A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
36 pág.
TÉCNICAS ANESTESICAS NA ODONTOLOGIA

Você está vendo uma pré-visualização

Pre-visualização do material TÉCNICAS ANESTESICAS NA ODONTOLOGIA - página 1
Pre-visualização do material TÉCNICAS ANESTESICAS NA ODONTOLOGIA - página 2
Pre-visualização do material TÉCNICAS ANESTESICAS NA ODONTOLOGIA - página 3

TÉCNICAS ANESTESICAS NA ODONTOLOGIA

TÉCNICAS ANESTESICAS NA ODONTOLOGIA
ASSUNTOS A SEREM ABORDADOS:
-Técnica Básica de Injeção -Técnica de anestesia maxilar 
- Técnica de anestesia mandibular 
TÉCNICA BÁSICA DE injeção 
Passo1: Usar uma agulha afiada esterilizada
Passo 2: Verificar o fluxo da solução de anestésico local.
Passo 3: Determinar se é necessário ou não aquecer o tubete ou seringa.
TÉCNICA BÁSICA DE injeção
Passo 4: Posicionar o paciente
 Passo 5: Secar o tecido
TÉCNICA BÁSICA DE injeção 
Passo 6: Aplicar antisséptico tópico (opcional).
Passo 7A: Aplicar anestésico tópico
Passo 7B: Comunicar-se com o paciente
TÉCNICA BÁSICA DE injeção 
Passo 8: Estabelecer um apoio firme. Passo9:Deixe o tecido bem esticado.
 
TÉCNICA BÁSICA DE injeção 
Passo 10: Manter a Seringa fora da linha de visão do paciente
Passo 11A: Introduzir a agulha na mucosa
Passo 11B: Observar e comunicar-se com o paciente
TÉCNICA BÁSICA DE injeção 
Passo 12: injetar algumas gotas de anestésico local (opcional). 
Passo 13: Avançar lentamente a agulha em direção ao alvo.
Passo 14: Infiltrar várias gotas de anestésico local antes de tocar o periósteo.
Passo 15: Aspirar.
Passo 16A: infiltrar lentamente a solução de anestésico local.
TÉCNICA BÁSICA DE injeção 
Passo 16B: Comunicar-se com o paciente
Passo 17: Retirar a seringa lentamente
Passo 18: Observar o paciente.
Passo 19: Anotar a injeção na ficha do paciente. 
TÉCNICA REGIONAL DE MAXILA E MANDIBULA
Infiltração local: Pequenas terminações nervosas na área do tratamento odontológico são infiltradas com solução de anestésicos local. A incisão (ou tratamento) é então realizada na mesma área na qual o anestésico local foi depositado.
Bloqueio de campo: A solução de anestésico local é infiltrada próximo dos ramos nervosos terminais maiores, de forma que a área anestesiada será circunscrita para evitar a passagem de impulsos do dente para o sistema nervoso central (SNC).
Bloqueio de nervo: O anestésico local é depositado próximo a um tronco nervoso principal, usualmente distante do local de intervenção operatória.
Técnica de anestesia Maxilar
Injeção Supraperiosteal 
Utilizada para obtenção de anestesia pulpar no dentes superiores. 
Nervos anestesiados: Ramos terminais principais do plexo dentário. 
Área de introdução: altura da prega mucovestibular acima do ápice do dente a ser anestesiado. 
Área-alvo: região apical do dente a ser anestesiado. 
Pontos de referência: prega muco vestibular, Coroa do dente e Contorno da raiz do dente.
BLOQUEIO DO NERVO ALVEOLAR SUPERIOR POSTERIOR 
Nervo anestesiado: nervo alveolar superior posterior e seus ramos
Área de introdução: altura da prega mucovestibular acima do segundo molar superior 
Área-alvo: nervo ASP superioremedial à borda posterior da maxila 
Pontos de referência: prega mucovestibular, tuberosidade da maxila e processo zigomático da maxila
Orientação do bisel: voltada para o osso durante a injeção.
BLOQUEIO DO NERVO ALVEOLAR SUPERIOR MEDIO (ASM)
Nervos anestesiados: Nervo alveolar superior médio e seus ramos. 
Área de introdução: altura da prega mucovestibular acima do segundo pré-molar superior.   
Área-alvo: osso maxilar acima do ápice do segundo pré-molar superior 
Ponto de referência: prega mucovestibular acima do segundo pré-molar superior.
Orientação do bisel: voltado para o osso
BLOQUEIO DO NERVO ALVEOLAR SUPERIOR ANTERIOR (BLOQUEIO DO NERVO infraorbitário)
Nervo anestesiado: Nervo alveolar superior anterior; alveolar superior médio; Nervo infraorbitário. 
Área de introdução: altura da prega mucovestibular diretamente sobre o primeiro pré-molar superior. 
Área-alvo: forame infraorbitário.
Pontos de referência: prega mucovestibular, incisura infraorbitária e forame infraorbitário.
BLOQUEIO DO NERVO PALATINO MAIOR 
Nervos Anestesiados: Palatino maior.
Área de introdução: tecidos moles levemente anteriores ao forame palatino maior. 
Área-alvo: nervo palatino maior (anterior), quando passa anteriormente entre os tecidos moles e o osso do palato duro.
BLOQUEIO DO NERVO NASOPALATINO
Nervos anestesiados: Nervos nasopalatinos bilateralmente.
Área de introdução: mucosa palatina imediatamente lateral à papila incisiva (localizada na linha média atrás dos incisivos centrais); o tecido aqui é mais sensível que o restante da mucosa palatina. 
Área-alvo: forame incisivo, sob a papila incisiva. 
BLOQUEIO DO NERVO ALVEOLAR SUPERIOR MÉDIO ANTERIOR (Asma)
Nervos Anestesiados: Nervo ASA; nervo ASM, quando presente; plexo nervoso dentário sub-neural dos nervos alveolar superior anterior e médio.
Área de introdução: no palato duro, na metade do caminho ao longo de uma linha imaginaria conectando a sutura palatina mediana à margem gengival livre; a linha está́ localizada no ponto de contato entre o primeiro e o segundo pré-molar.
Área-alvo: osso palatino no local da injeção 
ABORDAGEM PALATINA – ALVEOLAR SUPERIOR ANTERIOR 
Nervos anestesiados: Nasopalatino; Ramos anteriores do ASA. 
Área de introdução: imediatamente lateral a papila incisiva no sulco papilar 
Área- alvo: forame nasopalatino.
Pontos de referência: papila nasopalatina.
BLOQUEIO DO NERVO MAXILAR 
• Nervo Anestesiado: Divisão maxilar do nervo trigêmeo.
Área de introdução: altura da prega mucovestibular acima da face distal do segundo molar superior. 
Área-alvo: Nervo maxilar, no ponto onde ele atravessa a fossa pterigopalatina. Superior e medial à área-alvo do bloqueio do nervo ASP.
• Pontos de referência: prega mucovestibular, tuberosidade da maxila e Processo zigomático da maxila
BLOQUEIO DO NERVO ALVEOLAR INFERIOR 
Técnica: recomenda-se o uso de uma agulha longa de calibre 25 para o paciente adulto
Área de introdução: da face medial do ramo mandibular, na interseção de duas linhas: uma horizontal representando a altura da injeção e a outra vertical representando o plano anterior posterior da injeção
Área ao nervo: alveolar inferior, no ponto em que desce em direção ao forame mandibular, mas antes de entrar no forame.
Ponto de referência: Incisura coronoide, Rafe pterigomandibular e Plano oclusal dos dentes posteriores inferiores.
Orientações do bisel: menos importantes que outros bloqueios do nervo, porque agulha se aproxima do nervo alveolar inferior quase um ângulo reto.
BLOQUEIO DO NERVO BUCAL 
Técnica: Recomenda-se o uso de uma agulha de calibre 25. 
Área de introdução: membrana mucosa distal e vestibular até o dente molar mais distal no arco.
Área-Alvo: nervo bucal no ponto que passa sobre a borda anterior do ramo
Pontos de referência: molares inferiores, prega mucovestibular.
Orientações do bisel: voltado para o osso durante a injeção.
BLOQUEIO DO NERVO MANDIBULAR – Tecnica de gow- gates 
Técnica: agulha longa de calibre 25.
Área de introdução: mucosa na face mesial do ramo mandibular, em uma linha que vai na incisura Intertragus até o ângulo da boca, imediatamente distal ao segundo molar superior.
Área-Alvo: face lateral do colo côndilo, abaixo da inserção do músculo pterigóideo lateral.
Pontos de referência: molares inferiores, prega mucovestibular.
Orientações do bisel voltado para o osso durante a injeção.
BLOQUEIO com a boca fechada de vazirani-akinosi 
Técnica: Recomenda-se o uso de uma agulha longa de calibre 25 (embora possa ser preferida uma agulha longa de calibre 27 em pacientes cujo o ramo se alarga lateralmente mais que o habitual)
Área de introdução: tecidos moles sobre a borda medial (lingual) do ramo mandibular diretamente adjacente a tuberosidade da maxila, na altura da junção muco gengival, correspondente ao terJunção mucogengival do te
Pontos de referência: terceiro molar superior, Tuberosidade da maxila e Incisura coronóide no ramo mandibular
Orientação do bisel: deve estar orientado para fora do osso voltado para a linha média.
BLOQUEIO DO NERVO mentoniano
Técnica: recomenda-se o uso de agulha curta de calibre 25 à 27.
Áreas de introdução: