Slide Portfolio
8 pág.

Slide Portfolio


DisciplinaPortfólio3.868 materiais26.115 seguidores
Pré-visualização1 página
UNIVERSIDADE PITÁGORAS NORTE DO PARANÁ - UNOPAR
Nomes ;
Governador Valadares - MG 2019
5° SEMESTRE 
A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO PROFISSIONAL, A PARTIR DA ELABORAÇÃO DE UM NOVO SIGNIFICADO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA. \u201c
 INTRODUÇÃO
Igreja e Capitalismo, duas esferas importantes que determinam o surgimento do Serviço Social, são o pano de fundo para nossa analise do Serviço Social, como campo do conhecimento profissional. Este que vai reconstruindo bases de fundamentação que rompem com a estrutura social antes classista e que agora se pressupõe como atuação que visa a autonomia da classe trabalhadora, compreendendo-a como portadora de direitos, sujeito social, e que fortalecida pode reconduzir e mudar o padrão das relações de poder concentrada na burguesia industrial e política brasileira.
DESENVOLVIMENTO
O Serviço social se funda na pratica da caridade baseada na ideia de fraternidade. Ideia que tem no cristianismo da idade média, seu alicerce, e forte adesão da nobreza clerical e política, que se via obrigada por sua fé e pelos laços políticos com a Igreja, a dirimir o peso da concentração de poder ajudando a massa empobrecida da época. Desde o século V até meados do século XlV D.C, a igreja criou congregações ou ordem religiosas que atuavam junto a uma massa de pessoas que tinham pouco ou nada de estrutura de subsistência E sob a égide de sua fé justificavam essa atuação através de argumentos místicos. Além de religiosos havia também católicos leigos que organizavam entidades de caridade e davam alimentos, roupas e dinheiro na busca de reproduzir um ideal cristão de ajuda aos pobres. 
Essa era a forma de lhe dar com a pobreza e a miséria até então. Já no inicio do mundo moderno, na ruptura das relações entre Estado e Igreja Católica, e na ascensão do capitalismo, essa dinâmica de relação com a pobreza continuou tomando novas formas. Das revoluções européias, francesa e inglesa especificamente, surgiram as novas classes sociais. A burguesia industrial e o trabalhador da fabrica. O controle das estruturas de produção e das forças de trabalho deu novo sentido a pratica de caridade que supera a ideia mística de caridade e se baseia na solidariedade natural como forma de desempenhar junto aos pobres a reinserção de trabalhadores na ordem natural das coisas e reinseri-los na vida social através do trabalho e do ensino técnico. Na França, por exemplo, foram criadas as damas da caridade, que tinham como missão o Serviço aos Pobres.Ao contrário Pellizzer (2008, p.37), cita Juan Luiz Vivès (1492 \u2013 1540), espanhol e idealizador da atuação do Estado na criação de obras de assistência expressa em seu trabalho \u201cDe Subvencione Pauperum\u201d (da Assistência aos Pobres). 
O Serviço Social foi importante no Brasil para a discussão dessa conjuntura política na defesa e definição dos espaços de participação social como as conferências cidadãs, como as organizadas pelos Conselhos Nacionais de Saúde, de Educação. É o assistente social que media e encaminha demandas da população vulnerável e no acesso eficaz a toda e qualquer política pública. Este não atua somente na política de Assistência Social, como por exemplo nos Centro de Referência da Assistência Social \u2013 CRAS, do Centro de Referência Especializado em Assistência Social \u2013 CREAS, no acompanhamento das definições do Conselho local de Assistência Social \u2013 CMAS, do Conselho de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente, que tratam de políticas diversas como a da criança e do adolescente, política de mulheres, sobre álcool e outras drogas, da pessoa com deficiência, do idoso, de defesa dos direitos humanos, etc. Sua atuação permeia para além do serviço público e se insere em instituições público-privadas, privadas, organizações da sociedade civil governamental ou não governamentais, filantrópicas ou associações afins.
CONCLUSÃO
É necessário perceber que a construção da pratica teórico metodológica vai se dando na medida dos contextos históricos, econômicos, político-culturais e nas disputas de referencial teórico que orienta a nível macro o caráter e a estrutura da atuação do profissional de Serviço Social.
É crível reconhecer que apesar dos avanços a profissão ainda resvala em muitos fatores como o piso salarial, o quadro de horas de trabalho, o reconhecimento da profissão nas outras políticas públicas, o cerceamento do trabalho, a fragmentação e a descontinuidade das políticas sociais e a plena conquista do Estado de Bem-estar social almejado pelas democracias ocidentais. 
REFERÊNCIAS
PELLIZER, Olema Palmira. História do Serviço Social. Canoas: Editora Ulbra, 2008.
 BRESSER-PEREIRA, Luis Carlos. Revoluções Utopicas. Petrópolis: Editora Vozes, 1979.
SILVA, M. Ozanira da Silva (coord.). O Serviço Social e o popular: resgaste teórico-metodólogico do projeto profissional de ruptura. São Paulo: Editora Cortez, 2004.
 NETTO, José Paulo. Ditadura e Serviço Social - uma analise do Serviço Social pós-64. 2. ed. São Paulo: Editora Cortez, 1994.
8