A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
92 pág.
ALEITAMENTO_LIVRO

Pré-visualização | Página 26 de 26

sobre o apoio à amamentação. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão 
Preto, v. 17, n. 5, p. 651-657, out. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.
php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692009000500009&lng=en&nrm=iso. Acesso em 
25 de mar de 2016.
OLIARI, A. T. Aconselhamento: Construindo Relacionamentos Significativos. Curitiba: 
Eden, 2008.
OLIVEIRA, Mirella Gondim Ozias Aquino de et al. Fatores associados ao aleitamento 
materno em dois municípios com baixo índice de desenvolvimento humano no 
Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 
178-189, mar. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_
arttext&pid=S1415-790X2013000100178&lng=en&nrm=iso Acesso em 15 de mar de 
2016.
PRATES, L. A.; SCHMALFUSS, J. M.; LIPINSKI, J. M. Rede de apoio social de puérperas 
na prática da amamentação. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, Rio de Janeiro, 
v. 19, n. 2, p. 310-315, 2015.
REA, Marina Ferreira. Mulher Trabalhadora e a Prática de Amamentar. Disponível em: 
http://www.amamentartudodebom.com.br/2011/12/08/mulher-trabalhadora-e-a-
pratica-de-amamentar/. Editado em 08/12/2011. Acesso em 25 de mar de 2016.
90 Promoção do aleitamento materno na Atenção Básica
REA, Marina Ferreira. Reflexões sobre a amamentação no Brasil: de como passamos 
a 10 meses de duração. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 19, supl. 
1, p. S37-S45, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_
arttext&pid=S0102-311X2003000700005&lng=en&nrm=iso. Acesso em 15 de mar 
de 2016.
REGO, J. D. Aleitamento materno. Rio de Janeiro: Atheneu, 2001. 
RODRIGUES, Andressa Peripolli et al. Manutenção do aleitamento materno de 
recém-nascidos pré-termo: revisão integrativa da literatura. Revista Eletrônica de 
Enfermagem. [Internet]. 2013 jan./mar.; 15(1):253-64. Disponível em: http://dx.doi.
org/10.5216/ree.v15i1.17067. Acesso em mar 2016.
ROLLINS, N. C. et al. Why invest, and what it will take to improve breastfeeding 
practices? The Lancet, UK: Elsevier, v. 387, n. 10017, p. 491-504, 2016. 
SANTIAGO, L. B. Manual de Aleitamento Materno. Barueri: Manole, 2013.
SOUSA, Ligia de et al. Terapêutica não farmacológica para alívio do ingurgitamento 
mamário durante a lactação: revisão integrativa da literatura. Revista da Escola de 
Enfermagem, USP, São Paulo, v. 46, n. 2, p. 472-479, Abr. 2012. Disponível em: http://
www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342012000200028&lng=en
&nrm=iso. Acesso em 28 de mar de 2016.
TACLA, M. T. G. M. Ouvir, Entender, Orientar. In CASTRO, L. M. C. P. de; ARAUJO, L. D. S. 
de. Aleitamento Materno: manual prático. Londrina: AMS, 2. ed., 2006.
UNICEF. Comitê Português. Manual de Aleitamento Materno. Edição Revista de 2008. 
UNICEF. Fundo das Nações Unidas para a Infância. Iniciativa Hospital Amigo 
da Criança: revista, atualizada e ampliada para o cuidado integrado. Módulo 3: 
promovendo e incentivando a amamentação em um Hospital Amigo da Criança: curso 
de 20 horas para equipes de maternidade. Fundo das Nações Unidas para a Infância, 
Organização Mundial da Saúde. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009. 276 p. 
VALDÉS, V.; SANCHES, A. P.; LABBOK, M. Manejo clínico da lactação: assistência à nutriz 
e ao lactente. Rio de Janeiro: Revinter, 1996.
VENANCIO, Sonia I. et al. A prática do aleitamento materno nas capitais brasileiras e 
Distrito Federal: situação atual e avanços. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro/Porto 
Alegre, v. 86, n. 4, p. 317-324, Ago. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.
php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572010000400012&lng=en&nrm=iso. Acesso em 
12 de mar de 2016.
VICTORA, C. G. et al. Breastfeeding in the 21st century: epidemiology, mechanisms, 
and lifelong effect. The Lancet, UK: Elsevier, v. 387, i. 10017, 475–490, 2016.
91 Promoção do aleitamento materno na Atenção Básica
 
Minicurrículo dos autores
Marcia Sueli Del Castanhel
Graduada em Enfermagem, Especialista em Epidemio-
logia pela FIOCRUZ/ENSP, Mestre em Saúde Pública 
pela Universidade Federal de Santa Catarina. Enfermei-
ra da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Florianó-
polis, coordenadora da Saúde da Criança e Aleitamento 
Materno. Membro da Comissão de Avaliação de Proje-
tos e Pesquisas da SMS Florianópolis. Presidente do 
Comitê Municipal de Aleitamento Materno e Alimenta-
ção Saudável de Florianópolis. Vice-presidente do Co-
mitê de Prevenção do Óbito Materno, Infantil e Fetal de 
Florianópolis. Facilitadora do Ministério da Saúde para 
Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil. É membro do 
Laboratório de Pesquisa, Tecnologia e Inovação em Po-
líticas e Gestão do Cuidado e da Educação em Enferma-
gem e Saúde. Doutoranda na Pós-graduação em Enfer-
magem pela Universidade Federal de Santa Catarina.
Carmem Regina Delziovo
Graduada em Enfermagem, Doutora em Saúde Coleti-
va pela Universidade Federal de Santa Catarina. Coor-
denadora das Politicas de Saúde na Secretaria de Es-
tado da Saúde de Santa Catarina. Membro do Comitê 
Estadual de Prevenção do Óbito Materno, Infantil e 
Fetal. Coordenadora da Rede Cegonha em Santa Cata-
rina. Referência Técnica para o Ministério da Saúde na 
Atenção as Pessoas em Situação de Violência Sexual.
Lylian Dalete Soares de Araújo
Graduada em Enfermeira, Doutora em Enfermagem em 
Saúde Pública, sub-área Saúde da Mulher, pela Escola 
de Enfermagem de Ribeirão Preto - Universidade de 
São Paulo. Professora aposentada da Universidade Es-
tadual de Londrina. Consultora do Ministério da Saúde 
pela Rede Amamenta Brasil. Tutora da Estratégia Ama-
menta e Alimenta Brasil. Sócia Fundadora da Deleite 
Educação e Cuidado em Aleitamento Materno.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.