A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
35 pág.
01-cegueira

Pré-visualização | Página 3 de 7

metabólicos.
 INFORMAÇões geRAIs
• 90% dos casos de cegueira ocorrem nas áreas pobres do mundo;
• 60% das cegueiras são evitáveis;
• 40% das cegueiras têm conotação genética (são hereditárias);
• 25% das cegueiras têm causa infecciosa; e
• 20% das cegueiras já instaladas são recuperáveis.
 PRevAlêNcIA DA cegUeIRA
• 0,3% da população em regiões de boa economia e com bons serviços de saúde;
• 0,6% da população em regiões com razoável economia e com razoáveis serviços de saúde;
• 0,9% da população em regiões pobres e com serviços de saúde restritos;
• 1,2% da população em regiões muito pobres e com serviços de saúde precários.
 bAIxA vIsÃO
Os serviços de baixa visão são destinados a pessoas que têm visão residual que pode ser utilizada 
e melhorada por meio do uso de recursos especiais. Baixa visão é definida como “a acuidade 
visual de <6 / 18 para baixo e incluindo 3 / 60 no melhor olho “, independente da causa. 
Serviços especializados para o atendimento de portadores de visão subnormal e recursos ópti-
cos não estão disponíveis em muitos países, particularmente países em desenvolvimento, ou são 
localizado apenas nas grandes cidades. Estima-se que menos de 5% das pessoas que necessitam 
de atendimento especializado para visão subnormal tenham acesso a ele, mas há uma variação 
considerável entre regiões e países.
 PROJeÇões DA exTeNsÃO e cAUsAs DA DeFIcIêNcIA vIsUAl
Dados da OMS sobre deficiência visual devido a doenças oculares, publicados em 2004, coloca-
ram as estimativas em uma perspectiva diferente dos números projetados com base na popu-
as Condições de
saúde oCular 
no Brasil - 2012
20
lação de 1990. Em muitos países foi documentado um declínio considerável na prevalência de 
cegueira. Esse declínio foi associado ao desenvolvimento socioeconômico e à melhor prestação 
de serviços oftalmológicos.
No entanto, um número crescente de pessoas estarão em risco de desenvolver deficiência visual em 
função do crescimento populacional e do envelhecimento. Atualmente, não existem estimativas glo-
bais do número de pessoas com baixa visão funcional. É provável, no entanto, que hoje o problema 
alcance entre 40 e 65 milhões em todo o mundo. Como a prevalência de doenças sistêmicas que 
afetam os olhos (por exemplo, diabetes mellitus) também continua a aumentar, mais e mais pessoas 
terão condições potenciais de ficarem cegas, seja em função da DMRI (Degeneração Macular Rela-
cionada à Idade), da retinopatia diabética ou do glaucoma, doenças oculares crônicas que requerem 
cuidados de longa duração e representam custos tanto na adesão ao tratamento, quanto em sua 
manutenção.
 PROgRAMA vIsÃO 2020: O DIReITO à vIsÃO
Em 1999, por uma iniciativa conjunta da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Agência In-
ternacional para a Prevenção da Cegueira (IAPB), foi lançado o Programa, que tem por finalidade 
reduzir a cegueira evitável em todo o mundo até o ano de 2020. Ele foi desenvolvido não apenas 
porque dois terços dos casos de cegueira são evitáveis, mas também porque existiam medidas 
economicamente viáveis que poderiam ser implementadas em países em desenvolvimento para 
oferecer melhores condições de saúde ocular às populações menos favorecidas, como a cirurgia 
de catarata, a distribuição de vitamina A e a imunização contra o sarampo. 
O Programa Visão 2020 conta com a participação de entidades internacionais, instituições de 
atenção oftalmológica, organizações não governamentais (ONGs) e corporações. 
as Condições de
saúde oCular 
no Brasil - 2012
22
Durante a 61ª Assembleia Mundial de Saúde, realizada em 2008, os Estados-Membros estabe-
leceram um plano de ação para a prevenção da cegueira evitável e deficiência visual. O plano, 
aprovado em 2009, define cinco objetivos, que deverão ser alcançados durante o período 2009 
a 2013. Eles foram determinados a partir de experiências internacionais e trabalhos realizados 
sobre prevenção da cegueira evitável nas últimas décadas. A fim de intensificar e coordenar as 
atividades existentes, especialmente em países de baixa e média renda, o plano busca:
• Aumentar o compromisso político e financeiro para eliminar a cegueira evitável;
• Facilitar a preparação de normas e diretrizes baseadas em evidências e a utilização dos 
 projetos e programas já existentes, para reduzir custos e obter resultados mais efetivos;
• Analisar a experiência internacional e compartilhar lições aprendidas e melhores práticas na 
 implementação de políticas, planos e programas para a prevenção da cegueira e da 
 deficiência visual;
• Reforçar as parcerias, colaboração e coordenação entre as partes envolvidas na prevenção 
 da cegueira evitável; e
• Coletar, analisar e divulgar informações sistematicamente sobre as tendências e os progressos 
 realizados na prevenção da cegueira evitável a nível global, regional e nacional.
O plano centra-se sobre as principais causas evitáveis de cegueira e deficiência visual, conforme 
definido no projeto da 11ª revisão do CID – Classificação International de Doenças. O plano não 
trata de categorias mais leves de deficiência visual ou condições para as quais não exista ainda 
tratamento disponível; mas esses casos vão exigir medidas adequadas de reabilitação que per-
mitam às pessoas com deficiência conquistar e conservar o máximo de independência, plena 
inclusão e participação em todos os aspectos da vida.
OMS: plano de ação para a prevenção de causas 
de deficiência visual e cegueira 
Número de pessoas (em 1000) com deficiência visual por milhão 
de habitantes por região (OMS) e país, 2010
Fonte: www.who.org em 02/01/12
Cegueira e a
Baixa Visão
23
estima-se que há 1,4 milhão de crianças cegas no mundo, das quais, segundo o Plano de Ação do Programa Visão 2020 para 2006/2011, um milhão vivem na Ásia e 300.00 na África. A prevalência varia de 0.3/1000 crianças de 0-15 anos em países desenvolvidos para 1.5/1.000 crianças em países muito pobres. Embora o número de crianças cegas 
seja relativamente baixo, elas têm uma longa expectativa de vida. Se multiplicarmos o número de 
crianças pela sua expectativa de vida, chegaremos a uma estimativa de 75 milhões de anos-cego, 
um número menor apenas do que o número de anos-cego da catarata em idosos.
O mesmo relatório mostrou que 500.000 crianças ficam cegas por ano (quase uma por minuto).
Muitas morrem na infância por causa do problema que levou à cegueira (sarampo, meningite, 
rubéola, doenças genéticas, lesões neurológicas ou prematuridade). A maioria das crianças cegas 
ou nascem cegas ou ficam cegas em seu primeiro ano de vida. Devido a diferenças demográfi-
cas, o número de crianças que são cegas por 10 milhões de habitantes varia de cerca de 600 em 
países desenvolvidos para cerca de 6.000 em países muito pobres. Cerca de 40% das causas de 
cegueira infantil são evitáveis ou tratáveis.
As causas de cegueira na infância variam, mas as principais causas evitáveis são:
• Cicatrizes corneanas (notadamente na África e nos países mais pobres da Ásia);
• Catarata (independente das condições econômicas);
• Glaucoma (independente das condições econômicas);
• Retinopatia da prematuridade (em países de renda alta e média e em algumas cidades na Ásia);
• Erros de refração (em todos os lugares, mas especialmente no Sudeste da Ásia); e
• Baixa visão, que engloba a deficiência visual e cegueira por causas intratáveis (em todas as
regiões do mundo).
As principais causas de cegueira em crianças mudam com o tempo. Como consequência dos 
programas de sobrevivência infantil (por exemplo, a gestão integrada das doenças da infância), 
cicatrizes corneanas devido ao sarampo e à deficiência de vitamina A, estão em declínio em mui-
tos países em desenvolvimento, enquanto que a proporção devido à catarata está aumentando. 
Retinopatia da prematuridade está emergindo como uma importante causa nos países da Améri-
ca Latina e da Europa Oriental, e provavelmente se tornará uma importante causa de cegueira

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.