Tutoria_SP5
5 pág.

Tutoria_SP5


DisciplinaTutoria520 materiais570 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Objetivo Geral: Proporcionar uma reflexão sobre a gestão em saúde pública no que 
tange a prevenção de doenças e suas complicações através da imunização. 
 
1) Discutir os mecanismos dos imunobiológicos e a fisiopatologia do sistema 
imune na infância. 
\u2022 O sistema imunológico do recém-nascido apresenta habilidade limitada em 
montar uma resposta efetiva do ponto de vista quantitativo e qualitativo contra 
patógenos invasivos, implicando mais suscetibilidade a infecções. Sabe-se 
que quanto menor o período gestacional, menos desenvolvido será o sistema 
imunológico ao nascimento, de forma que recém-nascidos prematuros 
extremos (<28 semanas) apresentam risco 5-10 vezes mais alto de infecção 
que o recém-nascido a termo. 
\u2022 O neonato é altamente dependente da transferência materna passiva de 
anticorpos no início da vida fetal e neonatal. O desenvolvimento imunológico 
somente estará completo na infância tardia. O leite materno é um exemplo 
importante de transferência de imunidade passiva no período pós-natal. Ele 
possui funções antimicrobianas, anti-inflamatórias e imunorreguladoras. 
Contém a IgA secretora, que coloniza o trato gastrintestinal e respiratório do 
neonato, células ativas (fagócitos, células natural killer e linfócitos), citocinas 
(IL-4, IL-6, IL-8, IL-10) além de lisozima, lactoferrina, peroxidase e lípides 
antimicrobianos. 
\u2022 O neonato é altamente dependente da transferência materna passiva de 
anticorpos, quanto menor o período gestacional, menos desenvolvido será o 
sistema imunológico, um estudo apresenta que crianças menores que 28 
semanas, apresentam 5-10 vezes mais alto risco de infecção 
2) Demonstrar a influência nutricional, de doenças e 
medicamentos na integridade do sistema imune. 
\u2022 Em situações de desnutrição, levando em conta a desnutrição proteico-
energética é consequência de baixa ingestão de alimentos e resulta em 
deficiência de calorias e aminoácidos 
o A imunidade inata e a adquirida são reguladas por uma grande rede de 
comunicação química, que inclui a síntese de células apresentadoras 
de antígenos, imunoglobulinas. O sistema imunológico é dependente 
de uma adequada oferta de aminoácidos para a síntese de proteínas 
e polipeptídios, bem como outras moléculas com grande importância 
biológica. Algumas consequências de deficiências nutricionais são a 
redução de anticorpos humorais e da superfície de mucosas, da 
imunidade celular, da capacidade bactericida de fagócitos, da 
produção de complemento, do número total de linfócitos, do equilíbrio 
dos subtipos de linfócitos T e dos mecanismos inespecíficos de defesa 
\u2022 Agora sobre a questão sobre a influência de medicamentos, podemos citar os 
que combatem as doenças autoimunes, que é quando o próprio sistema 
imunológico da pessoa ataca seus tecidos. Nessa situação, são utilizados 
fármacos que suprimem o sistema imunológico. 
3) Diferenciar imunidade ativa e passiva, inata e adquirida, usando como 
exemplo as formas de imunização disponível. 
\u2022 Imunidade ativa: 
o É resultante da exposição do corpo a patógenos, seja esse um vírus 
ou uma bactéria. Ou seja, é a imunidade responsável por gerar 
anticorpos que combatem a doença depois que essa está em contato 
com o organismo. 
o Podendo ser por contato direto com a doença ou mediante uma vacina 
\u2022 Imunidade passiva: 
o Ela é basicamente \u201cdada\u201d ao corpo. Ou seja, ao contrário da vacinação, 
que induz a produção de anticorpos no corpo, a imunidade passiva 
consiste no recebimento de anticorpos. Isso acontece em situações 
muito específicas: no útero, entre a gestante e o bebê, ou de forma 
artificial, a partir da imunoglobulina humana combinada, a 
imunoglobulina humana hiperimune e o soro heterólogo. 
\u2022 Imunidade inata: 
o É a primeira linha de defesa do organismo, com a qual ele já nasce. É 
uma resposta rápida, não específica e limitada aos estímulos 
estranhos ao corpo. É representada por barreiras físicas, químicas e 
biológicas, células e moléculas, presentes em todos os indivíduos. 
o Resposta sem especificidade. 
\u2022 Imunidade adquirida: 
o É ativada pelo contato com agentes infecciosos e sua resposta à 
infecção aumenta em magnitude a cada exposição sucessiva ao 
mesmo invasor. Existem dois tipos de imunidade adquirida: a 
imunidade humoral e a imunidade celular. 
\u25aa A imunidade humoral gera uma resposta mediada por moléculas 
no sangue e nas secreções da mucosa, chamadas de 
anticorpos, produzidos pelos linfócitos B, sendo o principal 
mecanismo de defesa contra microrganismos extracelulares e 
suas toxinas. Os anticorpos reconhecem os antígenos (qualquer 
partícula estranha ao corpo), neutralizam a infecção e eliminam 
estes antígenos por variados mecanismos efetores. 
\u25aa Por sua vez, a imunidade celular gera resposta mediada pelos 
linfócitos T. Quando microrganismos intracelulares, como os 
vírus e algumas bactérias, sobrevivem e proliferam dentro das 
células hospedeiras, estando inacessíveis para os anticorpos 
circulantes, as células T promovem a destruição do 
microrganismo ou a morte das células infectadas, para eliminar 
a infecção. 
4) Destacar o mecanismo imune pelo qual as vacinas estabelecem proteção 
contra doenças infecciosas. 
O objetivo das imunizações é estimular o organismo a produzir anticorpos contra 
determinados germes, principalmente bactérias e vírus. A lógica da vacina é tentar 
estimular o organismo a produzir anticorpos sem que ele precise ter ficado doente 
antes. Tentamos apresentar ao sistema imune a bactéria ou vírus de forma que 
haja produção de anticorpos, mas não haja desenvolvimento da doença. 
5) Compreender como funciona o sistema imune entre mãe e bebê, quais 
anticorpos são passados para o filho via placentária e leite materno. 
\u2022 Gestantes transmitem imunoglobulinas da sua corrente sanguínea, através 
da placenta para o feto. Esses anticorpos IgG são parte essencial do sistema 
imunológico do feto e recém-nascido. Eles identificam substâncias nocivas, 
tais como bactérias, vírus e fungos que entram no organismo o que 
desencadeia junto a outras células do sistema imunológico destruição da 
substância estranha. A Imunoglobulina G (IgG) é o único anticorpo que 
atravessa a placenta para o feto durante a gravidez correspondendo à 75-
80% de todos os anticorpos no organismo do RN. Eles estão presentes em 
todos os fluidos do corpo e são considerados os mais importantes anticorpos 
na luta contra infecções bacterianas e virais na vida extrauterina. 
\u2022 Os lactentes que são amamentados continuam recebendo anticorpos através 
do leite materno. O leite materno contém todos os cinco tipos de anticorpos, 
incluindo a imunoglobulina A (IgA), Imunoglobulina D (IgD), imunoglobulina E 
(IgE), IgG e imunoglobulina M (IgM). Isso é chamado de imunidade passiva 
porque a mãe está &quot;passando&quot; seus anticorpos para seu filho o que ajuda a 
impedir que o bebê desenvolva doenças e infecções. Durante os próximos 
meses de vida, os anticorpos transferidos pelo leite materno diminuem, 
porém, lactentes saudáveis após dois a três meses de idade começam a 
produzir seus próprios anticorpos pelo sistema imunológico intestinal 
6) Descrever o programa nacional de vacinação (PNI) e suas estratégias. 
O Programa Nacional de Imunização ou simplesmente PNI foi criado em 1973, com 
o objetivo de normatizar a imunização em nível nacional, assim, contribuindo para 
o controle ou erradicação das doenças infectocontagiosas e imunopreveníveis, 
como exemplo: a poliomielite (paralisia infantil), sarampo, difteria, tétano, 
coqueluche, tuberculose e outras. 
O Programa Nacional de Imunizações do Brasil é um dos maiores do mundo, 
ofertando 45 diferentes imunobiológicos para toda a população. Há vacinas 
destinadas a todas as faixas-etárias e campanhas anuais para atualização da 
caderneta de vacinação. 
\u2022 Destacamos que o objetivo principal do Programa é de oferecer todas as 
vacinas com qualidade a todas as crianças