Resumo AV1 Direito Civil
2 pág.

Resumo AV1 Direito Civil


DisciplinaDireito Civil I53.140 materiais612.045 seguidores
Pré-visualização1 página
Resumo AV1 Direito Civil
Emancipação
Art. 5o A menoridade cessa aos dezoito anos completos, quando a pessoa fica habilitada à prática de todos os atos da vida civil.
Parágrafo único. Cessará, para os menores, a incapacidade:
I - pela concessão dos pais, ou de um deles na falta do outro, mediante instrumento público, independentemente de homologação judicial, ou por sentença do juiz, ouvido o tutor, se o menor tiver dezesseis anos completos;
II - pelo casamento;
III - pelo exercício de emprego público efetivo;
IV - pela colação de grau em curso de ensino superior;
V - pelo estabelecimento civil ou comercial, ou pela existência de relação de emprego, desde que, em função deles, o menor com dezesseis anos completos tenha economia própria.
Estatuto do deficiente
Art. 84.  A pessoa com deficiência tem assegurado o direito ao exercício de sua capacidade legal em igualdade de condições com as demais pessoas.
§ 1o  Quando necessário, a pessoa com deficiência será submetida à curatela, conforme a lei.
§ 2o  É facultado à pessoa com deficiência a adoção de processo de tomada de decisão apoiada.
§ 3o  A definição de curatela de pessoa com deficiência constitui medida protetiva extraordinária, proporcional às necessidades e às circunstâncias de cada caso, e durará o menor tempo possível.
§ 4o  Os curadores são obrigados a prestar, anualmente, contas de sua administração ao juiz, apresentando o balanço do respectivo ano.
Correção de registro errado.Nome que exponham ao ridículo
Art. 55. Quando o declarante não indicar o nome completo, o oficial lançará adiante do prenome escolhido o nome do pai, e na falta, o da mãe, se forem conhecidos e não o impedir a condição de ilegitimidade, salvo reconhecimento no ato. 
Parágrafo único. Os oficiais do registro civil não registrarão prenomes suscetíveis de expor ao ridículo os seus portadores. Quando os pais não se conformarem com a recusa do oficial, este submeterá por escrito o caso, independente da cobrança de quaisquer emolumentos, à decisão do Juiz competente.
6) Questão. Com base no disposto no código civil acerca de personalidade e capacidade jurídica julgue o item a seguir como certo ou errado.
	As crianças e adolescentes com menos de 16 anos de idade são absolutamente incapazes de exercer pessoalmente os atos da vida civil, em razão disso, um menor de 15 anos de idade não pode se casar.
Resposta: Certo, pois apenas os maiores de 16 anos e menores de 18 anos podem ser emancipados pelo tutor para exercerem seus atos da vida civil.
7)Questão: Rebecca, 70 anos, é portadora de patologia grave e o médico informou à família que Rebecca não teria mais do que 3 (três) meses de vida caso não realizasse tratamento bastante invasivo. A família, preocupada com a idade avançada de Rebecca, preferiu abrandar a gravidade notícia e autorizou o tratamento, sem explicar à Rebecca o que estava efetivamente acontecendo (o médico também se comprometeu com a família de que não falaria nada à paciente). Rebecca iniciou o tratamento acreditando que era apenas uma prevenção de um possível câncer. Ocorre que após alguns efeitos colaterais, Rebecca decidiu parar, escondida da família e do médico, o tratamento por acreditar que ele não interferiria em sua vida. Três semanas após a interrupção do tratamento, Rebecca veio a óbito. Obs: apesar da idade avançada, Rebecca estava em pleno gozo de suas faculdades mentais. Analisando as considerações aqui feitas e com fundamento na disciplina civil/constitucional dos direitos de personalidade, responda JUSTIFICADA E FUNDAMENTADAMENTE: 
Em que consiste o consentimento esclarecido? Ele foi respeitado? 
Resposta: o consentimento constitui dever do médico, sob pena de responsabilização. Neste sentido, é direito do paciente ser informado de toda e qualquer decisão que afete a sua integridade física e ou moral, para que seja alertado dos riscos e benefícios envolvidos, em obediência a dignidade da pessoa humana, princípio fundamental da RFB, Art. 1°, III, CF/88.
Se soubesse do risco que a interrupção do tratamento causaria, Rebecca poderia interrompe-lo?
Resposta: todo paciente tem o direito de receber as informações sobre o tratamento a que será submetido, e a partir daí, concordar ou não com o referido tratamento (consentimento informado). Isto porque a pessoa, tendo ciência dos riscos e consequências que pode sofrer, poderá escolher entre as opções apresentadas a que julgar ser a melhor para si.
8) Questão. A proteção dos direitos de personalidade positivada no código civil é aplicável ao caso? Há colisão de direitos? Fundamente sua resposta, dissertando ainda sobre as características do direito da personalidade e sobre o direito violado.
Sim. Sim. Fabíola expôs o casal, ferindo sua integridade moral e intelectual citando eles em rede pública. Isso vai contra os direitos da personalidade, pois ela violou a vida privada dos mesmos. Entretanto houve colisão de direitos. Direito de imagem x direito à liberdade de expressão.
Direitos da personalidade:
Extrapatrimoniais;
Intransmissíveis;
Vitalícios;
Irrenunciáveis;
Indisponíveis- violação do direito de imagem (direito absoluto) erga omnes (contra todos). 
9) Questão. Marinalva, 16 anos completos, requereu a seus tutores a sua emancipação pela via administrativa. Os tutores procuram você para explicar sobre a possibilidade de emancipação neste caso e procedimentos adequados a serem adotados. O que diria a eles? Fundamente e justifique a sua resposta, explicando inclusive, no que consiste a emancipação. 
Resposta: A emancipação significa a antecipação dos menores de 18 anos a exercer os direitos a vida civil. Pode ser:
Voluntária- com consentimento dos pais (no cartório);
Judicial- pelo tutor ou quando um dos pais se nega;
Legal ou necessário- em casos de casamento, colação de grau, concurso público e independência financeira
Os orientaria a recorrerem judicialmente, pois como são tutores (responsáveis, não pais), não poderiam emancipar voluntariamente.