A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Sistema Nervoso Autônomo e Motor Somático - Farmacologia

Pré-visualização | Página 1 de 2

Farmacologia 
Sistema Nervoso Autônomo e Motor Somático 
 
 Divisão esquemática do sistema nervoso: 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Sistema Nervoso Central: 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Sistema Nervoso Periférico: 
 Composto por nervos e gânglios; 
 Dividido em Visceral (Autônomo e Involuntário) e Somático (Motor e 
Voluntário); 
 
 Vias eferentes e aferentes: 
 As vias aferente são aquelas que transmitem informações da periferia 
do corpo (SNP) para o SNC, por exemplo um estímulo sensitivo. 
 As vias eferentes são aquelas que enviam informações do SNC para 
o SNP, por exemplo uma ordem de contrair um músculo. 
 
 Via eferente: 
 Visceral/Autônomo – Involuntário. 
 Somática/Motor – Movimentos voluntários. 
Sistema Nervoso 
Central 
Sistema Nervoso 
Sistema Nervoso 
Autônomo 
Sistema Nervoso 
Somático 
Sistema Nervoso 
Autônomo Parassimpático 
Sistema Nervoso 
Periférico 
Sistema Nervoso 
Autônomo Simpático 
Encéfalo 
Cerebelo 
Cérebro 
Medula Espinhal 
SNC 
Tronco 
encefálico 
Telencéfalo 
Bulbo 
Ponte 
Mesencéfalo 
Diencéfalo 
Tecidos e 
órgãos Pré-
Ganglionar 
Pós- 
Ganglionar 
nACH Ne/e 
SNC 
Gânglio 
nACH 
Longas 
mACH 
Curtas 
Tecidos e 
órgãos 
 Sistema nervoso autônomo: 
Dividido em : 
 Sistema nervo autônomo simpático; 
 Sistema nervoso autônomo parassimpático; 
 Sistema nervoso autônomo entérico; 
Existem diferenças anatômicas e fisiológicas entre os dois sistemas principais 
que vamos estudar, o simpático e o parassimpático. Algumas exceções também 
serão estudadas e o sistema nervoso somático também por possuir o mesmo 
neurotransmissor dos dois anteriores. 
Entre as diferenças estão o tamanho das fibras, os corpos de neurônios e os 
neurotransmissores envolvidos, além do local da inervação. 
Importante: Corpos de neurônios estão localizados em duas regiões; no sistema 
nervoso central (pré-ganglionar) e nos gânglios (as fibras são chamadas de 
pré-ganglionares e pós-ganglionares). 
 Sistema Nervoso Autônomo: 
 
1. Simpático: 
 
 
 
 Na transmissão através do sistema nervoso autônomo simpático sempre 
existirão dois corpos de neurônio (representados pelas esferas), 
interligados por fibras. As fibras que ligam o sistema nervoso central ao 
gânglio são chamadas de pré-ganglionares. Já as fibras que ligam os 
corpos de neurônios presentes nos gânglios aos tecidos e órgãos são 
chamadas de pós-ganglionares. No SN simpático, os corpos de 
neurônios do SNC estão localizados na região da substância cinzenta da 
medula espinhal (através do efluxo tóraco-lombar). Essas fibras que 
saem do SNC são fibras curtas que pegam carona nos 31 pares de 
nervos raquidianos e fazem sinapse com os corpos de neurônios 
ganglionares na cadeia paravertebral (nas vértebras). O 
neurotransmissor envolvido nessa primeira sinapse é a acetilcolina com 
o receptor nicotínico. 
 Os corpos de neurônios localizados nos gânglios da cadeia paravertebral 
irão se comunicar a partir de fibras longas (pós-ganglionares) com os 
tecidos e os órgãos. O neurotransmissor envolvido é a noradrenalina e 
os seus receptores podem ser o alfa ou o beta. 
 
2. Parassimpático: 
 
 
Tóraco-
lombar Simpático 
nNAch Medula da 
Suprarrenal 
Glândulas 
sudoríparas 
Região 
torácica 
nNAch mAch 
Simpático 
 Já no sistema nervoso autônomo parassimpático, os corpos de neurônio 
do SNC estão localizados em uma região chamada de crânio-sacral, nas 
extremidades. As fibras pré-ganglionares no parassimpático são 
longas e as fibras pós-ganglionares são curtas. Na região craniana, as 
fibras pré-ganglionares pegam carona com os pares de nervos cranianos 
(II, VII, IX e X) e inervam tecidos e órgãos das regiões acima da região 
torácica, como por exemplo olho, glândulas salivares e lacrimais, coração 
e trato gastrointestinal superior. 
 Já a região sacral inerva trato gastrointestinal (porção inferior) e órgãos 
da pelve. O neurotransmissor da região pré-ganglionar é a acetilcolina e 
seu receptor é a nicotina. Já o neurotransmissor que irá comunicar os 
gânglios com os órgãos, que estão muito próximos e por isso são ligados 
por fibras curtas, é também a acetilcolina, porém o seu receptor é o 
receptor muscarínico. 
 
3. Exceções: 
a) Conexão direta do sistema nervoso simpático até a medula da 
glândula suprarrenal. Nessa conexão não existe sinapse em gânglio, 
o fluxo é direto. A transmissão é feita dos corpos de neurônio da região 
tóraco-lombar até a medula da glândula suprarrenal. O 
neurotransmissor é a acetilcolina e o receptor é o receptor 
nicotínico. Quando ocorre essa conexão, a noradrenalina é 
convertida em adrenalina. 
 
 
 
 
 
 
b) A segunda exceção é feita a partir do efluxo torácico, onde os corpos 
de neurônio da medula espinhal se ligam a cadeia paravertebral. O 
neurotransmissor na fibra pré-ganglionar é o mesmo, a acetilcolina, 
e, seu receptor nicotínico e, também é o mesmo do sistema 
parassimpático na pós-ganglionar, neurotransmissor é a acetilcolina 
e seu receptor muscarínico. O que ocorre de diferente é a inversão 
do tamanho das fibras, pré-ganglionar curta e pós-ganglionar 
longa, o que faz com que essa inervação das glândulas sudoríparas 
seja classificada como uma inervação simpática. 
 
 
 
 
M. estriado 
esquelética 
nMAch 
Fibra motora, sistema nervoso motor 
somático eferente 
c) A terceira exceção não faz parte do sistema nervoso autônomo, é 
parte do sistema nervoso somático, com controle voluntário da 
musculatura estriada esquelética. Ele só está se enquadrando aqui 
pois o neurotransmissor que faz a conexão da fibra motora com a 
medula é a acetilcolina com seu receptor nicotínico. A diferença e que 
o receptor nicotínico da acetilcolina para a placa motora é do subtipo 
“m”, enquanto todos os outros são do subtipo “n”. 
 
 
 
Quem são os receptores? 
 Receptores da acetilcolina: 
 Nicotínico – (nN e nM); 
 Muscarínico (1 a 5); 
 Receptores da noradrenalina/adrenalina: 
 Alfa 1 e 2; 
 Beta 1, 2 e 3; 
Sistema nervoso autônomo simpático e parassimpático não tem funções 
opostas. Na maioria das vezes suas funções são complementares. Enquanto o 
sistema nervoso simpático é chamado de ergotrópico, de “luta e fuga” e que 
atua com gasto de energia, o sistema nervoso autônomo parassimpático é 
chamado de trofotrópico, de “repousar e digerir” e que atua para a obtenção de 
energia. 
 Terceira divisão do sistema nervoso autônomo: 
 A terceira divisão do sistema nervoso autônomo é o sistema nervoso 
autônomo entérico. 
 Estudar a função intestinal é muito complexo. O sistema nervoso entérico 
é responsável pelas funções mecânicas, secretórias e receptoras do 
processo digestório. 
 O sistema nervoso entérico é chamado de “uma coleção de micro 
cérebros” devido a vasta quantidade de neuroreceptores, 
neurotransmissores, inervações e entre outras características. 
 
 Tipos de inervação e suas consequências: 
 
1. Coração: 
 
 Neurotransmissor Receptor Ação 
Simpático NA B1 da força, frequência e 
velocidade de condução. 
Parassimpático ACh M3 da força, frequência e 
velocidade de condução 
 
2. Vasos Sanguíneos: 
 
 Neurotransmissor Receptor Ação 
Simpático NA A1 Vasoconstrição 
Simpático NA B2 Vasodilatação 
 
3. Brônquios: 
 
 Neurotransmissor Receptor Ação 
Simpático NA B2 Hiperventilação, 
broncodilatação 
Parassimpático ACh 
--- 
Broncoconstrição e 
Aumento da secreção 
brônquica 
 
4. Trato Gastrointestinal: 
 
 Neurotransmissor Receptor Ação 
Simpático NA A e B Contração dos 
esfíncteres 
Parassimpático ACh Aumento da motilidade, peristaltismo, 
secreção gástrica (M1) e intestinal (M3), 
relaxamento dos esfíncteres (N3) 
 
5. Olho: 
 
 Neurotransmissor Receptor Ação 
Simpático NA A Dilatação da pupila, 
nidríase 
Simpático NA B2 Relaxamento do m. 
ciliar 
Simpático NA B2 Aumento da secreção