Buscar

FARMACIA-CLÍNICA-2


Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 60 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 6, do total de 60 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 9, do total de 60 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Prévia do material em texto

1 
 
SUMÁRIO 
1 INTRODUÇÃO ................................................................................................. 3 
2 INTRODUÇÃO A FARMÁCIA CLÍNICA E ATENÇÃO FARMACÊUTICA ........... 4 
3 INTERVENÇÃO FARMACÊUTICA ..................................................................... 8 
3.1 Atuação do farmacêutico na farmácia clínica ............................................. 10 
3.2 Dispensação, prescrição de medicamentos e erros de prescrição ............ 14 
3.3 Exemplo de tipos de problemas na prescrição: .......................................... 18 
3.4 Prescrição farmacêutica ............................................................................. 19 
3.5 Monitorização e ajuste de dose e acompanhamento farmacêutico ............ 21 
3.6 Diretrizes e acompanhamento farmacoterapêutico .................................... 23 
3.7 Identificação de problemas relacionados à farmacoterapia ....................... 27 
3.8 Interações medicamentosas e educação para saúde ................................ 29 
3.9 Estratégias educacionais ........................................................................... 30 
3.10 Principais dificuldades enfrentadas por farmacêuticos para exercerem suas 
atribuições clínicas ..................................................................................................... 32 
4. FARMACIA CLÍNICA E A SEGURANÇA NO USO DE MEDICAMENTOS ...... 34 
4.1 A importância da farmacologia clínica ........................................................ 37 
4.2 As atribuições do farmacêutico na Política Nacional de Medicamentos..... 39 
4.3 Promoção do uso racional de medicamentos ............................................ 40 
4.4 Aspectos conceituais relacionados ao uso racional de medicamentos: ..... 42 
4.5 O uso inapropriado de medicamentos pode ter consequências como: ...... 43 
4.6 Estratégias gerenciais ................................................................................ 44 
4.7 Intervenções para a promoção do uso racional por parte dos profissionais de 
saúde: ......................................................................................................................... 45 
5 FARMACOVIGILÂNICA .................................................................................... 46 
 
2 
 
6 GESTÃO DE QUALIDADE E SEGURANÇA DO PACIENTE ........................... 49 
6.1 Documentação: .......................................................................................... 50 
7 BIBLIOGRAFIA ................................................................................................. 52 
 
 
 
3 
 
1 INTRODUÇÃO 
Prezado aluno! 
 
 O Grupo Educacional FAVENI, esclarece que o material virtual é semelhante ao da 
sala de aula presencial. Em uma sala de aula, é raro – quase improvável - um aluno se 
levantar, interromper a exposição, dirigir-se ao professor e fazer uma pergunta, para que 
seja esclarecida uma dúvida sobre o tema tratado. O comum é que esse aluno faça a 
pergunta em voz alta para todos ouvirem e todos ouvirão a resposta. No espaço virtual, 
é a mesma coisa. Não hesite em perguntar, as perguntas poderão ser direcionadas ao 
protocolo de atendimento que serão respondidas em tempo hábil. 
Os cursos à distância exigem do aluno tempo e organização. No caso da nossa disciplina 
é preciso ter um horário destinado à leitura do texto base e à execução das avaliações 
propostas. A vantagem é que poderá reservar o dia da semana e a hora que lhe convier 
para isso. 
A organização é o quesito indispensável, porque há uma sequência a ser seguida 
e prazos definidos para as atividades. 
 
Bons estudos! 
 
4 
 
2 INTRODUÇÃO A FARMÁCIA CLÍNICA E ATENÇÃO FARMACÊUTICA 
 
Fonte:pixabay.com.br 
A farmácia clínica é a área voltada para o cuidado do paciente que visa à 
promoção, proteção e recuperação da saúde e prevenção de seus agravos, devido ao 
uso inadequado de medicamentos. As condutas do farmacêutico clínico buscam otimizar 
a farmacoterapia, promover o uso racional de medicamentos e, sempre que possível, 
melhorar a qualidade de vida. 
 Por meio da análise da terapia farmacológica, atuação interprofissional e uso de 
ferramentas de pesquisa o farmacêutico deve oferecer o melhor cuidado ao 
paciente e a melhor informação disponível à equipe assistencial, com o intuito de 
reduzir ocorrências de eventos adversos a medicamentos e aumentar a 
segurança dos mesmos (BRASIL, 2013 apud LIMA, 2017). 
Esta área não é restrita somente a hospitais, mas inclui também farmácias 
comunitárias, clínicas privadas, ambulatórios, unidades de saúde e lares de longa 
permanência. Pode ser exercida em qualquer local que possua usuários de 
medicamentos expostos ao risco e às consequências de seu uso. 
A prevenção e resolução dos problemas relacionados a medicamentos (PRM) é 
possível por meio das intervenções farmacêuticas realizadas pelo farmacêutico 
clínico. Desta forma, este serviço torna-se indispensável para avaliar a situação 
clínica do paciente diante da análise do risco-benefício que um medicamento 
pode proporcionar (ALANO, 2012 apud CORREIA, 2017). 
 
5 
 
O profissional que atua clinicamente tem, entre outras funções, a de garantir o uso 
correto do medicamento, em conjunto com a equipe multiprofissional dos hospitais e 
ambulatório, reduzindo o tempo de internação e melhorando a adesão destes ao 
tratamento para garantir uma melhor qualidade de vida. Atua também na gestão da 
farmacoterapia, revisando aspectos da seleção, administração e resultados terapêuticos 
obtidos. Fornece educação e orientação ao paciente e recomendações ao médico para 
ajustes no tratamento. 
Segundo a definição de “cuidado centrado no paciente”, publicada pela Resolução 
nº 585/2013, do Conselho Federal de Farmácia (CFF): 
“Relação humanizada que envolve o respeito às crenças, expectativas, 
experiências, atitudes e preocupações do paciente ou cuidadores quanto às suas 
condições de saúde e ao uso de medicamentos, na qual farmacêutico e paciente 
compartilham a tomada de decisão e a responsabilidade pelos resultados em 
saúde alcançados”. 
É muito importante o entendimento do farmacêutico clínico sobre esta questão 
para assegurar um cuidado adequado. 
O farmacêutico clínico é o profissional que está inserido no cuidado direto, 
participando ativamente da terapia medicamentosa, exercendo suas atividades com 
autonomia para a tomada de decisões baseadas nos princípios éticos da profissão. Para 
o desenvolvimento da farmácia clínica, o farmacêutico deverá possuir conhecimento 
amplo e integrado em diversas áreas, tais como: Farmacologia, Bioquímica, 
Fisiopatologia, farmacotécnica, entre outras. 
Além da capacidade de estabelecer conexão com a equipe e o paciente, exercitar 
a visão sistêmica para antever os riscos e promover segurança, busca pelo melhor 
desfecho clínico, utilizando os recursos de maneira sustentável, sempre utilizando de 
empatia nas relações. 
A farmácia clínica transforma-se dentro da farmácia hospitalar, agregando às 
muitas funções desse serviço a intervenção farmacêutica baseada no paciente e na 
melhor maneira de lhe dispensar os cuidados farmacêuticos com os menores riscos 
possíveis, demonstrando o caráter amplo dessa área. 
Incorporar o farmacêutico clínico na equipe assistencial está entre as 
recomendações das organizações internacionais responsáveis pela certificação 
 
6 
 
de qualidade dos serviços de Farmácia Hospitalar, classificando essa medida 
como uma ação preventiva de eventos adversos evitáveis e de problemas 
relacionados a medicamentos (COSTA, 2014 apud RODRIGUES, 2011). 
Estima-se que cerca de 5 a 10,0% das internações ocorram devido a condições 
clínicas resultantes da farmacoterapia. A atividade do farmacêutico clínico pode 
aumentar a eficácia e a segurança da terapia medicamentosa por meio de intervenções 
farmacoterapêuticas, minimizando problemas relacionados a medicamentos e 
otimizandoa alocação de recursos financeiros associados aos cuidados de saúde 
(RODRIGUES, 2019). 
Após o movimento da farmácia clínica, em meados da década de 1970, alguns 
autores se empenharam em redefinir o papel do farmacêutico em relação ao 
paciente, pois segundo eles a farmácia clínica estava restrita ao ambiente 
hospitalar e voltada principalmente para a análise da farmacoterapia dos 
pacientes, sendo que o farmacêutico ficava próximo apenas à equipe de saúde. 
Dessa forma, visando nortear e estender a atuação do profissional farmacêutico 
para as ações de atenção primária em saúde, tendo o medicamento como insumo 
estratégico e o paciente como foco principal, iniciaram a construção inconsciente 
do conceito de Atenção Farmacêutica, que só viria a receber essa terminologia 
no final da década de 1980 (MIKEL,1975 apud PEREIRA 2008, p 602). 
O termo Atenção Farmacêutica foi adotado e oficializado no Brasil, a partir de 
discussões lideradas pela Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), Organização 
Mundial de saúde (OMS), Ministério da Saúde (MS), entre outros. Nesse encontro, foi 
definido o conceito de Atenção Farmacêutica: 
“um modelo de prática farmacêutica, desenvolvida no contexto da assistência 
farmacêutica. Compreende atitudes, valores éticos, comportamentos, 
habilidades, compromissos e corresponsabilidades na prevenção de doenças, 
promoção e recuperação da saúde, de forma integrada à equipe de saúde. É a 
interação direta do farmacêutico com o usuário, visando uma farmacoterapia 
racional e a obtenção de resultados definidos e mensuráveis, voltados para a 
melhoria da qualidade de vida. Esta interação também deve envolver as 
concepções dos seus sujeitos, respeitadas as suas especificidades 
biopsicossociais, sob a ótica da integralidade das ações de saúde” (CONSENSO 
BRASILEIRO DE ATENÇÃO FARMACÊUTICA, 2002 apud PEREIRA 2008). 
Entretanto, o conceito de atenção farmacêutica mais aceito e citado atualmente, 
no qual a Atenção Farmacêutica é apresentada como a parte da prática farmacêutica que 
permite a interação do farmacêutico com o paciente, objetivando o atendimento das suas 
necessidades relacionadas aos medicamentos. Trabalhos relatam que, a formação 
 
7 
 
clínica do profissional farmacêutico torna-se decisiva para o futuro da prática de atenção 
farmacêutica, pois ao adquirir os conhecimentos de farmácia clínica, o farmacêutico 
estará apto para realizar acompanhamento farmacoterapêutico completo e de qualidade, 
avaliando os resultados clínico laboratoriais dos pacientes e interferindo diretamente na 
farmacoterapia. Vale ressaltar que além do conhecimento de farmácia clínica, a atenção 
farmacêutica exige do profissional preocupação com as variáveis qualitativas do 
processo, principalmente aqueles referentes à qualidade de vida e satisfação do usuário. 
A imagem abaixo, mostra o processo geral de Atenção Farmacêutica ao paciente. 
A Atenção Farmacêutica baseia-se principalmente no acompanhamento 
farmacoterapêutico dos pacientes, buscando a obtenção de resultados 
terapêuticos desejados por meio da resolução dos problemas 
farmacoterapêuticos, procurando-se definir uma atividade clínica para o 
farmacêutico, tendo o paciente como ponto de partida para a solução dos seus 
problemas com os medicamentos (CIPOLLE, 2000 apud PEREIRA 2008). 
 
Fonte: OTUKI, 2011 apud Conselho Regional de Farmácia – CRF, 2015. 
 
8 
 
3 INTERVENÇÃO FARMACÊUTICA 
 
Fonte:www.crfms.org.br 
Atenção Farmacêutica surge no cenário brasileiro e internacional como um novo 
exercício profissional onde o farmacêutico assume a responsabilidade de garantir que o 
paciente, que recebe um medicamento, possa cumprir os esquemas farmacoterapêuticos 
e seguir o plano de assistência, de forma a alcançar resultados positivos. 
Ao farmacêutico moderno é indispensável conhecimentos, atitudes e destrezas 
que permitam ao mesmo integrar-se à equipe de saúde e interagir mais com o paciente 
e a comunidade, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida no que se refere à 
otimização da farmacoterapia e o uso racional de medicamentos. As ações do 
farmacêutico, no modelo de atenção farmacêutica, em sua grande maioria, são atos 
clínicos individuais. 
As sistematizações das intervenções farmacêuticas e a troca de informações 
dentro de um sistema de informação composto por outros profissionais de saúde pode 
contribuir para um impacto em nível coletivo e na promoção do uso seguro e racional de 
medicamentos. 
No início do século XX, o farmacêutico era o profissional de referência para a 
sociedade nos aspectos relacionados ao medicamento, atuando na guarda, na 
dispensação e na manipulação de, praticamente, todos os fármacos disponíveis 
na época. Com a expansão da indústria farmacêutica, o abandono da prática de 
 
9 
 
formulação pela classe médica e a diversificação do campo de atuação fizeram 
com que a prática farmacêutica consistisse apenas na distribuição de 
medicamentos industrializados, levando o profissional a se distanciar da área 
(GOUVEIA, 1999 apud AMARAL, 2008). 
A preocupação com a qualidade, a eficácia e a segurança dos medicamentos 
produzidos em larga escala fez com que o farmacêutico hospitalar fosse solicitado 
a prestar informações sobre as características que os novos medicamentos podiam ter 
sobre o perfil clínico dos pacientes. 
 Nos anos 60, surge nos Estados Unidos, a farmácia clínica com o objetivo de 
promover a saúde, prevenir e monitorar eventos adversos, intervir e contribuir na 
prescrição de medicamentos para a obtenção de resultados clínicos positivos, otimizar a 
qualidade de vida dos pacientes e minimizar os custos relacionados à terapia. 
Dessa forma o farmacêutico passa a integrar a equipe de saúde e a atuar de forma 
mais efetiva na assistência prestada ao paciente, usando seus conhecimentos para 
melhorar o cuidado. 
Torna-se fundamental para a terapêutica clínica à medida que ocorre a prevenção 
dos erros de medicamentos, a promoção do uso correto e racional, a diminuição do custo 
da terapia e o tempo de internação do paciente. 
Atualmente, é quase impossível pensar em prática médica ou a relação médico-
paciente sem a presença de medicamentos. O seu uso indevido é um problema de saúde 
pública e gera grandes consequências econômicas, todavia quando utilizados 
apropriadamente são o recurso terapêutico mais eficaz. 
O farmacêutico realiza a monitorização terapêutica analisando a posologia, a 
interação do medicamento com outros fármacos, com alimento ou com alguma 
patologia, a via de administração, a indicação terapêutica e os efeitos adversos. 
Essa avaliação poderá resultar em uma intervenção farmacêutica (FARRÉ, 2000 
apud FINATO, 2012). 
O farmacêutico é o profissional do medicamento e deve estar inserido na equipe 
multiprofissional para o combate ao uso irracional de medicamentos e na diminuição de 
erros e eventos adversos, sempre contribuindo na melhoria da farmacoterapia e na 
promoção da qualidade de vida dos pacientes. 
A intervenção farmacêutica é capaz de melhorar o cuidado ao paciente e quando 
documentada permite a avaliação da qualidade por meio de indicadores, os quais podem 
 
10 
 
ser utilizados para demonstrar a contribuição do farmacêutico na assistência, reforçar aos 
profissionais a importância desse cuidado e comparar os dados com outras instituições, 
visando melhorias de processos. 
Para realizar a farmácia clínica com qualidade é importante que os processos 
estejam sistematizados e padronizados de modo que se possa definir e ampliar esse 
instrumento de trabalho em todos os campos de atuação e até mesmo em outras 
instituições hospitalares. 
Um dos desafios da categoria farmacêutica é modificar as condutas, incorporando 
na prática profissional um modelo que propicie ao farmacêutico assumir a 
responsabilidade com a farmacoterapia. Para tanto a relação contínua entre paciente e 
farmacêutico é fundamental para que os serviços de intervençãofarmacêutica sejam 
realizados de maneira ética e legal, fornecendo resultados permanentes assegurando a 
efetividade da terapia estabelecida (AMARAL, 2008). 
Deste modo cabe aos profissionais farmacêuticos buscarem seus lugares frente 
às equipes de saúde, criando assim laços que sustente a sua prática profissional, indo 
ao encontro dos objetivos estabelecidos para a intervenção farmacêutica e procurando 
identificar e servir as necessidades reais do cidadão. 
3.1 Atuação do farmacêutico na farmácia clínica 
 
Fonte: radiocidadesa.com.br 
https://www.radiocidadesa.com.br/
 
11 
 
O farmacêutico clínico é o profissional responsável por promover o uso racional de 
medicamentos, através da educação em saúde, dispensação segura de medicamentos, 
otimização da farmacoterapia, garantindo segurança e efetividade no tratamento 
farmacológico, além de ser o profissional responsável pela identificação e resolução dos 
problemas relacionados aos medicamentos - PRM. Dessa forma, atuando junto à equipe 
multidisciplinar, o farmacêutico promove, saúde e qualidade de vida para os pacientes. 
O uso irracional de medicamentos é um importante problema de saúde pública 
em todo mundo, gerando grande impacto nos resultados clínicos, econômicos e 
humanistas. Estima-se que a prescrição incorreta pode acarretar elevação dos 
gastos em 50 a 70% dos recursos governamentais destinados à aquisição de 
medicamentos. Todavia, se usados adequadamente, os medicamentos são os 
recursos terapêuticos de maior custo-benefício (LE GRAND A,1999 apud REIS, 
2013). 
O uso racional ocorre quando os pacientes recebem a medicação adequada às 
suas necessidades clínicas, na dose correta, por um período de tempo necessário, e ao 
menor custo para si e para a comunidade. Os seguintes processos estão incluídos nesse 
contexto farmacoterapia adequada, indicação adequada, medicação correta, dose certa 
de acordo com as condições clínicas do paciente, administração e duração de tratamento 
apropriadas, adesão adequada do paciente ao tratamento, assim como avaliação e 
acompanhamento de possíveis eventos adversos relacionados ao tratamento. 
A consulta farmacêutica tem início com a coleta de dados do paciente. Esta é feita 
por meio de uma anamnese e exame clínico e o paciente é a principal fonte das 
informações. Além do relato que o próprio paciente faz sobre sua saúde, seus problemas 
médicos e tratamentos em curso, outras informações podem ser obtidas de familiares e 
cuidadores ou de outros profissionais da saúde. São indispensáveis ainda os dados 
advindos de exames clínicos, laboratoriais, prescrições médicas, entre outros 
documentos pertencentes ao histórico clínico do paciente. Quando a consulta é 
agendada, ajuda muito pedir ao paciente que leve seus medicamentos, suas receitas 
médicas e últimos exames. A entrevista clínica é focada no perfil do paciente, história 
clínica e história de medicação. A história clínica inclui a queixa principal, história da 
doença atual, história médica pregressa, história social, familiar e revisão por sistemas. 
A história de medicação inclui os medicamentos em uso, plantas medicinais, medicação 
 
12 
 
pregressa, histórico de alergias, reações adversas a medicamentos e a experiência de 
medicação do paciente 
As atividades desenvolvidas por farmacêuticos clínicos desempenham papel 
fundamental na promoção do uso racional de medicamentos, garantindo ao 
paciente uma farmacoterapia adequada, com resultados terapêuticos definidos, 
e minimizando consequentemente os riscos de resultados desfavoráveis da 
terapia medicamentosa, além de diminuir custos (MARIN, 2003 apud REIS, 
2013). 
Entre essas atividades, a revisão das prescrições médicas é um item 
extremamente importante, pois permite a identificação, a resolução e a prevenção do 
surgimento de PRM e desfechos negativos associados à farmacoterapia. 
O farmacêutico clínico deve estar integrado à equipe interdisciplinar, 
acompanhando diariamente o trabalho realizado e buscando agregar com seus 
conhecimentos farmacológicos na qualidade do trabalho assistencial. Também é 
possível verificar a promoção da segurança ao paciente, uma vez que a maioria 
dos erros de medicação ocorre durante a fase de prescrição e no processo de 
administração do medicamento, o farmacêutico promove maior influência para 
prescrição e uso adequado do medicamento (PATANWALA, 2010 apud 
MIRANDA, 2012). 
De acordo com a Associação Americana de Farmacêuticos Clínicos (ACCP – do 
inglês American College of Clinical Pharmacy), as competências exigidas pelo 
farmacêutico clínico envolvem: 
• capacidade de solucionar problemas, julgamento e tomada de decisão; 
• comunicação e educação; 
• gerenciamento e avaliação das informações médicas; 
• gerenciamento de populações; 
• conhecimentos de farmacoterapia. 
Associadas ainda a capacidade de: 
• Mente investigativa (nexo causal); 
• Acesso à informação de qualidade (literatura atualizada); 
• Habilidade de avaliação das situações; 
• Habilidade de comunicação; 
• Disponibilidade de educação permanente. 
 
13 
 
• Realiza e desenvolve procedimentos para a promoção, proteção e 
recuperação da saúde; 
• Assegura que o medicamento seja administrado na dose, frequência, via de 
administração e horário corretos; 
• Verifica se a prescrição médica está de acordo com aspectos técnicos e 
legais; 
• Promove intervenções terapêuticas, quando necessário; 
• Realiza consulta, anamnese e avaliação farmacêutica; 
• Integra comissões, criadas com o objetivo de promover o uso racional de 
medicamentos e garantir a segurança do paciente; 
• Planeja e coordena, junto com outros profissionais da saúde, estudos 
epidemiológicos e outras investigações relacionadas à área da saúde; 
• Participa de comitês de ética em pesquisa; 
• Monitora e avalia os resultados da farmacoterapia por meio da solicitação 
de exames; 
• Analisa os níveis terapêuticos dos fármacos administrados durante o 
tratamento do paciente; 
• Identifica interações medicamentosas; 
• Desenvolve plano de cuidado farmacêutico individual para cada paciente; 
• Analisa, em períodos pré-determinados, os resultados das intervenções 
farmacêuticas; 
• Administra medicamentos aos pacientes, quando for de sua competência 
profissional; 
• Orienta quanto à administração de formas farmacêuticas; 
• Prescreve no âmbito de sua competência profissional; 
• Verifica a adesão do paciente ao tratamento medicamentoso. 
• Desenvolve métodos para promover a maior adesão do paciente ao 
tratamento; 
• Informa e orienta a sociedade quanto ao uso racional de medicamentos, por 
meio de programas e materiais educativos; 
 
14 
 
• Participa da formação e desenvolvimento profissional de farmacêuticos; 
• Faz parte da coordenação, supervisão, auditoria, acreditação e certificação 
de ações e serviços relacionados às atividades do profissional 
farmacêutico; 
• Elabora e atualiza formulários terapêuticos e protocolos clínicos para a 
utilização de medicamentos. 
3.2 Dispensação, prescrição de medicamentos e erros de prescrição 
 
Fonte:bastidoresderondonia.com.br 
A dispensação é um serviço de cuidado assistencial no qual o farmacêutico 
disponibiliza medicamentos para o paciente, em atendimento a uma prescrição emitida 
por um profissional da saúde devidamente habilitado. Esta prática, privativa do 
farmacêutico, é realizada de forma centrada nas necessidades do paciente e deve incluir 
a orientação, a informação e a educação necessárias para o uso racional dos 
medicamentos. 
O serviço de maior demanda nas farmácias, é a dispensação, por ser a atividade 
farmacêutica de maior reconhecimento pela sociedade. Este serviço pode ser 
realizado em farmácias hospitalares e ambulatoriais, e também em farmácias 
com ou sem manipulação. Nesta prática o farmacêutico deve orientar sobre o 
modo correto de utilização dos medicamentos e avaliar possíveis problemas 
relacionados ao seu uso. Em muitoscasos, a dispensação consiste no último 
 
15 
 
momento em que o paciente tem contato direto com um profissional da saúde, 
antes de iniciar o uso dos medicamentos (BRASIL, 2016 apud CONSELHO 
REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO, 2019). 
A revisão da medicação consiste na avaliação sistemática da necessidade, 
efetividade e segurança de todos os medicamentos em uso pelo paciente e de sua 
adesão ao tratamento. O farmacêutico deve conhecer a indicação, dose, via de 
administração, frequência e duração do tratamento para cada medicamento em uso e 
deve reunir as informações clínicas necessárias para avaliar a resposta do paciente, em 
termos de efetividade e segurança. A avaliação da necessidade do uso de medicamentos 
pode revelar dois problemas comuns: o uso de medicamentos desnecessários ou sem 
indicação clara para os problemas de saúde do paciente ou a necessidade de utilizar 
medicamentos para um problema de saúde não tratado até aquele momento. Uma das 
ferramentas da revisão da farmacoterapia é a análise de prescrição. A prescrição consiste 
no conjunto de ações documentadas relativas ao cuidado da saúde. Desta forma, o 
farmacêutico clínico é responsável pela análise da prescrição do paciente e deve 
considerar sempre: 
• identificação do paciente: nome, registro de internação, sexo, idade, peso e 
altura; 
• aspectos do paciente: o registro de alergias e uso de medicamento prévio; 
• aspectos da administração dos medicamentos: reconstituição, diluição, 
tempo de infusão, estabilidade e incompatibilidade; 
• dose: dose adequada para a indicação terapêutica, dose máxima diária, 
ajuste de dose para paciente com alterações renais ou hepáticas, idosos, 
crianças, gestantes e lactantes; 
• frequência: o intervalo correto entre as doses e o aprazamento adequado; 
• medicamento: disponibilidade no mercado, padronização da instituição, 
indicações terapêuticas, contraindicações e interações medicamentosas; 
• via de administração: via correta com a apresentação do medicamento, 
avaliar se há necessidade de ajustes de formas farmacêuticas; 
• interações medicamentosas: avaliar se há um risco de interação 
medicamentosa e qual a relevância da mesma; 
 
16 
 
• incompatibilidade medicamentosa: avaliar se há risco de incompatibilidade 
entre os medicamentos EV e sugerir alternativas; 
• cronofarmacologia: influência dos medicamentos nos ciclos circadianos, 
para a otimização da terapia e redução de eventos adversos. 
O ponto de partida para a utilização de medicamentos é a prescrição, que é um 
documento legal, pelo qual se responsabilizam quem prescreve, sendo no âmbito 
hospitalar o médico, quem distribui o medicamento e quem o administra ao paciente, 
estando sujeito a legislações de controle e vigilância sanitária. 
A prescrição é um importante elo de comunicação escrita entre os profissionais de 
saúde, vista como o início de uma série de eventos dentro do processo de medicação, 
que resultará em uma administração segura ou não, de uma dose ao paciente. 
Os requisitos e cuidados que devem ser adotados durante a elaboração da 
prescrição e a distribuição dos medicamentos estão descritos principalmente nas 
seguintes normas legais, Lei n° 5.991/73, Decreto n° 20.931/32 Resolução n°357 CFF e 
Resolução nº 492/08. 
O erro de medicação é qualquer evento evitável que, de fato ou potencialmente, 
possa levar ao uso inadequado de medicamentos quando se encontram sob o controle 
de profissionais de saúde, do paciente ou consumidor, podendo ou não provocar danos. 
Pode ocorrer em qualquer momento do processo de medicação, pois este apresenta 
várias etapas sequenciais, as quais são executadas por uma equipe multidisciplinar, 
composta por médicos, farmacêuticos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e auxiliares. 
Alguns fatores podem levar a erros de medicação, tais como falta de atenção ao executar 
uma tarefa, deficiências na formação acadêmica, inexperiência, negligência, falhas na 
comunicação entre a equipe, excesso de trabalho, uso de fontes de informação incorretas 
e/ou desatualizadas, falta de conhecimento sobre os medicamentos e possíveis 
interações, entre outros. Além de afetar diretamente a saúde do paciente, estes erros 
provocam falta de credibilidade no sistema, desapontamento e desânimo nos 
profissionais, comprometendo a qualidade assistencial. 
Entre os erros de medicação encontra-se o erro de prescrição, o qual tem elevado 
potencial para resultar em consequências maléficas para os pacientes. Para evitar esses 
erros, é necessário que a prescrição seja apropriada, com doses adequadas em 
 
17 
 
intervalos definidos, durante o tempo indicado de tratamento e deve-se garantir que os 
medicamentos sejam eficazes, seguros e com qualidade. Prescrições ambíguas, 
ilegíveis ou incompletas, bem como com ausência de padronização da nomenclatura dos 
medicamentos prescritos, uso de abreviaturas e presença de rasuras, são fatores que 
podem contribuir para a ocorrência de erros. 
Para evitá-los são necessárias ações como capacitação dos profissionais, 
promoção de cursos, palestras, seminários e treinamentos; alertando sobre os erros mais 
frequentes e danos provocados aos pacientes. Quando ocorre um erro, a sua 
comunicação é extremamente importante para prevenir erros futuros, por isso, deve-se 
reconhecer a sua existência e a necessidade de ser relatado, elaborando mecanismos 
que facilitem e estimulem a notificação. Deve-se ter um sistema de medicação bem 
estruturado, promovendo condições que auxiliem na minimização e prevenção de erros, 
sendo necessárias regras, normas e ações que deem o auxílio necessário aos 
profissionais. 
Devido aos diversos erros potenciais relacionados com a prescrição médica, 
evidencia-se a importância do farmacêutico na análise prévia à distribuição dos 
medicamentos, minimizando possíveis danos aos pacientes. 
Portanto, por meio da intervenção farmacêutica, é possível reduzir eventos 
adversos, aumentar a qualidade assistencial, diminuir custos hospitalares e promover o 
uso racional de medicamentos. Outras estratégias são a implantação da prescrição 
eletrônica, treinamento dos prescritores, conscientizando-os e educando-os para a 
importância da prescrição correta e legível; e a atuação de farmacêuticos clínicos no 
âmbito hospitalar. 
A prevenção de erros tem sido reconhecida mundialmente como uma prioridade 
para os serviços de saúde, sendo de grande relevância durante a prescrição médica, pois 
os equívocos são bastante comuns. 
Torna-se ainda mais complexa a administração de medicamentos, em pacientes 
internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) e Unidades Semi Intensiva (USI), 
devido ao uso de medicamentos potencialmente perigosos (MPP) e ao fato de os 
pacientes estarem com certa instabilidade clínica. 
 
18 
 
3.3 Exemplo de tipos de problemas na prescrição: 
▪ O tratamento sintomático de condições leves desvia recursos de 
tratamento de enfermidades mais severas. 
▪ Utiliza-se um medicamento de determinada marca quando existirem 
genéricos mais baratos. 
▪ O medicamento não é necessário. 
▪ A dose é exagerada. 
▪ O período de tratamento é demasiadamente longo. 
▪ A quantidade dispensada é exagerada em relação ao que será 
realmente utilizado. 
▪ O medicamento está receitado para um diagnóstico incorreto. 
▪ Seleciona-se um medicamento equivocado para determinada 
doença. 
▪ A prescrição está redigida de forma inapropriada. 
▪ Não se fazem ajustes para fatores coexistentes (clínicos, genéticos, 
ambientais e outros). 
▪ Utilizam-se dois ou mais medicamentos quando um dos dois 
alcançaria virtualmente o mesmo efeito. 
▪ Procura-se atacar várias condições relacionadas quando o 
tratamento da condição primária melhoraria ou resolveria as demais. 
▪ Não são prescritos os medicamentos necessários. 
▪ A dose é insuficiente. 
▪ A duração do tratamento é demasiadamente curta. 
Problemasde prescrição: 
▪ Prescrição extravagante. 
▪ Sobre prescrição. 
▪ Prescrição incorreta. 
▪ Prescrição múltipla. 
▪ Subprescrição. 
 
19 
 
3.4 Prescrição farmacêutica 
 
Fonte: sindifato.com.br 
Com a expansão da função farmacêutica, surgiu também maior responsabilidade 
nos processos de cuidado ao paciente. Os primeiros relatos de prescrição farmacêutica 
surgiram nos Estados Unidos, seguidos por Canadá, Austrália, Nova Zelândia e Reino 
Unido; no Brasil as primeiras palestras sobre o assunto só surgiram em 1990.Hoje temos 
uma resolução do Conselho Federal de Farmácia que regulamenta essa prática da 
prescrição farmacêutica: Resolução 585, de 2013, cujo objetivo é expandir a outro 
profissional a responsabilidade de prescrever, o que intensifica o cuidado ao paciente. 
Essa resolução garante ao farmacêutico o direito de prescrever, iniciar, adicionar, 
substituir, ajustar, repetir ou interromper a terapia farmacológica. 
Há dois tipos de prescrição pelo mundo voltadas a profissionais que não sejam 
médicos: a dependente e a independente. A dependente ocorre quando o médico delega 
essa função a outro profissional, como o farmacêutico, já na prescrição independente o 
profissional tem que ser habilitado a prescrever. No Brasil a prescrição é somente 
dependente e o profissional farmacêutico deve ser legalmente habilitado para esse fim, 
com registro no Conselho Regional de Farmácia de sua jurisdição (Brasil, 2015). 
 Para o farmacêutico prescrever medicamentos que necessitem de receita no ato 
da dispensação, o paciente deve ter consultado um médico, que fará um diagnóstico 
http://www.sindifato.com.br/
 
20 
 
prévio. Também quando determinada medicação estiver prescrita para um determinado 
grupo de pacientes em programas, protocolos, diretrizes ou normas técnicas, aprovados 
para uso no âmbito de instituições de saúde e ambiente hospitalar, havendo formalização 
de acordos de colaboração com outros prescritores ou instituições de saúde. As regras 
são basicamente as mesmas passadas aos médicos: é vedada a prescrição sem a 
identificação do farmacêutico responsável que deve conferir a receita e a medicação 
prescrita e também a identificação do paciente. Essas informações não podem estar: de 
forma secreta, codificada, abreviada, ilegível ou com assinaturas de folhas de receituários 
em branco. Todos esses detalhes são verificados e conferidos posteriormente pela 
vigilância sanitária, cabendo ao farmacêutico a responsabilidade. 
A chamada oferta de serviços acontece quando o paciente procura a farmácia em 
busca de serviços como: consulta farmacêutica, dispensação de medicamentos e 
atendimentos com base fisiológica, por exemplo, aferição de pressão arterial (PA) e 
dosagem de glicemia. Nesse momento, se o profissional farmacêutico identificar uma 
necessidade de possível intervenção, ele deve sinalizar ao paciente, por exemplo, uma 
pressão arterial anormal mesmo fazendo uso de um anti-hipertensivo. 
Se o paciente aceita os serviços farmacêuticos ofertados, é agendada a primeira 
entrevista, que deve ter duração de aproximadamente 15 minutos e deve ocorrer em local 
específico e tranquilo, em que o paciente possa contar seu histórico de saúde e relacionar 
os medicamentos de que ele faz uso. É importante pedir que o paciente traga toda a 
medicação que tem em casa, para que seja avaliado se existem medicamentos vencidos 
ou desnecessários para o seu tratamento, impedindo assim que ele faça uso da 
medicação errada por engano. O farmacêutico deve deixar claro ao paciente que ele não 
substitui o médico e que sua ação é apenas para contribuir no tratamento. Ainda vale 
ressaltar que a consulta farmacêutica não deve anular seu retorno ao médico. Nessa 
entrevista é essencial agregar as informações sobre o paciente, pois existem formulários 
para se fazer a história farmacoterapêutica do paciente que devem ser usados, relatando 
ali as patologias do paciente e de seus familiares. Assim, toda informação fornecida pelo 
paciente é importante para traçar estratégias na identificação de possíveis problemas 
relacionados aos medicamentos (PRM). Com o paciente a respeito de sua saúde, a coleta 
de informações também pode ser deficitária, incompleta, devido a uma prévia falha no 
 
21 
 
tratamento, resultando em falhas de prescrição, incluindo o uso de fármacos 
inapropriados. O fato de se usar fármacos inapropriados pode causar dois problemas: 
um deles é ser extremamente tóxico, danificando a saúde do paciente por excesso de 
medicação; o outro é o fato de não se conseguir o efeito terapêutico desejado, sendo 
também muito perigoso, pois a medicação, quando não consegue atingir o alvo 
terapêutico, acaba “não fazendo efeito”, e o quadro da doença evolui, ficando o paciente 
mais doente ainda do que já estava. Assim, são relatados os problemas relacionados aos 
medicamentos (PRMs) como aqueles usados em situações em que esse uso inadequado 
pode levar ao aparecimento de um resultado negativo ou, ainda, sendo os resultados 
negativos relacionados aos medicamentos prescritos (RNMs); ambas as situações 
podem acontecer, resultando em danos na saúde do paciente, pois não garantem o 
sucesso da farmacoterapia e a eficácia no tratamento. 
Segundo o Consenso de Granada: “Problemas Relacionados aos Medicamentos 
(PRM) são distribuídos em: indicação (1. O paciente não usa os medicamentos que 
necessita ou 2. O paciente usa medicamentos que não necessita); efetividade (3. O 
paciente usa medicamento mal prescrito ou 4. Dose inferior/tratamento ocorre por tempo 
insuficiente) e segurança (5. Idiossincrasia ou 6. O paciente apresenta uma reação 
adversa) (Grupo de Investigación en Atención Farmacéutica Universidad de Granada, 
2004). 
3.5 Monitorização e ajuste de dose e acompanhamento farmacêutico 
O termo “erro de medicação” é definido como um evento evitável, que pode levar 
ao uso inadequado do medicamento, causando ou não dano ao paciente. Estes erros 
podem ocorrer em qualquer fase da terapia medicamentosa e incluem erros de 
prescrição, transcrição, dispensação, preparação e de administração. 
Nas instituições de saúde, a implantação de sistemas de detecção e prevenção 
de erros de prescrição deve ser um dos objetivos das ações, não só da 
farmacovigilância, mas também do serviço de farmácia clínica, de modo a 
estabelecer uma avaliação contínua, com o intuito de diminuir a incidência de 
erros e, principalmente, contribuir para a identificação e o relato de novas 
possibilidades consideradas, equivocadamente, como reações adversas 
(NUNES, 2008 apud SILVA 2018). 
 
22 
 
As recomendações farmacêuticas, definidas como “ato planejado, documentado e 
realizado junto ao usuário e profissionais de saúde, que visa resolver ou prevenir 
problemas que interferem ou podem interferir na farmacoterapia, sendo parte integrante 
do processo de acompanhamento/seguimento farmacoterapêutico”, são ações 
desenvolvidas pelo farmacêutico clínico. A participação deste profissional na UTI é uma 
das estratégias que pode ser adotada, a fim de evitar erros de medicação, pois fornece 
informações importantes para o uso seguro dos medicamentos. 
Desta forma, o profissional farmacêutico pode estar envolvido em inúmeras 
atividades. Dentre elas, destacam-se: o acompanhamento e monitoramento da 
prescrição médica referente a medicamento prescrito, dose, intervalo, via, diluição e 
administração; suas incompatibilidades medicamentosas; a avaliação do risco da 
utilização para cada paciente individualmente; a busca de atualização na literatura 
científica, para identificar padrões de administração de medicamentos e elaborar 
protocolos; o auxílio na promoção da educação continuada, promovendo a troca de 
conhecimentos na equipe multiprofissional e dando suporte técnico cabível; a promoção 
de treinamentos; o monitoramento de eventos adversos e interações medicamentosas; e 
a otimização terapêutica, para reduzircustos para os hospitais e garantir, assim, a 
segurança na prescrição, no uso e na administração de medicamentos. 
Orientação farmacêutica reduz a ocorrência de problemas relacionados a 
medicamentos, desta forma contribui para que o paciente tenha uma melhora na adesão 
ao tratamento e eficácia terapêutica. No momento da orientação, o paciente recebe 
informações quanto à finalidade do tratamento, à melhor forma de administrar os 
medicamentos, além dos riscos e efeitos que podem ocorrer (CORRER, 2011). 
Um exemplo é a cronofarmacologia, o pico de liberação do colesterol, ocorre no 
período noturno, sendo assim, para otimizar a terapia é indicada a administração do 
medicamento no período noturno. Interpretação de exames laboratoriais, essa é uma 
prática clínica fundamental para identificar possíveis interferências da medicação, 
substituição e até mesmo suspensão da farmacoterapia 
Os principais exames observados são: hemograma, função renal e hepática, 
marcadores do tipo inflamatório e infeccioso, enzimas cardíacas, coagulograma, 
dosagem hormonal e glicose. 
 
23 
 
Ajuste de dose do fármaco leva em consideração que cada paciente deve receber 
uma dose específica de um determinado medicamento, sendo essencial para o sucesso 
da terapia. Cada indivíduo apresenta particularidades, como a classe dos idosos, 
crianças, gestantes, hepatopatas, nefropatas. No caso de pacientes hepatopatas, o não 
ajuste de dose pode ocasionar acúmulo de fármacos, já que o fígado é um dos principais 
órgãos responsáveis pela metabolização dos fármacos, portanto, esse acúmulo pode ser 
tóxico ao paciente. 
3.6 Diretrizes e acompanhamento farmacoterapêutico 
 
Fonte: ictq.com.br 
O serviço clínico pelo qual o farmacêutico avalia os resultados obtidos pela ação 
dos medicamentos, associados ou não, a outras medidas de cuidado à saúde é definido 
como acompanhamento farmacoterapêutico. Fundamenta-se no gerenciamento da 
farmacoterapia, identificando possíveis fatores de risco e eventuais problemas 
relacionados ao uso dos medicamentos, assim como avalia o alcance das metas 
terapêuticas. A Resolução CFF nº 585/2013 coloca como uma das atribuições clínicas do 
farmacêutico relativas ao cuidado à saúde, nos âmbitos individual e coletivo, a provisão 
da consulta farmacêutica em consultório farmacêutico ou em outro ambiente adequado, 
que garanta a privacidade do atendimento. A normativa define ainda que a consulta 
https://www.ictq.com.br/
 
24 
 
farmacêutica é o atendimento ao paciente, respeitando os princípios éticos e 
profissionais, com a finalidade de obter os melhores resultados com a farmacoterapia e 
promover o uso racional de medicamentos e de outras tecnologias em saúde. 
O acompanhamento farmacoterapêutico deve ser devidamente documentado e 
pode ser ofertado em diferentes níveis de cuidado, como em hospitais, 
ambulatórios, consultórios e farmácias, com o propósito comum de otimizar os 
resultados obtidos com a farmacoterapia e promover a saúde dos pacientes 
(BRASIL, 2013 apud CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE 
SÃO PAULO, 2019). 
 
Fonte: CIPOLLE, 2004. 
Para a realização do seguimento farmacoterapêutico, faz-se necessária a 
participação da equipe multidisciplinar: enfermeiros, auxiliares e técnicos de 
enfermagem, fisioterapeutas, nutricionistas, médicos e o farmacêutico, que nesse caso é 
o profissional de maior envolvimento em monitorar o uso de medicamentos nos pacientes. 
O seguimento não atua somente na prevenção de um problema relacionado ao 
medicamento, mas de forma integral nos problemas que os pacientes apresentam. É 
importante que o farmacêutico mantenha um diálogo com o paciente e faça desse 
momento uma parceria, sendo que o farmacêutico deve assegurar ao paciente que os 
medicamentos que ele faz uso são os mais efetivos e seguros possíveis. Para isso o 
seguimento farmacoterapêutico necessita da elaboração de métodos que visem a uma 
intervenção eficaz e tudo deve ser documentado de forma sistematizada, garantindo o 
registro de todas as atividades clínicas do profissional. 
 
25 
 
Deve ser preenchida fichas de entrevista com o paciente; esses formulários são 
ferramentas úteis para consultas e tomadas de decisão, são informações que auxiliam 
na hora de realizar a atenção farmacêutica. 
É de grande valia que o farmacêutico colete, obtenha todos os dados sobre o 
paciente, para que isso sirva para avaliação da sua evolução clínica, visando à solução 
de casos relacionados a medicamentos e o desenvolvimento do plano de assistência 
multidisciplinar. Para facilitar esse seguimento, listamos alguns documentos importantes: 
• histórico de informações sobre o paciente; 
• percepções e conclusões do farmacêutico; 
• plano de assistência a ser desenvolvido pela equipe; 
• instruções para o próximo encontro com o paciente. 
Nessa documentação também são anexados os exames clínicos do paciente, isso 
facilita a tomada de decisão por parte do farmacêutico e da equipe médica. Esse primeiro 
contato entre o farmacêutico e o paciente é fundamental, cria um vínculo, uma parceria. 
O paciente precisa sentir segurança em contar sobre o seu histórico de saúde, suas 
medicações, seus hábitos, toda informação oriunda do paciente será útil para traçar as 
metas para que ele possa o quanto antes estar totalmente recuperado e com uma boa 
qualidade de vida. Assim, nas consultas farmacêuticas muito pode ser extraído, como 
automedicação, doses erradas e até mesmo a medicação errada de que o paciente faz 
uso. 
Metodologias do seguimento farmacoterapêutico 
Existem várias metodologias de atenção farmacêutica disponíveis na literatura. No Brasil, 
na Espanha, e outros países de origem latina, o termo seguimento farmacoterapêutico 
se desenvolveu como sinônimo do que, no Estado Unidos e países anglo-saxões em 
geral, s entende como Pharmaceutical Care. Mais recentemtne, nos EUA, o termo 
Medication-Therapy Management (MTM) foi criado como um serviço clínico voltado a 
pacientes polimedicados do sistema Medcare. 
Entre as metodologias mais citadas no Brasil estão o Método Dáder, o 
Pharmacotherapy WorkUp e o Therapeutic Outcomes Monitoring (TOM). Todos esses 
 
26 
 
visam fornecer ao farmacêutico algumas ferramentas e um pacote de abordagens e 
procedimentos para a realização do atendimento clínico. De modo geral, todos os 
métodos de atenção farmacêutica disponíveis advêm de adaptações do método clinico 
clássico de atenção à saúde e do sistema de registro SOAP (Subjective, Objective, 
Assessment, Plan) proposto por Weed na década de setenta. 
A-Pharmacotherapy Workup (PW). No início era definida como sendo uma 
metodologia para farmacêutico desenvolver seu trabalho com os pacientes, porém, foi só 
em 1988 que o termo foi sofrendo modificações e passou a ser conhecido como 
Pharmacist Workup of Drug Therapy (PWDT), mesmo assim, após algumas adaptações, 
esse método foi aprimorado e hoje é mundialmente conhecido como sendo 
Pharmacotherapy Workup (PW), que pode ser dividido em três principais etapas: 
1. avaliação; 
2. desenvolvimento de plano de cuidado; 
3. monitoração e acompanhamento da evolução do paciente. 
A avaliação é feita com base no preenchimento de uma ficha por meio de uma 
entrevista clínica; as perguntas são padronizadas pela instituição. Dentre as perguntas 
destacamos a relação de medicamentos de que o paciente faz uso, problemas de saúde 
que o paciente tenha, por exemplo, doenças crônicas como diabetes e hipertensão, 
histórico de vacinas de que tenha feito uso, hábitos de vida como tabagismo e prática de 
esporte e, por fim, revisão de exames clínicos. Para o farmacêutico identificar durante 
essas consultas um problema relacionado a medicamento, ele deve fazer uma avaliação 
sistemática da indicação de cada medicamento, sua efetividade, segurança e adesão ao 
tratamento medicamentoso. O PW baseia-se na classificação dos sete problemas 
relacionadosaos medicamentos, o seguimento identifica esses problemas no paciente e 
traça metas para resolvê-los; após isso é feita a monitorização e o acompanhamento de 
cada paciente, nessa etapa, é possível avaliar se as metas foram alcançadas. Veja que 
cada etapa depende de outra, e tudo é muito dinâmico na relação entre paciente e 
farmacêutico. A seguir ilustramos de forma resumida todo esse processo: 
1. coletar dados; 
2. identificar os problemas relacionados a medicamentos; 
3. traçar as metas para solucionar os problemas; 
 
27 
 
4. monitorar e acompanhar as metas no intuito de identificar se 
foram eficazes. 
3.7 Identificação de problemas relacionados à farmacoterapia 
De posse de todas as informações necessárias sobre o paciente, o farmacêutico 
deve aplicar um raciocínio clínico sistemático a fim de avaliar e identificar todos os 
problemas relacionados à farmacoterapia do paciente. Estes correspondem a prática da 
atenção farmacêutica. O propósito de identificar problemas relacionados à 
farmacoterapia é ajudar os pacientes a atingirem suas metas terapêuticas e a obterem o 
máximo benefício dos medicamentos. Diferente do que se pode pensar, trabalhar com 
problemas da farmacoterapia não impõe ao farmacêutico uma visão estreita focada no 
medicamento. Pelo contrário, exige do profissional uma visão integral do paciente, sua 
família e relações sociais, e uma postura voltada para o cuidado e não para o produto. 
Identificar problemas relacionados à farmacoterapia está para a atenção 
farmacêutica, assim como o diagnóstico da doença está para a medicina. Há na 
literatura autores que utilizam o termo “diagnóstico farmacêutico” para se referir 
ao raciocínio clínico empregado na identificação desses problemas (ALCARAZ, 
2009 apud OTUKI, 2011). 
Os problemas relacionados à farmacoterapia são problemas clínicos do paciente, 
passíveis de serem detectados, tratados e prevenidos. É evidente, portanto, que a 
prevenção destes problemas consiste no papel mais importante do farmacêutico e no 
maior valor dos seus serviços para com os pacientes. O conceito do que vem a ser um 
problema relacionado à farmacoterapia é controverso na literatura internacional. Vários 
termos são utilizados em português como sinônimos, entre eles “problemas relacionados 
aos medicamentos”, “problemas farmacoterapêuticos” ou “resultados negativos da 
medicação”. Este último consiste numa nova abordagem da questão proposta no III 
Consenso de Granada que busca diferenciar os problemas ocorridos no processo de uso 
dos medicamentos das falhas nos resultados da farmacoterapia. É proposta a 
substituição do termo “Problemas Relacionados com Medicamentos” por “Resultados 
Negativos da Medicação”, sendo estes entendidos como “resultados de saúde não 
adequados ao objetivo da farmacoterapia e associados ao uso ou à falha no uso de 
 
28 
 
medicamentos”. O Consenso Brasileiro de Atenção Farmacêutica também traz uma 
definição para Problemas Relacionados aos Medicamentos: “Um problema de saúde, 
relacionado ou suspeito de estar relacionado à farmacoterapia, que interfere ou pode 
interferir nos resultados terapêuticos e na qualidade de vida do usuário”. O PRM é real, 
quando manifestado, ou potencial quando há risco de sua ocorrência. Pode ser 
ocasionado por diferentes causas, tais como as relacionadas ao sistema de saúde, ao 
usuário e seus aspectos biopsicossociais, aos profissionais de saúde e ao medicamento. 
Segundo o consenso brasileiro, a identificação de PRMs segue os princípios de 
necessidade, efetividade e segurança, próprios da farmacoterapia. 
 O trabalho pioneiro sobre problemas relacionados à farmacoterapia foi publicado no 
início dos anos 90 e segue sendo até hoje o conceito mais difundido sobre o tema. 
Atualmente, esses autores os definem como “qualquer evento indesejável vivenciado 
pelo paciente que envolva a farmacoterapia e que interfere com o alcance das metas 
terapêuticas do tratamento”. Um problema do paciente relacionado à farmacoterapia 
sempre possui três componentes principais: 
1. Um evento indesejável ou o risco de um evento indesejável é vivenciado pelo 
paciente. O problema pode ter a forma de uma queixa clínica, sinal, sintoma, diagnóstico, 
doença, agravo, disfunção, exames laboratoriais alterados ou uma síndrome. Estes 
eventos podem ser resultado de condições fisiopatológicas, psicológicas, socioculturais 
ou mesmo econômicas. 
2. A farmacoterapia (produtos e/ou regime posológico) faz parte do problema. 
3. Há uma relação existente ou suspeita entre o evento e a farmacoterapia. O 
evento pode ser consequência da farmacoterapia, numa relação direta causa-efeito ou 
pode requerer a adição ou modificação da farmacoterapia para sua resolução ou 
prevenção. 
Apesar da aparente confusão, todos os conceitos apresentados são muito 
semelhantes e partem de problemas de saúde vivenciados pelo paciente, que podem ser 
causados ou tratados pela farmacoterapia. Além disso, os princípios básicos ligados à 
farmacoterapia, ao processo de uso de medicamentos e aos seus efeitos terapêuticos 
sobre o paciente são muito bem compreendidos. 
 
29 
 
3.8 Interações medicamentosas e educação para saúde 
 
Fonte:bioredbrasil.com.br 
Interação medicamentosa, essa é uma prática comum nos ambientes hospitalares, 
devido à grande quantidade de medicamentos que os pacientes fazem uso, nesse caso 
também o farmacêutico é o profissional responsável por identificar essa prática e avaliar 
sua resposta à terapia do paciente. 
O conceito de interação medicamentosa baseia-se na resposta farmacológica ou 
clínica oriunda da interferência da ação de um determinado medicamento, alimento ou 
qualquer substância química sobre o efeito de outro medicamento, administrado 
previamente ou em concomitância ao primeiro. 
Diversos são os fatores de risco para a ocorrência de interações 
medicamentosas, sendo estes relacionados à prescrição, onde o aumento do 
risco de interações é diretamente proporcional à quantidade de medicamentos 
prescritos; condições intrínsecas ao paciente, como idade, sexo e condições de 
saúde; e fatores intrínsecos ao medicamento, principalmente o índice terapêutico. 
A presença de um ou mais fatores de risco de interação medicamentosa aumenta 
a complexidade de uma prescrição (LIMA, 2009 apud LEÃO, 2014). 
A educação em saúde é a prática de orientar, promover a saúde, prevenir 
problemas à saúde ou informar sobre riscos e alternativas para uma vida saudável, 
ferramenta útil para prevenção de interações medicamentosas. 
 
30 
 
A comunicação em saúde é considerada uma ferramenta de promoção de saúde 
e pode apresentar diversos efeitos, tais como: aumentar o conhecimento das 
pessoas; apontar os benefícios da modificação de comportamento; evitar 
concepções errôneas; superar barreiras e problemas, sendo muito importante 
para a assistência de enfermagem. Todos os profissionais de saúde que lidam 
com educação em saúde devem determinar o melhor veículo para transmitir a 
mensagem, para possibilitar comunicação eficaz (MOREIRA, 2003 apud SILVA, 
2016). 
A dificuldade de acesso a fontes de informação seguras e a existência de lacunas 
de conhecimento de interações medicamentosas potencialmente prejudiciais, assim 
como, de seus mecanismos de ação, por parte da equipe de saúde é uma realidade atual. 
Na literatura verifica-se que a gravidade de interações medicamentosas teve um aumento 
progressivo de 3% a 20%, que foi proporcional ao número de medicamentos utilizados 
pelo paciente. 
O uso racional de medicamentos parte do princípio que o paciente recebe o 
medicamento apropriado para suas necessidades clínicas, nas doses 
individualmente requeridas para um adequado período de tempo e a um baixo 
custo para ele e sua comunidade (BRASIL, 2015 apud CONSELHO REGIONAL 
DE FARMÁCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO, 2019). 
A orientação farmacêutica reduz a ocorrência de problemas relacionados a 
medicamentos, destaforma contribui para que o paciente tenha uma melhora na adesão 
ao tratamento e eficácia terapêutica. No momento da orientação, o paciente recebe 
informações quanto à finalidade do tratamento, à melhor forma de administrar os 
medicamentos, além dos riscos e efeitos que podem ocorrer. Uma forma de minimizar 
interação medicamentosa e seus possíveis eventos é a orientação através da educação 
em saúde. 
3.9 Estratégias educacionais 
As estratégias educacionais são aquelas centradas no provimento de informações, 
o que pode ser feito a partir da interação cotidiana, treinamentos, seminários e 
distribuição de material escrito. A preparação dos eventos e materiais pode e deve ser 
realizada pela equipe multiprofissional. 
 
31 
 
As informações trocadas nas interações de rotina costumam focar aspectos 
relativos a questões mais particulares, relacionadas a um paciente ou prescrição 
específica. 
Na medida em que se identifiquem determinados problemas que tendem a se 
tornar repetitivos, estes poderão ser mais bem abordados através de estratégias mais 
sistêmicas. 
Os profissionais de saúde podem ser motivados através da criação de materiais 
técnico científicos, como é o caso da preparação de formulário ou guia terapêutico, 
boletins, cartazes ou, simplesmente, aproveitando materiais produzidos pelo Ministério 
da Saúde ou sociedades/associações científicas/profissionais nacionais e 
internacionais. Também se beneficiam, através da organização de eventos científicos, 
cursos de educação continuada, grupos de discussão ou através da orientação 
concreta das comissões de farmácia e terapêutica, controle de infecção hospitalar 
ou do conselho municipal de saúde, sem esquecer dos centros de informação sobre 
medicamentos e a mídia em geral. O farmacêutico deve atentar para a existência de 
momentos educacionais já implementados, como centros de estudo ou grupos de leitura 
e incorporar-se a eles. 
Os boletins podem apresentar-se como uma intervenção bastante factível no 
nível local, desde que tomados alguns cuidados. No que diz respeito à produção 
de boletins farmacoterapêuticos, a OMS recomenda que a informação seja 
(WORLD, 1985 apud OPAS/OMS, 2003): 
• Precisa; 
• Técnica e cientificamente consistente; 
• Específica para o problema da população-alvo; 
• Independente da indústria farmacêutica; 
• Apresentada de forma atrativa; 
• Distribuída eficiente e periodicamente aos leitores. 
Apesar de terem grande valor no processo de reeducação ou persuasão dos 
profissionais de saúde, os boletins são de pouco impacto se não estiverem associados 
com outras práticas educativas. 
 
32 
 
3.10 Principais dificuldades enfrentadas por farmacêuticos para exercerem suas 
atribuições clínicas 
 
Fonte: farmaceuticort.wordpress.com 
Os sistemas de saúde, em todo o mundo, têm enfrentado desafios relacionados 
a restrições orçamentárias, a alta prevalência de doenças crônicas não 
transmissíveis e ao aumento dos problemas relacionados à farmacoterapia que 
levam a morbidades e mortalidade relacionada aos medicamentos (FRENK, 1958 
apud FREITAS, 2016). 
Estas mudanças incidem também sobre a profissão farmacêutica que vem 
sofrendo uma série de transformações nos últimos tempos. 
De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), os farmacêuticos devem 
estar mais envolvidos em resolver problemas dos sistemas de saúde partindo de uma 
abordagem centrada no produto (medicamento) para o cuidado. Deste modo, o 
farmacêutico atual deve desempenhar atividades voltadas à promoção do uso racional 
de medicamentos e de outras tecnologias em saúde, tendo sua prática redefinida a partir 
das necessidades das pessoas, família, cuidadores e comunidade. Isto inclui a 
identificação, resolução e prevenção de problemas potenciais e reais relacionados com 
a farmacoterapia. Estas ações se materializam na prestação de serviços farmacêuticos, 
como, por exemplo, o acompanhamento farmacoterapêutico, a educação em saúde, o 
rastreamento em saúde, a conciliação de medicamentos, a revisão da farmacoterapia, 
entre outros. 
 
33 
 
Uma série de estudos têm mostrado que o farmacêutico desempenha papel vital 
no manejo da terapia medicamentosa, o que de maneira global, melhora a condição de 
saúde do paciente (MELO,2017). 
Sendo uma profissão milenar, é coerente que farmacêuticos tenham que se 
adaptar às mudanças sociais e econômicas vividas ao longo dos séculos para 
que continuem tendo um papel fundamental para a sociedade. Esta 
transformação fica mais clara quando observamos o contexto dos Estados 
Unidos em que o farmacêutico, que perdeu seu papel nas farmácias após a 
industrialização do setor conseguiu lograr êxito no âmbito hospitalar através de 
uma nova disciplina, que seria promissora na função de resgatar a importância 
da profissão dentro da equipe de saúde, chamada de Farmácia Clínica (BRASIL, 
2016 apud FREITAS, 2016). 
A Farmácia Clínica, que pode ser definida como: “área da farmácia voltada à 
ciência e prática do uso racional de medicamentos, na qual os farmacêuticos prestam 
cuidado ao paciente, de forma a otimizar a farmacoterapia, promover saúde e bem-estar, 
e prevenir doenças”, passou a traduzir a expectativa em que o valor social da profissão 
fosse recuperado. 
Este movimento não deve ser considerado meramente uma reação à 
industrialização, mas, essencialmente, uma resposta à necessidade social no sentido de 
garantir a segurança do uso de medicamentos em um novo contexto de sua existência 
científica. 
Diversas diretrizes sobre educação farmacêutica, publicadas na última década, no 
mundo inteiro apontam que as faculdades de farmácia devem formar um farmacêutico 
com competência para: Prestar atenção farmacêutica ao paciente, trabalhar em equipe 
e colaboração profissional, buscar informação sobre medicamentos, se comunicar, 
contribuir para a qualidade no uso de medicamentos, aplicar técnicas de gestão e 
organização, entre outras. 
Esforços estão sendo feitos para a mudança do modelo vigente de diretriz 
curricular, como por exemplo os encontros de educadores em farmácia clínica de todo o 
país, realizados nos anos de 2015 e 2016, que geraram como produto uma matriz de 
competência para a atuação clínica do farmacêutico, possibilitando uma maior inserção 
do eixo cuidado em saúde na nova proposta de diretriz curricular nacional do curso de 
 
34 
 
farmácia enviada ao Conselho Nacional de Educação e a criação da Sociedade Brasileira 
de Farmácia Clínica. 
Da mesma forma, é imperioso atentar que as atividades clínicas não podem ser 
desenvolvidas apenas com o olhar tecnicista e científico, que foi também uma dificuldade 
elencada, mas devem ser desempenhadas compreendendo o indivíduo como um todo, 
através de uma visão humanizada e holística, onde o contexto em que ele vive influencia 
suas decisões sobre saúde. 
4. FARMACIA CLÍNICA E A SEGURANÇA NO USO DE MEDICAMENTOS 
 
Fonte: segurancadopaciente.com.br 
O aumento da segurança no uso de medicamentos está associado a processos 
seguros, estratégias para prevenção de erros e eventos adversos com redução de suas 
consequências. A participação do farmacêutico promove segurança por meio da redução 
de reações evitáveis, diminuição do tempo de internação, mortalidade e custos. 
O aumento na segurança aos pacientes em hospitais está associado a aumento 
do número de farmacêuticos clínicos e ao serviço de farmácia clinica oferecido a 
esses pacientes. Uma das formas mais efetivas de redução de erros de 
medicação em hospitais é ter mais farmacêuticos clínicos e expandir esse 
trabalho (MCCREADIE, 2004 apud FERRACINI, 2011). 
https://www.segurancadopaciente.com.br/
 
35 
 
O custo-benefício de um farmacêutico clínico varia dependendo do tipo da 
instituição, do número de intervenções, do número de leitos monitorados, e dos serviços 
farmacêuticos oferecidos; entretanto, a presença do farmacêuticoclínico 
consistentemente tem demonstrado uma vantagem econômica significativa. 
Novos tipos de intervenções foram sendo adicionados ao longo do tempo e 
tornaram-se mais específicos também, como acompanhamento de pacientes utilizando 
anticoagulantes, hipoglicemiantes e opioides, o que demonstra um envolvimento do 
farmacêutico na atividade clínica e identificação de novas áreas de atuação. 
A implantação e a expansão da farmácia clínica representaram impacto positivo 
em relação ao número de intervenções pelo farmacêutico clínico durante o período 
considerado, podendo promover o uso racional de medicamentos, o aumento da 
segurança ao paciente e contribuir para redução de custos associados à prescrição 
médica. O farmacêutico gradualmente e efetivamente foi inserido, garantindo seu espaço 
junto à equipe multidisciplinar e no processo de segurança do paciente dentro da 
instituição. 
A anamnese farmacêutica pode ser compreendida como o procedimento de coleta 
de dados sobre o paciente, realizado pelo farmacêutico, por meio de entrevista, com a 
finalidade de conhecer sua história de saúde, elaborar o perfil farmacoterapêutico e 
identificar suas necessidades relacionadas à saúde. 
Durante a entrevista, o farmacêutico deverá abordar a experiência de medicação 
do paciente e conhecer como este organiza seus medicamentos em sua rotina e qual o 
grau de cumprimento do regime posológico. 
Revisão da medicação consiste na avaliação sistemática da necessidade, efetivi-
dade e segurança de todos os medicamentos em uso pelo paciente e de sua adesão ao 
tratamento. 
O farmacêutico deve conhecer a indicação, dose, via de administração, frequ-
ência e duração do tratamento para cada medicamento em uso e deve reunir as 
informações clínicas necessárias para avaliar a resposta do paciente, em termos 
de efetividade e segurança (BRASIL, 2016 apud CONSELHO REGIONAL DE 
FARMÁCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO, 2019). 
A avaliação da necessidade do uso de medicamentos pode revelar dois problemas 
comuns: o uso de medicamentos desnecessários ou sem indicação clara para os 
 
36 
 
problemas de saúde do paciente ou a necessidade de utilizar medicamentos para um 
problema de saúde não tratado até aquele momento. Uma das ferramentas da revisão 
da farmacoterapia é a análise de prescrição. 
A prescrição consiste no conjunto de ações documentadas relativas ao cuidado da 
saúde. Desta forma, o farmacêutico clínico é responsável pela análise da prescrição do 
paciente e deve considerar sempre: identificação do paciente: nome, registro de 
internação, sexo, idade, peso e altura; aspectos do paciente: o registro de alergias e uso 
de medicamento prévio; aspectos da administração dos medicamentos: reconstituição, 
diluição, tempo de infusão, estabilidade e incompatibilidade; dose: dose adequada para 
a indicação terapêutica, dose máxima diária, ajuste de dose para paciente com alterações 
renais ou hepáticas, idosos, crianças, gestantes e lactantes; frequência: o intervalo 
correto entre as doses e o aprazamento adequado; medicamento: disponibilidade no 
mercado, padronização da instituição, indicações terapêuticas, contraindicações e 
interações medicamentosas; 
• via de administração: via correta com a apresentação do medicamento, ava-
liar se há necessidade de ajustes de formas farmacêuticas; 
• interações medicamentosas: avaliar se há um risco de interação 
medicamentosa e qual a relevância da mesma; 
• incompatibilidade medicamentosa: avaliar se há risco de incompatibilidade 
entre os medicamentos EV e sugerir alternativas; 
• cronofarmacologia: influência dos medicamentos nos ciclos circadianos, 
para a otimização da terapia e redução de eventos adversos. 
 
37 
 
4.1 A importância da farmacologia clínica 
 
Fonte:www.sercapacita.com.br 
A Assistência Farmacêutica é definida como “grupo de atividades relacionadas 
com o medicamento, destinada a apoiar as ações de saúde demandadas por uma 
comunidade” (GONÇALVES ,1996 apud SOUZA, 2011). 
Envolve diversas etapas desde a seleção de medicamentos até sua utilização, 
interligando duas grandes áreas, porém distintas, a tecnologia de gestão e a tecnologia 
de uso do medicamento. A tecnologia de gestão tem como objetivo maior garantir o 
abastecimento e o acesso aos medicamentos enquanto a tecnologia de uso dos 
medicamentos visa o uso correto e efetivo dos medicamentos, e é neste contexto que se 
inserem as atividades de farmácia clínica. 
Farmácia clínica pode ser entendida como “a ciência da saúde cuja 
responsabilidade é assegurar, mediante a aplicação de conhecimento que o uso dos 
medicamentos seja correto e adequado”. Ainda para o desenvolvimento desta atividade 
há a necessidade de educação especializada e treinamento estruturado, além de coleta 
e interpretação de dados, motivação pelo paciente e integração entre os profissionais da 
equipe de saúde. 
A atuação do farmacêutico junto aos pacientes e integrado à uma 
equipe multiprofissional é uma opção mais avançada para o pleno exercício 
da profissão farmacêutica e tem como objetivo aprimorar os conceitos de segurança e 
 
38 
 
melhor utilização da farmacoterapia. Os resultados positivos podem ser observados na 
identificação e resolução de problemas relacionados à medicamentos que favorecem a 
prática de uma terapia medicamentosa mais segura e racional e que melhorem a 
qualidade de vida do paciente. 
O farmacêutico clínico atua diminuindo a alta incidência de erros de medicação, 
de reações adversas a medicamentos, interações medicamentosas e incompatibilidades 
e a implantação de um Serviço de Farmácia Clínica possibilita o aumento da segurança 
e da qualidade da atenção ao paciente, redução de custos e aumento da eficiência 
hospitalar. 
 Na Farmácia Clínica o farmacêutico insere-se como um dos principais 
profissionais envolvidos no combate ao uso irracional de medicamento. Através 
da realização de atividades clínicas e da avaliação do impacto dessa atividade, 
atua como o último elo entre a prescrição e a administração dos medicamentos 
contribuindo significativamente, para melhoria da farmacoterapia (SBRAFH, 
2009 apud SOUZA, 2011). 
A Farmácia Clínica pressupõe que o farmacêutico estabeleça relacionamento ativo 
com os demais membros da equipe de saúde presentes no ambiente 
hospitalar, principalmente médicos e enfermeiros. Porém, também pressupõe o contato 
com os pacientes, para assim assegurar resultados clinicam ente apropriados para a 
farmacoterapia. 
Neste contexto, o paciente é objeto principal das a atividades do farmacêutico 
hospitalar, enquanto o medicamento é um dos instrumentos utilizados para a melhoria 
das condições de saúde de um indivíduo. 
 
39 
 
4.2 As atribuições do farmacêutico na Política Nacional de Medicamentos 
 
Fonte:www.crf-pr.org.br 
O consumo de medicamentos, no Brasil, tem dimensões estruturais, políticas, 
sociais e histórico-culturais. Entender a relação da utilização dos medicamentos com 
estas dimensões é necessário para que se possa garantir à população uma terapêutica 
racional, segura, com custos acessíveis. 
Diversos são os setores da sociedade que têm responsabilidade direta ou indireta 
sobre a utilização de medicamentos: a esfera nacional, a esfera estadual e a esfera 
municipal de governo, a indústria farmacêutica, os distribuidores de medicamentos, as 
farmácias, os prescritores (médicos, dentistas e farmacêuticos), os dispensadores 
(farmacêuticos), os demais profissionais de saúde e o paciente ou usuário de 
medicamentos (MARGONATO, 2006). 
São prioridades da Política Nacional de Medicamentos a revisão permanente da 
relação nacional de medicamentos essenciais (RENAME), a assistência farmacêutica, a 
promoção do uso racional de medicamentos e a organização das atividades de vigilância 
sanitária de medicamentos. 
Uma lista de medicamentos essenciais é uma das prioridadespara a obtenção 
de cobertura da população. Ela deve conter medicamentos de eficácia 
comprovada e riscos aceitáveis, para atender às necessidades de prevenção e 
tratamento das doenças mais frequentes. Devem ser selecionados produtos 
farmacêuticos que tenham dados científicos obtidos por ensaios clínicos 
 
40 
 
controlados, que satisfaçam as normas de qualidade, incluindo a 
biodisponibilidade, com informação objetiva, exata e completa sobre os 
medicamentos de acordo com fontes imparciais (DUPIM, 1997 apud 
MARGONATO, 2006). 
O incentivo ao desenvolvimento de Centros de Informação de Medicamentos 
(CIM) é uma das ferramentas para a elaboração de uma lista de medicamentos 
essenciais mais efetiva. Os CIMs são centros constituídos por equipes de farmacêuticos 
que respondem a perguntas, revisam a utilização de medicamentos, produzem boletins, 
fornecem cursos com temas específicos da farmacoterapia, realizam atividades de 
pesquisa, fornecem informações toxicológicas e coordenam programas de 
farmacovigilância dentro de Clínicas e hospitais. 
4.3 Promoção do uso racional de medicamentos 
 
Fonte: portal.crfsp.org.br 
Esta prioridade da Política Nacional de Medicamentos envolve as seguintes 
medidas: elaboração de campanhas educativas, estímulo ao registro e uso dos 
medicamentos genéricos, elaboração de um formulário terapêutico nacional que oriente 
a utilização dos medicamentos, estudos de farmacologia e ações de farmacovigilância e 
adequação dos recursos humanos. 
 
41 
 
A adequação dos medicamentos genéricos é um passo fundamental na 
racionalização do uso de medicamentos. Para a adoção e funcionamento efetivo de uma 
política de medicamentos genéricos, é relevante a participação ativa e consciente dos 
profissionais responsáveis pela sua prescrição e dispensação. 
Neste contexto, o farmacêutico é o principal conhecedor no que tange a 
dispensação de medicamentos, precisando estar atualizado e instruído para 
proceder a intercambialidade ou substituição de medicamentos de referência por 
genéricos com eficácia e credibilidade. (SANTANA, 2003 apud MONTEIRO, 
2005). 
O uso racional ocorre quando o paciente recebe o medicamento apropriado à sua 
necessidade clínica, na dose e posologia corretas, por um período de tempo adequado e 
ao menor custo para si e para a comunidade. Dessa forma, o uso racional de 
medicamentos inclui: 
• Escolha terapêutica adequada (é necessário o uso de terapêutica 
medicamentosa); 
• Indicação apropriada, ou seja, a razão para prescrever está baseada em 
evidências clínicas; 
• Medicamento apropriado, considerando eficácia, segurança, conveniência 
para o paciente e custo; 
• Dose, administração e duração do tratamento apropriados; 
• Paciente apropriado, isto é, inexistência de contraindicação e mínima 
probabilidade de reações adversas; 
• Dispensação correta, incluindo informação apropriada sobre os 
medicamentos prescritos; 
• Adesão ao tratamento pelo paciente; 
• Seguimento dos efeitos desejados e de possíveis eventos adversos 
consequentes do tratamento. 
O uso irracional de medicamentos é um importante problema de saúde pública em 
todo o mundo, com grandes consequências econômicas. Pesquisas mostram que a 
prescrição incorreta acarreta gastos de 50 a 70% mais altos dos recursos governamentais 
destinados a medicamentos. 
 
42 
 
4.4 Aspectos conceituais relacionados ao uso racional de medicamentos: 
• Arcabouço legal: regulatórias, normativas e gerenciais; 
• Educação (conhecimento) dos profissionais e dos pacientes; 
• Estratégias de intervenção; 
• Farmacêutico e profissionais prescritores; 
• Fatores culturais; 
• Ferramentas de estudo e identificação de problemas; 
• Mercado; 
• Organização da rede de saúde; 
• Políticas de medicamentos e assistência farmacêutica; 
• Propaganda; 
• Outros. 
Algumas áreas, dentro do conhecimento farmacêutico, têm-se desenvolvido no 
sentido de procurar estudar essas relações e seus determinantes, em que podemos 
destacar as seguintes: Farmacovigilância e a Farmacoeconomia. 
Os esforços mais organizados para a promoção do uso racional tiveram início 
nos anos 70, com a introdução do conceito de medicamentos essenciais pela 
OMS, que tinha como intenção principal tanto a promoção do uso racional como 
a garantia do acesso. Apesar de atualmente cerca de 160 países contarem com 
listas de medicamentos essenciais, ainda é bastante grande a parcela da 
população mundial à margem de acesso universal aos medicamentos 
(MANAGEMENT SCIENCES FOR HEALTH – MSH, 1997 apud ARRAIS, 2004). 
Uma questão inicial na discussão do estabelecimento dos diferentes tipos de 
intervenções para promoção ou avaliação do uso racional consiste na identificação dos 
possíveis problemas, para o que se apresentam a seguir algumas possibilidades de 
classificação: 
Principais problemas quanto ao uso de medicamentos; 
• Sobre uso de medicamentos: São particularmente os injetáveis, como 
consequência tanto da prescrição excessiva quanto do consumo 
exacerbado; 
 
43 
 
• Polimedicação ou polifarmácia: OMS considera que, no nível da atenção 
básica de saúde, 1 ou 2 medicamentos por receita costumam ser 
suficientes; 
Uso incorreto de medicamentos: Esta ‘categoria’ inclui o uso de um medicamento 
errado para uma condição específica (antibióticos ou antidiarreicos para a 
diarreia infantil), o uso de medicamentos de eficácia duvidosa (agentes 
antimotilidade para diarreia), emprego de fármacos de segurança questionável 
(dipirona) e uso de doses inapropriadas (caso frequente de antibióticos) 
(ORGANIZAÇÃO PANAMERICANA DE SAÚDE apud BISSON, 2016). 
4.5 O uso inapropriado de medicamentos pode ter consequências como: 
 
Fonte: guiadafarmacia.com.br 
• Eventos adversos, incluindo os letais. 
Exemplo: uso indevido de antibióticos, auto prescrição ou uso inapropriado 
de automedicação; 
• Eficácia limitada. 
Exemplo: quando não se obtém o efeito esperado devido ao uso de dose 
subterapêutica; 
• Resistência a antibióticos. 
• Farmacodependência. 
 
44 
 
Exemplo: abuso de certos medicamentos, tais como os 
tranquilizantes; 
• Risco de infecção. 
Exemplo: uso inapropriado de injetáveis. 
Todos os componentes do ciclo da Assistência Farmacêutica podem e devem 
contribuir para a promoção do uso racional de medicamentos. 
Seleção e formulário terapêutico: orienta as escolhas terapêuticas para 
medicamentos eficazes, seguros e custo-efetivos, bem como orienta quanto às 
abordagens terapêuticas mais adequadas, inclusive, destacando as situações onde 
a abordagem não-medicamentosa pode ser mais apropriada. No Brasil, foi elaborado 
o Formulário Terapêutico Nacional, baseado nos medicamentos contidos na Relação 
Nacional de Medicamentos Essenciais – Rename e disponível na Biblioteca Virtual em 
Saúde. 
Gerenciamento da assistência farmacêutica: o bom gerenciamento da assistência 
farmacêutica deve ter como resultado a disponibilidade de medicamentos de qualidade, 
adquiridos com agilidade satisfatória, baixo preço, armazenados e distribuídos de forma 
a preservar suas características. 
Dispensação e uso: garante o acesso a medicamentos adequadamente 
envasados e rotulados, o bom entendimento do uso do medicamento pelo paciente, bem 
como intervém junto ao prescritor ou demais membros da equipe de saúde para 
assegurar a correta prescrição. 
Promoção da prescrição racional. As estratégias para promover o uso racional de 
medicamentos distribuem-se segundo o público-alvo que queremos sensibilizar. O 
primeiro passo deve consistir em identificar as razões pelas quais as práticas 
inapropriadas estão ocorrendo para melhor eleger e direcionar a intervenção. 
4.6 Estratégias gerenciais 
As estratégias gerenciais são aquelas que visam a orientar a decisão. Requerem 
esforços concentrados para sua manutenção, mas são capazes de produzir impacto 
considerável nos serviços, além

Continue navegando