A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
206 pág.
livro Processo de Exportação e Importação

Pré-visualização | Página 6 de 50

de marketing intensivo, mas 
sim de negociações intensivas do volume e logística em concordância do 
preço de mercado internacional. No mercado de commodities, o preço não é 
negociável, o mercado impõe o preço;
TÓPICO 1 | AS EXPORTAÇÕES E FORMALIZAÇÃO DAS TRANSAÇÕES COMERCIAIS INTERNACIONAIS
11
o	 racional, mercadoria a ser vendida em função de suas funcionalidades que 
será entregue para um cliente industrial no exterior, conhecido em inglês 
como negociação business to business (B2B);
o	 emocional, em função do consumidor final, pelo geral é mais emotivo que 
racional;
o	 rica em pormenores, informações técnicas e elementos de conteúdo 
exaustivo;
o	 mais ou menos descritiva ou ilustrativa, com ou sem o envio de amostras, 
eventos de demonstração direta, venda em consignação etc.
Em resumo, estes três grandes elementos: precificação,	 logística	 e	
marketing possuem uma relação direta “para onde”, “para quem” e “como 
exportar”, pois em função destes fatores é que se poderá determinar as estratégias 
para fazer acontecer a exportação. Aliás, estes elementos definem as atividades 
dos processos de exportação a serem considerados desde o envio da mercadoria 
ao exterior até seu destino final. 
Agora, indo além do contexto de “onde” e para “quem” exportar, qual 
o grau de importância das exportações tanto para as empresas como para a 
economia do país? No próximo subtópico, vamos fazer um vínculo entre a parte 
operativa e econômica das exportações.
3 A IMPORTÂNCIA DE EXPORTAR
As exportações fazem parte essencial da dinâmica econômica e comercial 
de um país. É por meio destas que a economia nacional pode adquirir grande 
parte das divisas (moeda estrangeira) necessárias para poder bancar a compra 
de insumos, bens de capital (equipamentos, máquinas etc.), serviços e bens de 
consumo que não são produzidos no país. No entanto, como é que a economia 
nacional, por meio da exportação, pode adquirir essas divisas tão necessárias à 
dinâmica econômica?
Isso acontece por meio das vendas ao exterior. As empresas 
exportadoras cobram em moeda estrangeira (principalmente em US$), logo, 
essa liquidação de venda ao exterior terá que ser declarada e oficializada por 
meio do mercado de câmbio. Deste modo, a empresa exportadora é obrigada a 
vender as divisas geradas na exportação ao Banco Central, em troca de moeda 
nacional. Assim, através desta dinâmica do mercado de câmbio, o Banco 
Central do Brasil acumula divisas vindas das exportações, e as empresas 
exportadoras adquirem moeda nacional (fruto da venda de divisas) para 
continuar suas operações industriais e comerciais e, claro, gerar lucro. Eis o 
elo entre a atividade exportadora e a acumulação de divisas necessárias para 
importar mercadorias e serviços necessários à atividade econômica.
UNIDADE 1 | A IMPORTÂNCIA DAS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES NO COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL
12
3.1 IMPORTÂNCIA DE EXPORTAR PARA AS EMPRESAS
Além de sua função geradora de divisas, as exportações são de extrema 
importância para a atividade econômica das empresas e da economia como um 
todo. É somente com o comércio internacional que as empresas e o país poderão 
se desenvolver e gerar competências necessárias para se manter ativos em uma 
economia globalizada. Podemos observar que as economias que fecham suas 
portas para o mundo acabam se atrasando, logo, tanto sua população como suas 
entidades produtivas ficam paradas no tempo. O resultado disso? A população 
vai se empobrecendo. Se dermos uma olhada para Cuba, Venezuela, Coreia do 
Norte e a ex-União Soviética, todas acabaram atrasadas.
Deve-se levar em consideração que com o incremento das exportações 
ocorrerá uma ativação do mercado doméstico, gerando maior emprego e 
distribuição da renda, possibilitando tanto ao país como às empresas gerar maiores 
volumes de recursos para aquisição de tecnologias que não são produzidas no 
mercado doméstico, mas sim no externo.
Assim, a exportação é uma grande ferramenta para que uma organização 
economicamente produtiva possa aumentar sua produtividade (competitividade), 
desenvolver novas tecnologias, agregando valor e qualidade às mercadorias e 
serviços que oferece ao mercado. Vazquez (2004, p. 21) afirma que “a globalização 
mundial das economias, com o encurtamento das distâncias dos mercados, 
provocou uma concorrência intensa entre os países”.
Conforme o exposto pelo autor Vazquez, esse encurtamento das distâncias 
faz com que as economias mundiais sejam cada dia mais globalizadas e competitivas, 
aproximando comercialmente empresas de países distantes, como o Brasil e a 
China. Isso fez com que economias vizinhas, grandes como o Brasil e pequenas 
como o Uruguai, aproximem-se comercialmente em blocos econômicos poderosos 
para que suas empresas possam competir perante mercados internacionais. A 
aproximação de países vizinhos com blocos de economias distantes resulta em:
[...] discutir ‘globalização’ que é falar sobre as diversas transformações 
que ocorreram em âmbito mundial (principalmente a partir da 
segunda metade do século XX), influenciando sobremaneira a conduta 
diplomática dos países na gestão da política externa e defesa de seus 
interesses econômicos, num quadro demarcado pela associação de 
forças regionais e que, inclusive, passou a envolver ativamente a 
participação das nações periféricas (FARO, 2010, p. 8).
Esse processo de globalização, em essência, baseia-se em graus cada vez 
mais elevados de integração dos sistemas produtivos de uma empresa. Observar o 
fenômeno da globalização nada mais é do que um processo crescente e gradativo 
de interdependência entre países e empresas com interesses econômicos em 
comum. Parceria econômica e comercial que outrora era uma limitação de tempo 
e espaço, que eventualmente deu espaço para uma aldeia global de economias e 
empresas atuando constantemente no mercado internacional.
TÓPICO 1 | AS EXPORTAÇÕES E FORMALIZAÇÃO DAS TRANSAÇÕES COMERCIAIS INTERNACIONAIS
13
Um produto de simples fabricação, mas de consumo e produção global 
pode possuir insumos e valores agregados de diversos países, isto podemos 
exemplificar com o creme de avelã, cacau, leite, e mais outros ingredientes. 
Produtos como esses possuem insumos e serviços de cada canto do globo, 
gerando valor ao longo da cadeia produtiva.
Um exemplo destes produtos pode ser a Nutella, que contém um pouco de 
insumos, serviços e patentes de diversos países de cada canto do mundo, um pouco 
da França, da Itália, da Nigéria, da Malásia, da Turquia, do Brasil, entre outros, ou 
seja, nesse produto estão representados todos os continentes e culturas do mundo! 
Integrando globalmente fornecedores e fábricas do produto ao redor do mundo, 
como podemos observar no seguinte mapa da cadeia produtiva deste produto.
FIGURA 3 – MAPA DA CADEIA DE VALOR DO CREME DE AVELÃ E CACAU
FONTE: <http://economia.estadao.com.br/blogs/fernando-nakagawa/economistas-a-nutella-e-
o-alimento-perfeito-ate-na-cadeia-de-producao/>. Acesso em: 9 fev. 2016.
Assim como a Nutella, podemos citar outros produtos, de fato muitos. 
No entanto como é que acontecem estes processos de integração/comercialização 
internacional? E no contexto operativo do comércio exterior do Brasil, como é que 
se pode executar um processo de comercialização internacional?
UNIDADE 1 | A IMPORTÂNCIA DAS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES NO COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL
14
As empresas brasileiras atuantes no comércio internacional devem cumprir 
uma série de requisitos administrativos e logísticos para fazer acontecer a troca 
comercial internacional. Levando isso em consideração, a seguir vamos estudar 
como é que uma empresa brasileira pode fazer acontecer tanto a exportação 
como a importação. Observe que ambos os processos comerciais internacionais 
são causa e efeito de uma longa cadeia internacional de geração de valor das 
mercadorias comercializadas ao longo do globo.
4 COMO FAZER ACONTECER A COMERCIALIZAÇÃO 
INTERNACIONAL
Quando se deseja iniciar um processo de exportação ou importação,

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.