DIREITO AO ESQUECIMENTO e direito de resposta
9 pág.

DIREITO AO ESQUECIMENTO e direito de resposta


DisciplinaDireito Digital481 materiais4.376 seguidores
Pré-visualização2 páginas
A IMPORTÂNCIA DA DEFESA DOS DIREITOS DA PERSONALIDADE
A importância dos direitos da personalidade é extremante latente, sendo inerentes a todos os indivíduos, sendo intransmissíveis, irrenunciáveis imprescindíveis e universais. 
Com o decurso do tempo, estes vêm cada vez mais sendo tratados por meio das legislações internas dos países democráticos, bem como através de diversos tratados internacionais, como exemplo, a Declaração de Direitos Humanos da ONU, o pacto de São José da Costa Rica, entre outros.
 No ordenamento jurídico pátrio, destacam-se a previsão de nossa Carta Magna, no art. 1º, inciso III, que garante o princípio da dignidade humana, como também, o que preconiza o art. 5º, X, que versa sobre a imagem, a honra e a possível reparação por danos morais, se esses objetos jurídicos tão caros forem ofendidos. O Código Civil também aborda esta temática, em especial nos artigos 12 ao 21. 
Neste trabalho, serão tratados, especialmente, o direito ao esquecimento e o direito de resposta como ferramentas para proteção aos direitos de personalidade ligados à honra e a imagem dos agravados. Tendo como finalidade, a princípio, a retirada de informações passadas que denigram a reputação do indivíduo e a retratação devida por publicações ofensivas a alguém.
É fundamental dizer que ambos têm diferenças nos casos e na forma de sua aplicação, porém, os dois visam a preservação da honra dos ofendidos, precipuamente, com base no princípio da dignidade da pessoa humana.
Em uma época onde as informações alastram-se com tanta rapidez, devido aos instrumentos de comunicação informatizados e cibernéticos, vidas e reputações podem ser destruídas em questão de segundos e terem sequelas irreversíveis para as possíveis vítimas é imprescindível que o Direito adeque-se a esse contexto, sob pena de tornar-se ineficaz para o objetivo ao qual foi idealizado, que é a pacificação dos conflitos sociais e a proteção dos direitos dos indivíduos tutelados. Daí a necessidade de termos institutos legais protetivos como os que serão alvos deste trabalho, a fim de um maior aprofundamento sobre os mesmos, com o intuito de aclarar as formas e situações em que eles poderão ser utilizados. 
O DIREITO AO ESQUECIMENTO
O direito ao esquecimento na internet é aquele em que o indivíduo decide não permitir que determinado fato ocorrido em alguma ocasião de sua vida, seja publicado no ambiente virtual, ocasionando sofrimento ou prejuízo a este.
Por esse direito, qualquer pessoa pode reivindicar que episódio ou ocorrência do passado seja esquecido após um determinado lapso de tempo, desde que não represente grande relevância na sociedade, ou seja, não represente grande interesse público na informação que se tenta ocultar, através da não veiculação da informação na internet. Buscando, dessa forma, que atos praticados no passado não repercutam para sempre.
Primeiramente, este direito brotou com o escopo de remover do acesso ao público os antecedentes criminais que determinada pessoa possuía, entretanto, com o decorrer do tempo, esta medida também foi requerida em juízo para apagar da internet situações constrangedoras ou de cunho vexatório.
DIREITO AO ESQUECIMENTO NO BRASIL
No Brasil, o direito de ocultar-se já existe em nosso ordenamento jurídico, como por exemplo, no CDC, onde se prevê o prazo de máximo de cinco anos para que se retire dos órgãos de proteção ao crédito qualquer informação acerca de inadimplência. 
Não obstante, entende-se que o Direito ao Esquecimento chegou à ordem legal brasileiro, mais especificamente, à jurisprudência em 2013. Na sessão onde a 4ª Turma do STJ apreciou o recurso referente ao caso Aída Curi, acontecido em meados do século XX, mais precisamente em 1958, publicado no Diário de Justiça Eletrônico, em que, o mesmo periódico trouxe outro caso de direito penal, desta feita sobre a \u201cChacina da Candelária\u201d, sendo o Ministro Luís Salomão sido relator dos dois acórdãos, votados de forma unânime. Esses foram os dois casos que geraram relevância ao direito ao esquecimento no Brasil.
Porém, a regulamentação do direito ao esquecimento no Brasil deu-se após a aprovação do enunciado 531 da Jornada de Direito Civil, ocorrido em março de 2013, que preconiza: \u201cA tutela da dignidade da pessoa humana na sociedade da informação inclui o direito ao esquecimento\u201d.
	
O MARCO CIVIL E O DIREITO AO ESQUECIMENTO
Em abril de 2014, a presidenta Dilma Rousseff sancionou o Marco Civil da Internet com a definição dos direitos e deveres civis do cidadão brasileiro no ambiente virtual. A lei foi apontada como paradigma mundial para as legislações que viriam a tratar da internet.
Os princípios básicos do Marco Civil da Internet são: o reconhecimento da escala mundial da rede, seu liame estreito com os direitos humanos e fundamentais, e por fim o uso social da rede mundial de computadores. 
O seu fundamento é a liberdade de expressão e a proteção da privacidade. Ou seja, o uso da internet deve ser sempre pautado na observação destes princípios. Essa afirmativa é baseada no art. 2°, inciso, II, da referida lei, pois, ao citar a liberdade de expressão, bem como o direito à privacidade no início do diploma legal, o legislador parece elegê-los com primazia em relação aos demais.
O art. 3º, inciso II, fornece a base jurídica para tutelar o direito à privacidade. Quanto ao direito à intimidade, sua proteção específica encontra-se no art. 7º, inciso I, que preconiza: 
Art. 7°. \u201cO acesso à internet é essencial ao exercício da cidadania, e ao usuário são assegurados os seguintes direitos: I - Inviolabilidade da intimidade e da vida privada, sua proteção e indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação\u201d.
A interpretação sistemática dos art. 2º, II, do art. 3º, II e do art. 7º, I, do Marco civil da internet permite a construção de uma tese jurídica que forneça fundamento para tutela do direito ao esquecimento, alicerçados nos direitos fundamentais, positivados na Constituição Federal no art. 5º, inciso X, além, claro, do Enunciado 531, da Jornada de Direito Civil, já citado aqui anteriormente. 
Importante ressaltar que o direito ao esquecimento deve ser analisado sempre no caso concreto, deve-se verificar a inexistência do interesse público dado ao transcurso temporal no momento de propor a ação. Com efeito, a construção da tese jurídica para tutelar o direito ao esquecimento deve procurar demonstrar tal requisito. 
Posteriormente, deve demonstrar-se que recordar o acontecimento passado, já desprovido do interesse público, configura-se ofensa à esfera da privacidade ou intimidade, de acordo com o caso e o dano causado, fazendo jus dos institutos legais supracitados do Marco civil da internet. 
Para tal, deve-se analisar o fato ocorrido e como ele relaciona-se com o indivíduo em questão. Assiste também o direito de requerer a remoção da notícia ou postagem em rede social, com base nos fundamentos do uso da internet no Brasil, constantes na Lei 12.965/2014, bem como requerer a reparação de qualquer dano causado advindo da rememoração.
O DIREITO DE RESPOSTA
O direito de resposta é aquele em que o indivíduo lesado por determinada publicação tem de pleitear que o responsável pela matéria ofensiva publique também uma resposta proporcional, na qual é contada a versão do ofendido.
Tal direito é previsto na Constituição Federal, que dispõe, em seu art. 5º, inciso V, que \u201cé assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por dano material, moral ou à imagem\u201d. Entretanto, a Magna Carta não elucida em quais situações e de que maneira o direito pode ser exercido.
Até 2009, esse direito era regido pela Lei de Imprensa. Contudo, após a lei ter sido julgada inconstitucional pelo STF, o direito de resposta ficou sem regulamentação, causando, durante muito tempo, grande insegurança jurídica sobre sua aplicação. Dentro desse contexto e para suprir essa lacuna surgiu a Lei nº 13.188/2015.
EM QUE MOMENTO SURGE O DIREITO DE RESPOSTA?
Segundo o art. 2º da supracitada lei, o direito de resposta pode ser usado sempre