SÍNDROMES HIPERTENSIVAS NA GRAVIDEZ
3 pág.

SÍNDROMES HIPERTENSIVAS NA GRAVIDEZ


DisciplinaObstetrícia2.205 materiais13.626 seguidores
Pré-visualização1 página
@lucaspresotti 
SÍNDROMES HIPERTENSIVAS \u2013 OBSTETRÍCIA 
Lucas Presotti Borges 
 
DEFINIÇÃO: Doença Hipertensiva Especifica Da Gravidez (DHEG) ocorre na 2ª metade da gravidez. Recorrente de alterações trofloblásticas 
 
CLASSIFICAÇÃO: 
 
 
 
 HIPERTENSAO NA GRAVIDEZ 
 
 
 
CONCEITOS FUNDAMENTAIS: 
 
PRÉ-ECLÂMPSIA ECLÂMPSIA HIPERTESÃO GESTACIONAL HAS AGRAVADA PELA 
GRAVIDEZ (pré-eclâmpsia 
sobreposta) 
DOENÇA VASCULAR HIPERTENSIVA 
CRÔNICA 
Pré-eclâmpsia se refere ao aparecimento de 
hipertensão e proteinúria após 20 semanas de 
gestação em gestante previamente normotensa. 
 
A pré-eclâmpsia é uma desordem multissistêmica, 
específica da gravidez humana e do puerpério 
 
Hipertensão e proteinúria caracterizam o quadro 
clássico da pré-eclâmpsia. Estas manifestações 
aparecem na segunda metade da gestação (a 
É a ocorrência de CRISES 
CONVULSIVAS, seguidas ou não 
de coma, em uma paciente com 
pré-eclâmpsia, descartando-se 
outras causas. 
 
Algumas pacientes evoluem para 
o coma sem apresentar antes 
convulsão (\u201ceclâmpsia branca\u201d 
ou \u201ceclampsia sine eclampsia\u201d) 
 
Hipertensão (em geral leve) que 
se desenvolve na parte final da 
gestação, sem a presença de 
proteinúria (ou de outros sinais 
de pré-eclâmpsia). 
 
A pressão retorna aos níveis 
normais dentro das primeiras 12 
semanas de puerpério e recorre 
em 80% dos casos nas gestações 
subsequentes. 
A hipertensão essencial crônica 
preexistente se agrava em algumas 
gestantes, caracteristicamente 
após 24 semanas. 
 
Esta elevação dos níveis tensionais 
pode ser acompanhada de 
proteinúria (pré-eclâmpsia 
sobreposta), o que piora muito o 
prognóstico maternofetal. 
 
A hipertensão crônica na gravidez é 
definida como um estado hipertensivo 
(PA \u2265 140 x 90 mmHg) presente antes do 
início da gestação ou diagnosticado 
antes de 20 semanas. 
 
Não está associada a edema e 
proteinúria, e persiste pós-parto. 
 
A pressão arterial sofre queda durante a 
gravidez, decorrente do relaxamento 
PRÉ-ECLÂMPSIA 
ECLÂMPSIA 
HIPERTENSÃO CRÔNICA DE 
QUALQUER ETIOLOGIA 
HIPERTENSÃO CRÔNICA COM 
PRÉ-ECLÂMPSIA SPBREPOSTA 
(OU SUPERAJUNTADA) 
HIPERTENSÃO 
GESTACIONAL OU 
TRANSITÓRIA 
 @lucaspresotti 
partir de 20 semanas), sendo mais frequentes no 
terceiro trimestre. 
 
O edema não faz mais parte do critério 
diagnóstico. 
 
HIPERTENSÃO DURANTE A GRAVIDEZ: 
PAS \u2265 140 e PAD \u2265 90 
 
PROTEINÚRIA: é definida como a presença de 300 
mg ou mais de proteína em urina de 24h; \u2265 1+ em 
amostra isolada de urina (geralmente tardia em 
relação à hipertensão) 
 
LEVE 
PA < 160x110 e prot. (300 \u2013 2g) ou Doppler com 
incisura bilateral 
 
CONDUTA: 
Controle ambulatorial com assistência pré-natal 
cuidadosa. Avaliação das condições fetais 
(dopplervelocimetria da A. uterina com 28 e 34 
semanas) 
 
Nifedipina 30-120mg/dia OU Metildopa2g/dia 
 
Aguardar inicio espontâneo do parto. Acima de 37 
induz! 
 
GRAVE 
PA > 160x110 
Proteinúria > 2g 
Creatinina > 1,2 
Distúrbios Visuais, Cerebrais, Epigastrialgia 
 
CONDUTA: 
Internacao, >34 semanas INTERROMPE GESTAÇÃO. 
Entre 28-34s conduts 
conservadora/semiconservadora 
Fazer corticoterapia com Betametasona 2 ampolas 
24/24h por 2 dias seguidos, Sulfato de Magnésio 
(dose de ataque 4g, e manutenção de 1g/h = 
manter até 24h após parto) 
 
Geralmente, as convulsões são 
autolimitadas, durando de dois a 
três minutos, e são precedi- das 
de sinais como cefaleia, 
alterações visuais, epigastralgia e 
dor no quadrante superior direito 
do abdome. 
 
CONDUTA: 
 
Internar 
 
Controle pressórico 
 
Nifedipina 30-120mg/dia 
 
Tto convulsão com Sulfato de Mg 
2g/h 
 
Controle Fetal 
 
Interrompe gestação (não tem 
conduta conservadora) 
 
 
 
CONDUTA: 
 
Acompanhamento ambulatorial 
cuidadoso 
 
Orientações gerais (Aferição 
diária da PA, orientação 
nutricional 
 
Sinais de agravamento 
 
METILDOPA 2g/dia 
 
ma pressão arterial maior ou igual 
a 180 x 110 mmHg fala mais a favor 
de hipertensão crônica. 
 
Existem alguns parâmetros 
laboratoriais que se alteram 
caracteristicamente na pré-
eclâmpsia e comumente se 
encontram normais na hipertensão 
crônica: 
\u2191Ácido Úrico na pré-eclâmpsia 
Hipocalciúria = pré-eclâmpsia 
Calciúria = Has Crônica 
 
 
CONDUTA: 
 
Controle ambulatorial cuidadoso 
em conjunto com Cardio, Nefro 
 
Metildopa 2g/dia 
vascular fisiológico, especialmente após 
16 semanas; o que pode tornar normal 
uma PA antes elevada, comprometendo 
o diagnóstico de hipertensão crônica. 
 
As DROGAS MAIS USADAS são a 
alfametildopa, a hidralazina, os be- 
tabloqueadores e os bloqueadores dos 
canais de cálcio. 
 
Os diuréticos devem ser evitados 
 
Inibidores da ECA são contraindicados. 
 
O risco aumento quando há 
sobreposição de pré-eclâmpsia 
 
CONDUTA: 
 
Controle ambulatorial cuidadoso em 
conjunto com Cardio, Nefro 
 
Metildopa 2g/dia 
 
 @lucaspresotti 
SÍNDROME HELLP 
Representa uma forma grave de pré-eclâmpsia. Porém cerca de 15-20% não apresentam antecedentes de hipertensão ou proteinúria. 
Entao, pré-eclâmpsia/eclampsia + plaquetopenia < 100.000 + Aumento de TGO e TGP e Aumento de LDH + esfregaço com esquizócitos mostrando hemólise. 
CONDUTA: Internar, Sulfato de Mg, Nifedipina, correção plaquetopenia (transfundir 6-10 UI) repetir esquema pós parto, Dexametasona 100 mg EV 12/12h até parto, interrupção. 
 
 
EXAMES PROFILAXIA 
- Diagnóstico Clínico: Avaliação clínica, mensuração PA (> 140x90 em 2x com intervalo de 
4h), avaliar ganho de peso, pesquisa cefaleia, escotomas visuais, avaliação fetal 
 
- Laboratorial: proteinúria de 24h, clearence creat > 1,1. TGO, TGP, Plaquetas, hemograma, 
bilirrubina. 
 
- Avaliação Fetal: US obstétrico, US com doppler da A. Uterina, Cardiotocografia/ PBF 
 
- Dosagem de biomarcadores PGLF e SFit 
- Aspirina 100mg/dia a partir de 125 
- Carbonato de cálcio 1g/dia 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
FATORES DE RISCO: 
 
Primiparidade 
Gravidez múltipla 
Doença vascular hipertensiva crônica 
Diabetes mellitus 
Doença renal crônica 
Doenças do colágeno 
Trombofilias 
Obesidade 
Gestação molar 
Hidropsia fetal 
Extremos da vida reprodutiva (> 35 anos ou adolescente) 
Pré-eclâmpsia em gestação anterior 
História familiar de DHEG 
Raça negra 
 Longo intervalo interpartal 
 Síndrome antifosfolipídeo 
 Troca de parceiro e nova gravidez