A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
537 pág.
Enfermidades dos Cavalos - Armen Thomassian-ilovepdf-compressed.pdf

Pré-visualização | Página 28 de 50

los esqueleticos, e dependente
dos sistemas cardiovascular e
respirat6rio, e e capaz de realizar
de maneira natural e instintiva-
mente, ou sob condicionamento,
movimentos como flexao, exten-
sao, aduc;:ao,abduc;:aoe rotac;:ao
dependendo, obviamente, do ti-
po de articulac;:ao.E par meio da
combinac;:aode cada um destes
movimentos que 0 cavalo pode
locomover-se das mais variadas
maneiras e submeter-se as con-
dic;:oesde esforc;:of1sico exigido,
particularmente em situac;:oes
esportivas.
4.2. Dinamica da locomo~o
- andaduras do cavalo.
o conhecimento das andadu-
ras do cavalo e de extrema im-
portancia para que possamos
avaliar as condic;:oeslocomotoras
do animal. De nada adianta de-
sejarmos identificar se 0 cavalo
c1audica de um ou mais mem-
bros, se a manqueira e de eleva-
c;:ao,mista ou de apoio, se nao
conhecermos como este animal
se locomove em condic;:oesnatu-
rais. Alguns grupos bem defini-
dos de afecc;:oesque acometem
os membros dos equinos s6 se
manifestam em determinada an-
dadura, podendo ficar mascara-
dos em outras.
Para 0 que se propoe esta ex-
posic;:ao,e suficiente 0 estudo das
andaduras naturais ao passo,tro-
te, galope e saito, este ultimo por
ser um tipo de trabalho que mui-
to predispoe a problemas trauma-
ticos, principalmente nas estrutu-
ras da regiao distal do membro.
1. PASSO - e caracterizado
como andadura tipo latero-dia-
gonal,simetrica,roladaou marcha-
da,basculada e ha quatro tempos.
Simetrica - Porque as varia-
c;:oesde movimentos de late-
ralidade da coluna vertebral
em relac;:aoao eixo longitudi-
nal da Iinhavertebral do cavalo
saGsimetricas.
Rolada - Porque neste tipo
de locomoc;:aonao existe tem-
po de suspensao, isto e, sem-
pre um dos membros do ca-
valo estara apoiado no chao.
Basculada - Devido a mo-
vimentac;:aovertical - da ca-
bec;:ae pescoc;:odurante a 10-
comoc;:ao.
H<iquatro tempos - Porque
da fase de elevac;:ao ate a
fase de apoio de um deter-
minado membro no solo, po-
demos ouvir quatro batidas
bem nitidas.
AE AD
no.' ... .'.. . ~
3!! '\ // 1!
'\ /
>\0/'0
Figura 4.1
Passo do cavalo.
- Cll
III c::o ._
E ::J
:J C"
••• Q)
C,Cll
Cll >
":+:io •..
ICll 0
<.>-c,
o IIIE Q)
o Cll
() c::
o .-
- .2
Cll"O
"0 Q)
Cll E
.2 Q)
E III
'Cll Q)
c:: 10
.- ()o
"0 Cll
'- ()o .-
-"0
o :J
E Cll
0-() ()
o III
-.l Cll
0"0
..c 0
- (,)(J) ._
'- c::CIl ._
0.. -
« ()
Q)
E
Cll
><
Q)
- ~
o .!:E ::::1
:::I 0'
•.• CI>
Co ctJ
ctJ >
6:.e
.ctJ 0
()-Co
o rJlE CI>
o ctJ
U t:o .-
- .S!
ctJ"O
"0 CI>
ctJ E
.S! CI>
E rJl
<ctJ CI>
t: .0
.- u-
"0 ~
•...U
o .-
-"0
o :::I
E ctJ
0-
o u
o rJl
-J ~
0"0
..c 0
- uQ) .-
•...t:
ell ._
0.-
« u
Q)
E
~
><CI>
Ao observarmos um cavalo
ao passo, notamos que a anda-
dura se faz por diagonais disso-
ciadas, isto e,se 0 primeiro mem-
bro a se elevar do solo for 0 ante-
rior direito, 0 segundo sera 0 pos-
terior esquerdo, depois 0 ante-
rior esquerdo e final mente 0 pos-
terior direito. 0 apoio sempre
ocorre na mesma ordem de ele-
vac;:ao,nao havendo altern ancia
nesta sequencia.
o passo e a andadura mais
favoravel ao sincronismo cava-
lo/cavaleiro, pois a excitac;:aodo
Sistema Nervoso Central do ani-
mal e relativamente pequena en-
quanto 0 sistema muscular esta
francamente tenso, porem sem
que haja grande atividade em ter-
mos de desenvolvimento motor.
Algumas variac;:6escom res-
peito ao passo podem ser ob-
servadas:
Passo medio - Livre, regu-
lar e desembarac;:ado, nao
leva a extensao do corpo do
animal e produz quatro bati-
das bem nitidas.
Passo reunido - 0 cavalo se
desloca resolutamente para
frente, eleva 0 pescoc;:oe si-
tua a cabec;:aquase na verti-
cal. Cada batida toma menos
terreno que no passo medio.
A andadura e marchada, e
as articulac;:6esflexionam-se
mais, e 0 apoio dos membros
posteriores se faz atras dos
membros anteriores e 0 ca-
vale se descobre por tras.
Passo alongado - 0 cavalo
cobre 0 maximo de terreno,
estica 0 pescoc;:oe a cabec;:a
se posiciona a frente da ver-
tical de postura de descanso.
o apoio dos membros poste-
riores ultrapassa 0 dos an-
teriores e 0 cavalo se desco-
bre pela frente.
2. TROTE - E uma andadura por
bipedes diagonais associados,
portanto a dois tempos, onde do
elevarao apoiar de um determina-
do bipede ouvem-se duas batidas.
Simetrica - Devido a sime-
tria dos movimentos de colu-
na em relac;:aoao seu eixo
longitudinal.
Fixada - Devido aos movi-
mentos do pescoc;:o serem
praticamente imperceptiveis.
Saltada - Porque do elevar
ao apoiar de um determina-
do bipede diagonal associ a-
do, existe um tempo de sus-
pensao, isto e, um momento
em que 0 cavalo se encontra
completamente no ar,sem ne-
nhum apoio ao solo.
Devido a estas caracteristicas
e a qualidade de perfeito equi-
Ilbrio mecanico, 0 trote se cons-
titui na melhor andadura para se
realizar 0 exame c1inico do apa-
relho locomotor e para 0 adestra-
mento do cavalo.
Trote curto - Ouando durante
a locomoc;:ao0 animal se des-
cobre por tras ou antepista.
Trate justa ou normal - 0
membro posteriorap6ia nosolo
exatamente no mesmo ponto
de apoio do membro anterior,0
cavalo se cobre ou sobrepista
Trote largo - 0 apoio dos
membros posteriores ultrapas-
sa 0 ponto onde os anteriores
apoiaram,0 cavalose transp6e,
se descobre ou transpista.
No trote curto e no trote lar-
go, podemos observar que 0 ca-
valo deixa impresso no solo qua-
tro marcas, sendo uma de cada
membro. No trote justo ou normal,
observamos apenas duas marcas,
sendo uma de cada bipede.
No trote largo, 0 cavalo pode
deslocar a garupa para um lado
fazendo com que 0 membro
posterior passe entre os ante-
riores, para apoiar a sua frente,
ficando desta maneira em posi-
c;:aoobliqua em relac;:aoao eixo
da marcha. Nestas condic;:6es,
desde que a amplitude da loco-
moc;:aoseja grande, teremos um
animal em desequillbrio em re-
lac;:aoao seu eixo de gravidade
e deslocamento. Pode ocorrer
tambem que 0 cavalo eleve ra-
pidamente 0 anterior para dar
passagem ao posterior, desen-
cadeando uma falta de sincro-
nismo de batidas, tanto maior
quanto mais largo for 0 trote, de-
sequilibrando mais ainda 0 ani-
ma/ que corre 0 risco de se al-
canc;:ar,ferindo-se nos tal6es.
AE AD
0',0". . . .'. '.
~'X"
00
Figura 4.2
Trote do cavalo.
3. GALaPE - Constitui 0 terceiro
tipo de andadura e e caracteriza-
do por assimetria, basculada, sal-
tada e ha tres tempos.
Assimetrica - Em virtude
dos movimentos de coluna
em relac;:aoao seu eixo lon-
gitudinal serem assimetricos.
Basculada - Devido aos
amplos movimentos de pes-
coc;:oque 0 animal realiza.
Saltada - Porque ocorre um
tempo de suspensao onde 0
animal se encontra sem qual-
quer contato com 0 solo.
Ha tres tempos - porque do
elevar de um dos membros do
bipede diagonal dissociado,
ou membros do bipede diago-
nal associado, ate seu apoio
no solo,ouvem-se tres batidas.
Galope reunido - E. uma mo-
dalidade em que 0 animal, de-
vido a intensa atividade pro-
pulsora, possui capacidade
de extensa mobilidade corpo-
ral e de comando, sem que
haja diminuic;:aoda capacida-
de impulsora na locomoc;:ao.
Galope alongado - E. obser-
vado quando 0 animal se en-
contra com 0 pescoc;:ocom-
pletamente estendido, ocor-
re aumento da amplitude dos
apoios, 0 cavalo se descobre
ou transpista sem que haja
acelerac;:ao da velocidade.
Galope media - Constitui a
forma intermediaria das an-
teriores, 0 avanc;:oe longo e
produz uma andadura tipica-
mente cadenciada.
Ha tambem 0 galope ha qua-
tro tempos, onde 0 apoio do
bipede diagonal associado nao
se faz simultaneamente, ha uma
batida para cada membro. Esta
forma de galope s6 e admissi-
vel no cavalo de corrida, que
pelo seu excesso de velocida-
de e forc;:ado a apoiar 0 mem-
bro posterior diagonal associa-
do antes do apoio do membro
anterior.