A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Cisticercose e Esquistossomose

Pré-visualização | Página 1 de 1

Cisticercose – Larissa Leslye 
→ Quando ingerimos carne crua ou mal cozinha com cisticerco viável/vesicular 
adquire teníase 
Cisticerco: forma larvária da tênia solium e saginata, porém só a solium que dá 
cisticercose. 
→ Um cisticerco de tenia solium ou saginata, a olho nu não dá para saber, eles são 
indistinguíveis. 
 
CICLO BIOLOGICO 
Individuo elimina nas fezes proglotes maduras e ovos de tenia solium, e esses ovos 
contaminam fontes de alimentos como verduras, aguas (ingerimos cruas). 
 E nos humanos a ingerir ovos, acontece a mesma coisa que acontece nos suínos. 
Ingerimos – estomago – sofre ação gástrica – ID eclode – libera a oncosfera, que vai 
mergulhar na mucosa por 3 dias e por via hematogênica dissemina-se para vários 
órgãos e tecidos humanos, gerando a cisticercose humana. 
Obs: Se ingerir ovos de tenia saginata não causam cisticercose humana. 
 
Transmissão: 
Como humanos adquire cisticercose? Ingestão de ovos de tenia solium que contamina 
fontes de alimentos que serão ingeridos crus 
 Heteroinfecção: ovos eliminados por terceiros 
 Auto-infecção externa: indivíduo parasitado por tenia solium que por maus 
hábitos de higiene leva ovos da região anal a boca, ovos que ele mesmo eliminou 
OBS: grande risco em crianças, além dele ter a teníase ele pode desenvolver a 
cisticercose 
 Auto-infecção interna: individuo parasitado com tenia solium, indivudo por 
algum problema de saúde (gastroenterite, virose) ocorre o retroperistaltismo, 
proglotes gravidas do ID vem para o estomago que é acido se rompem, e esse ovo 
volta para o intestino delgado, libera a oncosfera e o indivíduo se auto infecta 
externamente. 
RISCO: Criança com tenia solium e pegou uma virose – mãe relata sair muito vomito 
com essas tênias, vomito verde (com bile) → criança que está com retroperistaltismo 
(vomito) → perigoso pois essa criança pode desenvolver Cisticercose. 
 
• Vomito – proglote saindo passivamente 
Fezes – proglote saindo ativamente 
 
PASSIVAMENTE – MUITO PERIGOSO – POIS PODE CAUSAR CISTICERCOSE 
 
Habitat em humanos: tecidos em geral (globo ocular; SNC; coração; subcutâneo; 
muscular) 
 
CISTICERCO – MODIFICAÇÕES ANATOMICAS E FISIOLÓGICAS DO CISTICERCO NO 
HOSPEDEIRO HUMANO 
Possui vários estágios 
Estagio infectante do cisticerco: vesicular (bexiguinha) – estrutura vesicular com 
membrana delgada, transparente preenchida por liquido hialino; o escolex é normal, e 
esse cisticerco ele permanece ativo/viável por um tempo indeterminado (mas em 
estudos esse tempo ativo varia de 3 a 5 anos, a partir disso o organismo começa 
desenvolver uma reação inflamatória começando a degenerar esse cisticer) 
Coloidal: depois que começar esse processo degenerativo – líquido fica turvo, passa a 
ser um gel; escolex degenera alcalinamente; 
Granular: depois disso ele muda de estágio para granular, se torna cada vez mais 
calcificado; a membrana começa a ficar espessa e o conteúdo começa a calcificar e o 
esoclex fica mineral; 
Granular calcificado: quando completa essa granulação ele fica nesse estágio sendo 
totalmente calcificado 
 
O que leva a degeneração da cisticercose? Processo reacional inflamatório do 
hospedeiro – humanos ou não humanos 
 
→ Tanto na teníase quanto na cisticercose o processo imunológico é igual: O exame 
sorológico para teniase e cisticercose, não ajuda pois são indistinguíveis 
 
 
 
 
ESQUISTOSSOMOSE MANSONICA -Schistosoma mansoni 
 
→ Endêmicas em 75 países, inclusive no BR. 
No Brasil temos uma prevalência moderada que varia de 10-49% da população 
→ Existe outras espécies de esquistossomoses que não existe no Brasil, no entanto é 
importante pensar nas imigrações; pessoas que viajam para outros países e voltam 
com a doença; a única que existe no Brasil é a mansoni. 
 
A doença consiste em três fases: 
- Necrótica esxudativa 
- Produtiva ou histiocitária: reacional 
inflamatório granulomatose 
- Cura ou fibrose 
 
 
 
 
→ Possui machos e femeas; na região cefálica, ventralmente tem uma ventosa oral e 
uma ventosa ventral (aceptábulo); 
O macho possui canal ginecófaro é robusto com tegumento com tubérculos; a femea 
fica alojada no canal ginecófaro do macho. Ela é mais fina, mais delicada porém é 
maior em comprimento 
 
→ Uma vez acasalados essa femea produz ovos, que são ovalados e apresentam uma 
espicula lateral subterminal. 
Ovo maduro: miracido vivo 
Quando encontra o ambiente aquático eclode e libera o miracideo. Esse miracideo é 
recoberto de cílios que no ambiente aquático da ao miracido uma movimentação 
intensa, ele possui uma estrutura afunilada chamada terebratorium que ele usa para 
penetrar no manto dos hospedeiros intermediários – moluscos. 
Ao encontrar o hospedeiro intermediário penetra no manto do molusco, se 
transformando em esporocisto dentro do molusco. Esse esporocisto é rico em células 
germinativas que vão dar origem a uma cercaria. 
Essa cercaria é constituída de duas porções: região cefálica com ventosa ventral e a 
cauda 
Ela rapidamente sai do molusco e ganha o ambiente aquático e nesse ambiente 
aquático ela tem intensa movimentação e por quimio e termo tactismo ela penetra na 
pele humana ou de pequenos mamíferos. Ao penetrar na pele ela perde a cauda e se 
transforma em esquistossomulo, este por via hematogenica tem como tropismo o 
sistema porta-hepatico, la no figado se estabelece evoluindo para vermes adultos 
machos e femeas e o ciclo se fecha. 
 
CICLO BIOLOGICO 
O indevido parasitado tem os vermes adultos no sistema porta-hepatico. Esse casal no 
fígado migra contra a CS e vão até o plexo hemorroidário inferior. Lá as femeas 
começam a fazer a postura dos ovos, metade desses ovos atravessam na submucosa e 
mucosa e ganham a luz intestinal e são eliminados juntos com as vezes. Se esses ovos 
ganharem o ambiente aquático, o ovo eclode e libera o miracideo no ambiente 
aquático. Metade dos ovos que ficaram retidos, uma parte fica na mucosa, outra parte 
é arrastada pelo sistema mesentérico ficando retida no fígado, podendo ir para o 
pulmão ou por via hematogienca para o cérebro. 
No ambiente miracidio penetra no mantro do molusco, lá se transforma em 
esporocitos, que é uma estrutura rica em células germinativas, dão origem a uma 
cercaria que rapidamente sai do molusco – ganha ambiente aquático – penetra na pele 
de hospedeiros mamíferos (humana), perde a cauda se transforma em esquistossomo 
e por via hematogênica vão atingir o sistema porta-hepático e lá evoluir para vermes 
adultos machos e femeas, que migram contra a CS, vão para o plexo hemorroidário 
para fazer a postura dos ovos. 
 
→ A hora de mais atividade entre miracideos e cercarias entre 10 e 16 horas; 
 
Locais: toda e qualquer coleção hídrica de agua lenta de baixa limpeza, que tenha o 
molusco e seja contaminado com ovos de schistossoma mansoni, e que sejam 
frequentados por pessoas. 
 
 
 
 
 
EPIDEMIOLOGIA DA TENÍASE E CISTICERCOSE 
→ Maior prevalência em áreas urbanas do que em áreas rurais