A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
305 pág.
Conhecimentos Técnicos - Bianch

Pré-visualização | Página 7 de 50

pneu/roda, que deverá estar 
alinhado. Caso haja um 
desalinhamento deste marco de 
referência chame o mecânico da 
aeronave para que ele analise 
a estrutura da roda e libera a 
aeronave para voo. 
 
 
 
posição correta do 
marco de referência 
 
 
 
 
 
 
desalinhamento do 
marco de referência 
Devemos também 
inspecionar a roda a procura 
de danos à sua estrutura. As 
rodas não devem apresentar 
rachaduras ou fendas, e deve- 
se ter certeza de que nenhum 
objeto esteja preso entre o 
trem de pouso e o pneu, e que 
nenhuma peça do trem de pouso 
esteja tocando no pneu. 
 
 
 
marco de 
referência 
/ 
141 
amortecedores 
 
tonas 
carcaça 
camada interna 
4 2 1 Sistema de trem de pouso 
Conhecimentos Técnicos (Aviões) - Editora Bianch 
 
 
Pneus 
Os pneus de uma aeronave proporcionam certo amortecimento que auxilia 
na absorção de parte da energia dos impactos sofridos durante a decolagem e 
principalmente no pouso. Eles também são responsáveis em suportar o peso da 
aeronave em solo e prover tração necessária para a atuação dos freios, sendo assim, os 
pneus são projetados para sustentar altas velocidades e pesadíssimas cargas estáticas e 
dinâmicas. 
Ao contrário do que se costuma supor, a resistência requerida pelos pneus de 
um avião é para suportar principalmente o aquecimento rápido durante operações no 
solo e não o impacto de pousos mais duros. 
 
 
 
Calibragem da pressão 
 
A calibragem correta da pressão dos 
pneus é sem dúvida o maior cuidado que se deve 
ter na manutenção dos mesmos, a fim de manter a 
durabilidade e eficiência das operações. 
A pressão deve ser checada com a 
regularidade estipulada pelo fabricante, e mantida 
sempre dentro dos valores propostos. A pressão 
deve ser verificada quando os pneus estão fr ios, é 
necessário aguardar pelo menos duas horas após o 
voo antes de inspecionar a pressão. 
Calibragem com pressões acima do correto poderá resultar em vibrações 
durante o t axi, desgaste desigual da banda de rolagem e até mesmo o estouro do 
pneu. Caso a pressão esteja muito baixa poderá ocorrer o desalinhamento do marco de 
referência pneu/roda além de danos e desgastes à estrutura do pneu. 
 
 
Estrutura do pneu 
 
Abaixo as principais partes da estrutura dos pneus de um avião. 
 
sulcos banda de rodagem 
Pneus 
Conhecimentos Técnicos (Aviões) - Denis Bianchini 
 
Banda de rodagem: parte do pneu que fica em contato direto com a pist a, 
feita de borracha com qualidade para oferecer resistência e durabilidade. A banda de 
rolagem é projetada para proporcionar boa tração nas mais variadas condições de pist a. 
Sulcos: os sulcos ficam localizados na banda de rodagem no sentido longitudinal 
e têm a função básica de possibilitar o escoamento de água em pistas molhadas, 
evitando a aquaplanagem e garantindo melhor aderência à pista. 
Amortecedores ou lona de reforço: são camadas extras, geralmente cordonéis 
de nylon reforçado, inseridas sob a borracha da banda de rodagem, a fim de proteger 
o envoltório de lonas e reforçar a área de rodagem. 
Carcaça: é uma das principais estruturas dop neu, elas são camadas constituídas 
de fios de nylon, borracha e outros tecidos que se entrelaçam em ângulos opostos 
proporcionando rigidez e formato ao pneu. 
Lona: estrutura que circunda completamente o corpo do pneu. As lonas são 
dobradas em volta dos talões, inserindo-se novamente na carcaça. Elas isolam a carcaça 
do calor proveniente das freadas e proporcionam boa selagem contra o movimento. 
Talão: constituem-se internamente de arames de aço cobreado, incrustado 
em borracha e cobertos com tecidos, tendo a finalidade de proporcionar firmeza à 
superfície para montagem na roda. 
Câmara interna: nos pneus sem câmara, esta camada de borracha menos 
permeável atua como uma câmara de ar embutida, e impede que o ar penetre através 
das lonas. Nos pneus com câmara, uma camada mais fina de borracha é usada para 
evitar o atrito entre a câmara de ar e a lona interna. 
 
 
 
Inspeção dos pneus 
 
Analisaremos a seguir as principais características que tornam um pneu 
aceitável ou não para o voo. A inspeção dos pneus deve ser realizada sempre durante 
o cheque pré-voo. 
 
 
Desgaste da banda de rodagem 
 
Os principais tipos de desgaste da banda de rodagem dos pneus de um avião, 
são:. 
 
 
 
 
condição de desgaste causada pela 
operação do pneu com uma pressão 
maior do que a ideal. Essa condição 
reduz a tração do pneu, e o torna mais 
suscetível a danos. 
condição de desgaste causada pela 
operação do pneu com uma pressão 
menor do que a ideal. Essa condição 
reduz a vida útil do pneu devido ao 
excesso de calor produzido. 
143 
Sistema de trem de pouso 
Conhecimentos Técnicos (Aviões) - Editora Bianch 
 
 
7\ 
condição de desgaste normal condição de desgaste excessivo da 
banda de rodagem. O pneu deve ser 
substituído! 
 
 
Danos à estrutura do pneu 
 
A seguir os danos mais frequentes encontrados na estrutura dos pneus. 
 
 
Desgaste natural do pneu. O 
pneu geralmente é removido 
quando a profundidade dos 
sulcos é menor que 1.0mm 
(valor variável de acordo com 
o fabricante). 
 
 
 
 
 
 
 
 
Descolamento da banda de 
rodagem. Pneu inaceitável 
ao voo. 
 
 
 
 
 
 
Desgaste excessivo ocasionado 
pelo travamento da roda durante 
uma f reada. Neste caso é possível 
visualizar a lona, o que torna o 
pneu inaceitável ao voo. 
 
 
Pequenas fissuras na banda 
de rodagem. Condição 
aceitável, desde que tais 
fissuras não atinjam a lona. 
 
 
 
 
 
 
Pequenos cortes na banda de 
rodagem, sem atingir a lona. 
Condição aceitável ao voo. 
 
 
 
 
Presença de bolhas na 
estrutura do pneu. Condição 
inaceitável ao voo. 
44 1 
Freios 
Conhecimentos Técnicos (Aviões) - Denis Bianchini 
 
Freios 
O sistema de freios tem a função primária de reduzir a velocidade da aeronave 
em solo, proporcionando frenagem adequada para a parada da aeronave numa 
distância razoável. Além desta função os freios podem ser utilizados como freios de 
estacionamento (parking brake) ou no controle direcional da aeronave em solo, através 
da frenagem diferencial. Na grande maioria das aeronaves os freios são instalados 
apenas nas rodas do trem de pouso principal. 
Analisaremos a seguir os principais tipos de freios, o sistema de funcionamento 
e os cuidados durante a inspeção de pré-voo. 
 
 
 
Tipos de freios 
 
Analisaremos a seguir os dois principais tipos de freios: freio a tambor e o freio 
a disco. 
 
 
Freio a tambor 
 
Este tipo de freio é composto por um tambor 
contendo um par de sapatas (ou lonas). A pressão aplicada 
às sapatas alojadas dentro do tambor faz com que este 
freie a roda, diminuindo assim a velocidade da aeronave 
em solo. Uma das maiores desvantagens deste tipo de freio 
é o excesso de temperatura gerada durante a frenagem. 
 
sapata 
 
 
 
 
 
 
Freio a disco 
 
Este é o tipo mais comum de freio utilizado nos 
aviões, ele é composto por um disco (de ferro fundido ou 
material composto, como carbono) acoplado à roda, e por 
um conjunto de pastilhas que atuam sobre o disco. 
Ao aplicar os freios, que são atuados através de 
fluído hidráulico, as pastilhas realizam pressão sobre o 
disco, diminuindo a velocidade de rotação da roda. 
As maiores vantagens deste sistema de freios 
são: melhor refrigeração e consequentemente menor 
temperatura de funcionamento, e facilidade para a 
inspeção do sistema. 
Na página seguinte analisaremos detalhadamente 
o sistema de funcionamento e acionamento do freio. 
145 
Sistema de trem de pouso 
Conhecimentos Técnicos (Aviões) - Editora Bianch 
 
 
Sistema de funcionamento 
 
Analisaremos a seguir o funcionamento detalhado do sistema de freios de uma 
aeronave de pequeno porte, desde a atuação dos pedais na cabine até a efetiva pressão 
das pastilhas sobre a roda. 
O pedal de