A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
206 pág.
livro Processo de Exportação e Importação

Pré-visualização | Página 13 de 50

No Brasil, diante da valorização do real (2010-2012), o país tinha a preocupação 
de que pudesse começar uma desindustrialização. Isto em decorrência de uma 
invasão de produtos industrializados bem mais baratos do que os produzidos no 
país, especialmente da China. Diante desta preocupação, os países podem decidir 
várias medidas que nem sempre protegem as indústrias de maior potencial, mas 
que acabam protegendo também aquelas menos competitivas. É importante fazer 
uma análise profunda para avaliar as políticas que ajudam somente as empresas 
mais competitivas.
Acabamos de ver algumas situações dos motivos pelos quais os países, às 
vezes, ficam motivados em colocar dificuldades às importações. No entanto, quais 
as ferramentas que um país possui para fazer isso? As barreiras tarifárias e não 
tarifárias, como veremos na continuação.
UNIDADE 1 | A IMPORTÂNCIA DAS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES NO COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL
34
4.2 MEIOS PARA IMPOR BARREIRAS ÀS IMPORTAÇÕES
Quando houver ameaça das importações aos interesses produtivos, os 
países possuem ferramentas para proteger sua agricultura, agroindústria e suas 
diversas indústrias. Nesse sentido, alguns países são mais protecionistas que 
outros. Embora o Brasil não seja extremamente protecionista, o país considera-se 
uma economia altamente protecionista, se comparada com países como Chile e o 
México, situação que atrapalha os processos de importação do país.
Como temos estudado, os países podem se proteger por meio de barreiras, 
sendo estas agrupadas em: barreiras	tarifárias	e	barreiras	não	tarifárias. Como 
estas podem ser executadas? A seguir, vamos dar uma olhada na dinâmica destas 
barreiras por meio de casos práticos.
Antidumping. No início deste século, o Departamento de Comércio dos 
EUA determinou que o camarão importado da China e do Vietnã estava com um 
preço menor no mercado americano do que os custos de produção desses países, 
prática conhecida como dumping. O dumping acontece quando a importação é o 
resultado de produtos com preço inferior ao do mercado do país de origem ou 
“abaixo” do custo de produção, como é o caso do camarão exposto anteriormente.
Através desta justificativa de dumping, os EUA impuseram uma taxa 
adicional ao imposto de importação cobrado deste produto, sobretaxa conhecida 
como antidumping. Assim, o caso exposto é uma barreira antidumping, ou seja, 
uma barreira tarifária. É um antidumping, porque esta medida está justificada com 
a suposta existência de dumping no país de origem (exportador). 
Aumento	da	 taxa	 de	 importação. Outro caso de barreira à importação 
é o exemplo da indústria automobilística do Brasil durante os anos 2009 até 
2014, quando estava experimentando uma queda nas suas vendas decorrente 
do aumento da venda de carros importados. Neste caso o governo escolheu o 
aumento direto das taxas do imposto de importação para veículos importados, 
em alguns casos até 35%, aliás, o limite máximo da OMC. 
Este é um caso direto de barreira tarifária, através deste mecanismo os 
governos buscam: proteger as indústrias locais dos produtos estrangeiros e 
aumentar as receitas de impostos. Dependendo do nível da ameaça à produção local 
e à balança de pagamentos, a taxa da tarifa pode subir até 35%. O limite máximo 
de tarifa permitido pela OMC. Isto pode atrapalhar bastante a competitividade 
de longo prazo da indústria nacional, pois ela vai se amparar sobre preços de seus 
produtos relativamente altos, e o consumidor será diretamente afetado. 
Barreira	não	tarifária. O Brasil poderia considerar que os brinquedos com 
excesso de pintura vindos da China poderiam ser prejudiciais à saúde pública, 
especificamente de suas crianças. Sob esta justificativa, o país poderia bloquear 
as importações destes brinquedos até que possa ser demonstrado que estes não 
são prejudiciais à saúde pública. Esta seria uma barreira não tarifária “técnica”, 
TÓPICO 2 | AS IMPORTAÇÕES
35
“ecológica” ou “sanitária”? Este é um exemplo de barreira não tarifária sanitária. 
Por meio deste tipo de barreiras os países buscam manter o controle sanitário de 
possíveis ameaças à “saúde pública” em relação aos produtos importados. Assim 
como temos as barreiras sanitárias, também existem as seguintes:
• Barreiras Técnicas. Nestas situações os governos buscam manter o controle 
técnico sobre produtos importados. Visando, muitas vezes, proteger a indústria 
nacional de produtos importados mais competitivos. Assim, os países exigem 
“certificações”, tais como: certificações à importação de carne bovina, e outros 
produtos, especialmente alimentos de consumo humano. Estas certificações 
visam avaliar o processo produtivo, devendo-se acrescentar mais um processo 
no momento de importar.
• Quotas	 de	 Importação. Para controlar o volume de importação de certos 
produtos, os países podem impor quotas ou volumes de importação. Exemplo: 
o Brasil permite um volume limite de carros importados do México com taxa 
zero de importação, após esse limite, as importações desses carros deverão ter 
taxa de importação. Isto permite graus de protecionismo às montadoras de 
veículos instaladas no Brasil.
Nestes exemplos analisamos algumas das ferramentas disponíveis que os 
países possuem com vistas a se proteger de ameaças de produtos importados. 
Ameaças que nem sempre são prejudiciais às economias, mas sim aos interesses 
particulares que bloqueiam o livre-comércio internacional. Observe que, 
dependendo do grau de proteção da barreira, elas aumentam a necessidade 
de atividades administrativas dos processos de exportação e importação, e, em 
algumas situações, até podem bloquear uma importação realmente necessária.
36
RESUMO DO TÓPICO 2
Neste tópico, você aprendeu que:
• Toda importação é uma nacionalização de mercadorias vinda de outros países, 
e que os países precisam importar para: abastecer-se de recursos que não podem 
ser produzidos nacionalmente, para se abastecer de inovações e tecnologia, 
e para ter produtos diferenciados e diversos para melhorar a qualidade de 
consumo da população.
• Qualquer pessoa física ou jurídica pode fazer acontecer a importação, e para 
poder fazer acontecer a importação é necessário se registrar no SISCOMEX.
• Os processos brasileiros de importação possuem alguns empecilhos se 
comparados aos outros países mais abertos ao comércio internacional. 
Dificuldades que se apresentam diante do excesso de burocracia nos processos, 
assim como do desconhecimento técnico sobre a existência das barreiras 
tarifárias e não tarifárias.
• Num mercado globalizado, as empresas estão obrigadas a ver opções de 
fornecedores e de aprimoramento de seus processos tanto no mercado interno 
como no externo. E você viu que grande parta da decisão, de importar ou não, 
fica em função da capacidade de melhorar o lucro destas mercadorias.
• Ao abrir seu mercado nacional às importações, o país pode trazer mais 
vantagens do que desvantagens. Por meio das importações permite-se o 
acesso a novas tecnologias, produtos de qualidade (aumento da concorrência 
às empresas nacionais, o que é muito bom), produtos escassos no mercado 
nacional, produtos e insumos inexistentes, e maior poder de escolha aos 
consumidores.
37
1 Em um mundo globalizado, onde constantes trocas de mercadorias são 
realizadas a cada momento, será possível que um país possa decidir por 
não adquirir matéria-prima ou produtos originários de outros países? 
Fundamente sua resposta.
2 Indique e explique o porquê das principais dificuldades que inibem 
(atrapalham, reduzem) a realização das importações, tanto na parte 
administrativa como econômica.
3 Defina quais são as barreiras comerciais ao comércio internacional entre 
nações.
4 Qual é a importância da empresa se interessar em realizar importações? 
Argumente sua resposta.
AUTOATIVIDADE
38
39
TÓPICO 3
DINÂMICA DA POLÍTICA BRASILEIRA DE COMÉRCIO 
EXTERIOR
UNIDADE 1
1 INTRODUÇÃO
Um eixo administrativo fundamental dos processos de exportação 
e importação concentra-se

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.