A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Apol 1 História das Américas e Política Externa Brasileira

Pré-visualização | Página 1 de 2

Apol 1
Questão 1/5 - Política Externa Brasileira
Leia o trecho a seguir: 
"Rio Branco, porém, via o Brasil em posição de destaque na América do Sul, não de modo impositivo, mas, sim, decorrente de sua própria dimensão territorial, condição econômica e situação demográfica. Antes, porém, o país devia superar aquele isolamento e outras questões limitadoras de sua ação internacional, a saber: a definição de suas fronteiras; a restituição do valor primitivo de sua ação internacional e a reconquista da credibilidade e do prestígio do país, abalados por dez anos de conflitos internos, de desmoronamento financeiro e de flutuação dos rumos seguidos. Para tanto, consolidou o redirecionamento da política externa brasileira da área de influência da Grã-Bretanha para a dos Estados Unidos e aproveitou-se das contradições entre essas duas potências, que disputavam a preponderância comercial e a hegemonia política na América do Sul".
Fonte: DORATIOOTO, Fernando Francisco Monteolivo. A política platina do Barão do Rio Branco. Rev. Bras. Polít. Int. 43 (2): 130-149. 2000. Página da citação: 130. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbpi/v43n2/v43n2a06.pdf>. 
Tendo como base a contextualização acima, e os conteúdos da disciplina, examine as assertivas abaixo sobre as razões que levaram o Brasil a formar uma aliança com os EUA, e assinale a alternativa que faz uma análise correta.
I - A amizade convinha para os EUA pelo potencial do mercado brasileiro
II - A oligarquia dominante do Brasil, a burguesia do café, tinha nos EUA o seu grande mercado consumidor
III - A aproximação convinha aos EUA, que temia a influência da Revolução Comunista de Cuba na América Latina
IV - A posição estratégica do Brasil, principalmente porque a Argentina mantinha vínculos estreitos com a Inglaterra.
Nota: 20.0
	
	A
	Apenas as assertivas I e III estão corretas
	
	B
	Apenas as assertivas I, II e IV estão corretas
Você acertou!
As razões são basicamente as seguintes: (i) a amizade convinha para os EUA pelo potencial do mercado brasileiro; (ii) a oligarquia dominante do Brasil, a burguesia do café, tinha nos EUA o seu grande mercado consumidor; (iii) A posição estratégica do Brasil, principalmente porque a Argentina mantinha vínculos estreitos com a Inglaterra. 
Fonte: SILVA, A. L. R.; RIDEGER, B. F. Política Externa Brasileira: uma introdução. Curitiba: Intersaberes, 2016, p. 56, CAPÍTULO 2, adaptado.
 
	
	C
	Apenas as assertivas II e III estão corretas
	
	D
	Apenas as assertivas III e IV estão corretas
	
	E
	Apenas as assertivas II, III e IV estão corretas
�
Questão 2/5 - Política Externa Brasileira
Leia o trecho a seguir: 
"De 1902 a 1912 a política externa brasileira esteve sob o comando de José Maria da Silva Paranhos Júnior, o Barão do Rio Branco. Ele possuía sólidos conhecimentos sobre os países platinos, em virtude de seus estudos e por ter presenciado a ação platina de seu pai, o Visconde do Rio Branco, expoente conservador do Brasil Império e que estivera no Prata, em missões diplomáticas. O Barão do Rio Branco assumiu o cargo de Chanceler quando o Brasil encontrava-se isolado na América do Sul. Por essa época, eram mornas as relações com o Chile devido à visita de Campos Sales à Argentina em 1900; com a Bolívia, o Brasil encontrava-se quase em estado de beligerância, devido à questão do Acre; a Venezuela não concluía o trabalho de demarcação da fronteira comum e, ainda, a Colômbia buscara, sem resultados, apoio brasileiro frente à possibilidade de retalhamento de seu território, devido à construção do canal do Panamá.1 Rio Branco, porém, via o Brasil em posição de destaque na América do Sul, não de modo impositivo, mas, sim, decorrente de sua própria dimensão territorial, condição econômica e situação demográfica".
Fonte: DORATIOOTO, Fernando Francisco Monteolivo. A política platina do Barão do Rio Branco. Rev. Bras. Polít. Int. 43 (2): 130-149. 2000. Página da citação: 130. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbpi/v43n2/v43n2a06.pdf>. 
Tendo como base a contextualização acima, e os conteúdos da disciplina, examine as assertivas abaixo acerca dos dois grandes marcos da gestão do Barão do Rio Branco à frente do Ministério das Relações Exteriores (MRE). Após, assinale somente a alternativa correta:
Nota: 20.0
	
	A
	Conseguiu o perdão de parte da dívida externa junto aos credores internacionais e um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU
	
	B
	O Brasão do Rio Branco é reconhecido pela definição das fronteiras do Brasil e pela promoção da aliança não escrita com os EUA.
Você acertou!
O Barão do Rio Branco assumiu o Ministério das Relações Exteriores do Brasil (MRE) em 1902 e ocupou o cargo por dez anos, no decorrer do mandado de quatro presidentes. Conhecido como o patrono da diplomacia brasileira, os grandes marcos de sua gestão foram a definição das fronteiras do Brasile a aliança não escrita com os EUA. Fonte: SILVA, A. L. R.; RIDEGER, B. F. Política Externa Brasileira: uma introdução. Curitiba: Intersaberes, 2016, p. 52, CAPÍTULO 2.
	
	C
	Conseguiu o financiamento para construir a Siderúrgica de Volta Redonda junto aos EUA e liderou as negociações para refinanciar a dívida brasileira com o FMI
	
	D
	Convenceu o Presidente Vargas a entrar na Segunda Guerra Mundial ao lado dos Aliados e formulou o tratado de paz que pôs fim a Guerra do Paraguai
	
	E
	Formulou uma política externa de não alinhamento em relação aos EUA e à URSS e articulou a criação do MERCOSUL
�
Questão 3/5 - História das Américas
Leia o trecho a seguir: 
"Tomada Ceuta em Marrocos, no estreito de Gibraltar, em 1415, em breve os portugueses se lançam no Oceano Atlântico, reconhecendo terras que não ficavam muito longe. Por 1418 chegam a uma ilha a que chamam Porto Santo, no ano seguinte a uma outra a que dão o nome de Madeira – nome que já aparecia em mapas anteriores. Ilhas de origem vulcânica, sem ocupação humana. E o mesmo acontecia também nas ilhas dos Açores, reconhecidas a partir de 1427. Área alargada, que permite uma nova apreciação (ainda que difusa) do Atlântico próximo como sem dificuldade podendo ser incorporado nos domínios do rei de Portugal. Amplia-se a concepção do espaço político, militar e econômico sobre que começa a estender-se a soberania portuguesa. Soberania sobre as ilhas a que o papado confere legitimidade ao entregar a sua administração espiritual à Ordem de Cristo". 
Fonte: MAGALHÃES, Joaquim Romero. O açúcar nas ilhas portuguesas do Atlântico séculos XV e XVI. VARIA HISTORIA, Belo Horizonte, vol. 25, nº 41: p.151-175, jan/jun 2009. Página da Citação: 152. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/vh/v25n41/v25n41a08.pdf>.
 
Tendo como base a contextualização acima, e os conteúdos da disciplina, examine as assertivas abaixo sobre o acontecimento que de fato deu início à colonização portuguesa no Brasil. Após, assinale somente a alternativa correta:
Nota: 20.0
	
	A
	A Independência do Brasil
	
	B
	A Proclamação da República
	
	C
	A exploração do ouro em Minas Gerais
	
	D
	A organização das capitanias hereditárias, distribuídas entre nobres portugueses
Você acertou!
Assim, a partir de 1534, iniciou-se, de fato, a colonização do Brasil por meio de capitanias hereditárias, dividias entre nobres portugueses. Fonte:MERCHER, L.; FERREIRA. A. P. História Política comparada na América Latina. Curitiba: Intersaberes, 2015, p. 63, CAPÍTULO 2.
 
	
	E
	O ciclo do café em São Paulo
 
�
Questão 4/5 - Política Externa Brasileira
“A Guerra da Independência durou poucos anos e ficou concentrada em algumas províncias dos atuais norte nordeste e brasileiro – Bahia, Maranhão, Piauí, Pará, Província Cisplatina. Para Cervo (2008, ap. 32), a guerra consolidou a soberania brasileira, uniu as províncias e formou um exército e uma marinha nacionais significativos.” 
Fonte: SILVA, A. L. R.; RIDEGER, B. F. Política Externa Brasileira: uma introdução. Curitiba: Intersaberes, 2016, CAPÍTULO