A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
Trabalho Patologia

Pré-visualização | Página 3 de 5

pela transferência do elétron desemparelhado na qual uma molécula oxida, doando elétrons, e outra reduz, ganhando elétrons). 
como são formados os radicais livres?
Diariamente, através de diversas reações metabólicas, as moléculas de radicais livres são liberadas na corrente sanguínea. Tratam-se de moléculas que apresentam em sua composição um elétron a menos e, por isso, são altamente instáveis e reativos. Para se tornar estável novamente, essa molécula tenta “roubar” elétrons como forma de completar sua estrutura, dessa forma, liga-se à outras moléculas, como por exemplo ao DNA, e podem prejudicar seu funcionamento normal. Dessa forma, aí começam a aparecer diversos tipos de problemas relacionados à oxidação celular, como a doenças degenerativas do envelhecimento (Parkinson, Alzheimer, entre outras), câncer e doenças cardíacas.
18) Qual a importância do sistema microssomal? Relacione com liberação de EROS
Responsável pela metabolização de xenobióticos5 e de alguns compostos endógenos tais como hormônios) e o sistema nicotinamida adenina dinucleotídeo fosfato reduzido (NADPH) oxidase, presente em fagócitos (função microbicida).
19) Como podem ser eliminados os radicais livres do organismo?
Os radicais livres são eliminados normalmente pelo sistema enzimático antioxidante do corpo. “Com a retirada dessas substâncias, é possível equilibrar o organismo e promover o rejuvenescimento celular dos órgãos envolvidos no metabolismo”, completa.
20) Quais os danos mais prováveis causados pelos radicais livres?
O estresse oxidativo acelera o processo de envelhecimento natural do corpo: “Antecipa e promove a formação de rugas, degradação do colágeno e a perda da qualidade da pele”
21) Relacione lesão por isquemia e reperfusão com liberação de radicais livres LIVRO!
Lesão por isquemia-reperfusão: paradoxalmente, os tecidos mantidos em isquemia prolongada, mas ainda não mortos, sofrem agravamento das lesões quando reoxigenados. Este tipo de lesão tem grande importância clínica, principalmente em infartos do miocárdio e isquemia cerebral. O mecanismo de lesão envolvido, após o restabelecimento do fluxo sanguíneo, é a formação de EROs pela xantina oxidase, que está presente em grandes quantidades no tecido isquêmico. Muitas vezes, os mecanismos antioxidantes encontram-se deletados em tecidos que sofreram isquemia, favorecendo ainda mais a condição de estresse oxidativo.
22) Sobre as respostas sistêmicas as agressões localizadas, responda:
A) Cite ao menos três respostas sistêmicas de fase aguda 
A inflamação aguda possui três componentes principais que contribuem paraos sinais clínicos:
 Alterações no calibre vascular que leva a um aumento no fluxosanguíneo (calor e rubor);
 Alterações estruturais na microcirculação que permitem que proteínasplasmáticas e leucócitos deixem a circulação para produzirem Exsudatoinflamatórios (edema); 
 Migração dos leucócitos da microcirculação e acumulo no local de lesão(edema dor);
B) Cite as principais citocinas liberadas na fase aguda 
são o fator de necrose tumoral alfa ( tumor necrosis fac tor alpha - TNF-α), a interleucina 1-beta (IL-1β) e a interleucina 6 (IL-6), produzidas pelos leucócitos e tecidos que sofreram agressão.
C) Cite ao menos 4 proteínas plasmáticas liberadas na fase aguda
	Ferritina
	Hepcidina[6]
	Ceruloplasmina
	Haptoglobina
23) A febre é uma resposta sistêmica a agressões, quais os fatores responsáveis pelo surgimento do quadro de febre? 
24) Quais são os efeitos do estado febril prolongado?
A febre se instala quando o termostato (hipotálamo) se ajusta para fazer o corpo atingir uma temperatura mais alta. Nesse momento, começam os arrepios de frio que podem transformar-se em tremedeira seguida de sensação de calor intenso e sudorese.
Outros sintomas são dores musculares, nas juntas, dor de cabeça, fraqueza, apatia, irritabilidade, indisposição, perda de apetite, boca seca, desidratação.
Especialmente nas crianças, febres que se aproximam dos 40º C ou ultrapassam tal limite podem provocar confusão mental, delírios e convulsões.
A febre prolongada, na ausência de tratamento, até mesmo de antitérmicos, produz grande ansiedade.
(mialgia, erupção cutânea, cefaléia, linfadenopatia) 
25) O que é Leucocitose?
A leucocitose é o aumento do número de leucócitos (glóbulos brancos) no sangue. Pode ser causada pela presença de infecção no organismo, por situações como exercícios físicos, gestação ou ainda leucemias.
Os leucócitos são responsáveis pela resposta do organismo a agentes causadores de doenças ou a situações de esforço físico e estressantes. São divididos em neutrófilos, eosinófilos, basófilos, linfócitos e monócitos. O seu aumento no sangue, acima de 11.500 por milímetro cúbico de sangue, é considerado uma leucocitose. Porém, a causa depende das suas características e do tipo de leucócito aumentado.
26) O que significa síndrome da resposta inflamatória sistêmica
A síndrome da resposta inflamatória sistêmica caracteriza-se por uma reação inflamatória sistêmica de origem infecciosa, metabólica ou traumática. Mediadores químicos inflamatórios como as moléculas de adesão, o óxido nítrico, produtos do metabolismo ácido aracdônico, fator ativador plaquetário (PAF), as citocinas, e o fator de necrose tumoral (TNF), poderão produzir alterações metabólicas e celulares, desencadeando a perda da capacidade regulatória da homeostase do organismo. Reconhecer, diagnosticar e instituir a terapêutica precoce é um desafio para o médico veterinário, com extrema importância para o paciente acometido, diminuindo nesses casos as chances da evolução clínica para a disfunção ou falência múltipla dos órgãos (SDMO).
27) Agentes físicos podem causar lesão. Quais as categorias de agentes físicos capazes de causar lesão?
força mecânica = pro duz vários tipos de lesões, denominadas lesões tr aumáticas. As pr incipais são: 
abrasão: arrancamento de células da epid erme pela ação de fricção ou esmagamento
laceração: separ ação ou rasgo de tecidos 
contusão: o i mpacto é transmitido através d a pele aos tecid os subjacentes. Não há continuid ade da epiderme (ex.: galo)
incisão (ou corte): pr oduzida pela ação de um instrumento com bor da afiada 
perfuração: prod uzida pelo impacto de um instrumento p ontiagudo sobre os tecido s 
fratura: ruptura de tecido s duros (ossos e cartilagens) 
eletricidade = o s efeitos lesivos são decor rentes de dois mecanismos: disf unção elétrica d os tecidos e produção de calor.
radiações = as lesões p roduzidas são deco rrentes de: inalação ou ingestão de po eira ou alimentos que contêm partículas radio ativas, exposição a r adiações com fins terapêuticos o u diagnósticos , contato acidental (reatores, ap arelhos de rad ioterapia), bombas nucleares. 
28) Como variações da pressão atmosférica e a temperatura do ambiente podem causar lesão
variações de pressão atmosférica = em condições hiper báricas, os gases exi stentes no ar se d issolvem em maior quantidade no p lasma e nos líquidos i ntra e extracelular es. Condições hipob áricas (altitudes elevadas) reduze m a tensão do O 2 nos alvéolos, o que pr ovoca hipóxia. 
variações de te mperatura = a lesão dep ende da rapidez com que ocorre o ab aixamento da te mperatura. Um membro sub metido por tempo prolongado a baixas temper aturas apresenta: vasoconst rição, oligoemia, hipóxia, necrose. 
29) Cite de (forma resumida) como as seguintes condições favorecem lesões
A) Frio: 
Hipotermia
A exposição prolongada a temperaturas ambientais baixas sem o abrigo suficiente pode provocar uma progressiva perda de calor do corpo e a consequente diminuição da temperatura interna do organismo abaixo dos seus valores normais, por volta dos 37°C. Esta situação é prejudicial, caso a temperatura do corpo desça a valores inferiores aos 35°C, considerada francamente grave se forem menores que 33°C, provocando um certo risco de morte iminente se se situarem abaixo dos 27°C.
À medida que a temperatura do corpo vai