A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Dentística aplicada a odontopediatria

Pré-visualização | Página 1 de 2

Introdução 
ATIVIDADE: Existe manifestação visível da doença na ocasião do exame 
clínico (ativa ou inativa); 
RISCO: Algo futuro, incerto, que pode ou não ocorrer. Indica a 
probabilidade do indivíduo vir a desenvolver a doença; 
 
 
Isolamento do campo operatório: 
Os trabalhos de Dentística Operatória 
e Restauradora realizados com 
isolamento absoluto, comumente são 
de qualidade final melhor que aqueles 
realizados sem esse tipo de 
isolamento. 
O uso é indicado em todos os casos, 
desde que possível sua adaptação. 
VANTAGENS: 
 Visão ampla do campo de trabalho; 
 Conservação asséptica da polpa radicular em pulpotomias e 
pulpectomias eliminando o fator séptico da saliva; 
 Exclusão da umidade; 
 Proteção dos tecidos moles; 
 Elimina a possibilidade da criança deglutir restos de material 
ou instrumentos de pequeno porte; 
 Diminui o tempo de trabalho; 
 Ajuda no manejo da criança; 
 O dique reprime os movimentos da língua e das bochechas. 
LIMITAÇÕES: 
 Dentes recém-erupcionados. (Grampos de retração 
gengival); 
 Pacientes com asma ou problemas respiratórios; 
 Pacientes com problemas psicológicos; 
 Tempo de colocação. 
EXPLICAÇÃO A CRIANÇA: Muitos profissionais evitam o uso 
do isolamento absoluto com medo de que essas crianças não aceitem 
 
Instrumental necessário 
 
1. Profilaxia 
2. Escolha do grampo 
Dentes Grampos 
Primeiros molares 
permanentes (superiores e 
inferiores) 
7 ivory, 201 SSW 
Molares permanentes 
parcialmente erupcionados 
14 e 14ª 
Molares decíduos 2 e W8A da Ivory ou 206 SSW 
Caninos decíduos 00 Ivory ou 209 SSW 
Segundos molares inferiores 
decíduos 
201 SSW 
Provar o grampo; 
Colocar amarrias com o fio dental nas asas do grampo; 
3. Marcação do lençol de borracha; 
4. Perfuração do lençol 
Dentística aplicada a odontopediatria 
Layara Aquino 
 
 
5. Coloca-se o dique e o grampo selecionado no arco de ostby; 
6. Adapta-se a pinça porta grampo no grampo; e leva todo o 
conjunto a boca; 
7. Após a adaptação do grampo no dente, passar a borracha 
por baixo das aletas do grampo; 
8. Os demais dentes, são após passar pelo orifício do lençol de 
borracha mantidos firmes por amarrilhas de fio dental; 
Nos dentes anteriores, pode-se adaptar o dique de borracha sem o 
uso de grampos, fixando o por meios de amarrilhas de fio dental. 
 
CUIDADOS NA REMOÇÃO DO ISOLAMENTO: 
 Remover os resíduos da superfície de borracha; 
 Retirar as cunhas quando presentes; 
 Cortar e remover as amarrilhas; 
 Cortar a borracha dos espaços interproximais; 
 Remover o grampo com o auxílio da pinça porta grampos; 
 Retirar a borracha e o arco. 
Regra geral para colocação do isolamento 
absoluto: 
 DENTES ANTERIORES: Isolar a extensão que vai de pré-molar 
de um lado até o pré-molar do lado oposto. 
 DENTES POSTERIORES: Sempre que possível, isolar dois 
dentes a distal do dente a ser tratado e todos os 
Isolamento relativo com roletes de algodão: 
Isola os dentes apenas da umidade bucal; 
INDICAÇÕES: 
 Quando não for possível colocar o dique de borracha; 
 Durante a realização de ART; 
 Aplicações de flúor; 
Com roletes de algodão: 
Maxila – rolete de algodão por 
vestibular; 
Mandíbula – roletes na vestibular e 
lingual; 
Automaton de Garmer, grampos com 
asa (201 SSW, 3 Ivory). 
 
Remoção do tecido cariado: 
Os tecidos cariados podem ser removidos tradicionalmente por: 
Instrumentos manuais (curetas ou colher de dentina); 
Brocas esféricas em baixa velocidade; 
Métodos químicos mecânicos (papacárie e jatos de oxido de alumínio). 
DENTINA INFECTADA: 
 Caracterizada pela textura amolecida, coloração amarelada, 
de aspecto úmido. 
 
 Histologicamente, apresenta-se desmineralizada, com 
degradação de fibras colágenas e altamente contaminada. 
DENTINA AFETADA: 
 Consistência mais endurecida, destaca-se em forma de 
lascas ou escamas, tem coloração acastanhada. 
 Menor grau de desmineralização, preservação da 
integridade da malha colágena, com um número passível de 
bactérias, sendo passível de remineralização. 
INFECTADA AFETADA 
 
Abordagem não invasiva: 
INDICAÇÃO: 
 Lesões em esmalte; 
 Lesões em superfícies proximais na metade externa de 
dentina não cavitadas; 
 Lesões em superfícies oclusais ou lisas na metade externa 
de dentina cavitadas, desde que não causem prejuízo a 
função dentária, esté5ca ou apresentem sensibilidade; 
 Controle do biofilme, restrição de açucares e uso racional do 
flúor. 
OBSERVAÇÃO E CONTROLE: 
 Baseada no controle de fatores etiológicos e determinantes 
da doença; 
 Preconiza a conscientização e motivação do paciente, 
restrição do consumo de açúcar e uso racional de flúor; 
 O êxito depende da cooperação do paciente, obtida mediante 
sua educação. 
APLICAÇÃO DE CARIOSTÁTICO: 
DIAMINO FLUORETO DE PRATA: 
 Selar mecanicamente as cicatrículas e fissuras, 
 Indicados em dentes recém-erupcionados; 
 Boa relação custo-benefício (especialmente para a saúde 
pública); 
 Mecanismo de ação Deposição de íons prata na 
superfície da lesão paralisação da desmineralização 
PROTOCOLO DE APLICAÇÃO 
1. Profilaxia com pedra-pomes e água; 
2. Remoção da dentina amolecida com curetas; 
3. Lavagem e secagem; 
4. Proteção dos tecidos moles com vaselina; 
5. Isolamento relativo e secagem do campo operatório; 
6. Aplicação com pincel ou microbrush, por 3 minutos; 
7. Lavagem abundante por 30s. 
SELANTES OCLUSAIS: 
A alta incidência de cárie dentária nas faces oclusais relaciona-se com 
a retenção de resíduos alimentares e microrganismos nas partes mais 
profundas dos sulcos e fissuras. 
Selantes são materiais com características adesivas que atuam 
penetrando nas fossas e fissuras, criando uma barreira mecânica 
nessas superfícies. 
 
Existe uma preocupação com presença de cárie dentária em pontos 
mais profundos dos sulcos e fissuras não visíveis clinicamente. 
Estudos tem sugerido que o uso extensivo de selantes pode mascarar 
a presença de cáries dentinárias subjacentes extensas. 
Abordagem invasiva: 
INDICAÇÃO: 
 Lesões em superfícies proximais na metade interna de 
dentina; 
 Lesões em superfícies oclusais ou lisas na metade externa 
de dentina cavitadas que causem prejuízo a função dentária, 
estética ou apresentem sensibilidade; 
 Lesões em superfícies oclusais ou lisas na metade interna 
de dentina. 
Abordagem minimamente invasiva: Apenas a dentina infectada deve 
ser removida (camada externa, amolecida, amarelada, úmida, mais 
bactérias), a dentina afetada deve ser preservada (camada interna, 
endurecida, acastanhada, menos bactérias). 
Instrumentos manuais, brocas esféricas de baixa velocidade; remoção 
químico-mecânica (GEL PAPA CÁRIE® / Brix 3000). 
GEL PAPA CÁRIE® / Brix 3000 
Usado para remoção químico-mecânica da cárie, dispensa o uso de 
brocas e anestesia local, além de preservar tecido dentário. 
Papaína: Enzima com atividade proteolítica e anti-inflamatória; 
Cloramina: Composto de cloro e amônia, com propriedades bactericidas 
e desinfetantes; 
Azul de toluidina: Corante fotossensível com ação antimicrobiana. 
PROTOCOLO: 
 Tomada radiográfica; 
 Profilaxia; 
 Isolamento absoluto; 
 Aplicação do GEL PAPA CÁRIE® / Brix 3000 30 a 60 seg.); 
 Remoção do tecido cariado (cureta); 
 Reaplicação do produto (se necessário); 
 Observação de aspecto vítreo; 
 Lavar e sacar; 
 Restauração; 
 Proservação. 
RESTAURAÇÃO COM CIV: 
Cimento ionômero de vidro convencional 
 Estética ruim; 
 Baixa resistência ao desgaste e fratura; 
 Tempo de trabalho curto e 
 Reação de presa prolongada. 
Cimento ionômero de vidro modificado por resina composta 
Vantagens: Propriedades antimicrobianas, biocompatibilidade, 
adesividade e liberação de flúor; Realizar restaurações sob isolamento 
relativo. 
Desvantagem: Menor resistência e estética inferior quando 
comparado à resina composta. 
PROTOCOLO: 
 Profilaxia com pedra pomes e água; 
 Preparo cavitário; 
 Isolamento; 
 Matriz/cunha (quando necessário); 
 Proteção do complexo dentinopulpar

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.