A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
FICHAMENTO - ADMINISTRATIVO

Pré-visualização | Página 1 de 1

DIREITO ADMINISTRATIVO 
 
OAB – PRIMEIRA FASE 
 
ELABORADO POR: MALU CHAVES (@malluchavesoficial) 
 
DATA: 29/01/2021 
 
FICHAMENTO 02 - DIREITO ADMINISTRATIVO 
CONCEITOS 
DIREITO ADMINISTRATIVO: conjunto harmônico de princípios jurídicos que regem os órgãos, os 
agentes e as atividades públicas tendentes a realizar, concreta, direta e imediatamente, os fins 
desejados pelo Estado. Hely Lopes Meirelles. 
Conjunto de normas jurídicas de direito público que disciplina as atividades administrativas 
necessárias à realização dos direitos fundamentais da coletividade (interesse público). 
Dica: interesse público 
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 
Objetivo: satisfazer o interesse público 
Relação vertical 
REGIME JURIDICO-ADMINISTRATIVO 
Há uma relação de desigualdade, de superioridade do interesse publico sobre o privado. Relação 
vertical. 
Supremacia do interesse público sobre o privado 
Indisponibilidade do interesse público. 
ADMINISTRAÇÃO DIRETA (CENTRALIZADA): União, Estados, Municípios, DF. Possuem personalidade 
jurídica. 
 *o Estado presta atividade diretamente por meio dos seus órgãos. 
ADMINISTRAÇÃO INDIRETA (DESCENTRALIZADA): Autarquias, Fundações, Empresas públicas e SEM. 
Possuem personalidade jurídica. 
PARAESTATAIS – TERCEIRO SETOR 
ORGÃO: não possuem personalidade jurídica. São centro de competências criados pelo direito 
público. Competências estabelecidas em lei e que serão efetivamente desempenhadas pelos agentes 
públicos. 
 *Classificação dos órgãos públicos: Posição estatal, Estrutura, Composição 
“os órgãos nada mais significam que círculos de atribuições, os feixes individuais de poderes 
funcionais repartidos no interior da personalidade estatal e expressados através dos agentes neles 
providos”. Celso Antônio Bandeira de Mello. 
Observações: 
1. A UNIÃO, ESTADOS, DF E MUNICIPIOS possuem autonomia. Os territórios integram a União e por 
isso, caso existissem, não teriam autonomia. 
2. Poderes Legislativo e Executivo estão presentes nas três esferas (F/E/M), já o Poder Judiciário 
somente nas esferas F/E. 
PRINCIPIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 
Explícitos: LIMPE (artigo 37 da CF) / Lei 9.784/99 e Lei 8.666/93 
Legalidade: 
Impessoalidade: Hely diz que está ligado a finalidade pública. Celso liga a impessoalidade a isonomia 
(tratar todos com igualdade) Jose Afonso (imputação da prestação do serviço público, o servidor 
público é a própria administração). 
 *vedação da promoção pessoal dos agentes públicos. 
Implícitos: não estão elencados em lei, mas que são assim subentendidos. 
Moralidade: agente público deve ter padrões éticos de probidade, decoro e boa-fé. Não pode ser 
improbo, ou seja, não pode praticar atos de improbidade. 
 *instrumento para combater a imoralidade administrativa é a ação popular, nos moldes do 
artigo 5º, LXXIII, CF. Lei 8429/92. Súmula vinculante n 13 (nepotismo – se o cargo for político não 
caracteriza o nepotismo, mas se for técnico sim). 
Publicidade: artigo 5º, XXXIII, CF e LX, CF - a publicidade é a regra. Exceção: sigilo imprescindível a 
segurança da sociedade e do Estado, defesa da intimidade ou o interesse social. 
Eficiência: inserido através da EC 19/98. 
Outros princípios explícitos na Lei 9784/99: legalidade, moralidade, eficiência, interesse público, 
finalidade, motivação, razoabilidade, proporcionalidade, segurança jurídica, contraditório, ampla 
defesa. 
PRINCIPIOS IMPLICITOS NA CF/88 E EXTERNOS 
Autotutela: sumula 346 do STF - a adm publica pode declarar a nulidade dos seus próprios atos. 
Finalidade: os atos adm. deve ter como objetivo o bem comum e o interesse público 
Motivação: os atos devem ter uma motivação, ou seja, ser justificados 
Razoabilidade e Proporcionalidade: Embora existam na lei 9784/99, na CF é implícito. 
*Razoabilidade bom senso e proibição de excesso. 
*Proporcionalidade: deve ser observado se o ato possui uma adequação, necessidade de sua 
realização. 
Continuidade dos serviços públicos. 
 *artigo 6º, lei 8987/95, parágrafo 3º, incisos I e II 
Segurança Jurídica: implícito na CF. Artigo 2º XII, lei 9784/99 (interpretação da norma administrativa, 
visando atender o fim público. Vedado a retroatividade de nova interpretação. 
ORGÃOS PÚBLICOS 
1. Quanto a posição estatal: independentes, autônomos, superiores e subalternos 
 *independentes: originários da CF, são independentes, não hierarquizados, controle de um 
poder sobre o outro (freios e contrapesos – checks and balances). Ex. MP 
 *Autônomos: cúpula da adm. imediatamente ou diretamente subordinados a chefia dos 
independentes 
 *Superiores: direção, comando e controle. Sujeitos a hierarquia de uma chefia mais elevada. 
Possui capacidade técnica. Ex. coordenadorias, departamentos, divisões 
 *Subalternos: desempenham as funções de execução, seguem as diretrizes dos órgãos 
superiores, reduzido poder decisório. Ex. seção de pessoal, matérias, expediente... 
2. Quanto a estrutura: simples ou unitários (não possui subdivisões), compostos (possui subdivisões) 
3. Quanto a composição: unipessoais (só uma pessoa decide), coletivos ou pluripessoais (decisões 
coletivas) 
SUGESTÃO DE LEITURA 
CF/88 - artigos 37 ao 41, 182,184 E 243 
LEI 9784/99 – ART 17 (COMPETENCIA) E ARTIGO 50 (MOTIVAÇÃO- EXPOSICAO DOS MOTIVOS) E 
ARTIGOS 53, 54 E 55 (ANULAÇÃO, REVOGAÇÃO E CONVALIDAÇÃO DOS ATOS ADMINISTRATIVO). 
ARTIGO 5, INCISOS I, II, III, DA LEI 12016/09 – MS 
LEI 8987/95 (atenção artigos 35, 37 e 38) 
DECRETO 3365/41 (DESAPROPRIAÇÃO) 
 
Bons Estudos! 
Malu Chaves 😊