A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
206 pág.
livro Processo de Exportação e Importação

Pré-visualização | Página 50 de 50

e outros produtos utilizados no cultivo de produtos 
agrícolas ou na criação de animais a serem exportados, definidos pela Câmara 
de Comércio Exterior - Camex (como é permitido em relação ao drawback 
“genérico”);
III- mercadoria utilizada em processo de industrialização de embarcação, 
destinada ao mercado interno, nos termos da Lei 8.402, de 8 de janeiro de 
1992, nas condições previstas no Anexo C da Portaria Secex 36/07 (como é 
permitido em relação ao drawback “genérico”);
IV- matérias-primas, produtos intermediários e componentes destinados à 
fabricação, no país, de máquinas e equipamentos a serem fornecidos, 
no mercado interno, em decorrência de licitação internacional, contra 
pagamento em moeda conversível proveniente de financiamento concedido 
por instituição financeira internacional, da qual o Brasil participe.
De acordo com a Câmara de Comércio Exterior, nos três meses em que 
esteve em vigor no ano passado, o beneplácito tributário abrangeu 2,98% das 
exportações do país.
Ainda de acordo com esse órgão, as exportações beneficiadas pelo 
Drawback Verde-Amarelo já representam 15% do total de operações realizadas 
dentro do Drawback regular, que dá isenção tributária apenas para os insumos 
importados adquiridos para a produção de mercadorias a serem exportadas, que 
está em vigor há anos.
Trata-se, portanto, de um grande e positivo sopro ao mercado interno 
brasileiro. A tendência dos exportadores com certeza é migrar para o benefício 
do Drawback Verde-Amarelo.
Para usufruir do benefício, os exportadores deverão fazer o pedido 
diretamente à Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do MDIC, conforme 
especificações que estarão contidas em portaria da Secex.
FONTE: <http://www.edisonsiqueira.com.br/site/doutrinasdetalhes.php?id=121>. Acesso em: 23 
abr. 2016.
191
Neste tópico, você aprendeu que:
• As mercadorias, antes de serem nacionalizadas, passam pelo controle aduaneiro, 
ficando nas zonas primárias ou secundárias segundo as particularidades da 
importação.
• O deslocamento e permanência das mercadorias entre as zonas primárias 
e secundárias é o que determina o regime especial, sendo estes: trânsito 
aduaneiro, admissão temporária de bens, admissão sem pagamento de 
impostos, admissão com pagamento parcial de impostos.
• O entreposto aduaneiro e industrial permite importar com a suspensão de 
todos os tributos até um prazo de um ano. Sempre e quando as mercadorias 
irão fazer parte de um processo produtivo e/ou comercial, nesse sentido.
• No entreposto industrial o importador poderá importar gradativamente as 
mercadorias, contrariamente ao processo de importação, em que é feita a 
nacionalização de uma só vez. 
• O entreposto industrial fica no centro logístico e industrial aduaneiro. 
Tecnicamente são armazéns alfandegados onde executam-se processos de 
desembaraço aduaneiro tanto de importação como de exportação.
• O regime especial de Drawback é usado para importação livre de impostos 
e é concedido para empresas exportadoras que importam insumos, ou para 
empresas industriais e/ou comerciais que irão vender aos exportadores.
• Os processos de exportação e importação de serviços são diferentes dos de 
mercadorias, mas tanto a exportação de mercadorias como a de serviços gera 
divisas para o país exportador.
RESUMO DO TÓPICO 3
192
AUTOATIVIDADE
1 A zona primária é aquela através da qual as mercadorias são exportadas e 
importadas pelo país. Sobre a zona primária, quais sentenças são verdadeiras?
a) Fazem parte da zona primária a área terrestre e adjacente de fronteiras 
alfandegadas.
b) Faz parte da zona primária a área terrestre onde estão localizados os 
aeroportos alfandegados.
c) Faz parte de zona primária a área destinada a depósitos industriais em 
regime especial aduaneiro. 
d) Faz parte da zona primária a área aquática onde estão localizados os portos 
alfandegados.
2 A modalidade Drawback se resume basicamente nas modalidades de isenção 
e suspensão. Sobre a modalidade suspensão, analise e indique as sentenças 
corretas:
I- Aplica-se a modalidade suspensão no Drawback genérico quando fica 
caracterizada a discriminação genérica da mercadoria a importar e o seu 
respectivo valor.
II- Não é possível aplicar a modalidade suspensão no Drawback Verde-
Amarelo, pois nesse caso aplica-se a modalidade de isenção.
III- Aplica-se a modalidade suspensão no Drawback solidário quando existe 
participação solidária de duas ou mais empresas industriais na importação.
3 O trânsito aduaneiro ajuda na logística e controle de mercadorias que ainda 
não têm sido nacionalizadas ou que estão prestes a serem enviadas ao 
exterior. Determine o que é trânsito aduaneiro.
4 No RECOF, quando a mercadoria chegar do país de origem ao porto, 
zona primária, imediatamente, por intermédio do despacho aduaneiro, 
o importador realiza o registro de declaração de admissão de regime de 
entreposto aduaneiro, com a suspensão dos impostos de importação. 
Considerando isso, e uma vez executada a declaração aduaneira, determine 
quais são os passos do RECOF:
5 O entreposto industrial, conhecido como RECOF (Regime Aduaneiro 
de Entreposto Industrial sob Controle Informatizado), é um regime de 
importação muito útil para aprimorar custos de importação, pois as 
mercadorias não serão nacionalizadas no momento em que estas chegam ao 
país, mas sim, gradativamente, à medida que o importador possa precisar. 
Nesse contexto, determine quais sentenças são corretas.
193
I- As mercadorias admitidas sob este regime deverão passar por um processo 
de industrialização.
II- Quando utilizar o RECOF, permite-se importar para um recinto aduaneiro 
secundário.
III- O prazo de aplicação do regime será de seis meses, contado a partir da data 
do desembaraço para admissão no RECOF.
IV- Este regime permite importar e suspender todos os tributos de importação, 
assim, o importador poderá importar gradativamente e não em uma vez só.
6 O turismo estrangeiro é considerado um setor da economia que gera grandes 
volumes de divisas para o Brasil. Por que este setor é considerado exportador 
de serviços?
UNIDADE 3 | A LOGÍSTICA E PRECIFICAÇÃO DA EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO
194
195
REFERÊNCIAS
ACUFF, Frank L. Como negociar qualquer coisa com qualquer pessoa em 
qualquer lugar do mundo. 2. ed. São Paulo: SENAC, 2004.
BARBOSA, Paulo Sérgio. Competindo no comércio internacional. São Paulo: 
Aduaneiras, 2004.
BARBOSA, Paulo Sérgio. Competindo no comércio internacional: uma visão 
geral do processo de exportação. 1. ed. São Paulo: Aduaneiras, 2004.
BRASIL. Decreto nº 6759/09, de 5 de fevereiro de 2009. Regulamenta a 
administração das atividades aduaneiras, e a fiscalização, o controle e a tributação 
das operações de comércio exterior. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/
ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6759.htm>. Acesso em: 31 maio 2016.
CAMEX – Câmara de Comércio Exterior. Disponível em: <http://www.camex.
gov.br/ conteudo/exibe/area/1/menu/56/Perguntas%20Frequentes>. Acesso em: 
18 fev. 2016.
ESPÍNOLA, Vera. Let’s trade in english. 1. ed. São Paulo: Aduaneiras, 2005.
FARO, Ricardo; FARO, Fátima. Curso de comércio exterior: visão e experiência 
brasileira. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2010.
HARTUNG, Douglas S. Negócios internacionais. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2002. 
KEEDI, Samir. ABC do comércio exterior: abrindo as primeiras páginas. São 
Paulo:Aduaneiras, 2004.
KEEDI, Samir. ABC do comércio exterior: abrindo as primeiras páginas. 4. ed. 
São Paulo: Aduaneiras, 2011.
KNUTH, Valdecir; KOHLM, Aliciane. Logística integrada. 1. ed. Indaial: 
Uniasselvi, 2013. 
LOPEZ, José Manuel Cortiñas; GAMA, Marilza. Comércio exterior competitivo. 
3. ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.
LOPEZ, José Manuel Cortiñas; Gama, Marilza. Comércio exterior competitivo. 
4. ed. São Paulo: Aduaneiras, 2011.
LUZ, Rodrigo. Comércio	internacional	e	legislação	aduaneira. 5. ed. Rio de 
Janeiro: Elsevier, 2012.
196
MAIA, Jaime de Mariz. Economia internacional e comércio Exterior. 11.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.