A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
276 pág.
ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (1)

Pré-visualização | Página 4 de 50

da Dívida Ativa, Outorgas de Concessão, Execução de Restos a Pagar, Precatórios e Resultados 
Orçamentário e Primário. 
 
Para um maior entendimento das Demonstrações Contábeis, a seguir são apresentados conceitos 
constantes nas legislações citadas acima: 
 
Balanço Patrimonial – Demonstração contábil que evidencia, qualitativa e quantitativamente, a 
situação patrimonial da entidade pública, por meio de contas representativas do patrimônio público, 
além das contas de compensação. 
 
Ativo – Compreende os recursos controlados pela entidade como resultado de eventos passados e do 
qual se espera que fluam futuros benefícios econômicos para a entidade ou potencial de serviços. 
 
Ativo Circulante – Que seja caixa ou equivalente de caixa; sejam realizáveis ou mantidos para venda 
ou consumo dentro do ciclo operacional da entidade; sejam mantidos primariamente para negociação; 
que tiverem a expectativa de realização até doze meses da data das demonstrações contábeis. 
 
Ativo Não Circulante – Compreende os ativos realizáveis após os doze meses seguintes à data de 
publicação das demonstrações contábeis, sendo composto por ativo realizável a longo prazo, 
investimentos, imobilizado, intangível e eventual saldo a amortizar do ativo diferido. 
 
Passivo – Compreendem as obrigações presentes da entidade, derivadas de eventos passados, cuja 
liquidação se espera que resulte na saída de recursos da entidade capazes de gerar benefícios 
econômicos ou potencial de serviços. 
 
Passivo Circulante – Compreende as obrigações conhecidas e estimadas que atendam a qualquer um 
dos critérios: tenham prazos estabelecidos ou esperados dentro do ciclo operacional da entidade; sejam 
mantidos primariamente para negociação; tenham prazos estabelecidos ou esperados no curto prazo; 
sejam valores de terceiros ou retenção em nome deles, quando a entidade do setor público for fiel 
depositária, independentemente do prazo de exigibilidade. 
 
Passivo Não Circulante – Compreende as obrigações conhecidas e estimadas que não atendam a 
nenhum dos critérios para serem classificadas no passivo circulante, sendo exigíveis após doze meses 
da data das demonstrações contábeis 
 
 
 
 
 
 
 
Contas de Governo – Exercício 2017 11 
 
Governo do Estado do Rio de Janeiro 
Secretaria de Estado de Fazenda e Planejamento 
Contadoria Geral do Estado 
Patrimônio Líquido – Compreende o valor residual nos ativos da entidade depois de deduzidos todos 
os seus passivos. 
 
Superávit/ Déficit Financeiro – Corresponde à diferença entre o ativo financeiro e o passivo financeiro. 
Para fins de abertura de crédito adicional, devem-se conjugar, ainda, os saldos dos créditos adicionais 
transferidos e as operações de crédito a eles vinculadas, em cumprimento ao parágrafo 2º do artigo 43 
da Lei n º 4.320/1964. 
 
Ativo Financeiro - Compreende os créditos e valores realizáveis independentemente de autorização 
orçamentária e os valores numerários. 
 
Ativo Permanente – Compreende os bens, créditos e valores, cuja mobilização ou alienação dependa 
de autorização legislativa. 
 
Passivo Financeiro – Compreende as dívidas fundadas e outros compromissos exigíveis cujo 
pagamento independa de autorização orçamentária, como os restos a pagar, os serviços da dívida a 
pagar, os depósitos e os débitos de tesouraria (operações de crédito por antecipação de receita). 
 
Passivo Permanente – Compreende as dívidas fundadas e outras que dependam de autorização 
legislativa para amortização ou resgate. 
 
Patrimônio Social e Capital Social - Compreende o patrimônio social das autarquias, fundações e 
fundos e o capital social das demais entidades da administração indireta. 
 
Reservas de Capital - Compreende os valores acrescidos ao patrimônio que não transitaram pelo 
resultado como variações patrimoniais aumentativas (VPA). 
 
Ajustes de Avaliação Patrimonial - Compreende as contrapartidas de aumentos ou diminuições de 
valor atribuídos a elementos do ativo e do passivo em decorrência da sua avaliação a valor justo, nos 
casos previstos pela lei 6.404/76 ou em normas expedidas pela Comissão de Valores Mobiliários, 
enquanto não computadas no resultado do exercício em obediência ao regime de competência. 
 
Reservas de Lucros - Compreende as reservas constituídas com parcelas do lucro líquido, para 
finalidades específicas. 
 
 
 
 
 
 
 
Contas de Governo – Exercício 2017 12 
 
Governo do Estado do Rio de Janeiro 
Secretaria de Estado de Fazenda e Planejamento 
Contadoria Geral do Estado 
Demais Reservas - Compreende as reservas não classificadas como de capital ou de lucro, inclusive 
aquelas que terão seus saldos realizados por terem sido extintas pela legislação. 
 
Resultados Acumulados - Compreende o saldo remanescente dos lucros ou prejuízos das empresas, 
e os superávits ou déficits acumulados da administração direta, autarquias, fundações e fundos. 
 
Participação de não Controladores - Compreende a parte do patrimônio líquido da controlada não 
atribuível, direta ou indiretamente, à controladora. 
 
Contas de Compensação – São contas representativas dos atos que possam vir a afetar o patrimônio, 
compreendendo as compensações do ativo e do passivo, ou seja, são contas relacionadas às situações 
não compreendidas no patrimônio, mas que, direta ou indiretamente, possam vir a afetá-lo, exclusive as 
que dizem respeito a atos e fatos ligados à execução orçamentária e financeira e as contas com função 
precípua de controle. 
 
Demonstração das Variações Patrimoniais – Demonstração que evidenciará as alterações 
verificadas no patrimônio, resultantes ou independentes da execução orçamentária, e indicará o 
resultado patrimonial do exercício. 
 
Demonstração das Mutações no Patrimônio Líquido – A DMPL evidencia a movimentação havida 
em cada componente do Patrimônio Líquido. Dentre as mutações, podemos citar: 
 
a) os ajustes de exercícios anteriores; 
b) as transações de capital com os sócios, por exemplo: o aumento de capital, a aquisição ou venda de 
ações em tesouraria e os juros sobre capital próprio; 
c) o superávit ou déficit patrimonial; 
d) a destinação do resultado, por exemplo: transferências para reservas e a distribuição de dividendos; 
e) outras mutações do patrimônio líquido. 
Alterações no patrimônio líquido de uma entidade entre as datas de duas demonstrações financeiras 
consecutivas refletem o aumento ou diminuição da riqueza durante o período. 
 
Balanço Orçamentário – Demonstra as receitas e despesas previstas em confronto com as realizadas 
e o resultado orçamentário apurado no exercício. 
Adicionalmente ao Balanço Orçamentário, são incluídos dois quadros demonstrativos de execução de 
restos a pagar, um relativo aos restos a pagar não processados, outro relativo aos restos a pagar 
 
 
 
 
 
 
 
Contas de Governo – Exercício 2017 13 
 
Governo do Estado do Rio de Janeiro 
Secretaria de Estado de Fazenda e Planejamento 
Contadoria Geral do Estado 
processados, de modo a propiciar uma análise da execução orçamentária do exercício em conjunto com 
a execução dos restos a pagar. 
 
Balanço Financeiro – Demonstrara receita e a despesa orçamentárias bem como os recebimentos e 
os pagamentos de natureza extraorçamentárias, conjugados com os saldos em espécie proveniente do 
exercício anterior, e os que se transferem para o exercício seguinte. 
 
Demonstração

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.