A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
45 pág.
Resumo Fisioterapia Veterinária

Pré-visualização | Página 2 de 5

e membro pelvico flexionado ou flacido sem alteraçao de estado mental, o animal consegue trocar alguns passos com os membros toracicos se posto em pé. *Postura antialgica: ventroflexao cervical com cifose toraco-lombar. Tentativa de aliviar a dor na cervical. 
 
 
5-Marcha: A avaliação da marcha é o principal teste para pacientes com alterações locomotoras e deve ser avaliada em uma área ampla e não escorregadia. É necessário avaliar a marcha em diferentes pontos de vista: de frente, de trás e lateralmente. O animal deve ser guiado para caminhar em linha reta, em círculos e realizar curvas para ambos os lados. A marcha pode ser classificada em normal ou anormal. Para reconhecimento de anormalidades o clínico deve se perguntar: “a marcha está normal ou anormal?”, “quais membros estão acometidos?”, “o animal tem dificuldade de iniciar o movimento ou de sustentar seu peso?”, “o animal sabe exatamente onde estão seus membros?”
· Claudicaçao ou impotência funcional ortopedica ou neurologica
· ataxia: cerebelar (tremor de intençao, hipermetria, base ampla), proprioceptiva (arrastar de digitos, base ampla) ou vestibular (head tilt, andar em circulo, 
· Nistagmo: horizontal, vertical ou rotatorio). 
· Vestibulopatia central pode ser por neoplasia, MEG ou cinomose; a periferica pode ser por otite, hipotireoidismo ou idiopatica. Realizar propriocepçao, se der ausente ou diminuida é central e se der normal é periferica. 
· Paresia: perda parcial dos movimentos, pode ser não ambulatoria (consegue trocar passos se for auxiliado) ou ambulatoria (consegue trocar passos sozinho com fraqueza e dificuldade). -paralisia/plegia.
Vale lembrar que a hipermetria de NMS, caracterizada por aumento da amplitude da passada, é diferente da hipermetria cerebelar, em que se observa aumento da flexão dos membros durante a movimentação. Dependendo de quais membros estão acometidos a paresia ou paralisia podem ser ainda definidas como:
 • Tetraparesia/paralisia: alteração na função motora dos quatro membros associada à lesão cranial ao segmento medular T3 ou a uma desordem generalizada de NMI. 
• Paraparesia/plegia: alteração na função motora dos membros pélvicos associada à lesão caudal ao segmento medular T2. 
• Monoparesia/plegia: alteração na função motora de um membro, geralmente, associada à lesão de NMI local ou a lesões lateralizadas caudais no plexo braquial ou lombosacro.
 • Hemiparesia: alteração na função motora dos membros de um lado do corpo devido à lesão lateralizada cranial a T2. Quando a lesão encontra-se entre a porção caudal do tronco encefálico e o segmento espinhal T2, a alteração da função motora é ipsilateral à lesão. Porém, se a lesão situar-se rostralmente ao tronco encefálico e no prosencéfalo, a alteração torna-se contralateral à lesão
6. Reações Posturais
 As reações posturais são respostas complexas que envolvem a participação de quase todos componentes do sistema nervoso. Proprioreceptores estão localizados nas articulações, tendões, músculos e ouvido interno captam uma informação externa que é transmitida para o córtex prosencefálico, onde é processado e retransmitido para a musculatura. O posicionamento proprioceptivo e o saltitamento são dois testes posturais realizados na rotina. Alterações nesses testes, indicam com precisão, alteração no sistema nervoso, mas não a sublocalização exata da lesão.
Proprioceção
 0= nenhuma resposta 
1= resposta diminuída 
2= resposta normal 
3= resposta exagerada
Propriocepção Consciente - Capacidade que o animal tem de saber onde os membros estão em relação ao corpo e a gravidade. 
· Avalia receptores de tato e pressão e a função motora 
· Normal: Retorno entre 1 a 3 segundos.
 
Hemiestação ou hemilocomoção 
· Suspende-se o animal pelo membro pélvico e torácico do mesmo lado. 
· Avalia córtex e medula espinhal
Figura 1: Propriocepção Constante 
Figura 2: Hemiestação ou hemilocomoção 
 Resposta de posicionamento: 
· Não visual (tátil) 
· Visual 
· Animais normais alcançam a mesa antes que o carpo encoste na mesma. 
 Carrinho de mão:
· Movimentos assimétricos: lesão cerebelo 
· Queda: alteração em sistema vestibular
· Flexão da cabeça: lesão cervical
Figura 1: Resposta de posicionamento visual e não visual
Figura 2: Flexão de cabeça
Propulsão extensora
· Normal: Extensão de MP e pequeno salto ou passo para trás 
· Lesão parcial e unilateral em medula espinhal: um membro reagirá 
· Lesão completa em medula: nenhum membro reagirá 
· Lesão cerebral: Lado contralateral comprometido
 
Levanta o cachorro para o ar em cima, e vai descendo devagar até o cão encostar as patas na mesa, ele precisa ajeitar as patas quando encosta na mesa.
Saltitamento 
· Realizado com a suspensão de três membros 
· Avalia-se cada um isoladamente 
· Avalia-se dismetria
Reação tônica do pescoço 
· Movimentos de flexão, extensão e laterais do pescoço.
Reflexos de membro torácico 
Para avaliação dos reflexos espinhais dos membros torácicos, apenas o de retirada é testado. Outros reflexos como: extensor radial do carpo, bíceps e tríceps, também podem ser verificados, mas, além de sua realização ser mais difícil, suas respostas são pouco confiáveis. Nos membros torácicos, o reflexo de retirada avalia a integridade do segmento espinhal C6-T2 e raízes nervosas associadas, além dos nervos que compõem o plexo braquial (axilar, musculocutâneo, mediano, ulnar e radial). Com o animal em decúbito lateral, o clínico deve pinçar o interdígito com o dedo ou uma pinça hemostática, realizando pressão suficiente para provocar o reflexo. O estímulo gera uma flexão completa dos músculos flexores e retirada do membro. Em caso de ausência de resposta, todos os interdígitos devem ser testados. A retirada do membro demonstra apenas um reflexo e não a presença ou não de nocicepção.
· Reflexo flexor do membro torácico
· Integridade do arco reflexo e resposta a estímulo doloroso
 1. Figura Arco Reflexo
Reflexos de membro pélvico
· Reflexo patelar - nervo Femoral (L4-L6) - A resposta esperada consiste de extensão do membro devido à contração reflexa do músculo quadríceps femoral. Respostas diminuídas ou ausentes, geralmente, indicam lesão no segmento espinhal L4-L6 ou no nervo femoral
 
Reflexo do extensor cruzado 
· Quando realizado reflexo flexor, o membro contralateral flexiona 
· Quando presente, indica afecção acima dos segmentos medulares que controlam os reflexos
· Reflexo Flexor do membro pélvico - Nervo ciático e seus ramos (L6-S2)
 
Reflexo cutâneo do tronco (antigo panículo): Estímulo tátil beliscando a pele da região lombar a cervicotorácica. 
· Lesão aproximadamente dois segmentos acima do retorno do reflexo
 
Reflexo perineal 
 Avalia nervo pudendo 
 Avalia segmentos S1- S3 
 Contração do esfíncter anal
 
Tônus muscular
A avaliação do tônus muscular auxilia na classificação dos sinais neurológicos como provenientes de lesão de NMS ou NMI e é considerada como uma continuação da avaliação das reações posturais. É o estado de tensão do músculo em repouso.
· Normal: Aumento da resistência (leve contração)
 Avaliado através da flexão e extensão e da palpação
 Termos:
· Ausência de tônus: Atonia 
· Redução do tônus: Hipotonia 
· Aumento do tônus: Hipertonia 
· Tônus exagerado: Espasticidade
6. Interpretando o exame neurológico
Com exceção de C1-C2, todos os corpos vertebrais articulam-se por meio de discos intervertebrais. Com o tempo haverá degeneração destes discos.
• Neurônio motor superior (NMS): Neurônios que saem do encéfalo e vão até a medula espinhal fazer sinapse com o neurônio motor alfa (NMI). Disfunção do NMS: paresia espática, sem atrofia, reflexos mantidos. 
• Neurônio motor inferior (NMI): Neurônios motores alfa saem da medula espinhal para fazer sinapse com fibras musculares esqueléticas. Disfunção do NMI: paresia flácida, com atrofia, hiporreflexia.