de uma cavidade normal, então temos que fazer uma adequação nessas cavidades, utilizando CIV, pois a cavidade tem muito cálcio e fosfato.
Tratamento das paredes de esmalte
Termino Cervical
Pelo menos 1mm aquém da gengiva marginal:
Bisel nas paredes M.D C. e O. se necessário CIV como base. Chama- se de Sanduiche Fechado.
Faremos bisel no ângulo vivo com a ponta 2200
Sanduiche fechado por que vamos colocar o CIV como base, depois faremos uma finalização com resina composta translucida.
Ao Nivel da gengiva marginal, ou sub gengival
Bisel nas paredes M. D e O. se necessário CIV como base. Chama- se Sanduiche aberto.
Sanduiche aberto porque a margem do esmalte não termina em resina, termina em CIV
Lesoes de Abfracao
Remocao do agente de trauma oclusal e promover asperificacao com pontas diamantadas esferica em baixa velocidade: criar uma falsa smear layer, e retenção adicional no diedro AG.
ABRASAO
Normalmente a abrasão esta ligada com a escovação, alimento muito duro, roer unhas
Eh a perda de estrutura dentaria pelo desgaste mecânico que geralmente ocorre pela constante fricção por um corpo estranho. Ocorre principalmente quando existe uma exposição radicular ou histórico de raspagem ou curetagem radicular devido a uma escovação exagerada no sentido horizontal associada a escova dental dura e dentrificios abrasivos
Caracterizada por ter uma superfície lisa (por ser desgaste constante), polida (por que eh uma lesão abrasiva, escova e dente), com contorno regular e localiacao na face vestibular.
ESCOVA DENTAIS
Pressão das escovas dentais
	Paciente com alto indica de
	No de vezes
	Tempo (min)
	Forca (gf)
	Placa e calculo
	3
	3
	250
	LNC
	2
	1
	150
ABRASIVIDADE DOS DENTIFRICIOS
Os dentifrícios de peroxido, tem peroxido de hidrogênio, que eh responsável pelo clareamento, porem a maioria dos produtos vendidos não tem, mais tem a sílica, que vai retirar bioilme, e um pouco eesmalte junto, então no final das contas além do dente clarear vai ir escurecendo mais.
Temos 3 grupos de dentifrícios
Dentifrícios que removem manchas
Denifricios que inibem a formação de placa bacteriana
Dentifrício que inibem a formação de calculo dental
Todos esses dentifrícios são proibidos para recomendar ao paciente que tem abrasão, devemos indicar um o mínimo abrasivo possível, como a linha sensodine.
ALIMENTO ABRASIVVOS
Granolas, cenoura, rabanete são alimento altamente abrasivo.
EROSAO
Perda patológica, crônica, localizada e indolor da estrutura dentaria pela dissolução por ácidos não bacterianos proveniente de alimentos, bebidas, medicamentos e ainda por ácidos provenientes do próprio organismo. Esse processo pode ser agravado pela xerostomia (diminuição da capacidade tampao da saliva)
Caracterizada por um aspecto arredondado, raso, amplo e sem bordas definidas.
primeiro estagio
 esmalte com sua área plana, e ascentinado (meio opaco)
Segundo estagio
Depois fica com uma face mais clara e outra mais escura, a região cervical por ser a mais mole chamamos de apatita carbonadatada, que eh bastante reagente.
Um dente foi exposto a 6 horas seguidas a um isotônico. Aspecto esbranquiçado de região do esmalte desmineralizado. O esmalte ficou parcialmente desmineralizado onde se notam depressões resultantes da solubilidade seletiva dos prismas de esmalte.
FLUXO SALIVAR
Toda a goma d mascar estimula a salivação.
ETAPAS DA DESMINERALIZACAO
(me perdi um pouco nessa parte, ele esta falando de uma propaganda) Silicato de cálcio, associado ao sódico, em meio acido a sílica se torna hidratada, fazendo a abrasão do local, e como tem o flúor, vai formar a fluoropatita
DENTIFRICIOS
ACIDOS DE ORIGEM GASTRICA
A lei do intestino eh entrar pela a boca e sair pelo o reto, porem exstem pacientes que tem refluxo, e esse acido eh o mais destrutivo. 
Normalmente vai dissolver todo o esmalte da cervical.
FISIOPATOLOGIA
	Brilho e textura
	A superfície dentaria perde o seu brilho e textura, tornando- se frágil a medida que o esmalte eh degradado
	Primeiros sintomas
	Cor
	Os dentes tornam- se amarelados a medida que o esmalte vai diminuir de espessura, sobressaindo a cor amarela da dentina subjacente
	Primeiros sintomas
	Translucidez
	Os borsos incisais tornam- se mais finos, fazendo com que o dente pareca mais translucido
	Primeiros sintomas
	Estruturas
	Surgem pequenos tracos ou fratuas nos bordos incisais fragilizados devido a menor espessura dentaria
	Fase avançada
	Forma
	As restaurações podem parecer em sobreoclusao. Srgem lesões cuneiformes na zona cevical e as superfícies oclusais tornam- se escavadas
	
ABFRACAO
Perda de estrutura dental devido a microfraturas do esmalte desencadeadas por tensões de tração e compressão (deflexão do dente) proveniente de forcas oclusais mal dirigidas.
Caracterizada po forma de cunha, profunda, com margem bem definida,, podem ser encontradas em apenas um dente, ocasionalmente a lesão ou parte dela pode estar localizada subgengivalmente
As áreas de maior tensão dos dentes são as cervicais.
DIAGNOSTICO SIFERENCIAL
	Lesão
	Erosao
	Abrasao
	abfracao
	
	
	
	
	
	
	
	
	Profundidade
	Hipersensibilidade dentinaria
	Tratamento
	MENOS 1MM
	Presente
	Remocao do fator etiológico, dessenssibilizacao, proservacao
	
	
	
	
	
	
	
	
	
AGENTES DESSENSIBILIZANTES
O agente dessensibilizante ideal não deve ser irritante pulpar, deve ser indolor e de fácil aplicação, cessar rapidamente a dor após a aplicação, promover efeito duradouro, não provocar manchamento ter efetividade comprovada e ser de baixo custo.
HIDROXIDO DE CALCIO
Mecanismo de acao
Bloqueia os túbulos pela deposição de cálcio, além da hipermineralizacao da dentina, tornando- a mais resistente a acao dos ácidose, promover a neoformação dentinaria. Deve- se aplicar sob forma de pasta sobre as áreas sensíveis, deixando atuar livremente por 5 minutos, através do uso de bastao de madeira ou taca de borracha sobficcao. Outra forma 
COMPOSTOS FLUORETADOS
Aapatita fica menos solúvel.
Estimulam a formação de dentina menos solvel, por reagirem com ions cálcio do fluido dntinario, formando fluoretos
Pode ser aplicado pelo paciente nas socncentracoes de 0,05 ou 02% (diário e semanal, respectivamente) sob forma de bochechos.
Cloreto de estrôncio
Sua união com a dentina forma estroncioapatita, pela troca do calkcio pelo estrôncio
DENTIFRICIOS
Técnicas bastante recomendadas pela simplicidade de sua aplicação e com resultados positivos, principalmente quando a sensibilidade eh branda.
VERNIZES
Formam uma camada impermeabilizante, não deixando os túbulos dentinarios a mostra.
Deve ser aplicado com pincel ou microflux após a profilaxia.
SISTEMAS ADESIVOS
Quando não há perda de estrutura dentaria podem ser utilizados os sistemas adesivos. Nos adesivos auto condicionantes, a camada hibrida, formada pela impregnação de monômeros na superfície destinaria desmineralizada promove o selamento dos túbulos, limitando o movimento do fluido intratubular, porém, são removidos facilmente.
NITRATO DE POTASSIO
Despolariza as membranas das fibras nervosas, por causa da presenta do nitrato de potássio, bloqueando os estímulos nervosos. Recomenda- se a aplicação para dentes pos clareamento.
ARGINNA
Pesquisas recentes sugerem que arginina e o carbonato de cálcio da formula que são carregados positivamente em pH fisiológico se ligam a superfície da dentina, carregana negativamente e ajudam a formar uma camada rica emcalcio na superfície deda dentina e no interior dos túbulos dentinarios, selando- os. E essa oclusao permanece intacta ateh mesmo depois da exposição com vários ácidos.
FIOS