A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
AV - ANATOMIA E FISIOLOGIA VEGETAL

Pré-visualização | Página 1 de 2

ANATOMIA E FISIOLOGIA VEGETAL
	 
	 
	 1.
	Ref.: 3566816
	Pontos: 0,00  / 1,00
	
	Ácido abscísico, giberelina e auxina são os hormônios envolvidos no desenvolvimento das sementes. Nas sementes dormentes, a tolerância à dessecação, viabilidade e dormência do embrião são controlados
		
	
	Pela giberelina e auxina
	 
	Pela auxina apenas
	
	Pela giberelina apenas
	
	Pela auxina e ácido abscísico
	 
	Pelo ácido abscísico apenas
	
	
	 2.
	Ref.: 3393402
	Pontos: 1,00  / 1,00
	
	Quando estamos observando uma lâmina com amostra vegetal ao microscópio óptico em aumento de 40x, com lentes oculares de aumento de 10x,  e queremos ampliar a imagem para 100x, a primeira coisa que devemos fazer é:
 
		
	 
	Mudar a lente objetiva de 4x para 10x e manter a lente ocular em 10x.
	
	Mudar apenas a lente ocular de 10x para 25x e manter a objetiva em 4x.
	
	Mudar a lente ocular de 10x para  4x e mudar a objetica de 4x para 25x.
	
	Mudar a lente ocular de 10x para 20x e a objetiva de 4x para 5x.
	
	Mudar a lente ocular de 10x para 5x e a objetiva de 4x para 20x.
	
	
	 3.
	Ref.: 3339281
	Pontos: 0,00  / 1,00
	
	Observe a figura abaixo e marque a opção correta:
		
	 
	Pode-se afirmar que a figura é de uma célula vegetal porque só ela possui as estruturas A e B.
	 
	É possível afirmar que a ilustração é de uma célula vegetal adulta porque possui apenas uma organela identificada com a letra A, plenamente desenvolvida.
	
	As organelas representadas na ilustração não permitem identificar se é de uma célula animal ou vegetal.
	
	Não é possível afirmar que a ilustração é de uma célula vegetal, porque a organela identificada com a letra C também ocorre em células animais.
	
	A figura ilustra uma célula vegetal jovem, logo após a divisão, porque possui mais de uma estrutura C.
	
	
	 4.
	Ref.: 3393820
	Pontos: 0,00  / 1,00
	
	Tanto o desenvolvimento do embrião, quanto a morfologia da planta são altamente influenciados por ação hormonal. O meristema apical de caule (MAC) e o meristema apical de raiz (MAR) têm influência da auxina. No MAC, dada a complexidade da morfogênese, vemos mais dois hormônios atuando na regulação da formação de novos ramos e na proliferação de células no meristema apical; são eles:
		
	
	Etileno e citocinina
	 
	Citocinina e giberelina
	
	Etileno e ácido abscísico
	
	Ácido abscísico e citocinina
	 
	Ácido abscísico e giberelina
	
	
	 5.
	Ref.: 3567098
	Pontos: 0,00  / 1,00
	
	Ao amanhecer, observamos em algumas plantas o processo ilustrado na figura abaixo.
Marque a opção que descreve corretamente qual é o fenômeno e as condições necessárias para que ele ocorra:
		
	
	Processo de evaporação, que ocorre quando há pressão positiva de raiz; a umidade relativa do ar está baixa; a taxa de transpiração é alta; o solo tem boa disponibilidade hídrica.
	 
	Processo de gutação, que ocorre quando há pressão positiva de raiz; a umidade relativa do ar está alta; a taxa de transpiração é alta; o solo tem boa disponibilidade hídrica.
	 
	Processo de gutação, que ocorre quando há pressão positiva de raiz; a umidade relativa do ar está alta; a taxa de transpiração é baixa; o solo tem boa disponibilidade hídrica.
	
	Processo de evaporação, que ocorre quando há pressão negativa de raiz; a umidade relativa do ar está alta; a taxa de transpiração é alta; o solo está em ponto de murchamento permanente.
	
	Processo de gutação, que ocorre quando há pressão positiva de raiz; a umidade relativa do ar está alta; a taxa de transpiração é baixa; o solo está em ponto de murchamento permanente.
	
	
	 6.
	Ref.: 3564833
	Pontos: 1,00  / 1,00
	
	Um anatomista vegetal recebeu em seu laboratório um fragmento cilíndrico de uma planta com potencial medicinal, trazido por um farmacêutico. As propriedades quimicas e farmacológicas já haviam sido testadas, mas o farmacêutico não sabia que órgão da planta é, se caule ou raiz. O anatomista vegetal montou as lâminas com as amostras e fez a seguinte descrição do material: epiderme unisseriada, presença de uma camada de exoderme, córtex estreito, endoderme com estrias de caspary em U, cilindro vascular com o centro preenchido por metaxilema e projeção de 5 raios de protoxilema, intercalados por floema; periciclo formado por duas camadas.
Com base na descrição, podemos afirmar 
		
	
	que o material é uma raiz secundária de Eudicotiledônea
	
	que o material é uma raiz secundária de Monocotiledônea
	
	que não há elementos descritivos suficientes para a identificação do material
	 
	que o material é uma raiz primária de Eudicotiledônea
	
	que o material é uma raiz primária de Monocotildônea
	
	
	 7.
	Ref.: 3566425
	Pontos: 0,00  / 1,00
	
	Gravidade, luz e obstáculos são estímulos que provocam tropismos nos caules. O processo observado é sempre o mesmo: ação hormonal provocando alongamento celular, que promove o movimento em direção ou contrário ao estímulo. Em todos os casos, o mesmo hormônio está envolvido, que é
		
	 
	Auxina
	 
	Ácido abscísico
	
	Giberelina
	
	Citocinina
	
	Jasmonato
	
	
	 8.
	Ref.: 3567184
	Pontos: 0,00  / 1,00
	
	O transporte fotossintético de elétrons pode ser artificialmente bloqueado por compostos que removem elétrons de diferentes pontos do sistema ou por compostos que são análogos não- funcionais de moléculas constitutivas da cadeia transportadora de elétrons. Muitos herbicidas de amplo espectro, comercialmente disponíveis atuam de modo letal sobre as plantas por interferirem no fluxo fotossintético de elétrons. O DCMU 3-(3,4-diclorofenil)-1,1-dimeti- lurea; o DBMiB 2,5-dibromo-3-metil-6-isopropil-p-benzoquinona e o paraquat (metil viologênio) são exemplos de herbicidas e seus sítios de ação estão apontados no esquema abaixo.
Sobre a ação destes herbicidas, é correto afirmar que
		
	
	O DCMU atua no fotossistema I; o DBMiB no bloqueio de transferência de elétrons a partir da plastoquinona e o paraquat atua no fotossistema I
	 
	O DCMU atua no fotossistema II; o DBMiB atua no fotossistema I e o paraquat atua no bloqueio de transferência de elétrons a partir da plastoquinona
	 
	O DCMU atua no fotossistema II; o DBMiB no bloqueio de transferência de elétrons a partir da plastoquinona e o paraquat atua no fotossistema I
	
	O DCMU atua no fotossistema I; o DBMiB atua no fotossistema II e o paraquat atua no bloqueio de transferência de elétrons a partir da plastoquinona
	
	O DCMU atua no bloqueio de transferência de elétrons a partir da plastoquinona; DBMiB atua no fotossistema II e o paraquat atua no fotossistema I
	
	
	 9.
	Ref.: 3567769
	Pontos: 1,00  / 1,00
	
	Foi realizado um experimento com 2 espécies (A e B) de plantas herbáceas bianuais, que são usadas em ornamentações devido às suas flores vistosas. Um produtor dessas flores separou 3 lotes com 5 plantas cada da espécie A e da espécie B e submeteu esses lotes às seguintes condições:
- 1 lote de cada espécie sob refrigeração de 1°C por 7 dias
- 1 lote de cada espécie recebendo giberelina por 7 dias
- 1 lote de cada espécie sob estufa a 25°C por 7 dias
Depois dos 7 dias do experimento, o produtor colocou as plantas à temperatura ambiente, de 20°C, onde permaneceram até o florescimento. Os resultados obtidos estão representados na tabela a seguir
Com base nos resultados, podemos afirmar que:
		
	
	As espécies A e B necessitam de vernalização para que ocorra o florescimento
	
	A vernalização é necessária para induzir o florescimento apenas da espécie B, e que a giberelina não é capaz de substituir a vernalização nesta espécie.
	
	A vernalização é necessária para induzir o florescimento apenas da espécie B, e que a giberelina substitui a vernalização nesta espécie.
	 
	Apenas a espécie A necessita de vernalização para florescer e que a giberelina substitui a vernalização nesta espécie
	
	Apenas a espécie A necessita de vernalização para florescer e que a giberelina não substitui a vernalização nesta espécie
	
	
	 10.
	Ref.: 3393491
	Pontos: 0,00  /

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.