Tema 4

Tema 4


DisciplinaComportamento Organizacional9.119 materiais71.136 seguidores
Pré-visualização5 páginas
DEFINIÇÃO 
As bases de poder e sua relação com a 
autoridade nas organizações. Teorias e 
tipos de liderança. Práticas da liderança 
transformadora. 
 
PROPÓSITO 
Aprender sobre a liderança e o contexto de 
sua ocorrência a fim de o gestor identificar 
estratégias de intervenção para o 
alinhamento tanto dos objetivos pessoais 
quanto dos organizacionais. 
 
OBJETIVOS 
 
MÓDULO 1 
Relacionar as bases do poder corporativo com a autoridade dele decorrente 
 
MÓDULO 2 
Explicar os principais pressupostos teóricos dos tipos de liderança 
 
MÓDULO 3 
Identificar as práticas da liderança transformadora 
 
 
 
INTRODUÇÃO 
 
Neste módulo, analisaremos diversos aspectos sobre a liderança \u2013 sobretudo, a capacidade de 
desenvolver tal competência. Você sabe o que significa ser líder e o que torna uma pessoa 
capaz de influenciar outras? 
 
 
 
Líderes influenciam o comportamento dos outros de forma: 
 
 
NEGATIVA 
 
 
POSITIVA 
 
Apresentaremos várias situações nas quais a liderança é exercida a partir do conceito de 
poder. 
 
PODER E AUTORIDADE 
 
 
 
Organizações são sistemas sociais formalmente organizados que 
buscam alcançar objetivos para colher resultados. 
 
Alcançar estes resultados, no entanto, não é algo tão simples quanto parece. 
 
Para entendermos melhor o motivo, precisamos detalhar o conceito de organização. 
 
 
 
Sistemas sociais 
 
Toda organização é um sistema social, já que ela é formada por uma reunião de pessoas que 
compõem a sua força de trabalho. 
 
Este grupo se relaciona e interage para realizar as atividades inerentes ao cargo que ocupam. 
 
 
 
Formalmente organizado 
 
Leia o exemplo abaixo: 
 
João chega para trabalhar na hora que decide, desenvolve as atividades da sua maneira, não 
precisa responder a determinado gestor e não tem nenhuma meta ou objetivo para alcançar. 
 
Tal exemplo ilustra um modelo de organização do trabalho que definitivamente não é 
adequado. 
 
É imprescindível organizar o funcionamento da estrutura interna de um negócio ou de uma 
instituição para que os resultados possam ser atingidos. 
 
 
 
 
 
Alcançar objetivos e colher resultados 
 
Todos nós trabalhamos diariamente para alcançar os objetivos propostos. 
 
Quando estes objetivos são atingidos, todos os envolvidos ganham: Pessoas, Clientes, 
Sociedade e Acionistas. 
 
PESSOAS: RECEBEM SUA CONTRAPARTIDA SALARIAL PELO TRABALHO REALIZADO. 
 
CLIENTES: GANHAM O PRODUTO OU O SERVIÇO DESEJADO DENTRO DO PADRÃO DE 
QUALIDADE PROMETIDO. 
 
SOCIEDADE: BENEFICIA-SE PELO PAGAMENTO DE IMPOSTOS QUE SERÃO TRANSFORMADOS 
EM SERVIÇOS PARA ATENDER ÀS SUAS NECESSIDADES. 
 
ACIONISTAS: RECEBEM O RETORNO DO CAPITAL INVESTIDO. 
 
Tornar isso uma realidade não é uma tarefa fácil. Afinal, há muitas pessoas, 
variáveis, processos e interesses que, se não estiverem alinhados, impedem a 
realização dos objetivos pretendidos. 
 
Quando uma organização não define uma estrutura adequada, a informalidade se sobrepõe à 
formalidade e os problemas começam a aparecer. Quem nela trabalha, possui naturalmente 
um modelo mental próprio construído desde a sua infância. Tal modelo depende dos seguintes 
fatores: 
 
 
 
 
 
A relação entre a organização e seus grupos externos (governo, clientes e sociedade) também 
é permeada por conflitos. Vemos todos os dias na mídia problemas dessa natureza em relação 
à poluição, ao desrespeito ao consumidor, à sonegação de impostos etc. 
 
Até pela sua natureza, a organização é um palco de lutas entre interesses divergentes. Tais 
interesses são geradores de conflitos que precisam ser resolvidos pelo uso do poder. 
 
O PODER É UMA FORMA DE CONTROLE SOCIAL, ESTABELECE A ORDEM E ENFATIZA O 
PREDOMÍNIO DA VONTADE DE UNS SOBRE OS OUTROS. 
 
ELE É CONSIDERADO MAIS EFETIVO QUANDO CONSEGUE EVITAR OU MINIMIZAR O CONFLITO. 
 
POR ISSO, É MUITO IMPORTANTE ESTUDARMOS AS BASES DO PODER NAS ORGANIZAÇÕES; 
ENTENDENDO-AS, PODEREMOS GERENCIAR MELHOR ESSA COALIZÃO DE INTERESSES 
DISTINTOS COM OS QUAIS, ENQUANTO GESTORES, PRECISAMOS LIDAR DIARIAMENTE. 
 
 
 
Robbins e Judge (2014) elencaram os tipos mais conhecidos e discutidos pela literatura 
especializada no assunto: COERÇÃO; LEGITIMIDADE; RECOMPENSA; COMPETÊNCIA; CARISMA. 
 
Mas será que as pessoas sabem o que é poder e como ele se manifesta nas organizações? 
 
TIPOS DE SOCIEDADE E AUTORIDADE 
 
Max Weber categoriza as sociedades e as relaciona com suas respectivas autoridades, criando 
uma tipologia que nos permite entender ainda melhor a relação entre poder e autoridade. 
 
Segundo Weber, as sociedades se dividem em: Sociedade Tradicional, Sociedade Burocrática e 
Sociedade Carismática. 
 
 
 
Sociedade Tradicional 
 
O sistema e sua regulação baseiam-se no conservadorismo. 
 
A autoridade tradicional é o poder legitimado pela tradição, pelos costumes e pelos hábitos de 
um povo. Ela deriva da crença nas tradições do passado. 
 
A sociedade típica desta autoridade é a medieval, na qual o servo obedece ao senhor feudal. 
 
Sociedade Burocrática 
 
Nas sociedades burocráticas, o tipo de autoridade que prevalece é o racional-legal. As ordens e 
as normas são justificadas em lei. 
 
Os procedimentos são formais e concretos, estando todos normatizados. Além disso, 
prevalece a obediência dentro de uma rigorosa e sistemática disciplina de comando e controle 
pautada na superioridade técnica. 
 
As organizações públicas são um bom exemplo da burocracia. 
 
Fundamentalmente, a administração burocrática significa o exercício de poder baseado no 
saber. Este é o traço que a torna especificamente racional. 
 
Sociedade Carismática 
 
Prevalece o modelo de autoridade pautado no carisma. A obediência deve-se à influência 
ideológica e à devoção efetiva, que se manifestam por meio da identificação com valores, 
ideias e propósitos comuns. Surge então a figura do herói, aquele que respeitamos e adoramos 
a qualquer preço. 
 
Gandhi é um excelente exemplo de autoridade carismática. 
 
SAIBA MAIS 
Para conhecer um exemplo de sociedade tradicional, sugerimos que você assista ao filme 
Cruzada. Direção: Ridley Scott. EUA, Reino Unido, Espanha: Twentieth Century Fox Film 
Corporation, Scott Free Productions, 2005. 144 minutos. 
 
NOVOS MODELOS DE ORGANIZAÇÃO 
DO TRABALHO 
 
As conquistas das organizações são um efeito da ação de grandes líderes, sejam elas públicas, 
privadas ou do terceiro setor. 
 
A ação humana é imprescindível para o alcance dos resultados. 
 
Ambientes nos quais o poder coercitivo é visto como o único meio exequível para alcançá-los 
estão ficando para trás. O mundo no qual vamos viver, nas próximas décadas, aponta uma 
direção completamente oposta. 
 
A tendência é que haja uma maior distribuição do poder entre as pessoas que fazem parte dos 
processos de tomada de decisão. 
 
À medida que existe uma maior autonomia para definir os objetivos a serem alcançados e a 
forma de realizar as atividades cotidianas, a coletividade passa a estar presente em todos os 
níveis hierárquicos. 
 
Atualmente, um dos modelos em maior consonância com tal filosofia é aquele baseado na 
holocracia. 
 
 
 
Na Holocracia, temos: 
 
 
 
 
 
INTRODUÇÃO 
 
Os processos de liderança se estabelecem nas mais diversas relações pessoais que construímos 
no: 
 
 
 
Os espaços sociais, afinal, são os campos nos quais é exercida a influência de 
uma pessoa sobre a outra. 
 
É difícil dizer o que torna uma pessoa capaz de exercer uma liderança; reconhecê-la, contudo, 
é bem mais fácil. Com certeza, você já ouviu falar da história destas pessoas e de seus grandes 
feitos: 
 
Joana D\u2019arc - 1412 a 1431 
Esta mulher ousada e destemida liderou o exército francês na Guerra dos 100 anos. 
 
Zumbi dos Palmares - 1655 a 1695 
Grande símbolo da luta contra a escravidão no Brasil, ele liderou milhares de pessoas e as 
organizou no Quilombo dos Palmares. 
 
 
 
Martin Luther King - 1929 a 1968 
Lutando por direitos iguais, King combateu a desigualdade racial nos Estados Unidos nos anos 
1960. 
 
Barack Obama - 1961 até