Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
537 pág.
Enfermidades dos Cavalos - Armen Thomassian-ilovepdf-compressed.pdf

Pré-visualização | Página 35 de 50

metabolis-
mo aerobio e anaerobio do siste-
ma musculo-esqueletico.
° lactato e prod uta do meta-
bolismo muscular em qualquer
tipo de exerdcio e a aumento de
sua concentra<;:13.oe decorrente
da limita<;:13.oda disponibilidade
de oxigenio para oxida<;:13.odo pi-
ruvato na mitocondria. Desta
maneira, a rela<;:13.oentre a con-
centra<;:13.ode lactato e a veloci-
dade de exerdcio obtida nos tes-
tes de exerdcio, ilustra a situa-
<;:13.0na qual ha um aumento expo-
nencial de suas concentra<;:6es
sangulneas quando a contribui-
<;:13.0da energia aerobica come-
<;:aa ser insuficiente frente aos
requerimentos energeticos to-
tais. A intensa produ<;:13.ode lac-
tato resulta na diminui<;:13.odo pH,
a qual pode limitar a capacidade
para 0 trabalho por interferir na
atividade enzimatica muscular. °
termo V4 representa a velocida-
de em mis, na qual a concen-
tra<;:13.ode lactato no sangue e de
Figura 4.25
AvaliaQao da frequencia cardfaca
com monitor "polar".
4 mmol/L, e e considerado um
valor com repetibilidade e con-
fiabilidade para a determina~ao
do nivel de condicionamento.
Portanto, podemos afirmar que
a velocidade na qual a concen-
tra~ao de lactato alcan~a 0 valor
de 4 mmol/L de sangue (V4), e
utilizada para se determinar a ap-
tidao atletica de um cavalo. Va-
rios estudos indicaram que ca-
valos com alta capacidade aera-
bica, normal mente tem baixas
concentra<;:6esde lactato frente
as intensidades de exerdcio
submaximo.
As mensura~6es de lactato
permitem a ado~ao de condutas
preventivas a saude atletica do
cavalo, bem como a modifica~ao
do programa de treinamento.
Assim sendo, 0 conhecimento
dos valores de lactato sanguineo
auxilia na avalia~ao da capacida-
de atletica de um cavalo subme-
tido a determinado programa de
treinamento, de tal modo que, al-
tera~6es neste treinamento pos-
sam melhorar seu desempenho
e prevenir les6es, por vezes des-
percebidas, ou observadas tar-
diamente, e que estejam limitan-
do sua capacidade funcional.
E/etr6/itos sangiifneos
Durante exerclcios de alta in-
tensidade, altera~6es nas con-
centra~6es plasmaticas de ions
fortes sac decorrentes do aumen-
to do volume globular e da con-
centra~ao de proteinas plasmati-
cas. Durante teste de exerclcio
progressivo, ha uma diminui~ao
do conteudo e da concentra~ao
de sadie eritrocitario, indicando 0
efluxo de sadie da celula. Contu-
do, 0 intenso aumento das con-
centra~6es de potassio e lacta-
to nao podem ser justificadas
apenas pelos aumentos do he-
matacrito e da concentra~ao de
proteina plasmatica, indicando
que ha um significante efluxo do
potassio e do lactato das celulas
musculares paraa circula~aosan-
guinea. Uma redu<;:aona concen-
tra<;:aoplasmatica venosa pode
ser decorrente do movimento do
cloreto para dentro das celulas
musculares e dos eritracitos. Este
processo e revertido nos pulm6es
com consequente aumento na
concentra~ao arterial de cloreto.
A sudorese que ocorre em
situa<;:6esde estresse em exer-
dcio de alta intensidade ou nos
de longa dura~ao em condi~6es
de clima quente, agravam as
perdas de eletralitos, notada-
mente do sadio.
Hematimetria
°volume de eritracitos apre-
senta acentuado aumento du-
rante a realiza~ao de exerclcio
nos cavalos, devido, inicialmen-
te, a contra~ao esplenica e a re-
distribui~ao de fluidos corp6reos
circulantes, resultante do au-
mento da pressao arterial, e, pos-
teriormente, pela redu~ao do vo-
lume plasmatico decorrente da
desidrata<;:ao.Este fen6meno e
resultante da adapta~ao dos ca-
valos para a execu~ao de exer-
cicio e possibilita um aumento de
50-60% a mais de afinidade
pelo 02' Isso representa um ajus-
te compensatario para uma que-
da na pressao parcial de 02 ar-
terial e de satura~ao de hemo-
globina. Um grande aumento no
volume de eritracitos (hipervo-
lemia eritrocitaria), pode ser des-
vantajoso a hemodinamica du-
rante 0 exerclcio, uma vez que
ha concomitante aumento da vis-
cosidade do sangue.
°aumento do volume eritro-
citario e um importante fator que
contribui para as eleva~6es da
pressao sanguinea e da circu-
la~ao sistemica durante 0 exer-
dcio, possibilitando condi<;:6es
para 0 desenvolvimento de he-
morragia pulmonar induzida
pelo exerclcio em cavalos.
Como 0 volume eritrocitario
total (VT) na circula~ao e um dos
maiores determinantes da capa-
cidade de trans porte de oxige-
nio nos cavalos, mensura<;:6esdo
volume eritrocitario total podem
prover algum indice de capaci-
dade de exerclcio. A mensura-
~ao do VT e frequentemente ba-
seado na utiliza~ao de Azul de
Evans, um corante que possibili-
ta a mensura~ao do volume
plasmatico utilizando-se a tecni-
ca da dilui<;:aodo corante.
Varios estudos relatam corre-
la~ao positiva entre capacidade
de exerclcio em ra~as de trote e
volumes totais de hemoglobina e
eritracitos. Valores normais de
volume total de eritracitos variam
dependendo da idade, com valo-
res menores que 44 ml/kg em
potros de ate 1 ano, aumentan-
do para valores medios de 63 mil
kg para animais de 3 anos de ida-
de e 74 ml/kg para aqueles com
4 arios de idade. Valores de 89 ±
9 ml foram determinados em PSI
• ro
III s::o ._
E ::J
:J C'
••• Q)
c.ro
ro >
.. ~o •..
<ro 0
u-c.
o IIIE Q)
o ro() s::
o .-
- ()
ro:ci
" Q)
ro E
.~ Q)
E III
<ro Q)
s:: <0
.- u-
" ro•... ()
o .-
.•... "
o :J
E ro
0-() ()
o III
....J ro
0"
.J:: 0
- ()Q) .-
•... s::
ctl ._
n.-
« ()
Q)
E
ro
><
Q)
II
~ I'll
l1J l:o ._
E :::1
::I C'
•• Q)
Q.1'll
I'll >
6t:
Ii'll 0U-Q.
o l1JE Q)
o I'll() l:o .-
- .50!
I'll '0
'0 Q)
I'll E
.50! Q)
E l1J
'I'll Q)
l: '0
.- U-
'0 I'll
•... ()
o .-
-'0
o ::I
E I'll
0-U ()
o l1J
...J I'll
0'0
.c 0
- ()
Q) .-
•...l:
<U ,_a.. -
« ()
Q)
E
~
Q)
adultos seniores e valores em tor-
no de 78 a 102 ml/kg em PSI
em treinamento.
A quantidade total de leuc6-
citos aumenta de 10 a 30%,
dependendo da intensidade do
exerdcio, mas nao e tao inten-
so quanto ados eritr6citos. Du-
rante exerdcios realizados por
longas distancias e com baixa
a moderada intensidade, obser-
va-se leucocitose resultante da
ac;:aoda liberac;:aode cortisol, e
tambem neutrofilia e linfopenia.
Ja, nos exerdcios de rapida ace-
lerac;:ao e alta intensidade, a
leucocitose e decorrente da
contrac;:ao esplenica. Alem dis-
so, como 0 exerdcio estimula a
liberac;:aode catecolaminas e os
neutr6filos presentes nas mar-
gens dos vasos sac arrastados
para a circulac;:ao.
Bioqufmica sangDfnea
As enzimas mais comumen-
te utilizadas para indicar lesao
muscular sac a aspartate ami-
notransferase (AST), creatina
quinase (CK) e a lactato desi-
drogenase (LDH), embora 0 lac-
tato desidrogenase seja menos
espedfica que as demais cita-
das. Niveis sericos de CK eAST
elevados sac indicativos de le-
sac muscular, uma vez, que sac
observados em cavalos acome-
tidos por rabdomi6lise. Entretan-
to, a ocorrencia de aumentos
moderados dessas enzimas em
cavalos considerados higidos,
submetidos a exerdcios de mo-
derada a alta intensidade, po-
dem ser encontrados regular-
mente. Alguns autores sugeri-
ram que as elevac;:6esdas enzi-
mas museu lares ap6s 0 exerd-
cio sejam resultantes de altera-
c;:6es da permeabilidade da
membrana celular, e nao pro-
priamente de lesao nas celulas
musculares. Somente altos ni-
veis de atividade plasmatica da
CK (>10000 U/L) podem ser
indicativos de ocorrencia de le-
saG muscular.
/
.~
Figura 4.26
Mensurac;:aodo lactato sanguineo com "Accutrend".
Os niveis da ureia e creatinina
saG utilizados para avaliac;:aoda
func;:aorenal, e suas concentra-
c;:6esestao aumentadas em res-
posta a desidratac;:aoe ao exer-
dcio. Ap6s um exerdcio de alta
intensidade pode-se observar
aumento na concentrac;:ao de
creatinina, que se mantem por
aproximadamente 60 minutos
ap6s 0 termino do exerdcio. As
alterac;:6esda
Página1...313233343536373839...50