Recurso ordinario Adesivo
6 pág.

Recurso ordinario Adesivo


DisciplinaReclamação Trabalhista34 materiais331 seguidores
Pré-visualização2 páginas
EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DO TRABALHO DE FLORIANÓPOLIS ESTADO DE SANTA CATARINA.
AUTOS Nº 0010101-20.2017.512.0001
Lojas Mensa Ltda. pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CGC/MF sob nº 15.155.000/0001-00, sita na Rua Alameda das Flores nº 30, Bairro Lagoa da Conceição, em Florianópolis/SC, por seu procurador e advogado infra-assinado, conforme instrumento de procuração inclusa, com escritório profissional na Rua, nº, bairro, vem mui respeitosamente perante Vossa Excelência interpor:	
RECURSO ORDINÁRIO ADESIVO	
Aduzindo suas razões em apartado, devendo o mesmo ser encaminhado ao Egrégio Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região, para apreciação com fulcro no art. 997 do NCPC e com fundamento na Súmula 283 do TST.
Termos em que,
Pede deferimento.
Florianópolis, 25 de abril de 2017
_____________________________
Luciana Soares \u2013 OAB/SP 654321
EGRÉGIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 12ª REGIÃO
 TRABALHISTA
ORIGEM: 1ª VARA DO TRABALHO DE FLORIANÓPOLIS
AUTOS Nº: 0010101-20.2017.512.0001	
RECORRENTE: Lojas Mensa Ltda.	
RECORRIDO: Jonas Fagundes
Insígnes Magistrados!	
Colenda Corte!	
DOS FATOS	
 Inconformado com a respeitável Sentença de fls. .... que julgou como parcialmente procedente os pedidos do reclamante: Reconhecer a existência de relação de emprego de 01/08/2016 até 02/03/2017, considerando a projeção do aviso prévio de 30 dias, devendo a CTPS ser baixada com data de 02/03/2017, nos termos da OJ n. 82, da SDI-I do TST. Tendo em vista i reconhecimento do vinculo empregatício e o fato de ser incontroverso que rescisão do contrato se operou por vontade empresarial, condeno a reclamada ao pagamento das seguintes verbas rescisórias: 30 (trinta) dias de aviso prévio, de 7/12 de férias proporcionais acrescidas do 1/3 constitucional, 2/12 de décimo terceiro salário proporcional e da multa de 40% sobre o FGTS. Determino, ainda, a entrega das guias CD/SD e o TRCT, no prazo de 5 dias após o transito em julgado, após intimação especifica para este fim.
E julgou improcedentes os pedidos referentes a inclusão de Horas Extras, assim como o adicional de periculosidade. Fixando como valor de condenção o montante de R$ 20.000,00 (vinte mil reais), com custas no valor de R$ 400,00 (quatrocentos reais).	
Discordando da sentença cabe a reclamada interpor Recurso Ordinário Adesivo com fulcro no artigo 997 do NCPC assim como na Sumula 283 do TST:
\u201cArt. 997.  Cada parte interporá o recurso independentemente, no prazo e com observância das exigências legais.
§ 1o Sendo vencidos autor e réu, ao recurso interposto por qualquer deles poderá aderir o outro.
§ 2o O recurso adesivo fica subordinado ao recurso independente, sendo-lhe aplicáveis as mesmas regras deste quanto aos requisitos de admissibilidade e julgamento no tribunal, salvo disposição legal diversa, observado, ainda, o seguinte:
I - será dirigido ao órgão perante o qual o recurso independente fora interposto, no prazo de que a parte dispõe para responder;
II - será admissível na apelação, no recurso extraordinário e no recurso especial;
III - não será conhecido, se houver desistência do recurso principal ou se for ele considerado inadmissível.
Súmula nº 283 do TST
RECURSO ADESIVO. PERTINÊNCIA NO PROCESSO DO TRABALHO. CORRELAÇÃO DE MATÉRIAS (mantida) - Res. 121/2003, DJ 19, 20 e 21.11.2003
O recurso adesivo é compatível com o processo do trabalho e cabe, no prazo de 8 (oito) dias, nas hipóteses de interposição de recurso ordinário, de agravo de petição, de revista e de embargos, sendo desnecessário que a matéria nele veiculada esteja relacionada com a do recurso interposto pela parte contrária.\u201d
 	Conforme os cabimentos supracitados o presente recurso é apresentado pelos motivos a seguir para reforma da referida sentença. 
DO DIREITO	
	Portanto, a Respeitável Sentença exarada pela Douta Vara do trabalho "a quo" foi "citra-petita", devendo ser reformada neste tópico realçado.
Como proferido nos autos ocorreu cerceamento de defesa conquanto a segunda testemunha indicada pelo recorrente não foi ouvida, sendo que por este motivo já devendo ser imputada Nulidade da sentença, conforme evocado pela Constituição Federal de 1988:
\u201cArt. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
LV - aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes;	\u201d
Ainda assim não há vinculo empregatício uma vez o que Jonas era um prestador de serviços contratado por meio de contrato de trabalho firmado entre as partes envolvidas como já elucidado anteriormente, assim sendo descarta-se o vinculo empregatício, sendo que para que haja um vinculo empregatício é necessário: que o trabalho seja realizado por pessoa física, pessoalidade, (este caso a pessoalidade fora descartada já que Jonas poderia indicar e enviar um terceiro para efetuar a montagem dos móveis), onerosidade e subordinação (no entanto o valor acordado por visita a cada cliente fora imposto pelo próprio Jonas valor este de R$ 20,00 (vinte reais), estipulando assim sua própria remuneração sem acordo com a reclamada, e ainda assim não tinha que se reportar diariamente a ninguém na loja, ou seja, não tinha subordinação a ninguém, devendo apenas cumprir com as montagens previstas em sua lista), ainda assim era necessário a não eventualidade (Não eram obrigatórias as visitas aos clientes, caso se encontrasse muito distante do local poderia se recusar a fazer a visita e montagem do móvel por consequência) neste caso descaracterizando totalmente a possibilidade do VINCULO EMPREGATICIO.
O valor acordado por visita a cada cliente fora imposto pelo próprio Jonas valor este de R$ 20,00 (vinte reais), estipulando assim sua própria remuneração sem acordo com a reclamada ainda assim o Reclamante alega que trabalhava 06 dias da semana, doze horas por dia trabalhado, requerendo indenização de horas extras trabalhadas. 
A Jornada de Trabalho pode ser de até 44 horas semanais, com intervalo de 1h no entanto na própria CLT temos configurado que:
Art. 62 - Não são abrangidos pelo regime previsto neste capítulo:
I - os empregados que exercem atividade externa incompatível com a fixação de horário de trabalho, devendo tal condição ser anotada na Carteira de Trabalho e Previdência Social e no registro de empregados; 
Assim, não são devidas horas extras para o Reclamante, eis que suas horas de trabalho foram devidamente cumpridas, demonstrando que as alegações feitas pela Reclamante são inverídicas.
Com relação ao valor de aluguel da motocicleta como já esclarecida o Valor pago não era pelo \u201caluguel\u201d, mas também para os gastos de combustível e manutenção/seguro e também para suprir a depreciação do veiculo sendo que o valor desprendido R$ 1.500,00 (mil e quinhentos reais) era de caráter indenizatório para zelo do bem móvel (patrimônio) de Jonas. 
O Reclamante não faz jus ao adicional de Periculosidade, eis que o trabalho realizado não implicava tal periculosidade.
A atividade laboral desenvolvida pelo Reclamante era de montador de móveis e fora informado pelo representante da reclamada que o mesmo pouco usava a motocicleta para visitar clientes, sendo que várias visitas eram feitas a pé por ficarem próximas e ainda que Jonas utilizava a motocicleta de maneira eventual para realizar as montagens e seu uso principal era para se deslocar de para o trabalho ida e volta. Neste caso ainda vale frisar que o maior tempo empregado por Jonas era na casa dos clientes e não na motocicleta tornando insignificante o período na motocicleta.
	Em detrimento ao pagamento da multa vale lembrar que o mesmo não possuía vinculo de emprego com a reclamada desta forma não fazendo jus a esta multa uma vez que tinha com a