A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
92 pág.
ALEITAMENTO_LIVRO

Pré-visualização | Página 25 de 26

Bom trabalho!
As autoras
87 Promoção do aleitamento materno na Atenção Básica
 
Referências
ALMEIDA, J. A. G. Amamentação: um híbrido natureza-cultura. Rio de Janeiro: Fiocruz, 
1999. 
ALVES, Eliane Aparecida. Fatores determinantes do desmame precoce: um estudo 
de revisão bibliográfica. UFMG, Belo Horizonte, 2010. Disponível em: https://www.
nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/3727.pdf. Acesso em 4 de out de 2016.
ARAUJO, L. D. S. de. Abordagem sistêmica na prática do aleitamento materno. 
Pediatria Dia a Dia. Florianópolis, v. 1, p. 22-25, mar. 2016. 
ARAÚJO, L. D. S. A construção de um novo olhar no ensino do aleitamento materno: 
uma contribuição da educação crítico-reflexiva. 2005. Tese (Doutorado em 
Enfermagem). Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, 
Ribeirão Preto, 2005.
BOCCOLINI, C. S. et al. Amamentação na primeira hora de vida e mortalidade 
neonatal: um estudo ecológico. Jornada Pediátrica. Rio de Janeiro, 2013.
BRASIL. Decreto-Lei n. 5452, de 1º de maio de 1943. Aprova a Consolidação das Leis 
do Trabalho. Diário Oficial [dos] Estados Unidos do Brasil, Poder Executivo, Rio de 
Janeiro, DF, 9 ago. 1943. Secção 1, p. 11937-11985.
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: 
promulgada em 5 de outubro de 1988.
BRASIL. Lei Nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do 
Adolescente e dá outras providências.1990.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Promovendo o 
Aleitamento Materno 2. ed. rev. Brasília: 2007.
88 Promoção do aleitamento materno na Atenção Básica
BRASIL. Lei Nº 11.770, de 9 de setembro de 2008. Cria o Programa Empresa Cidadã, 
destinado à prorrogação da licença-maternidade mediante concessão de incentivo 
fiscal, e altera a Lei no 8.212, de 24 de julho de 1991.
BRASIL. Decreto nº 6.690, de 11 de dezembro de 2008. Institui o Programa de 
Prorrogação da Licença à Gestante e à Adotante, estabelece os critérios de adesão ao 
Programa e dá outras providências.
BRASIL. Ministério da Saúde; Centro Brasileiro De Análise E Planejamento. Pesquisa 
Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher – PNDS 2006: dimensões do 
processo reprodutivo e da saúde da criança. Brasília, 2009a.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações
Programáticas e Estratégicas. II Pesquisa de Prevalência de Aleitamento Materno nas 
Capitais Brasileiras e Distrito Federal. Brasília, 2009b.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento 
de Atenção Básica. Saúde da criança: aleitamento materno e alimentação 
complementar. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento 
de Atenção Básica. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2009c. Cadernos de Atenção 
Básica; n. 23, 184 p.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, Área de Saúde da 
Criança. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso: Método Canguru. 2. 
ed. Brasília: MS, 2011.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria 1459 de 24 de junho de 2011. Institui no âmbito 
do Sistema Único de Saúde – SUS – a Rede Cegonha.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.920, de 5 de setembro de 2013. Institui 
a Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação 
Complementar Saudável no Sistema Único de Saúde (SUS). Estratégia Amamenta e 
Alimenta Brasil.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de 
Ações Programáticas Estratégicas. Atenção à saúde do recém-nascido: guia para 
os profissionais de saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, 
Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. 2. ed. atual. Brasília: Ministério 
da Saúde, 2014a.
BRASIL. Portaria nº 1.153, de 22 de maio de 2014. Redefine os critérios de habilitação 
da Iniciativa Hospital Amigo da Criança (IHAC), como estratégia de promoção, 
proteção e apoio ao aleitamento materno e à saúde integral da criança e da mulher, no 
âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). 2014b. Disponível: http://bvsms.saude.gov.
br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt1153_22_05_2014.html. Acesso em 15 de mar de 2016.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento 
de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas. Critérios e Parâmetros para o 
Planejamento e Programação de Ações e Serviços de Saúde no Âmbito do Sistema 
Único de Saúde. Brasília, Ministério da Saúde, 2015a.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de 
Atenção Básica. Marco de referência da vigilância alimentar e nutricional na Atenção 
Básica / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de 
Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2015b.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Estratégia Nacional 
para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no 
Sistema Único de Saúde: manual de implementação. Ministério da Saúde, Secretaria 
de Atenção à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2015c.
CARREIRO, D. M.; VASCONCELOS, L.; AYOUB, M. E. Síndrome fúngica, uma epidemia 
oculta. 3. ed. São Paulo: Editora Referência, 2011.
CARVALHO, M. R.; TAMEZ, R. N. Amamentação: bases científicas para a prática 
profissional. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005. 
89 Promoção do aleitamento materno na Atenção Básica
CASTRO, L. M. C. P. de; ARAUJO, L. D. S. de. Aleitamento materno: manual prático. 2. 
ed. Londrina: AMS, 2006.
CERVELLINI, M. P. et al. Lesões mamilares decorrentes da amamentação: um novo 
olhar para um conhecido problema. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 48, n. 
2, p. 346-356, 2014.
CESAR, J. A. et al. Impact of breastfeeding on admission for pneumonia during post-
neonatal period in Brazil: nested case-control study. BMJ, London, n. 318, p. 1316-
320, 1999. 
COCA, Kelly Pereira; ABRÃO, A. C. F. V. Avaliação do efeito da lanolina na cicatrização 
dos traumas mamilares. Acta Paul Enferm, v. 21, n. 1, p. 11-6, 2008.
FONSECA, Luciana Mara Monti; SCOCHI, Carmen Gracinda Silvan. Cuidados com o 
bebê prematuro: orientações para a família. Ribeirão Preto: FIERp, 2009.
GIUGLIANI, E. R. J. Problemas comuns na lactação e seu manejo. Jornal de Pediatria, 
Rio de Janeiro, v. 80, n. 5 (supl.), p. 147-154, 2004.
GIUGLIANI, E. R. J. et al. Risk factors for early termination of breast feeding in Brazil. 
Acta Pediatr., Oslo, v. 81, p. 484-7, 1992. 
GONZALEZ, C. Manual Prático de Aleitamento Materno. Título Original: Manual de 
Lactancia Materna 2004. Primeira impressão digital: 2014. Tradução e Revisão Maria 
Bernardes. São Paulo: Editora Timo, 2014.
JONES, G. et al. How many child deaths can we prevent this year? Lancet. Jul. 
5;362(9377):65–71.2003
MARTINS, E. J.; GIUGLIANI, E. R. J. Quem são as mulheres que amamentam por 2 anos 
ou mais? Jornal de Pediatria. Rio de Janeiro/Porto Alegre, v. 88, n. 1, p. 67-73, Fev 
2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-
75572012000100011&lng=en&nrm=iso. Acesso em 25 de mar de 2016. 
MONTE, G. C. S. B.; LEAL, L. P.; PONTES, C. M. Rede Social de Apoio à Mulher na 
Amamentação. Cogitare Enfermagem. 2013 Jan/Mar; 18(1):148-55. Disponível em: http://
ojs.c3sl.ufpr.br/ojs/index.php/cogitare/article/view/31321. Acesso em 25 de mar de 2016.
MONTRONE, A. V. G. et al. Trauma mamilar e a prática de amamentar: estudo com 
mulheres no início da lactação. Revista APS, v. 9, n. 2, p. 168-174, jul./dez. 2006.
MULLANY, L. C. et al. Breast-feeding patterns, time to initiation, and mortality risk 
among newborns in Southern Nepal. Jornal de Nutrição, v. 138, p. 599-603, 2007.
MULLER, F. S.; SILVA, I. A. Representações sociais de um grupo de mulheres/nutrizes

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.