Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
537 pág.
Enfermidades dos Cavalos - Armen Thomassian-ilovepdf-compressed.pdf

Pré-visualização | Página 48 de 50

fissuras, quando exten-
sas, podem se transformar em
fraturas completas quando da
realizac;:aode movimentos bruscos
de levantar e deitar. Ja 0 arran-
camento da tuberosidade da tibia
se produz por traumatismo direto,
ou entao atraves da trac;:aoexa-
gerada dos ligamentos da patela.
as sintomas nas. fraturas
completas com ou sem expo-
sic;:aode fragmentos sac muito
evidenciados pela impotencia
funcional e desvio do eixo os-
seo. As fissuras sac diflceis de
serem diagnosticadas devido ao
quadro de c1audicac;:aonao ser
caraderlstico. A dor a palpac;:ao
profunda e a radiografia da ti-
bia sac os unicos meios de sus-
peita e diagnostico das fissuras.
E de fundamental importancia
a realizac;:aode imagens radio-
graficas pelo menos em duas
posic;:6espara que se possa fa-
zer uma correta observac;:ao da
Figura 5.59
Fratura da tuberosidade
da crista da tibia em
adulto jovem - Raios-X.
gravidade da fratura, se simples
ou cominutiva.
as arrancamentos da tube-
rosidade da tibia, alem do au-
mento de volume que surge no
local, produzem flexao insufi-
ciente da articulac;:ao femorotl-
bio-patelar, levando 0 animal,
algumas vezes, a arrastar a pin-
c;:adurante a locomoc;:ao. as
Raios-X confirmam a suspeita
diagnostica.
a tratamento das fraturas
completas sem exteriorizac;:aode
fragmentos, em cavalos adultos
e jovens, pode ser tentado atra-
ves da aplicac;:aode placas ou pi-
nos,associada a repouso prolon-
gada e aparelho de suspensao.
Fraturas expostas, mesmo
em potros, quase sempre condu-
zem a eutanasia, mesmo quando
tratadas cirurgicamente, em vir-
tude da grande possibilidade de
instalac;:aode infecc;:aoe 0 desen-
volvimento de osteomielite devi-
do a invasao baderiana do foco
de fratura.
as arrancamentos da tubero-
sidade da tibia possuem um bom
prognostico e podem ser tratados
atraves da aplicac;:aode parafu-
sos ou pregos ortopedicos.
5.21 Fraturas dos
sesamoides
proximais.
As fraturas dos sesamoides
proximais sac mais comuns em
cavalos de corrida, devido a hi-
perextensao da articulac;:ao
metacarpofalangica (membros
anteriores), e da metatarsofa-
langica (membros posteriores)
do cavalo de trote. 0 trauma di-
reto sobre os ossos sesam6ides,
ocasionalmente pode produzir
as fraturas, sendo frequentes as
rupturas de seus ligamentos.
Figura 5.60
Fratura do terc;:oproximal
da tibia - Raios-X.
Figura 5.61
Fratura do terc;:adistal
da tibia - Raias-X.
o quadro e de aparecimento
brusco, com impotencia funcio-
nal do membro e apoio em pin-
<;adevido a flexao do boleto. 0
aumento de volume surge rapi-
damente, e a palpa<;aoda regiao
produz muita dor.
As fraturas podem acometer
a por<;aoapical, basilar e abaxial,
podendo atingir ambos os sesa-
m6ides de cada membro, porem,
geralmente, s6 afetam um dos
membros.
o diagn6stico e radiografico,
o que possibilita 0 diferencial
com sesamoidite, embora esta
nao apresente um infcio com
grande intensidade sintomatica
como as fraturas.
o tratamento pode ser con-
servador; no entanto, para que 0
cavalo continue sendo utilizado
em todo seu potencial de traba-
lho, tais fraturas deverao ser tra-
tadas cirurgicamente pela retira-
da do fragmento nas fraturas api-
cais e,com parafusos ortopedicos
nas fraturas basilares e abaxiais,
associado a aplica<;ao de ferra-
duras com ramp6es.
o repouso, com 0 membro
imobilizado em discreta flexao,
e extremamente importante na
recupera<;ao e posterior retira-
da dos parafusos.
Artrite e 0 termo gene rico
que se utiliza para definir basica-
mente, todo e qualquer processo
inflamat6rio que atinge as articu-
la<;6es.A afec<;ao pode com pro-
meter qualquer das estruturas
que comp6em as articula<;6es,
em conjunto ou separadamente
(ossos, cartilagem, capsula arti-
cular, tecido sinovial, ligamentos
colaterais periarticulares e intra-
articulares, Ifquido sinovial e te-
cidos periarticulares).
A capsula articular e com-
posta de uma camada externa,
fibrosa e uma interna que con-
tem 0 tecido sinovial que secre-
ta 0 Ifquido sinovial. A cartilagem
articular consiste de tres cama-
das, sendo uma basal. assenta-
da sobre 0 osso subcondral, (cal-
cificada); uma intermediaria com
grande capacidade de absorver
o choque mecanico devido ao
alto conteudo em agua, e uma
camada superficial delgada
composta de colageno. A nutri-
<;aoda cartilagem, fundamental-
mente e feita por dois leitos ca-
pilares distintos: 0 leito capilar
sinovial, e 0 leito capilar das ex-
Figura 5.62
Artrasinavite tarsica.
tremidades 6sseas que com-
poem a articula<;ao.
E de fundamental importan-
cia aometabolismo normal dos
componentes cartilaginosos e
sinoviais (tecido e IIquido sino-
via!),a slntese de proteoglicanas
promovida pela vitamina D, es-
sencial para a diferencia<;ao nor-
mal das cartilagens fisarias em
potros, e a slntese do acido hia-
lur6nico e outras glicosaminogli-
canas, presente na cartilagem
hialina e no liquido sinovial de
articula<;oes normais de equinos.
a liquido sinovial e um dializado
proteico do plasma sanguineo
que apresenta propriedades im-
portantes: lubrifica<;ao e umec-
ta<;ao de superficies; capacida-
de de suportar pressoes; capa-
cidade de condu<;ao de calor;
elasticidade, e, final mente, pro-
priedade de semi-solidificar-se
instantaneamente no momento
de impactos.
Figura 5.63
Artrite serosa - potro
com "O.CD:'.
Uma articula<;ao acometida
por processo asseptico, apresen-
ta inflama<;aoaguda da membra-
na sinovial com aumento de pro-
du<;ao de liquido sinovial com
baixa concentra<;ao de acido hia-
lur6nico. Concomitantemente ao
aumento de produ<;aodo liquido
sinovial, poden§.ocorrer derrame
de sangue ou somente de soro,
que saD os responsaveis pelo
agravamento do quadro c1inico
e das modifica<;oesda viscosida-
de do liquido sinovial.
Muitas saD as causas de ar-
trites, sendo os casos primarios
consequencia da a<;aode traumas
diretos e ferimentos com pene-
tra<;ao de germes ou de carpos
estranhos no interior da articula-
<;ao.As artrites secundarias po-
dem ser resultantes de ma-con-
forma<;ao6ssea, aprumos irregu-
lares, deficiencias nutricionais
(proteinas, vitaminas, minerais),
superalimenta<;ao,osteocon drite
dissecante ("O.CH'), pneumonias
por Rhodococcus equi, e infec<;ao
do cordao umbilical (artrite septi-
ca e osteomielite do potro).
A sintomatologia geral das
artrites se caracteriza pela defor-
ma<;ao,que e a aumento de vo-
lume da articula<;ao; calor (agu-
da); dor; e, consequentemente,
a c1audica<;ao,que varia de inten-
sidade (graus) e tipo (aIta,media
au baixa), conforme a gravidade
das lesoes e da articula<;ao atin-
gida. Em geral, os processos agu-
dos provocam intensa inflama<;ao
nos tecidos comprometidos, exa-
cerbando a sintomatologia, ao
contrario dos processos cr6nicos
que apresentam sinais discretos
com tendendas a recidivas peri6-
dicas que podem produzir les6es
articulares definitivas.
a aumento de volume que se
observa nas artrites pode ser de-
corrente de: distensao da capsu-
la articular, devido ao aumento da
produ<;aode liquido sinovial; es-
pessamento da capsula articular
(capsulite); inflama<;ao dos teci-
dos periarticulares; periostites e
osteoperiostites intra e periarticu-
lares, como consequencias das
les6es de peri6steo que a a<;ao
do trauma e tra<;aoda capsula ar-
ticular produzem, au mesmo esti-
ramento das inser<;6esdos liga-
mentos colaterais periarticulares
e articulares, nos casas de entor-
ses e subluxa<;6es.
Quanta ao tipo, as artrites po-
dem ser c1assificadas em:
1. Artrite serosa (artrite trau-
matica): Sao devidas a traumas
diretos em animais que sofrem
coices sabre as articula<;6es au
pancadas em obstaculos durante
saltos. Os traumas indiretos tam-
bem podem desencadear este ti-
po de artrite, e sao, na maioria das
vezes,decorrentes de ma-confor-
mat;:ao dos membros que
Página1...44454647484950